Pular para o conteúdo principal

Marlene e sua amiga, junto ao portão de sua casa, na antiga Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Comentários

Anônimo disse…
Essas duas jovens estão junto ao portão do antigo cemitério paroquial. O cemitério ficava onde hoje está a Estação Rodoviária da cidade, e este portão ficava exatamente, onde hoje é a rua Dom Inocêncio, esquina com Odilon Pereira. Em frente a este portão existia um espaço (onde hoje está a Credivar e o ponto comercial de nosso colaborador ROGÉRIO VILELA, com uma grande e frondosa mangueira, e logo a seguir a casa paroquial. Segundo documentos dentro do cemitério paroquial havia uma igrejinha. Assim, no mesmo conglomerado, a Casa Paroquial, a pequena igrejinha e ao seu redor o cemitério.
O professor Wanderley Ferreira de Resende diz, p. 27, primeira edição de Carmo da Cachoeira - Origem e Desenvolvimento: "Consta que o primeiro cemitério que existiu aqui era apenas um cercado feito de bambús. Mais tarde fizeram um muro de taipas, substituído depois pelo muro de pedras. O local, o mesmo onde se encontra o cemitério paroquial, ampliado entre 1922 e 1924 pelo então vigário da paróquia, Revmo. Padre Teófilo Saéz, atual vigário de Campos Gerais".(1975)
A irmã do Pe. Teófilo Saéz, morou na CASA NOVA DOS RATES onde existia oratório e localizada um pouco abaixo da Casa Paroquial, na mesma rua Odilon Pereira, esquina com rua Domingos Ribeiro de Rezende. Nesta casa a ainda bem pequena Dionísia, moradora ainda, neste ano de 2008, numa casa próxima, servia a irmã do Pe. Saéz, auxiliando-a em pequenos trabalhos, como acompanhar o cozimento dos alimentos e na padaria existente na casa.
Esta CASA NOVA DOS RATES, e enquanto lá morava a família do Pe. Teófilo Saéz, servia de abrigo aos fiéis que vinham da zona rural e necessitam pernoitar no povoado. Esses relatos vieram através de MARIA PEREIRA - in memorian, zeladora durante toda sua vida da Igreja de Nossa Senhora do Carmo. Ela nos contava, que ouvia de seu pai - um dos que pernoitava na CASA NOVA DOS RATES o seguinte:" nas noites de calor e com grupo de amigos a conversar em frente a casa, olhavam para o início da rua (a noroeste) e viam fumacinha subindo". Comentavam então que eram gases vindos dos corpos ali enterrados e sendo desfeitos pelo tempo. Traziam como justificativa a grande quantidade de madeiras junto do local que serviam para transportar os corpos de seu lugar de origem até o de sepultamento. "Enterrados os corpos, as madeiras que serviram de transporte eram deixadas no próprio local". Neste local hoje, terreno vazio. Rua Domingos Ribeiro de Rezende, "acima da casa de MANOEL ANTONIO RATES ficava o cemitério com sua cerca de bambu, depois muro de pedras" As tábuas ficavam jogadas no pasto do Ambrósio ao lado", conforme palavras do Sr. Geraldo, in memoriam, irmão do Sr. José da Costa Avelar, in memoriam, durante conversa com o projeto partilha. Confirmava: "muitas tábuas eram encontradas no pasto. Todas que serviram para transportar os corpos, aí enterrados". Os "Alves Costa" confirmam o local, e dizem até ter foto deste muro de pedras, que um deles desmanchou para construir a casa, hoje existe na esquina deste ponto. Vasculhamos todas as caixas junto com a família, no entanto,não encontro-se o registro. A Gunti (apelidada por "cigana", e casada nas: "muita coisa foi perdida"). O Projeto Partilha tem em seus arquivos uma foto. É a casa mais singela que se tem nos arquivos. Muito pequena, com seu fogão a lenha e uma porta que, para entrar, é necessário abaixar-se. Fica junto a este local. Tida, in memoriam e parente do Pe. Godinho nos contava que, jovenzinha e junto de outras jovens, às tardes de domingo ia visitar seus amigos que moravam entre a Estação e o muro de pedras. Paravam para ver o Por do Sol, sentadas no muro de pedras. Dona Neusa Chagas, octogenária conta a mesma história. A arqueologia irá um dia confirmar ou desmentir aquilo que algumas mentes registam ou registraram. Histórias que o povo conta. Não podemos desconsiderar este precioso arquivo guardado nas mentes populares. Aí há grande sabedoria, desinteresse, respeito ao seu passado, a sua gente e a sua história. É tudo o que eles tem. É o seu tesouro. Nosso Tesouro.
Anônimo disse…
Ei, gente. Quer ver um portão bem parecido? Veja na casa dos Bressane Santana na praça. Té pensei que fosse lá que estavam as moças. Acho que era padrão na época. Aí está preservado e é onde mora a diretora da escola Pedro Mestre.
Anônimo disse…
De Breve História de Varginha - MG, p. 58, consta o seguinte:
"Em 1950, Lefort considerou, inicialmente, JOAQUIM VITORIANO DE ANDRADE como primeiro morador de Varginha (Livro n. 2 de Batizados de Campanha, p.7 verso). Em 1993, após realizações de novas pesquisas, passou a considerar outro nome: o do português Francisco Xavier da Cruz. A mudança se deve ao fato de Lefort ter encontrado na Carta de Sesmaria dada a Francisco Xavier da Cruz em 5 de julho de 1771, um trecho que diz:
'possuidor de humas terras citas na mesma freguezia na paragem Catanduba ...' (ARQUIVO Público Mineiro. Livro n.172 de Sesmarias Mineiras, p.97 e 97 verso)".
No entanto, o próprio Lefort afirma que Catanduvas ou Catandubas é nome genérico de diversas localidades brasileiras. Apenas esse topônimo seria, portanto, um dado insuficiente para identificá-lo como sendo Varginha.
A afirmativa de Lefort foi questionada por Jorge Fernando Vilela que diz: "FRANCISCO XAVIER DA CRUZ não foi morador de Varginha. A carta de sesmaria corresponde a Lavras, Livro n.172, p.97 e 97 verso". O pesquisador diz que Lefort cometeu equívocos e precipitações que comprometeram o resultado final de seu trabalho e apresenta vários argumentos para justificar seu questionamento. Não cabe discutir todos aqui. Vilela afirma que Francisco Xavier da Cruz viveu próximo a Lavras.

"nas terras que se estendem ao longo dos vales dos ribeirões do Maranhão e Água Limpa. A fazenda de Francisco Xavier era vizinha da 'Fazenda Três Barras' e da 'Fazenda do Maranhão', ambas no município de Lavras, onde existem com o mesmo nome até hoje".
Vilela apresenta as seguintes sesmarias relacionadas com a história de Varginha e seus respectivos proprietários:
Ponciano Ferreyra da Silva, em 7 de julho de 1780, no ribeirão do Tacho, barra do rio verde (ARQUIVO Público Mineiro. SC 206, p. 175),
Antonio Craveiro, em junho de 1782, na paragem do ribeirão do Tacho (ARQUIVO Público Mineiro. SC 234,p.1),
João Ferreira Alves, em 7 de setembro de 1793, na paragem da Pedra Negra ARQUIVO Público Mineiro. SC 256, p.197) e,
José dos Santos Andrade, 27 de junho de 1798, na paragem das cabeceiras do ribeirão do Tacho (ARQUIVO Público Mineiro. SC 285, p. 38)".
Anônimo disse…
Pergunta: Quem, entre os mais próximos da CACHOEIRA DOS RATES, falou sobre a população indígena?
Resposta: José Roberto Sales, em sua obra Breve História de Varginha - MG, p.46 a 53. Aqui, citação de alguns trechos de sua obra:

Nesta obra, a utilização dos termos "indígena" ou "aborígene para se referir ao conjunto da população nativa encontrada pelos descobridores portugueses no Brasil não implica qualquer juízo de valor, atitude pejorativa ou etnocentrismo.
Indígena é a população autóctone de um país ou que neste se estabeleceu anteriormente a um processo colonizador ou, mais precisamente, a população que habitava as Américas em período anterior à sua colonização por europeus. Por extensão, informalmente, pode-se usar o termo para se referir àquilo que é originário do país, região ou localidade em que se encontra. Esse uso encontra-se de acordo com a etimologia da palavras: do latim indígena,ae: indígena é o natural do lugar em que vive, gerado dentro da terra que lhe é própria (DICIONÁRIO HOUAISS, 2001, p.1605). Durante o século XIX, a palavra 'indígena' foi utilizada por Silva como sinônimo de brasileiro. Ao falar das árvores do Brasil, distinguia esse autor: 'árvores frutíferas, tanto indígenas como exóticas...' (SILVA, 1878/1997, p. 57). Desta forma, o exótico (estrangeiro) é contraposto ao indígena (brasileiro, nacional).
O termo 'aborígene' possui o mesmo significado: cada um dos povos autóctones que ocupavam regiões mais tarde denominadas por europeus (DICIONÁRIO HOUAISS, 2001, p.23).
Para a etnologia, índio é o indivíduo originário de um grupo indígena e é por este reconhecido como membro. De acordo com Antenor Nascente, a etimologia se liga ao topônimo Índia:

A denominação provém de um equívoco de [Cristóvão] Colombo, que, ao tocar a ilha de Guana(h)ni, pensou ter chegado às Índias,... apesar de se ter desfeito de seu engano, o nome ficou e foi preservado até hoje para designar os nativos do novo mundo (Nascentes apud DICIONÁRIO HOUAISS, 2001, p. 1605-1606).
A partir do descobrimento das Américas no século XV, os vocábulos latinos com o radical ind-(Índo/Índus, índio, indiano, índico, etc .) passam a designar nas línguas européias o novo continente e os naturais das terras americanas, as chamadas Índias Ocidentais. Como adjetivo e gentílico usado para os nativos da América, índio ocorre no idioma português entre os séculos XVII e XVIII, precedido por indígena (século XVI) e por gentio (século XIII?). As formas históricas são: indio (sem acento agudo no primeiro "i"): natural ou habitante da Índia (século XIV) e índio: o indígena das Américas (século XVII) (DICIONÁRIO HOUAISS, 2001, p. 1606).
Pode-se também usar o termo 'ameríndio': denominação dada ao índio americano, para distinguí-lo do asiático. A etimologia vem do inglês: Amerindian, contração de American Indian - 'índio americano'. Na linguística, o termo é usado para se referir a qualquer uma das línguas indígenas nativas do continente americano, que são classificadas em grandes grupos denominados filos. A palavra ingressou no idioma português em 1921. São sinônimos de ameríndio: ameraba, amerígena e ameríncola (DICIONÁRIO HOUAISS, 2001, p. 188).
O primeiro nome de Varginha foi Catandubas ou Catanduvas. Mesmo aí já se faz notar a influência do idioma tupi. A etimologia da palavra é 'kaatang tiwa', mato espinhoso e rasteiro, comum em terreno argiloso e pouco fértil. De acordo com o Vocabulário dos Termos Tupis de ' O Selvagem' de Couto de Magalhães (MAURO, 1957), o vocábulo caá quer dizer mato ou folha, sendo prefixo de vários outros cujo significado se refere a mato: caápé = no mato; cápira= limpador de mato; caapõm - capão = mato, e caatinga - catinga= mato, mato branco? Para muitos estudiosos a palavra 'caipira' usada para se referir àqueles que vive no campo ou na roça teria, portanto, origem no idioma tupi, origem essa controversa de acordo com o Dicionário Houaiss (2001).
O naturalista Pio Corrêa (1974, p. 496) afirma que o Pinheiro-do Paraná (araucaria angustifolia), é planta espontânea no Estado de Minas Gerais, 'não sendo desprezível a hipótese de que sua principal zona de dispersão situa-se no Estado de Minas Gerais, de onde partiu para o Sul levada pela bacia dos rios Grande e Paraná'. A partir dessa afirmativa, pode-se levantar a hipótese de que o matagal rasteiro e espinhento, referido pelos antigos, seria formado por árvores em crescimento da araucaria angustifolia (SALES, 2002 e 2003."
"O povoado das Catandubas ou Catanduvas, que viria a ser chamado de Varginha, começo a formar-se ainda no final do século XVIII, depois que a população indígena que habitava a região, principalmente os Catágua, palavra que significa 'gente boa', foram dizimados ou expulsos pelos bandeirantes. Por isso, dentre os diversos índios mineiros esse grupo foi o menos estudado, não podendo contar com as minuciosas descrições dos cientistas viajantes (PAULA, 1967 e 1989). Os portugueses chamavam os índios de gentios, isto é, pagãos, hereges, porque não professavam a fé católica. Pelo menos durante os cem primeiros anos da colonização portuguesa, os índios também eram designados por brasis. Essa palavra encontra-se na Carta do Padre Geral, 1/6/1550, escrita pelo padre José de Anchieta (ANCHIETA, 2006".
"\pesquisa arqueológica desenvolvida na Fazenda das Posses, no município de Varginha, revelou uma urna funerária inteira, em forma de pêra, com tampa, 75 cm de altura e 45 cm de diâmetro na boca. Segundo relatos dignos de crédito (de acordo com Paula, 1967), havia ossos em seu interior. Esse tipo de urna é denominada 'igaçaba' (do tupi:iga saba). O peíodo provavel da fabricação dessas igaçabas é o colonial. Esse material arqueológico foi devidamente fotografado, juntamente com abundante número de fragmentos cerâmicos (PAULA, 1967)".
"Na Fazenda dos Tachos foi encontrado um vaso inteiro, globóide, com 27 cm de altura. Na região de Varginha, a qual inclui os municípios de CARMO DA CACHOEIRA e Elói Mendes, seus antigos distritos, são frequentes os socadores de pilão feitos de pedra, pedra polida ou moleta, machados e soquetes de pedra polida. Isso indica que deve ter sido intenso o uso de alimentação vegetal. De acordo com anotação manuscrita de Paula, em 1968, nas imediações do Automóvel Clube de Varginha no bairro Jardim Andere, foram encontrados fragmentos de urnas funerárias fabricadas por esses indígenas. Pelos motivos expostos, Paula, pesquisador da história indígena de Varginha, considera o Catágua o nosso 'indígena histórico' (PAULA, 1967 e 1989). Ela também afirma se provável que a cultura indígena, estivesse em fase sedentária ou semi-sedentária, na época de sua destruição pelo colonizador branco.
O início do povoamento feito pelo homem branco marca a ruptura com a civilização indígena que ocupava a terra sul-mineira antes mesmo do descobrimento do Brasil em 1500 até o final do século XVII. Esse povoamento tem início com as Entradas e Bandeiras, fatos marcantes da história do período colonial (século XVI a XVIII) que contribuíram para alargar o território brasileiro e povoá-lo, além de descobrir riquezas minerais (pedras e metais)".
Anônimo disse…
Um pedido a TS Bovaris: daria para alterar o título da chamada para "Marlene e sua amiga, junto ao portão de sua casa"? Jorge Fernando Vilela fez o reconhecimento e nos informou. Conversei com a pessoa que passou a foto para o projeto partilha, e ela disse que o que sabia era o que havia informado, mas que não tinha certeza. Assim, confirma-se a informação de nosso colaborador de todas as horas, Jorge Fernando Vilela.
O texto deverá permanecer. Solicito, por favor, adequá-lo. Gratidão.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom