Pular para o conteúdo principal

A chegada da procissão na praça do Carmo.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Comentários

Anônimo disse…
DIGA-ME COM QUEM ANDAS E DIRTI-EI QUEM ÉS. O Projeto Partilha apresenta o professor WANDERLEY FERREIRA DE RESENDE (que brevemente fará parte da WIPIDEDIA), através de seu grande amigo, Otávio J. Alvarenga. Na apresentação, uma das correspondências trocada entre eles. CARTA ABERTA AO SR. WANDERLEY FERREIRA DE RESENDE.

Meu caro Wanderley.

SALVE.

Li e reli a sua substanciosa carta que a sua generosidade houve por bem dirigir-me. Nela constatei a mais verdadeira verdade. Realmente, sou um espírito imbuído de atroz pessimismo. Sou pessimista na verdadeira acepção do termo. Aliás, sempre fui. Herdei a melancolia atávica e oriunda dos três fatores éticos que formaram a alma sentida da minha raça. Educado à luz das doutrinas de Schopenhauer, compreendendo que o mundo é um Jordão imenso de lágrimas, onde nós, quais incertas naus, velejamos sem leme, eu contemplo tudo pelo prisma do excelso filósofo de "Dores do Mundo". Eis porque eu sinto a gândica Dor universal nas catedrais recônditas do meu Eu! Se eu, às suaves e passageiras emanações do lago azul do Sonho, cantei o encantamento e os quiméricos deslumbramentos do mundo ideal, foi para pagar um tributo à minha rude lira de humilde sonhador. Em regra geral, o sonhador, no dealbar da Vida, crendo que as efêmeras delícias das rosas redolentes de um tálamo nupcial, duram muito. E sonha com uma Canaã prometedora de felicidade inefável. Assim, pensando que a vida era uma eterna Primavera, um sonho eterno e róseo, como os rosais floridos, dormi para sonhar com os lábios cheios de promessa de uma mulher. Porém, quando acordei, vi que a Vida é uma formidanda quimera enganosa! Uma ilusória miragem do deserto! E nós somos os míseros beduínos, que, em vão procuram o frescor da linfa marulhante de um oásis! Com Álvares de Azevedo, corri e voei atrás do Ideal, mas não o alcancei. Convenci-me, desarte de que o mundo ideal é uma utopia dos deuses.
Quantas vezes, meu culto amigo, a mocidade, plena de ilusões, haure a ambrósia passageira da taça esmeraldina de Hebe, não se lembrando de que, no fundo dessa taça, contém o fel dos desenganos.
Infelizmente, a juventude contemporânea, demasiadamente útil, vaidosa e sem sentimento, não pensa, entretanto, assim! Nós, os desiludidos e crentes no duro e verdadeiro apotegma, "memento, homo", bradado pelo Eterno, com o espanto daqueles milhões de fantasmas da "Divina Comédia", de Dante, espreitamos o galopar deste século dos loucos cilícios da carne, do Epidauro das vaidades vestidas de damasco. Do grosseiro materialismo que zarpa as energias másculas da Vida universal!
Portanto, como disse alguém, transformemos mesmo a nossa pena em puxante para cortar os casos dos asnos humanos, que, conquanto vestidos de vaidades e jactância, só sabem ornejar e escoucear. Chicoteemos os dândis reles, para quem o sentimento é um mito e a casa das hetairas devassas - permita-me a hipérbole - a consagração de um apostolado de prazeres impúdicos.
Vejamos o que disse a jovem e culta Áurea de oliveira Neta, quando fazia a apreciação do meu livro "ARQUIPÉLOGO DOS SONHOS". Além de profundas considerações e palavras encomiásticas, disse: "Neste século de depravação, em que reina o egoísmo, impera a vaidade, domina o orgulho; neste século, repito, em que irmãos se maculam com o sangue fratricida, nações se erguem contra nações, em que a mão assassina não só fere o corpo, mas também a alma, o bom é quase sempre encarnecido, de "louco"! Loucos! ... Loucos são, justamente, os que lhe atiram, em face, com um sorriso zombeteiro nos lábios, este epíteto cruel irônico!
O sarcasmo dos homens, porém, não atinge o seu alvo, porque, muito acima das fraquezas da humanidade, paira o espírito sonhador.
O bom escritor é um mentor da humanidade. Tendo o homem forte propensão para o mal, deixa-se influenciar, com inaudita facilidade, pelas leituras que corrompem o coração e, inoculando-lhe o veneno asqueroso do mal, assassinam a alma, atirando o incauto infeliz ao lodaçal horroroso do erro, do vício e até do próprio crime. O homem, que quer alimentar cérebros com a vaidade pérfida e enganadora de um verdugo é um assassino de consciências, ao passo que o bom escritor é um verdadeiro mestre.
Escritores, vós que possuis a imaginação fértil; vós que sois os pioneiros do progresso intelectual e moral, alimentai sequiosos espíritos humanos com as águas salutares e benéficas da Verdade e do Bem. Encaminhai as inteligências para uma nova aurora de ressurreição e de Vida! Inoculai, nos corações, a Caridade! Censurai, com a vossa pena, o vício; aconselhai o mau; dirigi ao arrependido palavras de perdão e conforto; encorajai os que lutam; louvai o bom e dai-lhe perseverança; instrui os cérebros juvenis, moldando-lhes o caráter, para que a geração brasileira de amanhã seja forte, verdadeira e boa, constituindo o orgulho do nosso amado Brasil, terra privilegiada, mãe de grandes heróis e famosas intelectualidades".
Agora, meu preclaro colega, sejamos mesmo da escola da Dor. Esta é a maior força redentora e criadora. A teriaga dos que se abrigam sob o pálio da Fé. Os gênios e os grandes Iniciados da Humanidade viveram enclausurados no Getsemani dessa companheira do Ghandi da Índia dos antigos vedas. Grande verdade nos deparam os versinhos de Francisco Otaviano. Quem passou pela vida e não sofreu, não viveu. Acreditava eu no que disse a fina poetisa uruguaia, em sua lira alva e suave:

"Ama ... Sueña,
nada mas dulce que sueñar y amar!"

Hoje, porém, descreio das efêmeras magias do sonho e do amor profano.
Assim, meu caro WANDERLEY, eu também te concito: dinamitemos a pirâmide do mefítico orgulho e da tola vaidade humana. Mostremos aos vaidosos, estultos e convencidos de serem os sabiás da Vida o nada das coisas "vanitas vanitatum et omnia vanitas". Indiferentes à poeira dos zoilos despeitados, sigamos em nossa sublime Cruzada.
Quem sobe ao Capitólio, disse o altíssimo Castro Alves, vai precedido de pó! ...
Um forte amplexo do confrade e irmão espiritual,
OTÁVIO J. ALVARENGA.
Coqueiral, 3 de outubro de 1933.
Anônimo disse…
Livro de batizados. Capela do Espítito Santo, filial da matriz de Sant´Ana de Lavras. Em 21/03/1804 batiza-se Francisca de Paula Anunciação, filha legítma de João da Costa e Anna Francisca. Testemunhas: José de Morais e Francisca Moreira.

Em 8/11/1805. Local, Sant´Ana das Lavras do Funil. Livro 2, fls.10 verso referência a (dificil leitura) José da Costa ou João da Costa) e Francisca de Paula. Testemunha, dona Thereza Vitória de Jesus Nunciacam.
Anônimo disse…
Manoel Pinto Teixeira, casado com Corina Martins da Silva, em 13/09/1926, na FAZENDA DAS TRÊS BARRAS, no districto do Carmo da Cachoeira, comarca de Varginha, Estado de Minas Gerais, residentes no mesmo districto, são legítimos possuidores de um terreno sito na FAZENDA DAS TRÊS BARRAS, no districto com área de 48 alqueires dividindo da seguinte maneira: começando no ribeirão das Três Barras, em divisa com Horácio Alves Teixeira, e por este abaixo em divisas com o mesmo, até o lugar chamado divisa; pelo mesmo abaixo, em divisas com herdeiros de José Balbino dos Reis, até encontrar um córrego; movendo-se a direita pelo córrego acima em divisa com os mesmos até encontrar outro córrego, e por este acima em divisas com João Baptista Santiago, até encontrar uma cerca de arame (...) em divisa com Gabriel Justiniano dos Reis; até nova cerca de arame (...) até encontrar o córrego das TRÊS BARRAS em divisa com Horácio Alves Teixeira. Terras adquiridas por herança de seu finado pae e sogro DOMINGOS ALVES TEIXEIRA. Assinam a rogo Adolpho Rangel dos Reis.

Postagens mais visitadas deste blog

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz