Pular para o conteúdo principal

Compadrio liga o Sítio Cachoeira a Fazenda Congonhal.


Joaquina Maria da Costa e Maria da Silva Pereira, mulher de Francisco de Oliveira Galante são comadres.
Através dos dados oferecidos por Ari Florenzano, o professor Wanderley Ferreira de Rezende transcreve em sua obra alguns registros que marcaram as primeiras presenças em Carmo da Cachoeira – MG. Cita em 27 de janeiro de 1770 o batizado de Caetana, filha de Cipriana e neta de Manoel Antônio Rates e Maria da Costa Morais. Em junho do ano seguinte, o batizado de Manoel, filho natural de Joaquina, solteira, filha de Manoel Antônio Rattes e sua mulher, moradores do Sítio da Cachoeira. Os padrinhos de Manoel foram, Manoel Pereira de Carvalho e Maria da Silva Pereira, mulher de Francisco de Oliveira Galante. Neste último ato deu-se o compadrio entre Joaquina e Maria. Recorremo-nos da obra do genealogista Roberto Vasconcelos Martins para saber um pouco sobre a família de dona Maria da Silva Pereira. A resposta veio pelo estudo da árvore de Costado de Miguel da Silva Teixeira. Lá encontramos a família na Fazenda Congonhal, hoje São João Nepomuceno – MG. Buscamos também referências no inventário de Domingos Reis e Silva, arquivado no Museu Regional de São João del Rei, caixa 361, datado de 17/05/1785 e que teve como inventariante a viúva, Andressa Dias de Carvalho, que informa ter sido o falecimento de Domingos em 28/11/1783. Estão relacionados 13 filhos e 26 escravos. Neste estudo nos interessa os dados contidos às fls. 09 verso, sob o Título Bens de Raiz. A inventariante se refere a “esta fazenda” como sendo a Paragem do Pouso Real, na Aplicação da Capela de Nossa Senhora da Piedade da Vila de São João del Rei, como item 1. O item 2 constitue-se do seguinte: “Declarou ela dita inventariante haver outra fazenda composta de vários campos de matas virgens e capoeiras e sem casas de vivenda sita na Freguesia de Santa Ana de Lavras do Funil que parte de uma banda com a fazenda do Alferes José Joaquim Gomes Branquinho e de outra com Manoel Gonçalves Chaves, com a fazenda de viúva e herdeiros de Simão da Silva Teixeira e com Antônio Furtado e de outra com Manoel Antônio Rates e Manoel Ferreira Guimarães que foi vista e avaliada pelos ditos avaliadores na quantia de um conto e duzentos mil réis”. Consultamos também a genealogia da Família Reis, de autoria de José Ovídio Reis, nascido em 1917. Refere-se ele, à p. 24 de sua obra a Fazenda Couro do Cervo como sendo o berço dos descendentes do patriarca Domingos dos Reis e Silva, “localizada próxima à antiga estação da Ferrovia – Rede Mineira de Viação, Município de Carmo da Cachoeira – MG, a poucos quilômetros desta cidade. Nesta região, Domingos dos Reis ganhou uma sesmaria medindo meia légua em quadra, conforme cópia da carta de Sesmaria datada de 20 de novembro de 1776”. A p. 11 da 1ª edição da obra do professor Wanderley Ferreira de Rezende lê-se: “O Capitão Manoel dos Reis e Silva foi proprietário da Fazenda do Retiro, nome primitivo da Fazenda Couro do Cervo”. Na obra Carmo da Cachoeira origem e desenvolvimento 1ª edição, às fl. 9 está registrado o seguinte: Nem todas as povoações começam pela Capela, conforme diz Pedro Calmon e “quanto à origem de Carmo da Cachoeira, por exemplo, há várias idéias, nem todas muito de acordo com a tradição”. Após estes levantamentos iniciais ora apresentados pelo Projeto Partilha poder-se-a aprofundar estudos através de alguns nomes e famílias aqui citados. Os “Gomes Nascimento”, através de João Gomes Nascimento cuja família se entrelaçou com os “Gomes Branquinhos”, através de José Gomes Branquinho e sua mulher Ângela Ribeiro de Moraes, pais de José Joaquim Gomes Branquinho, da Fazenda Boa Vista. Conforme vimos no inventário de Domingos Reis e Silva um de seus confrontantes foi o sertanista mineiro Simão da Silva Teixeira, “com a fazenda de viúva e herdeiros de Simão da Silva Teixeira”. Essa referência diz respeito a noroeste da Sesmaria de Domingos, é a Fazenda Congonhal. Lá, e descendente desta família através de Miguel da Silva Teixeira, a comadre de dona Joaquina, filha de Manoel Antônio Rates. Além de comadre eram vizinhas.

Comentários

Anônimo disse…
Vamos ouvir de o que nos tem a contar o Dr. Ricardo Gumbleton Daunt sobre a "Fazenda Congonhal". "Dotado de grande vigor físico e de singular tenacidade para o trabalho, Diogo Garcia conseguiu acumular haveres que o habilitaram a tornar-se dono de terras férteis, mais tarde acrescidas de novas glebas, que formavam a fazenda Rio Grande e cujos milhares de alqueires atingiam a margem do rio de igual nome. A este digno varão muito bem se ajusta o conceito que, sobre o paulista, formava o Morgado de Mateus, governador de São Paulo, de 1755 a 1765: ("o seu coração é alto, grande e animoso, o seu juízo grosseiro e mal limado, mas de um metal muito fino; são robustos, fortes e sadios, e capazes de sofrer os mais intoleráveis trabalhos").
A sede do latifúndio do Rio Grande, que servia de grande pastoreio ao gado vacum, localiza-se hoje no povoado chamado CONGONHAL, distrito de NEPOMUCENO. Doente com "uma grande enfermidade", redige as disposições de sua última vontade na "fazenda do Rio Grande, onde é morador, aos 23 de março de 1762".
Diogo Garcia, casado com Julia Maria da Caridade era irmão de João Garcia Pinheiro (Cf. p. 26, em Jurisdição dos Capitães).
Segundo, Dr. Ricardo em sua obra, "O Capitão Diogo Garcia da Cruz", p.2, estudando o 14 filho de Diogo e Júlia, Mateus Luiz Garcia: "Das notas do seu casamento com FRANCISCA MARIA DE JESUS, filha legítima de JOSÉ MARTINS BORRALHO e TEODORA BARBOSA LIMA, realizado na Igreja Paroquial do arraial de Aiuruoca em 11 de julho de 1764, apenas consta, omitida a data, que foi batizado na Freguezia da Conceição de Carrancas, pertencente a São João d´El Rei.
Com trabalho persistente e honrado, formou a FAZENDA DO CONGONHAL, obtida por sesmaria, à margem do rio Grande, no antigo distrito de São João Nepomuceno, hoje simplesmente Nepomuceno, que pertencia a Lavras e de cujo povoado foi um dos fundadores.
Florenzano diz que o Capitão Mateus foi o primeiro a procurar e localizar-se naquelas paragens, então cobertas de florestas virgens e bafejadas por clima excelente, de solo ubérrimo e ótimas aguadas.
Morando, anteriormente, na Vila de Aiuruoca, onde se casou, permanece ignorada a data certa em que se mudou deste lugar para a região que seria, mais tarde, São João Nepomuceno, que foi elevada a categoria de vila em 1 de abril de 1841. Entretanto, sabe-se que o primeiro batizado dali realizado, diante de um altar portátil, foi no ano de 1783 e que o primeiro casamento celebrado data de 15 de julho do mesmo ano, sendo nubentes Miguel Teixeira da Silva, filho de Simão da Silva Teixeira e de Catarina Maria de Jesus, e de Maria Antônia dos Santos, filha de Ângela Dias Vidigal".
Anônimo disse…
Dr. Ricardo narra um episódio onde "tomaram parte no feito os capitães-mores Valentim José da Fonseca e Mateus Luiz Garcia". A p. 3 de sua obra expõe um bilhete de Mateus Luiz a seu primo Januário Garcia Leal. Está assim posto: "Primo amigo e Senhor.
É verdade que queremos arrazar as casas da praça, por isso vou rogar-lhe que não se intrometa nisso, quando não ..
Mateus Luiz".
E ficou só naquele "quando não", pois a noite marcada os capitães-mores, acompanhados de seus escravos, compareceram na cidade, armados de foices chuços, picaretas, etc., e arrazaram as casas construídas no largo. Depois, transportaram os destroços para o alto da cidade e ali, em franco desafio, ficaram a espera dos valentes, inclisive JANUÁRIO GARCIA LEAL.
A prudência parece haver aconselhado aceitar o fato sem maiores complicações, pois que o prórpio Januário Garcia, talvez em sinal de mudo e cauteloso protesto, transferiu sua residência para Mato Grosso, onde constituiu família".
Anônimo disse…
Teremos que continuar estudando um pouco mais a obra de Dr. Ricardo. Diz ele, p. 3, "Do inventário de Francisca Maria de Jesus, falecida em 1819 (Segundo Ofício, Lavras), constam os seguintes bens: 25 escravos, objetos de prata, cobre, ferro e terras no valor de Rs. 12:211#000, correspondentes, segundo cálculo de Arí Florenzano, a 600 alqueires.
A meação do viúvo, Capitão Mateus, importava em Rs. 7:217$137 O Capitão Mateus Luiz Garcia sobreviveu à mulher apenas cinco anos, vindo a falecer, aos 2 de outubro de 1824, na Freguezia de São João Nepomuceno. Do seu inventário, processado em 1827 (primeiro Ofício, Lavras, cada filho recebeu a legítima correspondente a Rs. 310$944".

Para complementar dados ver na página, FRANCISCA MARIA DE JESUS - Windows Internet Explorer, em http://br.geocities.com/projetocompartilhar/Icap04franciscamariadejesus.htm

Lembrete: Ao dar busca, ver a dona Francisca, casada com Mateus Luiz, filha de JOSÉ MARTINS BORRALHO E THEODORA BARBOSA DE LIMA. O Casamento se deu no ano de 1771. Observar que valor correspondente a herança de dona Francisca é muito maior daquela de seu marido Mateus Luiz, segundo Dr. Ricardo.
Anônimo disse…
Capitão DIOGO GARCIA DA CRUZ, na fala de Dr. Ricardo Gumbleton Daunt:

"Primogênito do Capitão Mateus Luiz Garcia, nasceu em 1772, uma vez que, nos assentamentos da "Lista dos Cidadãos da Reserva dos Guardas Nacionais", do Curato de São João Nepomuceno, em 9-12-1831, está, em companhia de seus irmãos Francisco Luiz Garcia, José Luiz Garcia, Domingos José Garcia e João Luiz Garcia, registrado com a idade de 59 anos.
Era casado com sua prima Inocência Constança de Figueiredo, filha do Capitão José Alves de Figueiredo, presente e estimado cidadão domiciliado em Dores do Pântano, hoje Boa Esperança, e de Maria Vilela do Espírito Santo, batizada em 4-11-1753, filha do Capitão Domingos Vilela, português, morador na região de Aiuruoca (Minas Gerais), onde foi pessoa de respeito, e de Maria do Espírito Santo, filha de Diogo Garcia e Júlia Maria da Caridade, tronco da numerosa família Vilela.
Pela relação dos "Guardas Nacionais" acima apontada, vemos que o Capitão Diogo Garcia da Cruz, em 1831, morava na ainda hoje existente FAZENDA DO PARAÍZO, na margem do rio Grande, propriedade agrícola pertencente à família GARCIA DE FIGUEIREDO.
Por compra a D. Tomaz de Molina, em 1833 e pela importância de Rs 12:462$000, tornou-se proprietário das terras da "Alegria", no Curato de São Bento do Cajurú, termo da vila de Franca do Imperador, antiga Franca d´El Rei, comarca de Itú, província de São Paulo.
É uma grande área compreendida entre o ribeirão das Areias, os rios Canoas e Pardo e ribeirão da Boiada e a serra da Borda da Mata".
Anônimo disse…
"Delfino de Souza, em 13/01/1858, morador no Distrito do Ingahy que vindo a negócio ao lugar denominado SOBRADINHO e ahi nos (...) apareceo JOSÉ DE TAL, filho de Guerino Ferreira(...). Assina arrogo de Delfino, Antonio Roiz da Silva". Esta comunicação recebida pelo Projeto Partilha levou-o a se recordar da obra "O Poço da Cobra Preta", de autoria do prof. Jaime Corrêa Veiga. 1976. Grasal - Gráfica Santo Antônio Ltda. Três Pontas-MG. Editor, o jornalista Francisco S. Silva. O prof Jaime, irmão de dona Neta(nome dado em homenagem a sua avó, dona ALEXANDRINA VEIGA, mãe de Clara). O prof Jaime nasceu na Fazenda União, em Nepomuceno e foi prof. em Carmo da Cachoeira. Estudioso e conhecedor do lugar onde nasceu e cresceu, o professor conta-nos sobre a compra do SOBRADINHO, pela família ANDRADE JUNQUEIRA, que é também "SOUZA". A referência está na p.36 de sua obra.
A Fazenda Porangaba, a que se refere o conto fica entre os municípios de Três Pontas e Carmo da Cachoeira. É assim que Jaime inicia sua história:
"A presente história remota a meus (parte danificada)anos.
Deu-se em fazenda próxima da de meus pai. A fazenda consta de uns trezentos alqueires de terras boas. Agricultura e pecuária bem manejadas. O proprietário Aurélio Souza, homem forte, mineiro da gema, vivia contente em seu mundo. Sua esposa, Helena Andrade Junqueira de Souza. Hilário Pereira, seu administrador, casado com Sunta Angelo, emigrante, após a guerra de 1914".
Anônimo disse…
O Projeto Partilha agradece a contribuição da família LOPES GUIMARÃES pelos seguintes dados: "Dizem dona Anna Cândida da Costa, Gabriel J. Junqueira, Cândida Bernardina de Andrade, José Martins de Andrade, Cândida Umbelina Branquinho, Marciano José da Costa, Antonia Bernarda Soares, sócios interessados na Fazenda denominada VARGEM DO RIO DO PEIXE do DESTRICTO DA BOA VISTA, em 4/4/1857, que achando-se a dita Fazenda por "indivisa", não ouvindo os suppicantes permanece em (indecifrável) comunhão com os mais sócios da mesma Fazenda que possuem muito menos parte. Requerem MANDAR CITAR os referidos sócios ten. Francisco Ignácio de Souza e sua mulher, Ignácio Lopes Guimarães e sua mulher, todos moradores neste mesmo destricto para a audiência reconciliar. Nomeiam capitão Manoel Ferreira Martins e o alferes Joaquim J. Pereira. Assinam: por mim e arrogo de minha May dona Anna Cândida da Costa o José Martins de Andrade. Cândida Umbelina Branquinho, Gabriel José Junqueira, Cândida Bernardina de Andrade, Marcianno José da Costa e Antonia Bernarda Suares.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

Diácono Romário - Ordenação Presbiterial

 A Diocese de Januária, minha família e eu, Diácono Romário de Souza Lima temos a grata satisfação de convidar você e sua família para participarem da Solene Celebração Eucarística, na qual serei ordenado sacerdote pela imposição das mãos e Oração Consecratória do Exmo. Revmo. Dom José Moreira da Silva, bispo diocesano, para o serviço de Deus e do seu povo. Dia 18 de maio de 2022. às 19h, na Catedral Nossa Senhora das Dores em Januária - MG Primeiras Missas 19 de maio às 19hs na Catedral Nª Srª das Dores 20 de maio às 19hs na  Comunidade Santa Terezinha de Januária 21 de maio às 19hs na Comunidade Divino Espírito Santo em Januária Contatos: (38) 99986-6552 e martimdm1@gmail.com Reflexão: João 21, 15 - Disse Jesus a Pedro: "Apascenta meus Cordeiros" Texto de Gledes  D' Aparecida Reis Geovanini O cordeiro é o filhote da ovelha. É conhecido como dócil, manso, obediente. É o símbolo da obediência e submissão. Apascentar refere-se a alimentar, cuidar, proteger e orientar, fu

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom