Pular para o conteúdo principal

José Fernandes Avelino, fazendeiro, subdelegado, tenente-coronel da Guarda Nacional, perito e juiz de paz.


"Segundo os velhos cachoeirenses o terreno hoje ocupado pela cidade fora doado, uma parte, da rua Antônio Justiniano dos Reis para leste, pelos Rattes e a outra parte pelo tenente coronel da Guarda Nacional, José Fernandes Avelino, fazendeiro, que fez construir e nele residiu, o velho casarão situado na esquina da Praça do Carmo, onde está hoje (1975) a casa do Sr. Júlio Garcia e antes pertencera a sua mãe, D. Felícia Ambrosina Garcia". (Prof. Wanderley Ferreira de Rezende)


Além disso sabemos a respeito de José Avelino:

- Consta que em sua casa havia um pretório;

- em 1842 era casado com dona Maria Clara Umbelina exercia o cargo de juiz de paz;

- João Villela Fialho, participa de uma Audiência de Conciliação entre José Fernandes Avelino e sua mulher Maria Clara Umbelina e José dos Reis e Silva e Mariana Theodora de Figueiredo. "Queixa José Fernandes de que o sr. José Reis tem usado de uma estrada que segue de sua casa, entra no pasto de Joaquim Antônio para chegar a freguesia e que, segundo acordo de Cavalheiro, o sr. José Reis havia dito que dizistia do dito caminho para abrí-lo no seu pasto com a condição porém que os autores não poderião tapar a porteira do mesmo pasto aonde segue para o Ribeirão passando pela tapera de José Pedro (...)". Assinam o termo, o Juiz de Paz em exercício José Celestino Terra; João Villela Fialho; José Fernandes Avelino; Maria Clara Umbelina; José dos Reis e Silva; Marianna Theodora de Figueiredo; Antônio Joaquim Alves e Domingos Gomes da Costa;
- enviuvando-se tem casa-se com Rita Victalina de Souza, filha de Maria Teresa Villela;

- em um documento de Bem Viver, do distrito da Boa Vista, 12 de abril de 1852, consta que José Fernades Avelino "achava autorizado para fazer a dita compra (...) terras da Matta";

- em 30 de março de 1855, o capitão José Esteves de Andrade Botelho, substituto do Juiz Municipal desta Vila de Lavras, acusa no destrito da Boa Vista duas pessoas. A petição "que se acha dispachada pello subdelegado desta destricto Antônio Severiano de Gopouvêa convoca os peritos: Domingos da Costa Ramos e José Fernandes Avelino. (...) "
- em 16 de fevereiro de 1856 está como louvado juntamente com o capitão Antonio Joaquim Alves, no inventário de Geraldo Saturnino de Rezende, que "morador no distrito da Boa Vista deste município de Lavras, sem deixar filhos, instituindo em testamento dois expostos menores de 14 anos como seus herdeiros";
- Recebe o seguinte documento: “Aos dois dias do mez de maio de mil oitocentos e cinqüenta seis (ilegível) quarto da Idependência do Império do Brazil, neste districto da Boa Vista, Freguesia e Termo das Lavras, e Comarca do Rio Verde, em meu cartório compareceu Raphael Rodrigues da Silva com huma carta de liberdade de sua filha por nome Mariana dada por Delfina Maria de Jesus cujo theor é o seguinte – Digo abaxo assinada Delfina Maria de Jesus que sou senhora e proprietária de huma escrava de nome Marianna de idade de dois mezes pouco mais ou menos (ilegível) querendo dar lhe a liberdade (ilegível) ter convencionado com Pay da menina (ilegível) a dita escrava. (...) "feito o Inventário de meu finado marido João da Costa Moraes (a leitura poderá se feita, no entanto com sérias dificuldades).” Por este documento constatamos que o filho João, de Manoel Antônio Rattes era senhor de escravos, assim como José Avelino era negociante de escravos, e também tinha sua escravatura, no entanto, neste caso atuou em nome do Estado;
- em 30 de abril de 1859, lança no rol dos infratores da Subdelegacia deste Distrito: Manoel Rodrigues Barreto;
- no "Destricto do Carmo da Caxoeira em 20 de dezembro de 1859" o subdelegado José Fernandes Avelino manda que se notifique testemunhas: Geronimo da Silva, 31 anos, lavrador e outros;


- em 24 de abril de 1861, o subdelegado vai ao Sobradinho cuidar do depósito dos bens do falecido Joaqui Ferreira Oliveira;
- em Saquarema, 1861, procede ao Auto de Depósido de bens em mãos do tenente Francisco Ignácio de Souza;

- em 1º de abril de 1863, a fazenda Saquarema era a sede da subdelegacia da freguesia do Carmo da Cachoeira, de lá em papel timbrado em alto relevo e marca d'agua em nome da fazenda, e assinado pelo subdelegado, sr. José Fernandes Avelino, vê-se a solicitação dos credores de Manoel Januário Pinheiro, para que sejam apreendidos bens como garantia de pagamento das dívidas;
- em 7 de junho de 1869, a fazenda do Rio do Peixe, informa ao subdelegado que fugido a vinte e seis dias, o escravo chamado Jozé Antônio, foi achado morto;
- em 3 de junho de 1864, é lançado no Livro Fábrica, e assinado por Joaquim Thomaz Vilella e Castro o termo de juramento do sacristão e assinado pelo escrivão Aureliano José Mendes, pelo Vigário Joaquim Antônio de Rezende, por José Fernandes Avelino e pelo sacristão, Joaquim Pedro da Silva;
- em 23 de junho de 1864, na Casa Nova dos Rates, é testemunha do casamento de Joaquim Praxedes da Costa e Rita Cândida de Souza;
- em 1866, ele é procurador em negócio em que aparece como comprador Bento Izau dos Santos e como vendedor Thomá¡s Vilella e Castro;

- em 11 de novembro de 1866, Joaquim Thomaz Vilella e Casto escreve de Lavras para José Avelino: "(...) meu primo, compradre, amigo (...)".

- José Fernandes Avelino, morador em sua fazenda da Saquarema em 27 de setembro de 1867, é testemunha quando José Celestino Terra na qualidade de procurador e zelador da Matriz de Nossa Senhora do Carmo acusa Manoel Vicente de Assis de ter feito uma olaria num cercado no terreno do patrimônio da Matriz desta freguesia, agora de próximo acha-se fazendo um valo por baixo das casas da rua de baixo;

- em 1870, ele é procurador em negócio onde aparece como vendedor Francisco João de Oliveira e como comprador, Domingos Teixeira de Rezende, testemunham: Manoel Ferreria Avelino e João Celestino Terra;
- em 08 de janeiro de 1870, é testemunha na venda da "casa de Gabriel dos Reis e Silva", por Antônio Marinho Teixeira Rabello, imóvel por ele adquirido de Custódio Villela Palmeira;
- no distrito de Carmo da Cachoeira, em 1873, o então tenente-coronel José Avelino consta como beneficiário no inventário de Domingos Marcelino dos Reis;
- 1875 é citado no Livro Fábrica da Paróquia Nossa Senhora do Carmo;

- em 25 de abril de 1878, quando da formação da “Meza Parochial” na Igreja Matriz de Carmo da Cachoeira: juiz de paz em exercício Severino Ribeiro de Rezende, e o juiz de paz mais votado José Fernandes Avelino e o vigário Antônio Joaquim da Fonseca;

- em 6 de março de 1879, escritura de compra e venda onde assina com sua mulher a venda da fazenda Campo Formozo ao coronel Luiz Antonio de Oliveira por seu procurador Pe. Joaquim José de Oliveira Filho; e
- em 04 de janeiro de 1889, sua esposa Rita Vitalina de Souza (Rita Victalina de Souza), filha de Teresa Villela, declara doar à sua escrava Esméria um terreno em Carmo da Cachoeira.

Comentários

Anônimo disse…
Errata. Tipo de erro: Conceitual. "A dita escrava" pertencia a nora de MANOEL ANTONIO RATES. JOÃO DA COSTA MORAES, filho de MANOEL ANTONIO RATES e sua mulher é que eram seus proprietários. O senhor José Fernandes Avelino, uma autoridade local, tomou conhecimento do caso e encaminhou-o visando regularização da solicitação. José Fernandes era negociante de escravos, e também tinha sua escravatura, no entanto, neste caso atuou como profissional.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç

Leonor Rizzi - Biografia

I tu , uma estância turística do Estado de São Paulo , viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova , cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi . E studou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio , sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry ¹ . Aquele local , assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e " filha de Maria ". C asou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha ² , que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra &quo

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “