Pular para o conteúdo principal

Crianças em evento cultural em Minas Gerais.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Grupo de Congada de Oliveira, Minas Gerais em visita a Carmo da Cachoeira.
Foto: Maria do Carmo - Arte: TS Bovaris

Próxima imagem: Os anjos barrocos da ermida da fazenda da Serra.
Imagem anterior: Boletim da Sociedade de São Vicente de Paulo.

Comentários

projeto partilha disse…
Identificando-se como M. L., o autor do texto abaixo inova. Solicitamos a quem possa ter maiores detalhes sobre o texto e/ou a obra em que ele se encontra publicado, por favor, notifique o administrador destas páginas. O que temos é o que se segue:

"Vou lhes contar uma pequena história. Havia, outrora, um lindo Reino, límpido e belo. Nele, naquele tempo, a abundância era para todos. Esse Reino tinha um Coração-Rei que morava e pulsava no interior de uma montanha, a mais alta montanha do Reino. Desse Coração-Rei, se irradiava toda a vida do Reino e Ele se alimentava de beleza, de luz, calor, amor, e de risos cristalinos. Ele também se alimentava, da limpidez dos rios, das noites claras e enluaradas e principalmente da energia emanada dos corações apaixonados pela beleza e pela constante criatividade de todos os habitantes do Reino.
Mas, nesse Reino, aportaram sete cavaleiros vindos de distantes mundos. Os seus nomes eram: Cupidez, Ódio e Cobiça, Medo e Inércia. E o maior e mais forte cavaleiro, chamava-se Inveja. Então eles dominaram os inocentes e imprevidentes habitantes do Reino e onde, outrora, havia verdade instalou-se a mentira e as aparências. Onde havia coragem instalou-se o medo, a culpa, o apego aos sacrifício e à dor. Onde havia criatividade, desejo de evolução, instalou-se a inércia, o autoritarismo, as regras e excesso de intelectualização e pouco coração. Onde havia transparência e cooperatividade de cada um para o crescimento de todo o Reino, instalou-se a cobiça, o poder e a competição. Onde havia amor, instalou-se o ódio. Onde havia respeito, delicadeza e muito prazer instalou-se a cupidez e o embrutecimento das sensações. Onde havia a crença de si mesmo, a fé nos próprios dons e talentos, instalou-se a inveja e a desvalorização de si. A dizimação do Reino era iminente e inevitável. Como os rios não eram mais límpidos, como os raios do sol não mais aqueciam, mas apenas queimavam, como os corações dos súditos não mais eram apaixonados, mas sim odiosos, como os pássaros não mais cantavam, mas eram engaiolados, como o alimento não era mais distribuído entre todos, o Coração-Rei da mais alta montanha do Reino tornou-se fraco e oprimido. Tentou, tentou irradiar mil vezes o Seu amor, a Sua compreensão, mas não tocava os outros corações. Os pássaros, que eram o vôo desse Coração, começaram a morrer, as águas e o ar poluído pela ânsia do ganho egoísta e inconsequente já não mais lhe dava a energia necessária para sobreviver. (...)



Crianças corriam pelos campos sem medo de serem oprimidas. A elas, era dada uma educação que fortalecia seus talentos. E, cada vez mais, o Coração-Rei da montanha se reestabelecia e sonhava mais e mais maravilhas. Os novos seres do Novo Reino aprenderam a se proteger das invasões, já não eram mais tão inocentes. O Novo Reino não mais fabricava armas mas plantava milhares de girassóis, que traziam com eles o sorriso do sol que fazia brilhar a essência e a força de cada ser. O Novo Mundo não tinha medo, tinha coragem! O Novo Mundo não tinha mentira, tinha verdade! O Novo Mundo não tinha inércia, tinha verdade! O Novo Mundo não tinha fronteiras e preconceitos, tinha liberdade! O Novo Mundo não tinha inveja, tinha a descoberta dos potenciais inerentes a cada um!"
projeto partilha disse…
...sendo a demarcação de divizas pelos TÍTULOS VELHOS que passou o tenente JOSÉ FLÁVIO DE MORAES ao finado DOMINGOS JOSÉ PINTO...


(...)sendo os vendedores uns moradores no Districto de Trez Corações e outros neste Districto da Cachoeira do Carmo e os compradores moradores na Freguesia de São João Nepomuceno, uns e outros reconhecidos de mim Escrivão e das testemunhas do que dou fé; pelos outorgantes vendedores foi dito que hoje para sempre vendem aos outorgados compradores uma sorte de terras de culturas e campos e (ilegível) na Fazenda do Congonhal, no lugar denominado Bom Jardim Districto de São João Nepomuceno, Termo da Cidade de Lavras sendo sua demarcação de divisas regulada pelos títulos velhos que passou o tenente José Flávio de Moraes ao finado Domingos José Pinto e como as possui livres e dezembaraçada de qualquer embargo, Penhora ou Hyppotheca vendem como de fato vendido tem aos soditos compradores pelo preço e quantia de desacete contos cento e oitenta e dois mil réis livres de Siza, quantia esta que neste acto lhe foi entregue em moeda corrente perante mim e as testemunhas sendo JOAQUIM PIMENTA NEVES reprezentado por procuração entrando com a quantia de nove contos e quinhentos mil réis FRANCISCO ANASTÁCIO BARBOZA (Barbosa), com a quantia de quatro contos seis centos e oitenta e dois mil réis FIRMINO PIMENTA NEVES com a quantia de trez contos de réis que tendo justo postos a quantia de dizacete contos cento e oitenta e dois mil réis e recebido o preço por elles vendedores disserão, que d´esde já transferem aos compradores todo domínio, direito, acção e posse das ditas terras e lhe davão licença para elles com autoridade de justiça ou sem ella tome posse quando quizer e entretanto que a não tomar se constituem possuidores em nome d´elles. Desse são mais que por suas pessoas e bens se obrigão a fazer esta venda boa e a defender aos compradores quando elles os chamar a autoria. E logo juntos compradores me foi (...). É tudo o que consta como dados do Projeto Partilha. No verso vem anotado de forma manuscrita: fl.05 do livro 18, sem mais dados.
projeto partilha disse…
O nome de Antônio Joaquim da Costa consta de estudo preparado por Gladstone Marck de Pádua Monte Alegre. Rua José Mendes de Carvalho, 294 - apto202. Castelo. Belo Horizonte - MG.
familiaminas@uol.com.br
Assunto: Descendentes de Manoel da Costa Valle.
Em pesquisa realizada por Luís Antonio Villas Bôas no dia 03/ABR/2003 no microfilme 1285469, item 3, livro s/n de casamentos de Lavras (1814-1864 desordenado, faltando anos) onde à folha 84v consta: "Aos 28 de fevereiro de 1829 no Oratório de Antonio de Pádua da Silva Leite na presença das testemunhas o capitão Manoel Luiz Cardozo e Francisco Pereira de Araújo depois de dispensados os impedimentos em segundo grau duplicado, receberão ... Antonio Joaquim da Costa e Dona Francisca de Paula D´Anunciação e Rita Maria filha legítima de Antonio de Pádua da Silva Leite e de Dona Anna Maria de Oliveira, naturais e moradores desta freguesia ...".
Proprietário da Fazenda da Cachoeira, em Lavras, Minas Gerais.
Fonte: Revista do Arquivo Público Mineiro. Ano XVI. 1911, p.149.
projeto partilha disse…
. No ano de 1864 o tenente-coronel JOSÉ FERNANDES AVELINO, como procurador da firma CARDOSO & BANDEIRA (negociante matriculado na Praça do Rio de Janeiro) compra uma casa "dentro o Patrimônio da Matris". Cachoeira do Carmo, Minas Gerais;

. No mesmo, o ten-cor. abona a FRANCISCO DE PAULA VILELLA. Casa de MOURÃO & FILHO (Rio de Janeiro);

. 21-06-1862, Ten. Francisco Ignácio de Souza é o procurador da Capella de São Bento do Campo Bello;

. 23-08-1876 RITA VICTALINA DE SOUZA/Sousa (ou Silva) casa-se com José Fernandes Avelino, nascido em 1808 e falecido em 1878.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…