Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

Oratórios, Capelas e pontos de manifestações de fé em Carmo da Cachoeira.


Os oratórios e as ermidas aparecem relacionados em grande número nos antigos inventários do povo sul-mineiro. É interessante manusear os livros de registro em Lavras, pois os documentos eclesiásticos provam que em dezenas de fazendas de uma mesma região e em datas muito próximas, realizavam-se em seus oratórios e capelas: matrimônios e batizados. Algumas vezes em uma mesma página aparecem citações em ermidas diferentes, desta forma os trinta núcleos pertencentes a Matriz da Senhora de Santa Ana vão desfilando o nomes e os eventos de fé promovidos pelo povo de Deus em todos os recantos de sua freguesia.
As capelas contíguas, quando citadas nos inventários, tem todos os seus paramentos relacionados: cálices, missais, casulas, estolas, toalhas para o altar. Tanto elas quanto os oratórios que aparecem nas casas-sede das grandes fazendas e nas residências dos seus proprietários, representam a tradição religiosa mineira oitocentista. Além do aspecto religioso, estes ambientes sacros, tinham como finalidade decorar os imóveis e ostentar riqueza e poder, pois sua posse era motivo de extremo orgulho, que persiste ainda hoje nas pessoas das famílias mais tradicionais.
A fazenda Taquaral conserva até hoje este antigo e precioso local. Mas tradição religiosa do povo cachoeirense não se restringia apenas a estes ambientes sacros, perdurando até hoje em diversos pontos e manifestações.
O cachoeirense é um povo devoto que não se acanha em mostrar sua religiosidade, coerente com as normas ditadas por sua amada igreja, que institui que é a própria comunidade que deve anunciar a Palavra, irradiando a presença do Deus vivo.

Comentários

Anônimo disse…
A antiquíssima imagem que vemos ao centro está sob guarda de um dos descendentes da FAZENDA DO ITAMARATI.

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.