Oratórios, Capelas e pontos de manifestações de fé em Carmo da Cachoeira.


Os oratórios e as ermidas aparecem relacionados em grande número nos antigos inventários do povo sul-mineiro. É interessante manusear os livros de registro em Lavras, pois os documentos eclesiásticos provam que em dezenas de fazendas de uma mesma região e em datas muito próximas, realizavam-se em seus oratórios e capelas: matrimônios e batizados. Algumas vezes em uma mesma página aparecem citações em ermidas diferentes, desta forma os trinta núcleos pertencentes a Matriz da Senhora de Santa Ana vão desfilando o nomes e os eventos de fé promovidos pelo povo de Deus em todos os recantos de sua freguesia.
As capelas contíguas, quando citadas nos inventários, tem todos os seus paramentos relacionados: cálices, missais, casulas, estolas, toalhas para o altar. Tanto elas quanto os oratórios que aparecem nas casas-sede das grandes fazendas e nas residências dos seus proprietários, representam a tradição religiosa mineira oitocentista. Além do aspecto religioso, estes ambientes sacros, tinham como finalidade decorar os imóveis e ostentar riqueza e poder, pois sua posse era motivo de extremo orgulho, que persiste ainda hoje nas pessoas das famílias mais tradicionais.
A fazenda Taquaral conserva até hoje este antigo e precioso local. Mas tradição religiosa do povo cachoeirense não se restringia apenas a estes ambientes sacros, perdurando até hoje em diversos pontos e manifestações.
O cachoeirense é um povo devoto que não se acanha em mostrar sua religiosidade, coerente com as normas ditadas por sua amada igreja, que institui que é a própria comunidade que deve anunciar a Palavra, irradiando a presença do Deus vivo.

Comentários

projeto partilha disse…
A antiquíssima imagem que vemos ao centro está sob guarda de um dos descendentes da FAZENDA DO ITAMARATI.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.