Correspondência recebida:


de: Projeto Partilha

Bem Viver. Distrito da Boa Vista, 12 de abril de 1852. Peritos: capitão Francisco Gonçalves de Siqueira e o alferes Joaquim José Pereira (...) fazenda do Couro do Servo do districto da Boa Vista, termo da villa de Lavras do Funil e comarca do Rio das Mortes em casa de morada de dona Maria Villela foi vindo o cidadão brasileiro Antônio Severianno de Gouveia, segundo suplente de subdelegado. José Ignácio de Souza escrivão. Testemunhas: João Damaçeno do Rozário e José dos Reis Silva Rezende. Couro do Servo, 15 de abril de 1852. (ilegível) Seraphim José de Oliveira. Cerca de divisão da fazenda da Caxoeira dos Rates. Manoel José Pinheiro, homem branco, casado de idade de 52 annos pouco mais ou menos, nat. da fregueis de Lavras do Funil e morador na freguesia do Espírito Santo da Varginha, onde vive da lavoura. (...) José Fernades Avelino "achava autorizado para fazer a dita compra (...) terras da Matta. Elias Francisco Xavier, homem pardo, cazado de 50 annos nat. da freguesia de Lavras e morador no destricto da Boa Vista. "Compra que Seraphim Jozé de Oliveira havia feito aos herdeiros do finado Jozé de Araujo". Assinam Flávio José Fernandes Lima (assina com dificuldade). "Domingos Jozé Alves, homem pardo, cazado, digo viúvo, de 42 anos, natural da cidade de São João d´El Rei e morador neste destricto da Boa Vista diz que (...)". Conclusão: Pede-se para juntar os documentos de propriedade e termina o livro de n. 20.

de: Raty

Arte, é o que TS Bovaris mostra. E, o que é arte? Essencialmente, fraternidade, amor, comunicação, realização, paz e luz. O número mostrado por TS Bovaris reflete a valorização da arte e a luta na busca, para se chegar o mais próximo possível da verdadeira origem de seu primeiro morador. É uma construção coletiva e aí sua força. Um mais um, não são dois, embora a matemática afirme ser.

de: família Gambógi

Carmo da Cachoeira é fora de série e padrão. O que faria daí um lugar tão especial? Seria a fé que existe nos corações de seus habitantes? Seria a simplicidade de sua sociedade sofrida e não amargurada? Seria a decisão de muitos em não aderir ao consumismo desenfreado e ousados o suficente para, sem medos de críticas, avançar e reconstruir um mundo de mais amor, compreensão, fraterno? Não importa a causa. Vejo a foto mostrando duas raças diametralmente opostas e colocadas lado a lado em plena harmonia. Vi no passado a presença de um de minha família, Speendio Gambógi e sua mulher Maria Gambógi, nos idos anos de 1902. Meu presente é a seguinte informãção e meus votos são de que, o fortalecimento se faça, cada dia com novas adesões. Que o voluntariado não espere os momentos de crise para se manifestar. Itália, País que mostrou a força de seus sindicatos esteve presente aí em seu passado remoto, portanto, o trabalho de voluntariado e os mutirões presentes nos terreiros das grandes fazendas de imigrantes, já mostraram a força desta união. Barão da Boa Esperança em 05/05/1902, "no districto do Carmo da Cachoeira, compareceu o Barão da Boa Esperança, morador na cidade de Três Pontas. Constitui seo bastente procurador, residente em Três Pontas seus filhos, Olympio Pereira de Brito e Francisco Xavier de Brito e Azarias Ferreira de Brito Sobrinho para assinar escriptura de venda que Sperendio Gambógi e sua mulher Maria Gombógi fazem a Olympio Magalhães na cidade de Três Pontas. Testemunhas: José Ferreira de Mesaquita e Bertholino (ilegível).

de: ligadão na história

houve um imigrante italiano muito importante aqui em Nepomuceno que comprou terras aí, no ano de 1903. A escriptura que fizeram Álvaro de Brito, casado com dona Brazilissa Reis Brito, moradores na freguesia do Carmo da Cachoeira, e como comprador Joaquim Theófilo Salgado, residente em São João Nepomuceno de Lavras. Divisa de Antônio Calado da Silva, que possue por compra feita a Luiz Antônio da Silva e sua mulher.

de: família Branquinho

Maria Victória de Carvalho, em 25/07/1890, "nesta fazenda da Lagoinha, residência da outorgada, districto do Carmo da Cachoeira. Filhos e genros Domingos Alves Teixeira, casado com Alexandrina Pinto; Theophilo Ribeiro da Silveira, casado com Felícia Teixeira de Carvalho Silveira. Testemunhas: Domingos José Pinto e João Baptista Dominçiano".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.