Pular para o conteúdo principal

Distritos, fazendas, ermidas e patrimônios.

Para este trabalho, só um olhar singelo sobre cada fazenda e uma busca para encontrar o ponto de religiosidade existente em cada uma. Pensou-se um pouco em sua história e a reconstruímos com imagens através de fotos e ilustrações.

O primeiro documento estudado em relação a limites foi a Carta Patente de Criação da Companhia de Ordenanças de 1811.

Diferentes critérios foram utilizados para agrupar as nossas fazendas. Aqui citamos alguns destes trabalhos: Professor Wanderley F. Resende, Carta Patente de 1811, relatório do juiz de paz Raphael dos Reis e Silva de 1842; Lei de Criação da Paróquia (freguesia) de 1857; Limites do Patrimônio da Paróquia de 1893; Álbum da Varginha, de 1917 e de 1918; Registro no tabelião de Varginha de 1922; além das citações encontradas em documentos e livros dispersos.


I - As citadas pelo Prof. Wanderley são:
- fazenda do Retiro (fazenda Retiro);
- fazenda do Rancho (fazenda Rancho); e
- sítio Cachoeira (da Cachoeira) .


II - Carta Patente, 1811, cria a Companhia de Ordenança de Duas Barras e fixa os limites e nomeia como comandante o capitão João Damasceno Branquinho:

- rio do Peixe;
- Barra do Ribeirão Vermelho;
- fazenda de Francisco Matias da Luz, Matias Alves Negrão e João Ferreira da Silva, Maria da Pena, viúva de José da Costa Morais (Moraes), Domingos Gomes do Monte, Miguel Antônio Rates (Rattes, Ratis) e os herdeiros de Joaquim Pimenta de Abreu;
- João Alves Ferreira;
- Mateus da Costa Manso;
- Manuel de Souza Diniz (Sousa); e
- José Joaquim Gomes Branquinho.


III - Fazendas que compõem o distrito de Carmo da Boa Vista.

“Relação das Fazendas mais antigas do Distrito do Carmo da Boa Vista”, e contidas na relação assinada pelo juiz de paz Raphael dos Reis e Silva, em 1842:

- distrito da Boa Vista;
fazendas que compunham o distrito:
- fazenda Boa Vista;
- fazenda Abelhas;
- fazenda Rancho;
- fazenda Retiro;
- fazenda Campo Limpo;
- fazenda Serrinha;
- fazenda Caxambu (Cachambu);
- fazenda Campo Belo (Campo Bello);
- fazenda Rio do Peixe (do Rio do Peixe ou Peche);
- fazenda Duas Barras (das Duas Barras);
- fazenda Palmital;
fazendas surgidas da subdivisão das anteriores:
- fazenda Taquaral;
- fazenda Chamusca;
- fazenda Brejo;
- fazenda Coqueiros;
- fazenda Lage (Laje);
- fazenda Saquarema;
- fazenda Mata (da Mata);
- fazenda Morro Grande;
- fazenda Bananal;
- fazenda Atalho;
- fazenda Lagoinha;
- fazenda do Retiro;
- fazenda do Rancho;
- sítio da Cachoeira (sítio Cachoeira);
- fazenda Couro do Cervo.


IV - Fazendas citadas pela Lei de Criação da Paróquia pela Lei Provincial 805 de 03 de Julho de 1857, e que apresenta seus limites:

- fazendas de Francisco Garcia – fazenda Paraíso das Três Pontas (Paraízo);
- Carlos Alexandrefazenda do Bom Jardim;
- Mato da Onçafazenda das Posses; e
- serra dos Tachos fazenda dos Tachos (Tacho) .


V - Limites do Patrimônio de Nossa Senhora do Carmo, arquivado no Bispado de Mariana. 1893:

- fazenda Capitinga (Capetinga);
- pasto da “Baroneza” de Lavras (Baronesa);
- terrenos de Gabriel dos Reis Silva;
- pasto do Reverendo Padre Antônio Joaquim da Fonseca;
- casa de Cústodio Villela Palmeira;
- posse de José Marcelino Teixeira Junior;
- terras de João Nestlé;
- valo do pasto de Jeronymo Ferreira Pinto Vieira;
- valo de divisa de Antônio Justiniano dos Reis;
- divisa de Francisco de Assis Reis;
- estrada que vai a São Marcos (Ribeirão);
- divisa dos pastos do (?) Matheos e de Gabriel dos Reis Silva.


VI – Citadas no Álbum da Varginha, de 1917, de Luiz José Álvares Rubião:

- fazenda do Tacho – coronel Emílio Justiniano Rezende Silva;
- fazenda Morro Grande – Antônio Marciano dos Reis;
- fazenda Esperança – coronel José Balbino dos Reis;
- fazenda Bella Vista (Bela Vista) – coronel Joaquim Pinto de Oliveira;
- fazenda Boa Vista – tenente-coronel Joaquim Pinto de Oliveira – plantada à margem do inquieto e ruidoso rio Verde;
- fazenda Itamaraty (Itamarati)– coronel Astolpho de Rezende;
- fazenda do Córrego das Pedras – coronel Domingos Ribeiro de Rezende;
- fazenda do Leme – coronel Domingos Ribeiro de Rezende – localizada à margem do ribeirão da Cava;
- fazenda Bananal – coronel Estevam Ribeiro de Rezende (Estevão), progenitor do coronel Domingos Ribeiro de Rezende;
- fazenda São Domingos do Tacho – Domingos de Paula Teixeira de Carvalho;
- fazenda da Serra – coronel Antônio Justiniano dos Reis;
- fazenda Santa Maria – capitão Estevam Ribeiro de Rezende;
- fazenda Engenho da Serra – capitão Gabriel dos Reis Silva Neto;
-
fazenda Pedra NegraJoão Urbano de Figueiredo Filho;
- fazenda das Capitingas – capitão Gabriel Justiniano dos Reis;
- fazenda das Posses – Antônio de Paiva Júnior;
- fazenda Couro do Cervo – Dr. Octaviano Veiga Lima (Otaviano); e
- fazenda Retiro do Matto (Retiro do Mato) – capitão Antenor Teixeira Reis – é uma parte da antiga e vetusta fazenda Saquarema e fica junto ao córrego Retiro do Mato.


VII – Citados no Álbum da Varginha, de 1918, de Sylvestre Fonseca e João Liberal. Esta obra cita, além das já referidas no trabalho de Rubião, as seguintes propriedades:

- sítio da Serra (fazenda) – capitão Luiz Severo da Costa;
- fazenda Figueira – coronel Antônio Justiniano de Paiva;
- fazenda São José do Curralinho – capitão José Severo da Costa;
- fazenda Cachoeira – capitão Francisco de Paula Reis;
- fazenda CachoeirinhaManoel Procópio Bueno;
- fazenda da Barra da ParmellaJoaquim Procópio Bueno Filho;
- chácara dos Cunhas – Estevan Braga Sobrinho (Estevam ou Estevão) ;
- fazenda do Pinhal – Dr. José Pinto de Oliveira Filho e irmãos;
- fazenda Campestre – coronel Manoel Alves Teixeira e administrada por seu filho Antônio Alves Teixeira;
- fazenda da Cava – coronel Manoel Alves Teixeira;
- fazenda Brejinho – coronel Manoel Alves Teixeira;
- fazenda Lageado – capitão José Bernardes de Rezende;
- fazenda do Tacho – dona Clara Carolina Cardoso de Rezende;
- fazenda do Pouso AlegreIgnocência Figueiredo;
- fazenda de São Marcos – capitão Augusto de Ribeiro Naves.


VIII - Patrimônio. Registro no tabelião de Varginha, Dr. Aguinaldo Braga, 1922.

A) Dez alqueires dentro dos limites seguintes:
- valo e divisas de José Batista de Sant'Anna (Baptista ou Sant'Ana);
- divisas de Álvaro Bernardes;
- dividindo com Estevam Ribeiro de Rezende, Dr. João Octaviano da Veiga, Gabriel Justiniano dos Reis;
- Ribeirão do Carmo;
- dividindo com Dr. João Veiga, Jorge Thomaz da Silva e Inezia Chagas (Inesia);
- divisas de Francisco Guilherme Júnior;
- muro de divisa de Balthazar Corrêa de Barros até o canto da rua do chafariz;
- chácara de Álvaro Dias Pereira de Oliveira;
- herdeiros de Astolpho Rezende;
- estrada da Olaria;
- divisa de Luiz Oliveira Valadão; e
- estrada boiadeira.

B) Dez alqueires, mais ou menos, toda a periferia urbana como patrimônio de São Bento do Campo Bello do distrito do Carmo da Cachoeira, comarca de Varginha.


IX - Outras propriedades citadas nos documentos consultados durante a pesquisa¹:

- fazenda da Serra, encabeçando os Garcias, Figueiredos, Reis e Teixeiras. Foi nesta fazenda que encontramos a primeira denominação para a ermida de Nossa Senhora do Carmo;
- fazenda Maranhão;
- fazenda Ponte Falsa;
- fazenda do Paulista;
- fazenda da Barra de Três Corações,
-
fazenda Pedra Negra;
- fazenda Córrego das Pedras – uma santuário ecológico;
- fazenda Capetinga;
- fazenda da Barra de São Domingos;
- fazenda Bom Sucessoermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso;
- fazenda Couro do Cervo – ermida de Nossa Senhora da Piedade, posteriormente – Igreja Santo Antôniopovoado da Estação;
- fazenda e oratório dos Terras;
- fazenda Taquaral;
- fazenda da Mata;
- fazenda dos Óleos;
- fazenda São Sebastião;
- fazenda Porangaba;
- fazenda dos Ferros; e

- pretórios: de João Villela Fialho (Vilela); da casa do coronel José Fernandes Avelino e posteriormente chamado de Adusio de Souza; do Bar das Almas; o da Igreja do Senhor dos Passos, posteriormente chamado de Antônio Ameriquinho; o da Igreja de Santo Antônio, na Praça Santo Antônio.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Comentários

Anônimo disse…
Quanta história. Quanta mudança... ...
veja a postagem sobre o cavalo Joia da fazenda chamusca atualizado e mais completo
em
http://mangalargamangalarga.blogspot.com/2007/11/descendentes-de-joia-da-chamusca.html

que mundo pequeno eese
Maria Ursula de Andrade reis rehme disse…
A fazenda Morro Grande, foi de um grande amigo de minha familia Geraldo Marciano Reis o "Seu Geraldo do Morro Grande" como era chamado, casado com Dª Alaide. Foi um grande homem, de uma vasta cultura adquirida ali na propria fazenda, um caracter exemplar e um amigo fiel.Ele tinha na sede da fazenda dentro da sua casa uma hermida maravilhosa e missas eram celebradas ali.Maiores detalhes a familia terá que dar.Ele tem 3 filhos que poderam relatar com mais detalhes sobre a hermida.Mas vale a pena pesquisar.
Úrsula.
Anônimo disse…
Parabéns pelo blog! Todo esse patrimônio documental é atrativo turístico! Como, onde o turista que passar por Carmo da Cachoeira pode visualizar e disfrutar de toda essa riqueza cultural? Não localizei endereços para tal no blog e não apenas eu, mas vários amigos, temos interesse em conhecer esse patrimônio documental. E estou certa de que muitos turistas interessados na história e cultura de Minas. A quais circuitos turísticos vocês pertencem? Divulguem os circuitos turísticos aos quais estão inseridos? Vanessa Albuquerque Alvarenga de BH
Fernanda Morais disse…
Olá, estou pesquisando a Fazenda Bananal, minha avó relatou algumas histórias sobre sua passagem por essa fazenda, gostaria de confirmar algumas informações. Por gentileza se puder me enviar um breve relato histórico sobre a fazenda seria de grande ajuda.

Obrigada

Fernanda Morais
TS Bovaris disse…
Fernanda Morais, é importante realmente saber se as histórias contadas pela sua avó são referentes a Fazenda Bananal situada em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, pois é comum este nome no trajeto dos Bandeirantes que buscavam ouro e pedras preciosas.
TS Bovaris disse…
Vanessa Abulquerque Alvarenga, nossa cidade pertence aos circuítos turísticos: Vale Verde e Quedas d'águas. Está surgindo o turismo religioso Nhá Chica e Padre Chico.

Infelizmente Carmo da Cachoeira não possui política de preservação cultural e histórica, exceto este blog no mundo virtual. E os arquivos físicos ficam sob guarda dos pesquisadores particulares e da igreja.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…