Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

Distritos, fazendas, ermidas e patrimônios.

Para este trabalho, só um olhar singelo sobre cada fazenda e uma busca para encontrar o ponto de religiosidade existente em cada uma. Pensou-se um pouco em sua história e a reconstruímos com imagens através de fotos e ilustrações.

O primeiro documento estudado em relação a limites foi a Carta Patente de Criação da Companhia de Ordenanças de 1811.

Diferentes critérios foram utilizados para agrupar as nossas fazendas. Aqui citamos alguns destes trabalhos: Professor Wanderley F. Resende, Carta Patente de 1811, relatório do juiz de paz Raphael dos Reis e Silva de 1842; Lei de Criação da Paróquia (freguesia) de 1857; Limites do Patrimônio da Paróquia de 1893; Álbum da Varginha, de 1917 e de 1918; Registro no tabelião de Varginha de 1922; além das citações encontradas em documentos e livros dispersos.


I - As citadas pelo Prof. Wanderley são:
- fazenda do Retiro (fazenda Retiro);
- fazenda do Rancho (fazenda Rancho); e
- sítio Cachoeira (da Cachoeira) .


II - Carta Patente, 1811, cria a Companhia de Ordenança de Duas Barras e fixa os limites e nomeia como comandante o capitão João Damasceno Branquinho:

- rio do Peixe;
- Barra do Ribeirão Vermelho;
- fazenda de Francisco Matias da Luz, Matias Alves Negrão e João Ferreira da Silva, Maria da Pena, viúva de José da Costa Morais (Moraes), Domingos Gomes do Monte, Miguel Antônio Rates (Rattes, Ratis) e os herdeiros de Joaquim Pimenta de Abreu;
- João Alves Ferreira;
- Mateus da Costa Manso;
- Manuel de Souza Diniz (Sousa); e
- José Joaquim Gomes Branquinho.


III - Fazendas que compõem o distrito de Carmo da Boa Vista.

“Relação das Fazendas mais antigas do Distrito do Carmo da Boa Vista”, e contidas na relação assinada pelo juiz de paz Raphael dos Reis e Silva, em 1842:

- distrito da Boa Vista;
fazendas que compunham o distrito:
- fazenda Boa Vista;
- fazenda Abelhas;
- fazenda Rancho;
- fazenda Retiro;
- fazenda Campo Limpo;
- fazenda Serrinha;
- fazenda Caxambu (Cachambu);
- fazenda Campo Belo (Campo Bello);
- fazenda Rio do Peixe (do Rio do Peixe ou Peche);
- fazenda Duas Barras (das Duas Barras);
- fazenda Palmital;
fazendas surgidas da subdivisão das anteriores:
- fazenda Taquaral;
- fazenda Chamusca;
- fazenda Brejo;
- fazenda Coqueiros;
- fazenda Lage (Laje);
- fazenda Saquarema;
- fazenda Mata (da Mata);
- fazenda Morro Grande;
- fazenda Bananal;
- fazenda Atalho;
- fazenda Lagoinha;
- fazenda do Retiro;
- fazenda do Rancho;
- sítio da Cachoeira (sítio Cachoeira);
- fazenda Couro do Cervo.


IV - Fazendas citadas pela Lei de Criação da Paróquia pela Lei Provincial 805 de 03 de Julho de 1857, e que apresenta seus limites:

- fazendas de Francisco Garcia – fazenda Paraíso das Três Pontas (Paraízo);
- Carlos Alexandrefazenda do Bom Jardim;
- Mato da Onçafazenda das Posses; e
- serra dos Tachos fazenda dos Tachos (Tacho) .


V - Limites do Patrimônio de Nossa Senhora do Carmo, arquivado no Bispado de Mariana. 1893:

- fazenda Capitinga (Capetinga);
- pasto da “Baroneza” de Lavras (Baronesa);
- terrenos de Gabriel dos Reis Silva;
- pasto do Reverendo Padre Antônio Joaquim da Fonseca;
- casa de Cústodio Villela Palmeira;
- posse de José Marcelino Teixeira Junior;
- terras de João Nestlé;
- valo do pasto de Jeronymo Ferreira Pinto Vieira;
- valo de divisa de Antônio Justiniano dos Reis;
- divisa de Francisco de Assis Reis;
- estrada que vai a São Marcos (Ribeirão);
- divisa dos pastos do (?) Matheos e de Gabriel dos Reis Silva.


VI – Citadas no Álbum da Varginha, de 1917, de Luiz José Álvares Rubião:

- fazenda do Tacho – coronel Emílio Justiniano Rezende Silva;
- fazenda Morro Grande – Antônio Marciano dos Reis;
- fazenda Esperança – coronel José Balbino dos Reis;
- fazenda Bella Vista (Bela Vista) – coronel Joaquim Pinto de Oliveira;
- fazenda Boa Vista – tenente-coronel Joaquim Pinto de Oliveira – plantada à margem do inquieto e ruidoso rio Verde;
- fazenda Itamaraty (Itamarati)– coronel Astolpho de Rezende;
- fazenda do Córrego das Pedras – coronel Domingos Ribeiro de Rezende;
- fazenda do Leme – coronel Domingos Ribeiro de Rezende – localizada à margem do ribeirão da Cava;
- fazenda Bananal – coronel Estevam Ribeiro de Rezende (Estevão), progenitor do coronel Domingos Ribeiro de Rezende;
- fazenda São Domingos do Tacho – Domingos de Paula Teixeira de Carvalho;
- fazenda da Serra – coronel Antônio Justiniano dos Reis;
- fazenda Santa Maria – capitão Estevam Ribeiro de Rezende;
- fazenda Engenho da Serra – capitão Gabriel dos Reis Silva Neto;
-
fazenda Pedra NegraJoão Urbano de Figueiredo Filho;
- fazenda das Capitingas – capitão Gabriel Justiniano dos Reis;
- fazenda das Posses – Antônio de Paiva Júnior;
- fazenda Couro do Cervo – Dr. Octaviano Veiga Lima (Otaviano); e
- fazenda Retiro do Matto (Retiro do Mato) – capitão Antenor Teixeira Reis – é uma parte da antiga e vetusta fazenda Saquarema e fica junto ao córrego Retiro do Mato.


VII – Citados no Álbum da Varginha, de 1918, de Sylvestre Fonseca e João Liberal. Esta obra cita, além das já referidas no trabalho de Rubião, as seguintes propriedades:

- sítio da Serra (fazenda) – capitão Luiz Severo da Costa;
- fazenda Figueira – coronel Antônio Justiniano de Paiva;
- fazenda São José do Curralinho – capitão José Severo da Costa;
- fazenda Cachoeira – capitão Francisco de Paula Reis;
- fazenda CachoeirinhaManoel Procópio Bueno;
- fazenda da Barra da ParmellaJoaquim Procópio Bueno Filho;
- chácara dos Cunhas – Estevan Braga Sobrinho (Estevam ou Estevão) ;
- fazenda do Pinhal – Dr. José Pinto de Oliveira Filho e irmãos;
- fazenda Campestre – coronel Manoel Alves Teixeira e administrada por seu filho Antônio Alves Teixeira;
- fazenda da Cava – coronel Manoel Alves Teixeira;
- fazenda Brejinho – coronel Manoel Alves Teixeira;
- fazenda Lageado – capitão José Bernardes de Rezende;
- fazenda do Tacho – dona Clara Carolina Cardoso de Rezende;
- fazenda do Pouso AlegreIgnocência Figueiredo;
- fazenda de São Marcos – capitão Augusto de Ribeiro Naves.


VIII - Patrimônio. Registro no tabelião de Varginha, Dr. Aguinaldo Braga, 1922.

A) Dez alqueires dentro dos limites seguintes:
- valo e divisas de José Batista de Sant'Anna (Baptista ou Sant'Ana);
- divisas de Álvaro Bernardes;
- dividindo com Estevam Ribeiro de Rezende, Dr. João Octaviano da Veiga, Gabriel Justiniano dos Reis;
- Ribeirão do Carmo;
- dividindo com Dr. João Veiga, Jorge Thomaz da Silva e Inezia Chagas (Inesia);
- divisas de Francisco Guilherme Júnior;
- muro de divisa de Balthazar Corrêa de Barros até o canto da rua do chafariz;
- chácara de Álvaro Dias Pereira de Oliveira;
- herdeiros de Astolpho Rezende;
- estrada da Olaria;
- divisa de Luiz Oliveira Valadão; e
- estrada boiadeira.

B) Dez alqueires, mais ou menos, toda a periferia urbana como patrimônio de São Bento do Campo Bello do distrito do Carmo da Cachoeira, comarca de Varginha.


IX - Outras propriedades citadas nos documentos consultados durante a pesquisa¹:

- fazenda da Serra, encabeçando os Garcias, Figueiredos, Reis e Teixeiras. Foi nesta fazenda que encontramos a primeira denominação para a ermida de Nossa Senhora do Carmo;
- fazenda Maranhão;
- fazenda Ponte Falsa;
- fazenda do Paulista;
- fazenda da Barra de Três Corações,
-
fazenda Pedra Negra;
- fazenda Córrego das Pedras – uma santuário ecológico;
- fazenda Capetinga;
- fazenda da Barra de São Domingos;
- fazenda Bom Sucessoermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso;
- fazenda Couro do Cervo – ermida de Nossa Senhora da Piedade, posteriormente – Igreja Santo Antôniopovoado da Estação;
- fazenda e oratório dos Terras;
- fazenda Taquaral;
- fazenda da Mata;
- fazenda dos Óleos;
- fazenda São Sebastião;
- fazenda Porangaba;
- fazenda dos Ferros; e

- pretórios: de João Villela Fialho (Vilela); da casa do coronel José Fernandes Avelino e posteriormente chamado de Adusio de Souza; do Bar das Almas; o da Igreja do Senhor dos Passos, posteriormente chamado de Antônio Ameriquinho; o da Igreja de Santo Antônio, na Praça Santo Antônio.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Comentários

Anônimo disse…
Quanta história. Quanta mudança... ...
veja a postagem sobre o cavalo Joia da fazenda chamusca atualizado e mais completo
em
http://mangalargamangalarga.blogspot.com/2007/11/descendentes-de-joia-da-chamusca.html

que mundo pequeno eese
Maria Ursula de Andrade reis rehme disse…
A fazenda Morro Grande, foi de um grande amigo de minha familia Geraldo Marciano Reis o "Seu Geraldo do Morro Grande" como era chamado, casado com Dª Alaide. Foi um grande homem, de uma vasta cultura adquirida ali na propria fazenda, um caracter exemplar e um amigo fiel.Ele tinha na sede da fazenda dentro da sua casa uma hermida maravilhosa e missas eram celebradas ali.Maiores detalhes a familia terá que dar.Ele tem 3 filhos que poderam relatar com mais detalhes sobre a hermida.Mas vale a pena pesquisar.
Úrsula.
Anônimo disse…
Parabéns pelo blog! Todo esse patrimônio documental é atrativo turístico! Como, onde o turista que passar por Carmo da Cachoeira pode visualizar e disfrutar de toda essa riqueza cultural? Não localizei endereços para tal no blog e não apenas eu, mas vários amigos, temos interesse em conhecer esse patrimônio documental. E estou certa de que muitos turistas interessados na história e cultura de Minas. A quais circuitos turísticos vocês pertencem? Divulguem os circuitos turísticos aos quais estão inseridos? Vanessa Albuquerque Alvarenga de BH
Fernanda Morais disse…
Olá, estou pesquisando a Fazenda Bananal, minha avó relatou algumas histórias sobre sua passagem por essa fazenda, gostaria de confirmar algumas informações. Por gentileza se puder me enviar um breve relato histórico sobre a fazenda seria de grande ajuda.

Obrigada

Fernanda Morais
Fernanda Morais, é importante realmente saber se as histórias contadas pela sua avó são referentes a Fazenda Bananal situada em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, pois é comum este nome no trajeto dos Bandeirantes que buscavam ouro e pedras preciosas.
Vanessa Abulquerque Alvarenga, nossa cidade pertence aos circuítos turísticos: Vale Verde e Quedas d'águas. Está surgindo o turismo religioso Nhá Chica e Padre Chico.

Infelizmente Carmo da Cachoeira não possui política de preservação cultural e histórica, exceto este blog no mundo virtual. E os arquivos físicos ficam sob guarda dos pesquisadores particulares e da igreja.
Sou descendente do casal Capitão José Joaquim Gomes Branquinho/Maria Vitória dos Reis, da antiga Fazenda Boa Vista no Carmo da Cachoeira. Nas minhas pesquisas ainda não localizei os pais de Balduina Cândida Branquinho, casada com Antonio Cândido de Lima, citados duas vezes neste Blog. Agradeço que puder informar-me a respeito. Adolfo Silva Branquinho.

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.