Pular para o conteúdo principal

Quilombos em Minas Gerais durante o século XVIII.

Os prejuízos causados pelos quilombolas eram muitos e, em 1737, as vizinhanças de Ibituruna estavam “infestadas de negros calhambolas que salteavam (sic) os caminhos e casas dos moradores, que ... não se atreviam a descobrir ouro por aquelas paragens...”1. O autor desta carta, o Capitão Francisco Bueno da Fonseca, afirmava ainda que “...ele estava para fazer uma entrada com a esperança de descobrir ouro a qual lhe estorvava o sobredito receio...” 2
Estas constatações ficam ainda mais evidentes ao sabermos que Minas Gerais foi um palco fértil para a proliferação destas estruturas. Guimarães3, em um estudo pioneiro, registrou mais de uma centena para o século XVIII. Contudo, como o próprio autor afirma, este número provavelmente tende a ser maior, uma vez que alguns foram destruídos e se formaram novamente repetidas vezes, e outros não foram sequer descobertos.

Relação dos Quilombos:

1711
1. Mariana

1714
2. Curralinho

1716
3. Brumado

1718
4. Palmital

1719
5. Serra da Caraça
6. São Bartolomeu

1720
7. Sabará
8. Palmital
9. Santa Barbara

1722
10. Serro Frio
11. Curral do Torino

1726
12. Casa da Casca

1728
13. no Turvo

1731
14. Tejuco

1732/3
15. do Queimado

1733
16. São João d’EL Rey
17. no Ribeirão do Carmo
18. Rio das Velhas Abaixo
19. Carijós
20. Mariana

1736
21. Baependi
22. Guarapiranga
23. São Sebastião

1737
24. Ibituruna
25. Rio Verde
26. Baependi
27. Rio Abaixo
28. São Caetano
29. Guarapiranga

1738
30. São Miguel
31. Sabará
32. Caeté
33. Congonhas do Campo
34. Inficionado
35. São Caetano
36. Catas Altas
37. Itambé
38. Paracatú

1739
39. Pitangui

1740
40. Rio Verde
41. Vila Rica

1741
42. Suassui
43. Ambrózio 41/43/46
44. Paraopeba
45. Sertão das Contagens

1742
46. Comarca do Rio das Mortes

1743
47. Forquim
48. Guarapiranga
49. Serra de São Bartolomeu

1745
50. São Bartolomeu
51. Vale do Prata
52. Arassuaí

1746
53. Campo Grande

1748
54. Vila Rica
55. Borda do Campo

1751
56. Sapucaí
57. Parauna

1752
58. Demarcação Diamantina

1753
59. Demarcação Diamantina
60. Sabará

1754
61. Campo Grande
62. Brejo do Salgado

1755
63. Itaverava
64. Caeté
65. Rio da Prata5

1756
66. Rio das Velhas
67. São João d’EL Rey

1757
68. Indaiá e outros
69. Ambrózio

1758
70. Itaverava
71. Entre Lambari e São Francisco
72. Pitangui

1759
73. Indaiá74. Serra da Marcela
75. Sapucaí (Campo Grande)
76. Ibituruna

1760
77. Comarca do Rio das Mortes
78. Mariana

1764
79. Paraibuna
80. Sitio da Caveira

1765
81. Serra da Marcela e São Francisco
82. Inficionado

1766
83. Serra da Marcela
84. Pitangui
85. Paranaiba

1767
86. Pitangui
87. Vila Rica

1768
88. Rio Pomba
89. Pedra Menina
90. Pitangui
91. Indaiá e Abaeté

1769
92. Borda do Campo
93. Cabeceiras do Parnaíba e Indaiá
94. Catiguá
95. Santos Fortes
96. São Gonçalo
97. Morocos
98. Samambaia
99. Paraibuna
100. Suassui
101. Cachoeira do Campo
102. Tabua
103. Serra Negra

1770
104. Carijos
105. Rio do Pinto ou dos Cachorros
106. Paragem do Quilombo
107. Borda do Campo
108. Fazenda Marimbondo
109. Bambui
110. Tamanduá
111. Caeté
112. Casa da Casca
113. Mariana

1771
114. Brumado

1772
115. Morro do Chapeu
116. Fidalgo
117. Mariana

1773
118. Paracatu
119. São João do Rio das Mortes
120. Curimatai

1774
121. Arassuai

1776
122. Rio do Peixe e Pomba

1777
123. Forquim

1778
124. Rio do Sono

1780
125. São José
126. Paraopeba
127. Mariana

1781
128. Curral d’EL Rey
129. Paracatu

1782
130. Serro
131. Matheus Leme

1785
132. Itamarandiba
133. São José do Rio das Mortes
134. Caeté

1786
135. ( )* local desconhecido
136. Rio Pomba

1788
137. Serra do Funil

1795
138. Itaverava

Obs: Os quilombos em negrito encontravam-se localizados no Sertão Oeste de Minas Gerais.

Fontes:
Guimarães, Carlos Magno
. Quilombo: uma negação da ordem escravista.
Martins, Tarcísio José, Quilombo do Campo Grande: A História de Minas, roubada do povo. São Paulo: Gazeta Maçônica, 1995. 171 e ss
Anais da Biblioteca Nacional...
Documentos primários.

Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: Mapa de Campo Grande e Campanha de 1760.
Texto Anterior: As reais ameaças e o universo imaginário setecentista.

1. APM SC 57 p. 17
2. idem
3. Guimarães, Carlos Magno. Quilombos: Uma negação da ordem escravista. São Paulo: Ícone, 1992 .p. 137 e ss

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se