Pular para o conteúdo principal

103 anos de morte do Servo de Deus Padre Victor.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Todos os domingos, às 10 hora e 30 minutos, é celebrada a Santa Missa na Matriz de Nossa Senhora D'Ajuda de Três Pontas, Minas Gerais, pela Beatificação do Padre Victor, com a presença dos devotos e romeiros. É o momento em que os presentes recebem do sacerdote celebrante uma bênção especial.

No Memorial Padre Victor, situado na Praça Cônego Victor 45, as pessoas poderão conhecer objetos que pertenceram ao Servo de Deus e adquirir lembranças. No Memorial, a Associação Padre Victor registrará as romarias, os visitantes e as graças alcançadas.Sempre que alcançarem graças através da intercessão do Servo de Deus, Padre Victor, escrever relatando, ou vindo a Três Pontas, procurar o Memorial Padre Victor para dar o seu testemunho. Procurem divulgar o Servo de Deus para seu vizinho, pessoas conhecidas; enfim, para todos, solicitando sempre muitas orações para que, em breve, Padre Victor seja beatificado.

Associação Padre Victor de Três Pontas
Praça Cônego Victor, n.45 - Três Pontas MG
CEP 37-190-000 - telefax 0xx35 3265-2627
www.padrevictor.com.br
padrevictor@tpnet.psi.br

Próxima imagem: A Photographia Allemã dos dois irmãos Passig.
Imagem anterior: Garota cachoeirense do início do século XX.

Comentários

Anônimo disse…
DIOCESE DA CAMPANHA
Gabinete do Bispo

PADRE VICTOR, MISSIONÁRIO DA VIDA

A Igreja Católica, junto com outras Igrejas Cristãs, celebra o bimilenário do nascimento do Apóstolo São Paulo. Ao longo de um ano - 28 de junho de 2008 a 29 de junho de 2009 - em toda parte, realizam-se celebrações, congressos e outros eventos, para estudar a personalidade do Apóstolo das Gentes e refletir sobre a sua doutrina.

A partir do encontro pessoal com o Ressuscitado, Paulo não cessa de anunciar o mistério de Jesus Cristo. Evangelizar, para ele é uma obrigação. E ele o faz com ardor e zelo missionários.

Tendo encontrado em Jesus a Vida, o Apóstolo promove a vida em todas as dimensões. Exorta e instrui os cristãos das comunidades a colocarem-se a serviço da vida. Basta lembrar a carta a Filêmon, onde Paulo solicita a acolhida do escravo Onésimo, que fugira do seu amo.

Como Paulo, Padre Victor colocou-se no seguimento de Jesus Cristo. Não possuía a audácia do Apóstolo, para enfrentar longas viagens missionárias. Tampouco era dotado da eloquência sacra para arrebatar multidões. Mas foi missionário da vida na cidade que o acolheu como pastor. Fez-se amigo das crianças, dando-lhes educação. Tornou-se benfeitor dos pobres, repartindo com eles os seus parcos bens. Evangelizava pelo testemunho de uma vida dedicada aos irmãos. É essa vida santa que marcou os seus contemporâneos e nos impressiona até os nossos dias.

Mais uma vez, nos deslocamos a Três Pontas, para reverenciar o Servo de Deus, no 103 aniversário de seu "trânsito". A Igreja nos conclama a sermos missionários(as) da vida, em todas as suas dimensões e etapas. Isso implica promoções e defesa; respeito e cuidado.

Só mesmo que vive para servir, serve para viver!

A todos e todas que se reunirem em oração para celebrar a Novena de Padre Victor e aos romeiros e romeiras do Servo de Deus, que se dirigem a Três Pontas para reverenciar a sua memória, abençôo de coração. Fr. Diamantino P. de Carvalho ofm Bispo da Diocese da Campanha.

Campanha, 06 de agosto de 2008.
Festa da Transfiguração do Senhor.
Anônimo disse…
HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE DE 2008

Com carinho, desenhei este planeta;
Com cuidado, plantei nele o meu jardim.
Com alegria, eu sonhei um paraíso,
Onde a vida e o amor não tenham fim.

Refrão:
Ponho, então, à tua frente
Dois caminhos diferentes:
Vida e morte, ódio e paz.
Sê sensato: escolhe a vida!
Parte o pão, cura as feridas!
Sê fraterno e viverás.

Fiz o homem e a mulher à minha imagem;
Por amor e para o amor eu os criei.
Com meu povo celebrei uma Aliança.
O caminho da justiça eu ensinei.

Quero ver o riso aberto em cada rosto,
Pois rejeito a intolerância e amargura.
Vem comigo construir a nova terra,
Repartir o pão, o abraço e a ternura.

Pelas margens desta vida há tanta gente
Que implora por justiça e dignidade.
Respeitar, cuidar da vida é o que te peço;
Vai! Transforma a tua fé em caridade!

Com tristeza vejo a vida desprezada,
Nos meus filhos e em toda a natureza.
Me entristece tantas vidas abortadas,
Dói em mim a violência e a pobreza.

A injustiça e ambição geram a morte;
A miséria é filha ingrata do egoísmo;
Mas o amor rima com Páscoa e vida nova.
Vem comigo renovar o teu Batismo!
Anônimo disse…
Tríduo pela beatificação do Servo de Deus Padre Victor

Tema: Em Cristo Somos novas Criaturas

O Servo de Deus Padre Victor, através do seu batismo, nasceu como novo homem e foi revestido de Cristo. Era aberto à graça de Deus, cheio de virtudes, que, com a ajuda do Espírito Santo, foram trabalhadas desde a sua infância humilde, pobre e sofrida. Sem querer ser diferente, apear da sua raça, não se deixou levar pelos preconceitos. Sentia-se plenamente integrado à Igreja, cultivando o ideal de ser sacerdote. Todas as suas ações, antes de entrar para o seminário, no seminário e como sacerdote por cinquenta e três anos, tinham como referência Jesus Cristo. Por isso, ele foi um homem sempre novo, cristificado. O seu exemplo contagiou os seus contemporâneos e paroquianos e contagia até hoje os seus devotos e devotas. Vemos nele um outro Cristo, um protótipo para a nossa vida cristã.
Anônimo disse…
Continuação. Batizados. Ano de 1873
Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Cândida, filha natural de Messias Cândida de Jesus. Padrinhos: Antonio Jacinto Marques e Flausina Vitorina do Amor Divino;
José, filho legítimo de Manoel Antonio dos Reis e Ana Cândida Branquinho. Padrinhos: José Antonio dos Reis e Maria Carolina Alves;
João, na Ermida da Fazenda das Abelhas, filho legítimo de Joaquim de Resende Branquinho e Ana Cândida de Rezende. Padrinhos: Francisco de Paula Resende e Jacinta Leopoldina de Rezende;
Vicente, filho legítimo de Joaquim Camilo da Silva e Maria Leocádia de Jesus. Padrinhos: José Rodrigues da Silva e Maria Antonia de Sousa;
Gabriel, na Ermida da Lagoinha, filha legítima de Manoel dos Reis Silva Sobrinho e Maria Emília Teixeira. Padrinhos: Justiniano dos Reis e Maria Vitória de Carvalho;
Maria, na Capela de São Bento, filha legítima de Domiciano Ferreira de Oliveira e Maria Flora de Oliveira. Padrinhos: Joaquim Antonio de Sales e Leopoldina Cândida de Oliveira;
José, na Capela de São Bento do Campo Bello, filho legítimo de Camilo José da Silva e Delminda Cândida. Padrinhos: Manoel Custódio Neri (Nery) e Ana Joaquina do Nascimento;
João, na Capela de São Bento do Campo Bello, filho legítimo de Francisco de Assis de Oliveira e Rita Umbelina de Cássia. Padrinhos: Evaristo Mendes da Silva e Maria do Carmo Costa;
Maria, na Capela de São Bento do Campo Bello, filho legítimo de João Francisco da Silva e Francisca Gabriela da Silva. Padrinhos: Francisco Antônio Ferreira e Carlota Maria de Jesus.
(continua)
Anônimo disse…
Cf. referência ao padrinho de João, filho legítimo de Francisco de Assis e Oliveira e dona Rita Umbelina de Cássia, no PROJETO COMPARTILHAR, em Antonio Villela de Siqueira (ou Cerqueira).
Anônimo disse…
Evaristo, do comentário anterior, tem ligações de parentesco com Rita Victalina de Souza (Vitalina), segundo casamento de José Fernandes Avelino, subdelegado em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. O primeiro casamento de JOSÉ FERNANDES AVELINO FOI COM DONA MARIA CLARA UMBELINA. Evaristo Mendes da Silva, filho de Estevão Ribeiro da Silva e parente de Antonio Jacinto Mendes, por seu casamento com Maria Francelina da Silveira (ou da Anunciação), filho de Jacinto Mendes Homem (Jacintho) e Maria Ludovina do Espírito Santo. Cf. Censo de Três Corações. Ano de 1831: Jacinto Mendes Homem, branco, 57 anos, casado, lavrador e proprietário de 7 escravos cativos.
Anônimo disse…
Continuação. Batizados registrados na Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, no ano de 1873.
Militão, na Capela de São Bento do Campo Bello, filho legítimo de Francisco Tristão da Silva e Inácia Clementina de Sousa. Padrinhos: Joaquim Francisco de Sousa e Ana Isabel da Costa;
Maria, na Igreja Matriz, filha legítima de Gabriel Antonio de Almeida e Maria da Conceição. Padrinhos: Antonio Ferreira do Nascimento e Emerenciana da Paula;
na Igreja Matriz, filho de Joaquim Hermenegildo Felipe e de Francisca das Dores. Padrinhos: José Antonio da Silva e Inês Maria de Jesus;
Mariana, na Ermida da Fazenda Soledade, filha de Domingos José Pinto e Ana Alexandrina de Carvalho. Padrinhos: José Flávio de Moraes e Emerenciana Cristina de Morais, apresentada por Ana Alexandrina Pinto);
Paulino, na Igreja Matriz, filho natural de João Antonio Naves e Inácia Constância de Rezende. Padrinhos: Maximiano Severo da Silva e Ana Cândida de Rezende;
Flausina, na Igreja Matriz, filha natural de Ana Catarina. Padrinhos: Manoel dos Reis Silva Sobrinho e Carlota Maria de Jesus;
João, filho natural de Maria Flausina, na Igreja Matriz. Padrinhos: Antonio Martiniano dos Reis e Ana Lúcia de Andrade;
Paulina, na Capela de São Bento do Campo Bello, filho legítimo de Francisco de Assis e Souza e Constância Umbelina de Souza. Padrinhos: Francisco Dinis Junqueira (Diniz) e Ana Isabel Teixeira;
Joaquim, na Ermida dos Terras, filho legítimo de Bonifácio José da Silva e Ana Flausina Ascenção. Padrinhos: Gabriel Flávio da Costa Júnior e Ana Delminda de Oliveira;
Tehrina, na Ermida do Taquaral, filha legítima de João Vilela Fialho e Maria Vitoria de Rezende. Padrinhos: João Tomás Vilela e Ana Emídia Vilela.
(continua)
Anônimo disse…
Falar em Carmo da Cachoeira, no sul de Minas Gerais é indubitavelmente inevitável, deixar de pensar no Cavalo Mangalarga Marchador. Quando, da notícia de falecimento de Luiz Garcia Palma, em 28/ABR/2206, o site Comercializa.com.br , apresentou um texto (in memoriam), onde o autor traça a trajetória de sua família, "a partir do Ribeirão São João, nas Barrancas do Rio Grande, até às cabeceiras do Rio Pardo". Conta a forte paixão do Cel
Honório Vieira de Andrade Palma, por esta espécie animal. Tão contagiante e intensa paixão que é irradiada até hoje, através de sua descendência.
Confira no site acima citado.
Anônimo disse…
Errata: tipo de erro: digitação. Leia-se, no comentário anterior, ano de 2006, e não como constou.
Anônimo disse…
Um conhecimento que todo internauta vai orgulhar-se de tê-lo obtido. O Barão de Alfenas e os Caminhos de São Thomé das Letras. Nele, a luta de um cidadão por seus ideais. Cf.
www.pedigreedaraca.com.br/sao-tome.doc?pedigree ... ...
Anônimo disse…
Existe um estudo disponibilizado em New Page l - Windows Internet Explorer, onde o autor, Roberto Vieira Carneiro, a partir de um trabalho de pesquisas, chegou a determinar seus ascendentes.
Dentre as citações, está uma pessoa de nome Maria Isabel Teixeira, nascida em Campanha e casada com Francisco de Paula Ferreira. A citação está no Capítulo II de sua obra, que é muito interessante, e trata de pessoas moradoras no Sul de Minas Gerais. Especificamente, o Tronco de Antonio Ferreira Gonçalves, cujo patriarca foi morador na Freguesia do Rio Verde, por volta de 1770 e, cujo neto, Francisco de Paula Ferreira, foi casado com dona Ana Isabel Teixeira. Um dado que, somado a outros, poderá vir a nos indicar se se trata da mesma pessoa: a madrinha de Paulina,batizada em 08.06.1873, na Capella de São Bento do Campo Bello, filha legítima de Francisco de Assis e Souza e de dona Constância Umbelina de Souza. O padrinho foi Francisco Dinis Junqueira.
Anônimo disse…
Continuação. Batizados registrados na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, no ano de 1873 e manuscritos pelo Projeto Partilha.
José, na Ermida da Fazenda dos Terras, filho legítimo de Casimiro e Ana Francisca de Souza. Padrinhos: Gabriel Flávio da Costa Júnior e Mariana Inácia de Souza;
Paulino, filho legítimo de Antonio Francisco de Assis e Ana Vitória de Brito. Padrinhos: Manoel Bernardes de Brito e Maria Rita do Nascimento;
Joaquim, na Capela de São Bento do Campo Bello, filho legítimo de Gabriel Quirino de Oliveira e Rita Maria dos Anjos. Padrinhos: Antonio Vieira Lima e Maria Joaquina da Conceição;
Maria, na Igreja Matriz, filha legítima de Marciano Florêncio Pereira e Maria Paulina Branquinho. Padrinhos: Antonio Pereira Lima e Maria Tereza das Dores;
José, filho legítimo de Severino da Costa Ramos e Ana Olinda de Jesus, na Igreja Matriz, Padrinhos: Pedro Francisco Xavier e Carlota Maria de Jesus;
Maria, filha legítima de Joaquim Marques de Arantes e Mariana Matildes de Jesus. Padrinhos: Rafael Rodrigues da Silva e Cândida Maria de Jesus;
ma Igreja Matriz, filho legítimo de Antonio Elias Francisco e Ana Matildes de Jesus. Padrinhos: Tomé Monteiro da Costa e Mariana Vitalina dos Reis.
(continua)
Anônimo disse…
Últimos registros de batizados realizados na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, no ano de 1873, manuscritos pelo Projeto Partilha.
Maria, filha legítima de Manoel Bernardes de Brito e Mariana Antonia Ribeiro. Padrinhos: José Bernardes de Brito e Joaquina Antonia do Nascimento;
Maria, filha legítima de Joaquim Francisco Gomes e Maria Brígida do Nascimento. Padrinhos: Joaquim Carvalho da Costa e Maria da Conceição de Jesus;
Maria, filha legítima de Domingos André de Sousa e de Ana Olinda. Padrinhos: João Antonio Naves e Inácia Constância de Resende;
João, filho de Caetana Maria do Nascimento. Padrinhos: Pedro Dias dos Santos e Cândida Emília de Jesus;
José, filho legítimo de Tomé Rosa de Lima e Antonia de Jesus. Padrinhos: Joaquim Silvério de Oliveira e Felícia Cândida de Jesus;
Balthasar, filho legítimo de João José de Sousa e Francisca Ricardina do Espírito Santo. Padrinhos: José Celestino Terra e Amélia Augusta de Toledo;
Maria, filha legítima de João Ponciano de Brito e Rita Úrsula de Castro. Padrinhos: Antonio Justiniano dos Reis e Olímpia Generosa dos Reis;
Francisco, filho legítimo de Leopoldino Rosa do Nascimento e Francisca Benedita de Jesus. Padrinhos: André Avelino de Figueiredo e Olímpia Generosa dos Reis;
Ana, filha legítima de Joaquim da Costa Ramos e Alexandrina Maria da Cruz. Padrinhos: Domingos Teixeira de Resende e Ana Jacinta da Costa;
José, no Oratório de Severino Ribeiro de Rezende, filho legítimo de Joaquim Pedro de Rezende e Mariana Leopoldina de Resende. Padrinhos: José Alves Resende e Ana Alexandrina de Resende;
Quintino, filho legítimo de Quintino José dos Santos e Maria Rita de Jesus. Padrinhos: Joaquim Fernandes dos Reis e dona Maria Cândida Branquinho;
Maria, filha legítima de Manoel da Costa Ramos e Mecias Maria de Jesus. Padrinhos: Cândido Rodrigues dos Reis e Ana Angélica do Espírito Santo;João, filho legítimo de José Pedro da Silva e Maria Ponciana de Jesus. Padrinhos: Antonio Dias Pereira de Oliveira e Teodora Umbelina de Jesus.

Ano de 1874:
Filomena, filha legítima de Luís Antonio de Carvalho e Francisca Hipólita de Jesus. Padrinhos: José Pereira Ramos e Ana Lúcia de Andrade
(continua)
Anônimo disse…
Dona Mariana Jesuína da Costa foi casada com João Hermenegildo Villela e, já vivia em estado de viúva no ano de 1874, quando foi madrinha de Maria, filha legítima de José André de Sousa e de dona Rita Cândida do Nascimento, na Igreja Matriz da Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. O padrinho de Maria foi Severino Augusto da Costa. No ano de 1880, Mariana já estava casada com José Alves Taveira. Seus filhos foram tutelados por Joaquim Flávio da Costa. Pelo menos, a época de seu segundo casamento, morava na Fazenda dos Ferros na Cachoeira dos Rates, em Minas Gerais.


Cf. Projeto Compartilhar,
Capitão Joaquim Manoel do Nascimento Villela.
Anônimo disse…
Hoje, ou seja dia 22/09/2008, saimos em romaria a pé p/T.Pontas às 2 hrs. da madrugada, romaria patrocinada pelo Israel do gás. E neste mesmo porém`após a missa das 18:00 sairá os romeiros que acompanharão o Pe. André també a pé p/ a celebração dos 103 anos de morte de Pe.Vitor, onde em T.pontas vamos orar não pela sua beatificação, como t´bém pedir a sua valiosa intercessão junto a Deus por todos nós.
Anônimo disse…
Hoje, ou seja dia 22/09/2008, saimos em romaria a pé p/T.Pontas às 2 hrs. da madrugada, romaria patrocinada pelo Israel do gás. E neste mesmo dia porém`após a missa das 18:00 sairá os romeiros que acompanharão o Pe. André também a pé p/ a celebração dos 103 anos de morte de Pe.Vitor, onde em T.pontas vamos orar não só pela sua beatificação, como t´bém pedir a sua valiosa intercessão junto a Deus por todos nós.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage