Pular para o conteúdo principal

Alguns dos descendentes de Artur Alves Costa.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Casal Veiga Lima de Carmo da Cachoeira.
Imagem anterior: Antigas paredes de uma fazenda cachoeirense.

Comentários

Anônimo disse…
A Família "Alves Costa" fez e faz a história de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Presente, desde o início de sua formação social, faz sua parte. Colabora com o que tem de melhor. Hoje, presente na sociedade cachoeirense, fazendo e marcando a diferença. Colabora com seu crescimento e amadurecimento. Por ocasião do Sesquicentenário da Freguesia da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, no ano de 2007, o já conhecido dos internautas, JOÃO PAULO ALVES COSTA foi o responsável pela gravação do CD comemorativo, com suas 19 faixas. O Professor Wanderley deixou registrada a figura de Artur Alves Costa. Já conhecemos também um trabalho de NARDO em tecelagem. As mulheres da família estão no campo da instrução. Maria José, trabalha na Associação de Apoio e Desenvolvimento da Criança e Gestante - ADECG, Unidade de Ensino,
que atende crianças até 6 anos. Além da Maria José, e foi a pessoa que identificou os personagens da foto. Muitas outras da família atuam como profissionais na Educação. O forte, e marca da Família Alves Costa é a criatividade. Precisou de arte, aí estão eles e atuam com perfeição como artistas que são. Manifestam como podem sua habilidade. Exercem as profissões de transformadores do ferro em lindos fechamentos das casas, executam cortes artísticos nos cabelos, desenham, pintam, tocam instrumentos, realizam composições musicas, interpretam. Estão no funcionalismo público cuidando de plantas e jardins, no entanto, preferencialmente, atuam como profissionais liberais. São alegres e integrados. Caminham seguros de que sua participação é importante, e preenchem o espaço, onde só a criatividade e arte podem deixar seu o tom. Estão ligados pelo casamento as famílias Gouveia, Souza, Naves, Mendes.
O espaço está aberto para complementação de informações e correções.
Anônimo disse…
O rapaz da foto é Antonio Alves da Costa Filho. Seu pai, irmão de Benedito Alves Costa, cujo nome se mantêm vivo, através da denominação de rua. A sociedade reconhece os feitos da família. A de Antonio Alves Costa pelas terras no Bairro São José operário. A rua Benedito Alves Costa é a de entrada na cidade. Inicia-se após o túnel que fica abaixo da Rodovia Fernão Dias.
No centro e sentada, Tereza Alves da Costa. A que está a esquerda de quem olha, é Maria Alves da Costa. A da direita de quem olha depende de conformação, no entanto, está sendo indicada como sendo, a Amélia. Os outros dois estão sem identificação. Se alguém souber e puder partilhar, será muito bom.
Anônimo disse…
Continuação. Batizados registrados na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Ano: 1876.
José, na Igreja Matriz, filho legítimo de José Rodrigues e Ana Dina Maria de Jesus. Padrinhos: Joaquim da Costa Ramos e Ana Jacinta da Costa;
Joaquim, na Igreja Matriz, filho legítimo de João Antonio G. e Maria Meirelles Claudina. Padrinhos: João Paulo da Fonseca e Rita Emerenciana de Jesus;
Antonio, no Oratório da Fazenda dos Terras, filho legítimo de Casimiro José Eduardo e Ana Francisca do Nascimento. Padrinhos: Severino Augusto da Costa e Marciana Jesuína de Andrade;
Ana, no Oratório dos Terras, filho legítimo de Francisco Tristão Evangelista e Inácia Clementina de Souza. Padrinhos: Cândido José Garcia e Marciana Jesuína de Andrade;
Geraldino, na Igreja Matriz, filho natural de Ana Florência de Carvalho. Padrinhos: Antonio Dias Pereira de Oliveira e Marcina Antonia de Carvalho;
João, na Igreja Matriz, filho legítimo de João José de Sant´Ana e Francisca Maria de Jesus. Padrinhos: Manoel Branquinho de Souza e Maria Emília Teixeira;
Ana, na Igreja Matriz, filha legítima de Manoel Antonio e Maria Joaquina. Padrinhos: Antonio Vicente Ramos e Ana Vitalina de Jesus;
Esmeraldina, filha natural de Ana Luiza de Carvalho. Padrinhos: João Nestle e RITA VITALINA DE SOUZA;
Graciana, na Igreja Matriz, filha legítima de Manoel Francisco Galvão e Emerenciana Antonia de Carvalho. Padrinhos: José de Lima e Efrausina Antonia (Ephrausina).
(continua)
Anônimo disse…
"Povoar os caminhos que levavam às zonas de mineração(...)". Aumentando nossos conhecimentos sobre os diferentes destinos seguidos pelos povoadores. Cf.
A EXPEDIÇÃO POVOADORA MINEIROS DO TIETÊ. Veja, Mineiros do Tietê - Windows Internet Explorer, em
www.epapromocoes.com.br/jornalnossaterra/ ... ...
Anônimo disse…
Continuação. Últimos registros de batizados na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Ano: 1876.
Joaquim, na Igreja Matriz, filho legítimo de Cirino Roiz da Silva (Rodrigues da Silva) e Ana Generoza de Jesus. Padrinhos: Antonio Justiniano dos Reis e Bernardina Luciana de Jesus;
Ana, na Igreja Matriz, filha legítima de Juventino Gomes de Aguiar e Porfíria Maria Cristina. Padrinhos: Antonio Justiniano dos Reis e Maria Flausina de Jesus;
João, na Igreja Matriz, filho legítimo de José Francisco Caldeira e Mariana Francelina de Jesus. Padrinhos: José Joaquim Cláudio e Feliciana Ferreira do Nascimento;
Evaristo, na Igreja Matriz, filho legítimo de Francisco Roberto. Padrinhos: Francisco de Paula Cândido e Maria Madalena de Jesus;
Antonio, na Igreja Matriz, filho legítimo de Joaquim José de Mesquita e Maria Silvéria Terra. Padrinhos: José Fernandes Avelino e Rita Vitalina de Souza;
José, filho legítimo de Domingos José de Oliveira e Claudina Maria do Carmo. Padrinhos: Padre Antonio Joaquim da Fonseca e Carlota Maria do Espírito Santo;
André, na Igreja Matriz, filho legítimo de Joaquim Francisco de Souza e Maria Teodora de Jesus. Padrinhos: João Batista Pereira Pinto e Maria Alexandrina Pinto;
Cândida, na Igreja Matriz, filha natural de Isabel de Jesus. Padrinhos: Benedito da Silva e Venância de Jesus;
Avelino, na Igreja Matriz, filho legítimo de Joaquim Francisco de Souza e Maria Teodora de Jesus. Padrinhos: Domingos José Filho e Ana Alexandrina de Carvalho;
filho de Lúcio de Paula Barreto e Sebastiana Cândida de Jesus, no Oratório de Antonio Severiano de Gouvêa. Padrinhos: Manoel Inácio Alves da Costa e Cândida Alexandrina Lázara;
Antonio, no Oratório de Manoel Antonio Teixeira, filho de Domingos Alves Teixeira e Ana Alexandrina Pinto. Padrinhos: Manoel Antonio Teixeira e Maria Vitória de Carvalho;
José, no Oratório de Severino Ribeiro de Rezende, filho legítimo de Gregório Alves de Figueiredo e Porcina Leopoldina de Rezende. Padrinhos: Severino Ribeiro de Rezende e Jacinta Ponciana de Rezende;
Maria, na Igreja Matriz, filha legítima de Francisco de Sales Bispo e Jacinta Leopoldina de Jesus. Padrinhos: Manoel Antonio Teixeira e Carolina Constança Teixeira;
Rita, na Igreja Matriz, filha legítima de José André de Souza e Rita Cândida de Jesus. Padrinhos: Estevão André de Souza e Ana Flausina da Luz.

Ano de 1877:
José, filho legítimo de José André do Nascimento e Mariana Leopoldina de Jesus. Padrinhos: João Ludgero do Nascimento e Cândida D. de Figueiredo;
Francisco, na Igreja Matriz, filho legítimo de Belarmino Ponciano e Ana Francisca de Jesus. Padrinhos: João Gomes do Nascimento e Luciana Cândida de Jesus;
Ana, na Igreja Matriz, exposta na casa de José Henrique do Nascimento em 04/02/1877. Padrinhos: José Henrique do Nascimento e Ana Claudina de Jesus;
Cândida, no Oratório de José Martins de Andrade, filha legítima de José Marciano da Costa e de Cândida Umbelina de Andrade. Padrinhos: André M. de Andrade Primo e Cândida Umbelina Branquinho;
Basiliça, na Igreja Matriz, filha legítima de Manoel dos Reis Silva e Maria Emília Teixeira. Padrinhos: Gabriel dos Reis Silva e Maria Clara de Gouvêa.
(continua)
Anônimo disse…
PORTEIRA DE TÁBUAS.

Localidade situada ao Sul da Serra de Três Pontas, próxima à Fazenda do Triunfo. Em cartas geográficas mais antigas figura com o nome e PONTE DE TÁBUA. Existia lá uma ponte de táboas, na passagem de um curso d´água que era conhecido como Córrego da Ponte de Tábua. Equivocadamente, muitos passaram a chamar a região de Porteira de Tábuas e, ao que o parece, ficará assim conhecida.
Anônimo disse…
Leonor,
Fiquei emocionada com o seu reconhecimento em resgatar a história da família.Realmente a família marcou presença muito forte no muncípio de Carmo da Cachoeira.
Sinto ter perdido algumas anotações sobre fatos acontecidos politicamente envolvendo o meu bisavô Artur Alves Costa e meu avô Antonio Alves da Costa (Antoinzinho Piruca).
Desde de pequena eu ouvia as histórias, achando que o meu bisavô era uma figura um pouco político e engraçado, pois com jeitinho conseguia certas regalias, como por exemplo: acompanhar grandes políticos cidades vizinhas. O meu pai Antônio Alves da Costa também tinha esse lado politíco, trabalhou como autonômo, funcionário público municipal e por último funcionário estadual.
Bom lembrar que Nenê Piruca ou Nenê do Antoinzinho como era conhecido, muito "colaborou" (nunca foi muito apegado ao dinheiro) com a formação da municipalidade, sabia nome completo de todos os habitantes da cidade, endereço e até metragem dos terrenos, por muito tempo foi arquivista na prefeitura. Lembro que esmerava no trabalho, pouco foi reconhecido financeiramente por isto. "Velhos tempos" que não voltam mais, diferentes de HOJE...
Voltarei para mais registros.
Gratidão a você pela oportunidade.
Maria José Naves Costa e família.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis. Em 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal publicam às fls. 149: O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrito do Carmo da Cachoeira. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam em matrimônio os contraentes Jerônimo José Rodrigues, viúvo o que ficou pelo