Pular para o conteúdo principal

A primeira escola: aulas na cadeia e palmatória.


Entre as coisas do passado de Carmo da Cachoeira, uma houve que nos deixou as mais gratas recordações: A Escola Pública.

Não sei a data exata em que foi criada a primeira escola do arraial, nem qual o Governo que a criou, mas deve ter sido lá por 1877 ou 1878. De acordo com alguns dados que conseguimos, a escola funcionava em uma casa construída pelos Rattes e estava localizada um pouco para cima do local onde se acha agora o Matadouro Municipal1. O primeiro professor foi conseguido em Congonhas do Campo pelo Capitão Antônio Naves e chamava-se Francisco de Paula Cândido. Na primeira noite passada no arraial, por falta de cama, dormiu no chão; construiu depois uma tarimba, colocou nela um colchão feito de sacos cheios de capim, onde passou a dormir.

Nos princípios de 1903 começou a funcionar a Escola Pública Feminina, regida pela Profª. d. Ana Evangelina Ximenes e, mais ou menos na mesma data, iniciava-se a Escola Pública Masculina, que teve como professor o Sr. Pedro Juvêncio de Souza. Em 1930 estas Escolas foram transformadas em Escolas Reunidas, com três classes e 17 anos depois, em 1947, foi criado o Grupo Escolar "Monsenhor Nardi" [1948], que anos mais tarde teve a sua denominação mudada para Grupo Escolar "Pedro Mestre", numa justa e merecida homenagem ao Professor Pedro Juvêcio de Souza.

Pelas carteiras da escola do Sr. Pedro Mestre passaram várias gerações de cachoeirenses, muitos dos quais ocupam hoje lugar de destaque na administração pública, no magistério e na sociedade; outros muitos, que não puderam continuar seus estudos, devem a instrução que possuem àquela modesta escola, que por muitos anos funcionou numa sala de cadeia pública.

Eu me recordo com saudade daquela sala, onde entrei pela primeira vez em 1912, contando sete anos de idade. As carteiras em filas; a mesa grande, atrás da qual se assentava o Professor e, sobre ela, papéis, livros, tinteiros, réguas e a indispensável palmatória, com os clássicos cinco buracos no centro. Próximo a um dos cantos da sala, o grande mapa colorido, onde começamos a conhecer as cidades do Brasil. uma sala menor era uma espécie de gabinete do Professor e a ela eram chamados com frequência os alunos mais insubordinados, para o acerto de contas e o doloroso contato com a palmatória.

Pedro Mestre era dotado de um espírito humorístico que não o abandonava nem mesmo nos momentos de castigar algum rebelde; após fazer o uso da régua ou da palmatória, enquanto a vítima assoprava as mãos ao berros, ele se ficava a olhá-la de maneira tão irônica, que despertava o riso aos outros alunos.

De vez em quando aparecia o Inspetor Escolar, que no meu tempo era o Zequinha Sant'Ana. Palestrava com o Professor, fazia algumas perguntas aos alunos e lá se ia, rua acima, bengalinha atrás das costas, com aquele seu jeitinho todo brando, todo bondoso.

No fim do ano, terminados os exames, Pedro Mestre oferecia farta mesa de doces e quitandas aos alunos. Saiamos da Escola, formados dois a dois, bandeira nacional à frente, e íamos para a casa do Professor. D. Quita já havia preparado a mesa e os mais gulosos e menos educados7 avançavam para ela e, não só comiam a fartar, mas ainda enchiam os bolsos. A nossa turma ficava de lado, assistindo à destruição. Terminada esta, Sr. Pedro punha a molecada para fora e mandava preparar outra mesa pra nós.

E era assim que terminava o ano letivo na Escola Pública de Carmo da Cachoeira.

Prof Wanderley Ferreira de Rezende

trecho do Livro: Carmo da Cachoeira: Origem e Desenvolvimento.

Próxima matéria: As duas fazes do antigo Colégio Cachoeirense.
Matéria Anterior: As visitas pastorais, a banda, o menino e o médico.

1. Este texto foi publicado originalmente em 1975.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç