Pular para o conteúdo principal

Carmo da Cachoeira por um Brasil melhor.

"Novos tempos necessitam de novos homes, novos homes constroem novos tempos".

O Movimento Fé e Cidadania, entendendo que só o amor e a paciência, e não a força, constroem, arregaçou as mangas e foi a campo. Contatou os candidatos aos cargos eletivos que irão formar a administração 2009 a 2012 e os representantes do povo na Câmara Municipal.

Vivendo ares de um novo tempo, mais interativo, todos os candidatos a prefeito confirmaram sua presença. Fizeram sua parte, e estão preparados para responder as perguntas que vierem dos entrevistadores. Cabe, no entanto, os cidadãos eleitores, fazerem a sua. Isentos de preconceitos, ouvir as propostas e ponderar sobre elas. A massa que é formada de cada um de nós, que somos eleitores, necessita conhecer, a fim de decidir conscientemente, e longe de emotividades e paixões incontidas. Cada candidato, democraticamente fará suas colocações e nós, cachoeirenses, iremos refletir por nós mesmos.

Temos que exercitar os dons Divinos da Inteligência e da vontade Livre. Temos que nos sentir seres amáveis e reflexivos. Seres pensantes. Ninguém precisa pensar por nós, já que somos dotados desta capacidade, dotados dela pela própria natureza - a de pertencer a Raça Humana.

Não só pela qualidade de seres pensante e livres, mas também porque somos contribuintes e pagamos os salários de nossos representantes. Para que não fiquemos limitados em nossos conhecimentos, o Projeto Partilha vai lembrá-los do compromisso que temos em realizar: o pagamento no final do mês de alguns representantes.

Em Carmo da Cachoeira, algumas de nossas obrigações, em níveis Municipais são: pagar, prefeito, vice-prefeito, secretários de governo e vereadores. Portanto, é bom que se conheça esses valores. A Resolução n.02/2008 estabelece um ganho de R$1.111,25 para cada vereador e R$1.234,72 para o presidente da Câmara Municipal. É o correspondente a folha de pagamento do mês de SET/2008. A Resolução n.4, estabelece para o ano de 2009 a 2012 a remuneração de R$1.900,00 para o cargo de vereador, e R$2.400,00, para o da presidência da Câmara. Outros encargos que temos como contribuinte: pagar o prefeito, cujo salário mensal é de R$8.032,21; vice-prefeito, R$2.294,73 e secretários de governo, R$1.788,88.

Diante dos números aumenta a nossa responsabilidade na hora da escolha. Os representantes são bem pagos e terão que mostrar sua competências na apresentação de projetos que visem o bem comum, como garante nossa Carta Magna.

Nossos parabéns a cada candidato pela coragem de implantar na cidade uma nova dinâmica no processo eleitoral, sentados numa mesma mesa, concordaram em discorrer comtransparência e honestidade sobre suas propostas.

Que a luz e a harmonia possa conduzir os trabalhos do dia 26/9/2008, às 19h30min. no São Paroquial, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: A venda da Cava por João Gomes do Nascimento.
Artigo Anterior: Hino ao Padre Victor, o Cônego Francisco de Paula Victor.

Comentários

Nossa legal demais esse debate aí hein? Posso enviar pergunta pelo blog pois não estarei na cidade dia 26!? Espero que o debate seja permeado por respeito e por sujeitos pensantes e livres como bem citado por projeto partilha... Que o debate seja produtivo com idéias em torno de propostas por e para Carmo da Cachoeira! "Saber reconhecer quem e o quê no meio do inferno não é inferno, e preservar e abrir espaço" (Ítalo Calvino)
Anônimo disse…
Oi, "um outro mundo é possível". Gratidão pela sua participação. Com sua colocação temos a oportunidade colaborar com o cidadão cachoeirense, apontando alguns desafios enfrentados pelo Grupo Coordenador dos trabalhos - O Fé e Política. Pelo seu empenho, cidadão terá oportunidade de, pela primeira vez, ver e ouvir os candidatos a ADMINISTRADORES PÚBLICOS juntos, e falando sobre o mesmo assunto. Vai, porque um grupo ousou propor algo inovador. Inovou, apontou novos padrões de acesso ao conhecimento das propostas dos candidatos. Um grande amadurecimento, que contou com a Sociedade Civil organizada. O grupo tenta resolver alguns desafios neste processo. O primeiro deles, foi o de se encontrar um local que trouxesse um timbre bem visível de IMPARCIALIDADE, Um local onde, cada candidato pudesse se sentir "EM CASA". Onde pudesse falar e ser respeitado pela sua forma de ser e pensar. O local encontrado com esta característica foi o citado no convite: O Salão Paroquial, no entanto, este auditório tem sua capacidade limitada a 150 lugares. O grupo conta com o bem senso dos partidos e dos eleitores para o bom andamento dos trabalhos. Outro desafio foi o de encontrar mediadores neutros no processo, e com experiência em mediar divergências, evitando confrontos e gerando conflitos. O pessoal experiente e bom nisso estava em Varginha, e aceitou a incumbência. As perguntas aos candidatos feitos pela platéia deverão ser por escrito, e entregue no local. Após passar pelo crivo dos mediadores, ele mediador a repassará, para que cada candidato responda. Tudo nos conformes, como manda o bom figurino, né?
"Um outro mundo é possível", a única coisa que o povo cachoeirense busca, é que o futuro administrador seja um cidadão que VEJA, além da cidade composta por suas ruas, esgotos, iluminação pública, escolas, espaços sociais, praças, GENTE. Que ele tenha presente que GENTE é feita de sorrisos, medos, angustias, ideais, e de muito mais. O que ele vai administrar são as necessidades individuais e coletivas de uma sociedade dinâmica formada por crianças, adolescentes, jovens, casais e seus filhos, ou sem filhos, velhos, deficientes, religiosos e não religiosos, politicos e apolíticos, enfim, cada um apresentando, na abertura do leque, necessidades e muita diversidade e expectativas. O que o cidadão necessita é de um administrador que o escute, que o respeite. Essa cidade, formada de sorrisos, de alegria, de vida borbulhante ou pacata, de medos, de angustia e de prazeres, busca encontrar quem a administre com dignidade e sem paternalismos. O povo cachoeirense busca um ADMINISTRADOR, e PAGA BEM para o exercício do cargo.
Luz e Harmonia a todos, principalmente a você, um idealista, "um outro mundo é possível".
Parabens pela organização. Concordo plenamente que Carmo da Cachoeira não é uma empresa, é uma cidade feita de GENTE, de encontros, desencontros, de relações!!!! Sou eleitor aí, mas não poderei comparecer ao debate! Espero que seja significativo para a questão eleitoral na cidade, que como em outras cidades do Brasil, sofre de um processo histórico de degradação da democracia, da liberdade de expressão e dos direitos sociais.
Anônimo disse…
Olá "Um outro mundo é possível". Esperamos que a entrevista ocorra em harmonia. Vale lembrar que a postura de cada candidato irá influenciar, sobremaneira, a forma de conduta de seu eleitorado durante a entrevista. Como é a primeira vez que isso acontece aqui, o ideal seria que o eleitor conhecesse a expectativa que o seu candidato em relação ao comportamento a ser manifestado no local. Para isso poderia ser utilizado o horário eleitoral gratuito. Se um lider pede para que não se apresente depois de beber, que faça silêncio, que siga as regras estabelecidas, que não vaie, seu eleitorado, certamente, irá atender. É questão de combinar a forma, e partir para a que preserve os padrões de respeito e éticos, você não acha?

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Carapina, a origem do nome.

O termo " carapina ", segundo o professor Caio Boschi , eram os profissionais no exercício da profissão do trato da madeira, "... deviam ser menos qualificados " que os oficiais de carpintaria ou marcenaria. P or não serem portadores de cartas de autorização passadas pelas Câmaras Municipais para o exercício da função, faziam parte dos denominados " carapinas ", muitos que, por algum motivo sofriam perseguições, embora não tivessem sido condenados ou julgados por atos que houvessem ferido a lei. Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próxima matéria: A origem do nome da Escola Lourdes Galvão. Artigo Anterior: Francisco vende o escravo João à Domingos.

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr