Pular para o conteúdo principal

Casa sede da fazenda da Serra, Minas Gerais.


Domingos Marcelino dos Reis, casou com Felícia Constança de Figueiredo, filha do Capitão Diogo Garcia da Cruz e de Inocência Constança de Figueiredo. Domingos faleceu em 1872 na Fazenda da Serra onde vivia em Carmo da Cachoeira, onde também faleceu Felicia em 1880, e foi inventariada no mesmo ano por seu segundo marido Coronel José dos Reis Silva Resende com quem não teve filhos.

(Texto completo - Projeto Compartilhar)

Foto: Evando Pazini - 2007 - Arte: TS Bovaris

Próxima imagem: Água pura e límpida em Carmo da Cachoeira.
Imagem anterior: Congada de Mestre Dae: simplicidade e alegria.

Comentários

projeto partilha disse…
Temos estudado nos últimos dias neste blog uma Escriptura de compra e venda do chamado "Pasto da Izalina", vendido em 1913, conforme Livro de Registro n.3A fls.I49, Cidade da Varginha, 14 de junho de 1913, no Cartório do Segundo Tabellião, Escrivão e do Registro Geral e de hyppothecas, dirigido por Orpheu Rodrigues de Alvarenga. A outorgante Amélia Augusta da Silva era filha de Augusto Silva e Isalina Cândida de Souza, já falecidos na época do referido registro. O "Pasto da Isalina" (Izalina) confrontava por um lado com a ESTRADA REAL que da freguesia do Carmo da Cachoeira vai ao lugar denominado Chácara (ampliando o percurso, leia-se: mais adiante as terras de Mizael Gouveia casado na Família Junqueira e as terras dos ancestrais do NECA DA SELMA; mais adiante a FAZENDA ITAMARATY de Astolpho Naves, mais adiante a FAZENDA VELHA ou seja a Fazenda Três Barras, demolida a mais ou menos 5 anos e bem próxima do RIO VERDE e os Corações de Jesus, Maria José, ou seja, o Município de Três Corações.
A Fazenda da Serra situa-se mais próxima a antiga estrada que ligava Campanha a Três Pontas. Se aqui estavam presentes os Rates/Rattes/Raty/Rati, os Naves, os Rezendes, o Manoel dos Reis e Silva casado com dona Mariana Vilela, o José Fernandes Avelino viúvo de Maria Clara Umbelina e casado em segundas núpcias com Ritta Victallina de Souza - Rita Vitalina de Sousa(que se liga a mãe vendedora presente na Escriptura, dona Amélia Augusta da Silva, pelos lados da Serra estavam os Figueiredos e Alves Figueiredo, Ribeiro de Rezende, os Monteiro de Rezende, Souza Diniz (Denis)/ ou Diniz Junqueira, os Ferreira de Brito e Ferreira de Mesquita, os Silva Campos, os Corrêa Lourenço, os Gonçalves da Costa, os Brito Mendonça, os Faria de Souza, os Abreu, através de dona Hipólita Carolina de Abreu que residia em Lavras e passou a Três Pontas depois do casamento com Francisco José de Mesquita, os Ximenes, através da descendência de Francisco Guilherme Júnior e de Ana Evangelista Ximenes, descendência de Domingos José Pereira do Amaral e de Escolástica Teodora da Jesus, através do ten.-coronel da Guarda Nacional e Juiz de Paz, filho do casal, Francisco Paula Pereira, casado com dona Teresa Cândida de São José e, muitos outros, conforme pode-se verificar nas cartas de sesmarias passadas na região a partir de 1745 a 1789, quando em 08-AGO-1789, Luzia de Jesus, recebe data na Paragem das Três Pontas. Luzia foi casada com Manuel de Souza Diniz.
paulo costa campos disse…
FRANCISCO PAULA PEREIRA

Natural da cidade de Campanha, Minas Gerais, onde foi batizado, a 13 de setembro de 1795, filho do Capitão Domingos José Pereira do Amaral e de Escolástica Teodora de Jesus. Casou-se com Teresa Cândida de São José, filha de Teresa Maria de Jesus, inventario 1835, e casada com Pedro Custodio Guimarães. Transferiu-se para Três Pontas, onde exerceu forte influência, não só na política, mas também nas atividades econômicas, pois era possuidor de grande fortuna. Era Tenente-Coronel da Guarda Nacional e ocupou cargos de destaque na localidade. Foi Juiz de Paz, em 1837, jurado em 1842 e na revisão de 1851, vereador dos mais votados, em 1842. Novamente Juiz de Paz, em 1842 e em 1844, além de ocupar a Presidência da Câmara, com mandato até 1845, quando acumulou o cargo com o de Juiz Municipal de Órfãos. Exerceu ainda o cargo de delegado de polícia, em 1849. (História de Três Pontas. Ed. JC. 1980). Faleceu em Três Pontas (1795-1875).
paulo costa campos disse…
JOSINO PAULA BRITO

Pessoa de baixa estatura, magro, cabelos lisos, penteados para traz, usava bigode e cavanhaque, Natural da cidade de Passos, onde residiam seus pais, estes naturais de Três Pontas, Minas Gerais: José Joaquim Fernandes de Paula e Ana Jesuína de Brito (segundas núpcias desta). Doutor em medicina pela antiga Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde defendeu tese em 17 de dezembro de 1883, casou-se com Alzira Ferreira de Brito, sua prima, filha do Barão da Boa Esperança. Exerceu sua profissão nesta cidade, onde também dedicava à política, tendo sido presidente da primeira Câmara Municipal, eleita após a Proclamação da República. Foi eleito deputado estadual e constituinte em 1891. Exerceu ainda o mandato de Senador Provincial. Foi um dos fundadores da primeira Escola Normal da cidade. Por dissensões políticas, transferiu sua residência para Carmo do Campo Grande e, pelo seu prestígio político, conseguiu a elevação daquela vila à cidade, com o nome de Campos Gerais, (15-MAR-1855 - 24-MAI-1930).
paulo costa campos disse…
HIPÓDROMO PRADO

No final do século XIX, e início do século XX, um acontecimento social destacou-se na cidade de Três Pontas: a criação do Prado. As corridas eram uma forma de reunir a sociedade local, pois as diversões eram escassas naquela época. Durante a realização dos páreos, as moças e senhoras compareciam elegantemente trajadas. Os membros da diretoria usavam trajes a rigor. O presidente, e um dos fundadores do Prado, JOSÉ GONÇALVES DA COSTA, comparecia às disputas, trajando fraque, calças listradas, cartola e bengala. Este local oferecia uma oportunidade para os jovens se conhecerem e iniciarem namoros, que muitas vezes terminavam em casamento.
paulo costa campos disse…
SÃO GONÇALO

Nome atribuído a TRÊS PONTAS, fruto de equívoco, na interpretação do texto de uma escritura de compra e venda, passada pelo Capitão BENTO FERREIRA DE BRITO, pouco antes de seu falecimento, a João (Joam) Pereira e que está anexada ao inventário do Capitão Bento. A escritura foi impugnada pelo Juiz de São João Del Rei, por ocasião do inventário, que está arquivado no Museu Regional daquela cidade, Caixa de n. 15.
paulo costa campos disse…
FRANCISCO ALEXANDRE SCHIAVON

Alto, claro, de boa aparência e jovial. Gostava de jogar sinuca e, ao colocar a última bola na caçapa, dizia, com um aceno de mão, ao seu contendor: Ciao (tchau). Era natural de Pádua, na Província de Massarogo, Itália. Filho de Luigi Schiavon e Amélia Cái Schiavon. Era carinhosamente chamado de Sô Chico, pelos amigos mais íntimos, pois seu nome era Francisco Alexandre. Casou-se com Joana Tiso. Iniciou suas atividades em serviços agrícolas, na antiga Fazenda Boa Vista. Após muitos anos de trabalho, conseguiu comprar um carro de bois e alguns animais, passando a fazer transporte de mercadorias, em especial, entre a estação ferroviária da Espera (Ferrovia Muzambinho) e a cidade de Três Pontas. Algum tempo depois, exerceu atividades como comissário e consignatário de mercadorias. Seus negócios prosperaram e ele adquiriu um automóvel de marca Ford (o famoso fordinho bigode). Foi o começo de uma bem sucedida empresa de transportes, não só de cargas, em caminhões próprios, mas também de passageiros, com uma pequena frota de automóveis, em sociedade com filhos. Explorou por muitos anos uma empresa de telefonia, situada à Rua Marechal Deodoro, 31. Já idoso, mudou-se para a cidade de Cristina, Minas Gerais, indo residir em companhia de seu filho, vigário daquela cidade, Cônego Artêmio Schiavon, e lá faleceu. (15-JUL-1871 - 5SET-1959).
Unknown disse…
Olá, tdu bem? sei que seu post é antigo...

Gostaria de fazer uma colocação sobre a história do senhor JOSINO PAULA BRITO. Ele se casou novamente com uma negra livre (filha de ventre livre), minha tatarávó... ESMERIA BALBINA com teve 5 filhos. Entre eles minha bisavó Conceição Imaculada de Paula. Se você quiser mais informações pode me contatar pelo e-mail vevezinha_dani@hotmail.com
Marcelo disse…
Olá meu bisavô se chamava Theodefredo de Paula Brito e minha bisavó Olímpia Mesquita de Brito,e eram dessa região do sul de Minas,queria saber se ele era filho ou parente de Josino de Brito
Administrador disse…
Tens mais registros de José de Paula Brito... sobre sua família??
Marcelo disse…
Saudações
Tenho poucas informações,meu bisavô nasceu em 1871 e faleceu em 1954. Os filhos eram Adhemar,João,José,Boarneges,Geraldo,Alaíde e Eunice de Brito.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da