Pular para o conteúdo principal

Sô Chico de Três Pontas, Sul de Minas Gerais.

Francisco Alexandre Schiavon era alto, claro, de boa aparência e jovial. Gostava de jogar sinuca e, ao colocar a última bola na caçapa, dizia, com um aceno de mão, ao seu contendor: Ciao (tchau).

Ele era natural de Pádua na Itália. Filho de Luigi Schiavon e Amélia Cái Schiavon. Era carinhosamente chamado de Sô Chico, pelos amigos mais íntimos, pois seu nome era Francisco Alexandre. Casou-se com Joana Tiso. Iniciou suas atividades em serviços agrícolas, na antiga Fazenda Boa Vista.

Após muitos anos de trabalho, conseguiu comprar um carro de bois e alguns animais, passando a fazer transporte de mercadorias, em especial, entre a estação ferroviária da Espera (Ferrovia Muzambinho) e a cidade de Três Pontas. Algum tempo depois, exerceu atividades como comissário e consignatário de mercadorias. Seus negócios prosperaram e ele adquiriu um automóvel de marca Ford (o famoso fordinho bigode). Foi o começo de uma bem sucedida empresa de transportes, não só de cargas, em caminhões próprios, mas também de passageiros, com uma pequena frota de automóveis, em sociedade com filhos. Explorou por muitos anos uma empresa de telefonia, situada à Rua Marechal Deodoro, 31.

Já idoso, mudou-se para a cidade de Cristina, Minas Gerais, indo residir em companhia de seu filho, vigário daquela cidade, Cônego Artêmio Schiavon, e lá faleceu.

(15-JUL-1871 - 5SET-1959)

Artigo de Paulo Costa Campos

Próxima matéria: São Gonçalo, o outro nome de Três Pontas.
Matéria Anterior: O botiqueiro Major Azarias Ferreira de Mesquita.

Comentários

projeto partilha disse…
JAIME CORRÊA DA VEIGA, por Augusta (Gustinha).

Jaime Corrêa Veiga nasceu em Nepomuceno, Minas Gerais. Filho de Francisco Corrêa de Figueiredo e Clara Veiga Corrêa. Foi casado com Maria Augusta Vieira Corrêa e foram pais de 6 filhos: Solange, Marluce, Gilberto, Maria da Glória, Clara e Augusta.
Jaime foi professor de Geografia e História em Três Pontas e em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Cumpriu tão bem esta sublime missão de MESTRE, que era adorado por seus alunos, que o chamavam carinhosamente de "tio Jaime".
Homem de um coração gigante, era tranquilo, amigo, companheiro, despreendido de bens materiais, amigo da natureza.
Conhecia como ninguém os belos pássaros brasileiros e sempre dizia da necessidade urgente de proteger nossa avifauna. Ele sempre dizia também, que o PROGRESSO estava exterminando nossos pássaros. Que a Polícia Florestal perseguia os caçadores, mas não tomava conhecimento da mortandade ocasionada pelo excesso no uso de herbicidas e pulverização das lavouras.
Escreveu um livro sobre pássaros, "Pássaros de gaiola", onde mostrava todo o seu conhecimento e amor por eles. Vários pássaros foram citados no livro: pintassilgo, Patatuba, Coleira, Coleirinha, Fradinhos, Bigodinho, Curió, Bicudo, Azulão, Tibiu, Canário, Tico-Tico, Pássaro-Preto, Encontro, Sabiá, Cardeal, Chorão, Soldadinho, Chopim, Gaturamo, Sanhaço-frade, João-Totonho, entre tantos outros.
Assim era meu querido, amado e saudoso PAI, que após ter ficado viúvo, casou-se pela segunda vez com Mariana Reis, residente em Carmo da Cachoeira, onde passou a residir. Deste casamento não houve geração.AUGUSTA. Belo Horizonte,24-10-2007.
Adendo: Prof. Jaime Corrêa Veiga é autor de O POÇO DA COBRA PRETA. Editado pela GRASAL - Gráfica Santo Antônio Ltda. Três Pontas, Minas Gerais. 1976.
Prefácio: "Escrevi esta história e a ofereço à minha filha Clarinha. 1973-3-1. Jaime Corrêa Veiga. PORANGABA."
p.5: "A presente história remota a meus quinze anos. Deu-se em fazenda próxima da de meu pai. A fazenda consta de uns trezentos alqueires de terras boas. O proprietário Aurélio Souza, homem forte, mineiro da gema, vivia contente em seu mundo. Sua esposa, Helena Andrade Junqueira de Souza. Duas filhas(...), um filho, Belmiro (p.12, sobrinho dos "Andrade Junqueira"), ajudava o pai. Belo tipo de jovem, criado "a todo o leite", como se dizia ...A sede, além do que já foi dito, era um casarão austero, dos tempos da escravatura. O Sr. Aurélio o conservava com todo o carinho, por ser herança avoenga. Hilário Pereira, seu administrador, casado com italiana SUNTA ANGELO. Esta veio com emigrantes, após a guerra de 1914. A filha do casal, Jandira, cabelos avermelhados, rosto perfeito e perfeito todo seu corpo.
Lá por volta de 1924 (...)Aurélio gostava de jornais ... Os fazendeiros eram padrinhos de Jandira, filha de SUNTA ANGELO e Hilário Pereira.
(...) p.13: "Nos tempos do bisavô de Belmiro, a fazenda tinha mais de cem escravos. Uns trabalhavam nas roças, outros nos cafezais, outros nos canaviais, outros eram peões."
(...) p.14: "Em certa ocasião chegou à fazenda meia dúzia de escravos, comprados de uma fazenda vizinha: um casal de quatro filhos - três rapazes e uma crioula. Esta era um belo tipo de moça. Causou sensação na fazenda. Bonita e habilidosa, foi chamada para servir como doméstica. Por suas prendas, foi logo aceita como membro da casa.
Educada, dócil, lia e bordava, cantava e dançava. Venus negra, como dizia o patrão ... Deolinda."
p.45: " - Como é, Belmiro, está gostando de Viçosa?". (Viçosa, Minas Gerais).
Belmiro, descendente dos "Souza", e também dos "Andrade Junqueira".
E, conversa vai, conversa vem (...), p.45:
"- Recebi a notícia do noivado delas. Fiquei muito contente. Os vizinhos Figueiredo, são muito boa gente. Dois irmão e duas irmãs, que festão! O casamento foi realizado ...Hilário recebeu cartas, contendo retratos: do casamento e de Helenita. Foi uma festa. Sunta chorava e ria ao mesmo tempo. Os mesmos retratos recebe-os o tio Tonico (Antonio Andrade Junqueira).
projeto partilha disse…
Um grande baile em casa dos descendentes da imigrante italiana, SUNTA ANGELO e Hilário Pereira, segundo o Prof. Jaime Corrêa Veiga, em sua obra, O POÇO DA COBRA PRETA, p.52:
" ... o grande baile, festa que marcou época, naqueles rincões. Os preparativos céleres. Viria muita gente, vizinhos, parentes, amigos ...
À tarde começava o grande movimento. Fords e Chevrollets, cavaleiros e gente a pé, até carros de boi conduziam gente. Buzinas estridentes, cães ladrando, querendo expulsar os autos. Às cinco horas começaram os comes-e-bebes. Na grande sala de jantar, enorme mesa repleta: leitões assados, frangos, carnes, pastéis, arroz de forno, tutu, legumes, macarronada ... Pinga, vinho, guaraná, cerveja. No curral, uma imponente barraca, as mesmas iguarias, pitéos variados. De vez em quando, estouravam um foguete, a cargo do Juca Turco, e a meninada saía em correrias para pegar o rabo do foguete, como se valesse alguma coisa.
As sete horas já os instrumentos musicais entravam em afinação.
A sala de jantar foi arrumada para as danças, retirados foram os móveis. Várias velas foram picadas e atiradas ao chão. O Antônio Prósperi e o Mario Tiso se encarregarm da música. O mano Tonico seria o mestre-sala. Primeiro fez-se um círculo de cadeiras, onde tomavam assento os noivos e as noivas: Belmiro e Jandira, Aurélio e Helena e Hilário e Sunta.
O Tonico abriu a sessão dizendo:
- A primeira parte desta festa, oferecida pelo meu prezado cunhado, Sr. Aurélio, será a abertura do saráu pelos noivos. Aurélio e Helena, Belmiro e Jandira e Hilário e Sunta. Assim, cada componente dançará uma valsa, naquela noitada, dando início à festiva reunião.
Não faltavam as críticas, os malévolos ditos em relação à Jandira que era empregada e empregados eram seus pais. Com o anuncio de que iam dançar, então houve deboches, risinhos, olhares maliciosos, alusões chistosas. Uma dos Andrade Junqueira, creio que por nome Adelaide, que foi prometida para Belmiro, então, dava risadas, exultando com possíveis fiascos, com ratas que poderiam surgir. Estava justamente atrás de dona Helena e de Jandira.
...
- Maestro, a "Rapaziada do Brás".
Aos primeiros acordes dessa linda valsa, Belmiro, com muita elegância fez leve curvatura para sua esposa e saíram em perfeito rítmo. A jovem esposa mostrava ser ótimo par. procuraram seus lugares.

- Maestro, agora, para nosso querido Hilário e sua distinta esposa a inigualável valsa "Branca"."
projeto partilha disse…
Jaime Corrêa Veiga é irmão de Alexandrina Veiga - dona Neta, casada com dr. João Octaviano de Veiga Lima (Otaviano). Alexandrina era irmã de Mariana Custódia da Veiga, casada com Joaquim Alves Garcia Sobrinho e filhas de Francisco Custódio da Veiga (II), casado com Clara Paulina de Souza (Sousa). A primeira esposa do Prof. Jaime, dona Maria Augusta Vieira era prima de Aureliano Chaves. A segunda esposa, Marianinha, era irmã de Estevão Reis de Figueiredo.

Parte da genealogia da família poderá ser encontrada no Projeto Compartilhar, estudando o inventário de Francisco Custódio da Veiga, inventariado no ano de 1861, deixando viúva dona Francisca Rosa Tavares. Francisco Custódio da Veiga faleceu no distrito de São Vicente. Deixou muitos descendentes, entre eles um neto, Francisco Custódio da Veiga, casado com dona Clara Paulina de Souza (Sousa).
Alguns aspectos interessantes no inventário de Francisco Custódio e dona Francisca Rosa:
* a referência ao SOBRADINHO. Jaime Corrêa Veiga, p.36, ao falar sobre a beleza que via na futura esposa de Belmiro, a descendente de imigrantes italianos, coloca o elogio na fala de um tio de Belmiro, Antonio Andrade Junqueira, homem muito simpático, no todo e nas palavras. Alegre e folgazão, não deixava ninguém triste ao seu lado. Antonio era irmão de Helena Andrade Junqueira. Durante um diálogo com Aurélio, Hilário e Belmiro, Antonio diz: "A riqueza não vem ao fato, qualidade não faltam à moça, e, enfim, Hilário e Sunta já não são fazendeiros? E a conversa continua, na fala de Antonio Andrade Junqueira. Diz ele:
"- Tenho um pedaço de terra que comprei - O SOBRADINHO. Não é muito grande, mas as terras são boas. Estava na época da colheita do milho e, em seguida, feijão e café. Hilário foi criado na Fazenda "Ipê", homem quase rústico, mas de elevadas qualidades, serviçal, honesto e dedicado, nunca deu o menor desgosto a seu patrão e, quando passou a capataz, tudo correu normalmente na fazenda. Era de se esperar que dona Helena Andrade Junqueira levasse tudo isso em consideração. Tonico (Antonio Andrade Junqueira) foi bom advogado, como vamos ver.
- Tonico! Belmiro casar com Jandira? Que disparate é esse?
- Bem. Se eu fosse mais moço, ninguém se casaria com Jandira. Eu é que me casaria, pois que, além de muito bonita, muito sadia, muito sacudida, tem qualidades, dotes de caráter...
- Lá isso não vamos por em dúvida, mas veja as condições de raça, não passa de empregada da fazenda ...
- E isso a desabona?
- Belmiro é um Andrade Junqueira.
- Andrade Junqueira, pois olha, querida mana, conheço muitos deles que não podem nem chegar aos pés de Jandira.
- Num bom rebanho, há sempre más ovelhas ...
- Em que rebanho entra sua afilhada?
- Olha, Tonico, você ainda não me disse por que Belmiro precisa se casar com Jandira.
- Eles se gostam.
* nomes citados no referido inventário: Joaquim da Costa Abreu; Antonio Luís da Silva; José Portes Del Rei; Francisco Custódio da Silva; Antonio Gabriel Pinto; Mariana Vitória de Andrade; herdeiros do SOBRADINHO; herdeiro de Justino Custódio Rodrigues, José Custódio; Antonio Joaquim e Joaquim Inácio. No Retiro do Rio Grande sua fazenda dividia com Quirino dos Reis, Francisco Gonçalves Penha e o co-herdeiro Antonio Francisco Tavares; Ana Cândida Pimentel, com 6 anos em 1861, mãe de José Casemiro, filho de Casemiro Custódio da Veiga, casado com dona Mariana Vieira e pais de Belarmina com 2 anos em 1861. O filho Justino ficou com as terras que divide com Joaquim da Costa Abreu e de outro lado com o Rio Aiuruoca. Justino Custódio Rodrigues, filho de Francisco Custódio Veiga e Francisca Rosa, segundo dados do inventário: "Diz Antonio Vieira da Silva, avô da órfã Belarmina, filha de Casemiro Custódio de quem é tutor Justino Custódio e como este esteja a mudar-se para o SERTÃO requer seja nomeado outro tutor.
Cf.: Projeto Compartilhar.
projeto partilha disse…
Temos uma anotação feita por Gilberto Vilela, no ano de 2006 e quando de nossa visita a Arquivo Paroquial de Lavras: Livro n.1, p.47. Inocente Antonio, filho de Ignácio da Costa Abreu e Rosa Rodrigues. Padrinhos: Manoel Gonçalves da Costa e Manoel da Costa.
projeto partilha disse…
Ludovina de Moraes Siqueira, casada com Domingos Tavares da Silva (ou de Jesus), avós de Teresa Maria de Jesus, casada com Francisco Tavares da Silva e pais de Ana Francisca Tavares, casada com João Custódio Rodrigues da Veiga, neto de Antonio Vieira de Maia.

Cf. Projeto Compartilhar.
projeto partilha disse…
A cachoeirense Albertina foi casada com José Godinho Chagas.

"Aos 17 de junho de 1898 batizei solenemente a Albertina, nascida aos 11 de abril p. findo, filha legítima de Bernardino Nogueira Netto e Idalina Geracina de Oliveira; foram seus padrinhos: Alfredo Justiniano Xavier e Anna Barbara de Oliveira. O Vigário A. J. da Fonseca" Observação: Casou-se com José Godinho Chagas.
projeto partilha disse…
Uma descendência de Antonio Villela de Siqueira:

João Capristano Maffra. Ele foi casado com Maria Basília de Moraes.

Livro Batismo da Matriz de Nossa Senhora do Carmo, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, fls. 61: "Aos 26 de junho de 1898 baptizei solenemente a Maria, nascida aos 18 do mesmo mes e ano, filha legítima de João Capristano Maffra e Maria Basília de Moraes. Foram padrinhos: Joaquim de Andrade Junqueira e Pudenciana Bernarda da Costa. O Vigário A. J. da Fonseca."

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

Diácono Romário - Ordenação Presbiterial

 A Diocese de Januária, minha família e eu, Diácono Romário de Souza Lima temos a grata satisfação de convidar você e sua família para participarem da Solene Celebração Eucarística, na qual serei ordenado sacerdote pela imposição das mãos e Oração Consecratória do Exmo. Revmo. Dom José Moreira da Silva, bispo diocesano, para o serviço de Deus e do seu povo. Dia 18 de maio de 2022. às 19h, na Catedral Nossa Senhora das Dores em Januária - MG Primeiras Missas 19 de maio às 19hs na Catedral Nª Srª das Dores 20 de maio às 19hs na  Comunidade Santa Terezinha de Januária 21 de maio às 19hs na Comunidade Divino Espírito Santo em Januária Contatos: (38) 99986-6552 e martimdm1@gmail.com Reflexão: João 21, 15 - Disse Jesus a Pedro: "Apascenta meus Cordeiros" Texto de Gledes  D' Aparecida Reis Geovanini O cordeiro é o filhote da ovelha. É conhecido como dócil, manso, obediente. É o símbolo da obediência e submissão. Apascentar refere-se a alimentar, cuidar, proteger e orientar, fu

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom