Pular para o conteúdo principal

Água pura e límpida em Carmo da Cachoeira.

Os proprietários da fazenda dos Tachos mostram com orgulho um espaço da casa, ainda conservadíssima, cujas paredes das salas estão representas de fotos. Lá existe também a sala onde funcionava a venda que servia aos tropeiros e boiadeiros. Seu ancestral primeiro era o comerciante da arranchação. Hoje moram em Varginha e mantém estas propriedade com muito orgulho. A natureza por lá também é protegida e a pureza de suas águas reflete a harmonia de toda esta fazenda.

Foto: Evando Pazini - 2007 - Arte: TS Bovaris

Próxima imagem: Antiga imagem do Divino de uma fazenda mineira.
Imagem anterior: Casa sede da fazenda da Serra, Minas Gerais.

Comentários

projeto partilha disse…
Em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, este sábado de junho amanheceu convidativo para se sair as ruas. Delas, pode-se apreciar melhor o espetáculo montado pela natureza. Espetáculo digno de ser apreciado, vivido em toda sua plenitude e intensidade. O palco mostra os morros e o céu envoltos em intensa e plena neblina. Na noite anterior o que se via era um céu estrelado sob fundo de um azul indescritível. Céu sem nuvens, deslumbrante, estrelado, prenunciando geada. Um, quase inverno, que poderia concorrer com o europeu. Fantástico. Deslumbrante. Imperdível. Todos que podem saem as ruas e, aí encontram-se os amigos, conhecidos e ou desconhecidos que se tornarão conhecidos, após o "bom dia, Sá dona ou Sô doutor".
Bem, um integrante do Projeto Partilha também saiu as ruas. Foi em busca de um contato direto com o gelado frio da manhã que, envolta em neblina, emanava a sensação de estar se vivendo num mundo mágico, realmente divino. Ao passar pela varanda da casa do octogenário e querido SANTOS CHAGAS, pai da vereadora Renata, ouve-se dele: - Bom dia, Sá dona. Todo agasalhado, curtia o sol nascente. Não perdia a oportunidade de conversar com os que por aí passavam. Bem, o papo foi gratificante e fica aí um recado para Maria Eunice. Seu Santos Chagas é casado com a filha de NICÉSIA BATISTA, filha de Othoniel Cunha. Diz seu Santos Chagas, o pessoal de minha mulher veio lá de Boa Esperança. Um ótimo final de semana a todos.
projeto partilha disse…
Uma observação feita por Gilberto Vilela: "tenho dúvidas se a Nicésia é filha do Othoniel". Vou conversar com minha mãe, dona Geny casada com Saul Vilela. Sendo ela filha do Othoniel, meu avô vai nos ajudar nas ligações. Para mim que, Nicésia é sobrinha de Othoniel". Aguarde que darei notícias.
Gilberto Vilela é Engenheiro Agrônomo e funcionário da Emater, Minas Gerais. Diz ele que na família dois irmãos casaram-se com duas irmãs, nos antigamente. Vai checar e prometeu nos informar. É só questão de tempo. Quanto as gerações mais próximas as sua diz saber que: Nicésia Baptista (Batista) é mãe de Nicésio que foi funcionário municipal e vereador em Carmo da Cachoeira.
projeto partilha disse…
Na última quarta-feira duas pessoas, representando os moradores de um trecho da Rua Domingos Ribeiro de Rezende, Rua Tufi Kalil Auad e Francisco de Assis Reis, estiveram na sessão da Câmara Municipal entregando uma Carta-Apoio posta nos seguintes termos:

Carmo da Cachoeira, junho de 2009.

À Câmara Municipal de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Senhor presidente.

Assunto: Apoio à família como beneficiária de moradia popular.

Nós, abaixo assinados, presentes na Câmara no dia 3 e representantes dos anseios de ver resolvida a questão de segurança pessoal, além de outras questões envolvidas na atual moradia de Adriano/Carla e os cinco filhos, queremos demonstrar nosso apoio na busca que eles realizam com a finalidade de receber, por parte de nossos governantes, local digno para a família.
A família levantou sua moradia em terreno contíguo ao imóvel de n.811 e recebe o número de 819 da rua Domingos Ribeiro de Rezende. A moradia fica entre este imóvel e o terreno da antiga Quadra 21, Setor 2, hoje entre a rua Domingos Ribeiro de Rezende, Francisco de Assis Reis e Tufi Kalil Auad, de propriedade dos herdeiros de José Pedro da Silva, adquirido por compra, conforme mostra a Escritura de Compra e Venda datada do ano de 1951, e o registro dela no Cartório de Registro Civil em Varginha, Minas Gerais. O referido imóvel foi adquirido através de compra do senhor Jorge Tomaz da Silva e sua mulher, dona Regina Eliza da Silva, em 30 de outubro de 1951.
A referida moradia foi levantada abaixo do nível da rua e em local de passagem das águas pluviais que descem dos níveis mais altos da cidade sentido Ribeirão do Carmo. Sobre este assunto muito se falou quando das discussões nas sessões desta Câmara para implantação de rede de esgoto na cidade pela COPASA. A área é de risco e envolvidos do sentimento de responsabilidade por nossos pares e vizinhos pretendemos, ao apresentar esta comunicação, ser mais uma voz em apoio à aquilo que a Assistência Social possa fazer no que se refere a dar a esta família uma oportunidade de reintegrá-la num espaço digno e seguro.
A solidariedade, ora demonstrada deverá ser entendida como um gesto de pessoas que ousam aceitar o desafio de se darem as mãos sempre que o assunto envolva a fraternidade e a colaboração para reconstrução de um mundo mais fraterno e humano com respeito à dignidade do homem e dos seus sentimentos.
Colocamo-nos a disposição desta casa para maiores esclarecimentos, se necessário for.
Certos de que a Administração Pública está encaminhando o assunto com carinho, atenção e determinação antecipamos nossos agradecimentos.
Atenciosamente.
(seguem as assinaturas)
projeto partilha disse…
O Maquinista JOSÉ PEDRO DA SILVA (José Rita/ José do Orrita).

José Rita foi um pai de família exemplar. Além de trabalhador sério em seu atuar foi cumpridor de seus deveres sociais, religiosos e familiares. Um verdadeiro exemplo de como, o trabalhador braçal vence as dificuldades que se lhe apresentam, tanto pela falta de tempo, - desde que trabalha de sol a sol, como pela falta de dinheiro que lhe é diminuto, ou pela falta de infra estrutura no local onde reside. Vence todas as barreiras para ver realizada a sua obrigação como cidadão e chefe de família. A forte vontade de ver o que lhe pertence, e que foi ganho as custas de muito sacrifício reconhecido legalmente, José do Orrita/ José Rita ou seja José Pedro da Silva envidou todos os esforços no caminho de deixar seus bens legalizados e os direitos de seus herdeiros garantidos.
Hoje a propriedade adquirida por José Pedro da Silva, e localizada em frente ao Santuário Mãe Rainha, na Comunidade Paroquial São Pedro de Rates é olhada por seus sobrinhos: Família Fiorentino; pelos descendentes dos Bani e Petrini; por Conceição do Edgar; pela Carminha, tia do Ruto e Maria (loira). Os netos de José Pedro residem em São Paulo e por eles buscamos, no intuito de homenageá-los em nome de seus avós. Quem souber o endereço e como contatá-los, por favor, nos avise. Pode-se fazer o contato também na Secretaria Paroquial, Praça do Carmo ou pelo e-mail: alphabeto@hotmail.com
projeto partilha disse…
Domingos José de Jesus Teixeira foi declarante em dois óbitos, dos quais recolhemos alguns fragmentos. Um deles ocorreu em 1979 e o outro em 1986. Dos dados contidos no referido fragmento, o que conseguimos ler com segurança é o que se segue:
... dona Maria Clara Pedro, sexo feminino, com 84 anos, viúva de José Pedro, nascido em Elói Mendes, Minas Gerais, filho de Arrito e Avance Luiza (...) 1986. Deixou 9 filhos maiores: Maria de Loudes R., José Pedro, Tereza Aparecida, Ataíde Pedro, Orlando José Francisco, Iracema Maria, José Alves, Jandira Clara Fonseca, Orlando José Francisco, Maria/ e ou Conceição Aparecida Pereira.
O outro fragmento que segue junto está datado de 1979 e é de José Pedro, casado com Maria Clara, nascido em Carmo da Cachoeira, filho de Francisca Umbelina da Silva. Deixou bens, deixou nove filhos maiores: Maria de Lourdes, João Pedro, Tereza Aparecida, Ataíde Pedro, Orlando José Francisco, Iracema Maria José, Jandira Clara Fonseca, Orlando José Francisco, Conceição Aparecida Pereira.
É tudo o que conseguimos registrar.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948