Pular para o conteúdo principal

Escola Estadual "Pedro Mestre"


A pioneira Escola Estadual “Pedro Mestre” conta hoje, com 105 anos de existência, seu maior motivo de orgulho, foi ter acolhido em suas salas de aulas cachoeirenses ilustres como o Padre Antônio de Oliveira Godinho, Dr. General Genuíno Sant’Ana, seu sobrinho Padre Edgar Sant’Ana e tantos outros.
Aos seus ilustres professores Dona Nair, Dona Zuleica, Dona Hermínia, Dona Lourdes Galvão e muitas outras, o nosso eterno agradecimento, especialmente ao mestre que deu nome a esta instituição, o nosso saudoso “Pedro Juvêncio de Souza, o Sr. Pedro Mestre” – amigo dos alunos, o qual sempre os cativava com deliciosos biscoitinhos de polvilho, sabendo ser sempre enérgico, porém generoso, um verdadeiro educador, que se preocupava não apenas com a transmissão de conteúdos, mas também com a formação do indivíduo como ser humano, como contava o senhor Argemiro Sant’Ana.
Pedro Mestre sabia ser o mestre de outros mestres que também fizeram parte de nossa história, e aqui aproveitamos para a todos homenagear. Para representar os homenageados foi escolhida Dona Emilia Brito Mesquita Arco: imagem de humildade, delicadeza, compromisso, resignação, dedicação e amor ao próximo, especialmente aos alunos mais humildes – uma “santa” que graças a Deus ainda está em nosso meio.
Pessoas como Dona Emilia, são um presente de Deus, digna de representar uma classe tão importante, mas infelizmente tão desvalorizada pela sociedade atual. Em 2003, ao completar 100 anos a Escola "Pedro Mestre" resgatou a sua história e organizou uma emocionante festa, digna desta centenária instituição de ensino.
A partir de 1998, com a municipalização das escolas estaduais de ensino fundamental (1ª à 4ª séries) passou a trabalhar com alunos de 5ª a 8ª séries – sendo a maioria da zona rural. Hoje também atendendo os jovens e adultos no noturno (Projeto EJA).
Apesar de todas as dificuldades, foi escolhida para participar do Projeto “Escola Referencia”, um feito digno de louvor, onde teve dois projetos aprovados dentre aproximadamente 300 escolas contempladas em Minas Gerais.
A sociedade atual é totalmente diferente de alguns anos atrás. Hoje com a influência dos meios de comunicação, a busca dos pais pela sobrevivência, famílias desestruturadas... dificulta muito o trabalho a escola. A escola, mais do que nunca, precisa do apoio dos pais, da sociedade para desempenhar realmente o seu papel. Apesar de tantas dificuldades e da total desvalorização profissional, persiste na sua missão: educar em um ambiente de respeito e fé. Com a graça de Deus, vence barreiras e segue seu caminho e de braços abertos. Com humildade, própria dos justos aceita todo tipo de colaboração vinda de homens e mulheres de boa fé que queiram colaborar com o futuro de Carmo da Cachoeira, através daquilo que a cidade tem de melhor, suas crianças.
Histórico Cronológico da E.E. “Pedro Mestre”
• 1903 – Criação da Escola com o nome de Escola Pública de Instrução Primária.
• 1929 – Feita a escritura do terreno medindo 2000m2 de área, onde foi construído o prédio (parte da frente) onde até hoje funciona.
• 1930 – Passou a Escolas Reunidas.
• 1947 – Instalação do Grupo Escolar com a denominação de “Monsenhor Nardi”
• 1952 – O prédio foi ampliado com a construção de um gabinete e duas salas de aula.
• 1957 – Recebeu a denominação de Grupo Escolar “Pedro Mestre”
• 1970 – Foi construído um galpão coberto e mais duas salas de aula.
• 1973 – Passou a denominar-se Escola Estadual “Pedro Mestre”
Diretoras(es) da E.E. “Pedro Mestre”
-Amélia Ernestina de Freitas
-Pedro Juvêncio de Souza
-Nair Caldeira
-Hilda Brito Mesquita
-Geuza Nazaré de Carvalho Soares
-Maria Aparecida Gonçalves Reis
-Gina Lúcia Vilela Chagas Sant’Ana

Comentários

Anônimo disse…
O Projeto Partilha justifica-se pelo lapso de tempo ocorrido entre a postagem desta belíssima página realizada pela Escola, e nossa manifestação e agradecimento. Somos usuários da NAVINET, provedor que tem demonstrado eficiência e pionerismo em seu trabalho na área de comunicação. O grupo de manutenção esteve durante dois dias atualizando seu sistema, visando aprimorar ainda mais o excelente serviço prestado aos seus usuários e por este motivo, depois de notificados, aguardamos o retorno que está se dando nesta manhã. Assim, nossos agradecimentos se estendem, além da Escola pela participação, que vem enriquecer nossa cultura e conhecimentos, também a Navinet pelo desempenho e atenção.
Anônimo disse…
"Pedro Mestre",é Pedro Juvêncio de Souza. Nasceu em Aiuruoca em 29/06/1885, filho de Emília Augusta de Oliveira e o Ten. Jeremias Elias de Souza(segundo o que consta na certidão de óbito). O Dicionário Histórico e Geográfico de Três Pontas. p.19 o coloca como Ten. Juvêncio Elias de Souza. Viuvo casou-se em segundas núpcias com dona Rita Vieira Campos, pessoa muito querida por Pedro Mestre, a quem dedicava atenção e carinho especiais. Pedro Mestre faleceu em Carmo da Cachoeira no dia 20/09/1967, às 20:00horas, tendo sido declarado em seu atestado de óbito a profissão, professor. O atestado foi firmado por Sr. José Villela Brettas. Deixou viuva Maria dos Reis CAmpos e os seguintes filhos: Semiramis, Elvira, José e Alvina. Dona Alvina - in memorian, mãe da Prof. Beatriz, diretora atual da Escola Wanderley Ferreira de Rezende em Carmo da Caachoeira.
Anônimo disse…
"Até agora, não falei de minha escola. Pois, meu arraial tinha duas escolas públicas: uma para meninos, outra para meninas. Ao completar sete anos(1927), minha mãe fez-me um belo uniforme, deu-me uma bilha dágua de cristal verde e uma sacola de couro para a merenda. Isso até podia ser tido na conta de esnobismo, pois a escola só distava três esquinas da minha casa. Mas naquela remanescente aristrocacia rural provinciana, os padróes careciam ser mantidos: por isso, era bem que o filho do Sr. Fulano fosse à escola com tudo o que convinha ao neto do Sr. Beltrano. No primeiro dia, após a aula, lá se foi a bilha nos degraus de pedra-sabão. A escola ficava no andar de cima da cadeia. Embaixo, nas duas celas pavimentadas de pedra com janelas de grades de ferro, eram alojados os poucos presos, réus das inocentes bebedeiras de fins de semana e dos dias- santos de guarda. Eram todos conhecidos e alguns, até, nossos amigos. Repartíamos, com eles, as merendas. A meu pedido, meu pai conseguia abreviar-lhes a reclusão. Depois reincidiam. Mas alegravam os nossos recreios. Eles, embaixo, prisioneiros, da lei. Nós, em cima, prisioneiros da cartilha. A cartilha era o Livro de Vovó. Quando fui matriculado, sabia ler, escrever e contar. Meu pai, pessoalmente, providenciara esse primeiro e fascinante encontro com as letras. Por isso, fui promovido ao segundo ano, ainda no trimestre e, no ano seguinte, terminei o primário com oito anos. Somados, não passávamos de duas dúzias de alunos. Naquele tempo, a frequencia à escola primária não era obrigatória. Nosso professor-o único- uma grande e simples figura. Possuía, nos arredores, uma sitioca. Vinha a pé, ao romper do dia.Às vezes, a cavalo. Trazia, consigo, um bornal com um magro desjejum e uma garrafinha de café que colocava à janela, contra o sol. Sabia latim, conhecia, à perfeição, a Geografia imutável da época e se perdia, deslumbrado, nos devaneios da História. Meu pai me dera a Aritmética de Trajano, mas na escola fazíamos ousadas incursões pelas equações algébricas e íamos até à Geometria de Euclides. As provas eram feitas em folhas de papel almaço, atadas com fitinhas verde-amarelas e, no fim do ano, de plastrom e terno preto, vinha o inspetor escolar, meu padrinho de batismo, para os exames finais. Com sua bela letra, pena Malat e tinta Sardinha, prodigava-se em 10 para o afilhado. Entretanto, meu primeiro exame de História foi um fracasso. Perguntaram-me qual a região do Brasil colonizada primeiro - o litoral ou o interior. Como vivia no interior e nunca vira o litoral, disse que tinha sido o interior. Assim mesmo, passei: o inspetor era meu padrinho de batismo! Deixei a escola, depois de dois anos. Meu pai fez-me frequentar um professor particular em que punha muitas esperanças. Foram poucos meses para não perder o contato com os livros".
Anônimo disse…
Aqui, referência a atual Escola Pedro Mestre. (...) Vieram uns homens do Governo e lhe propusera(ao pai do Pe.Godinho) despropriaá-la(a casa) para sede das "Escolas Reunidas". O título de Grupo Escolar era reservado às cidades. A bem dizer, não havia nenhuma escola para reunir, mas o Governo precisa pôr fermento, mesmo nas miúdas realizações em um pobre arraial. E as "Escolas Reunidas" vieram. Deram-lhe, como convinha, o nome do deputado da região, nosso amigo, por sinal, e compadre de meu pai. Matriculei-me no quarto ano. Creio que não chegávamos a uma dúzia, entre meninos e meninas. Coube-nos a glória de inaugurar a cultura "superior primária" em nossa terra! Onde andarão, hoje, eles e elas? No encerramento do curso, fomos fotografados diante da grande porta de entrada. O retrato foi lambido pelo tempo. Está amarelo e triste como uma folha de malva entre as páginas das Horas Marianas de minha avó."
Anônimo disse…
O Projeto Partilha convida a direção, equipe técnica pedagógica e adminstrativa, funcionários, alunos, pais e outros interessado na história da cidade que visitam está página a ver mais referências ao Pe. Godinho nos comentários na página do dia 09/05/2008, sob o título A família de Pe. Godinho.Hoje, o Projeto em Carmo da Cachoeira enviará para divulgação a CERTIDÃO DE NASCIMENTO do referido Pe. O batismo está registrado no Livro de Assentamentos de Batizados da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo. Diocese da Campanha, n.66, fls.126 da seguinte forma:"ANTONIO, Aos 25 dias do mes de março de mil novecentos e vinte, nesta matriz batizei solenemente a ANTONIO nascido em 23 de janeiro de mil novecentos e vinte, filho de JOSÉ GODINHO CHAGAS e de ALBERTINA DE OLIVEIRA.
foram padrinhos; JOSÉ BAPTISTA SANTANA e CONCEIÇÃO DE OLIVEIRA. E para constar mandei lavrar este termo qu assino. O Vigário Pe. JOÃO PAIVA DO AMARAL. Consta a margem: Recebeu tonsura em ROMA no dia 27 de outubro de 1940.(ilegíve)no dia 21 de dezembro do mesmo ano e acelitato em 26 de outubro de 1941, sub diaconato e diaconato no ldia 22 de dezembro de 1945 e 1 de janeiro de 1946. Presbiterato em Carmo da Cachoeira no dia 17 de março de 1946. Obs. Livros antigos apresentam dificuldades para localização. Caso haja necessidade de retorno a fonte primária, verificar no original:o Livro, que é o de n.8, sendo o primeiro ato em 25/08/1919, o último ato em 25/07/1926, às fls. 24 n. de assento 66.
TS Bovaris irá receber, e abrirá espaço para publicação com as referências que o Projeto Partilha tem sobre ao Pe. Edgar. Solicitamos a prof. Celita que faça referência e a poste para conhecimento público da foto, que existe em seus arquivos e relato sobre o Dr. Jenuíno. Gratidão a todos.
Anônimo disse…
A questão da grafia do nome do Pe. Edgard. Sua certidão de nascimento mantém o assento como "Edygar", no entanto, em todas as outras referência que tivemos acesso encontramos grafado sem o "y" e com "d" final.O Livro n.4-A de Registro de Nascimentos,sob n.8 às fl184, "encontra-se o assento de EDYGAR, nascido aos treze de julho de mil novecentos e dezenove(13/07/1919); às 8:00 horas, em domicílio, nesta cidade de Carmo da Cachoeira-MG, do sexo masculino, Filho de dona MARIA DA CONCEIÇÃO SANT´ANNA e de OVÍDIO ALVES DE GOUVÊA, negociante, natural deste distrito. Sendo padrinhos: EDUARDO ALVES DE GOUVÊA E MARIA SECUNDA DAS DORES (Ribeiro de Sant´Anna). Sendo avós paternos: Gabriela de Souza. Sendo avós maternos: José Baptista de Sant´Anna e Maria Secunda da Conceição das Dores(Ribeiro de Sant´Anna. O escrivão de paz efetivo Adelino Eustachio de Carvalho. Sendo declarante Ovídio Alves de Gouvêa (o próprio pai)".
Anônimo disse…
Conform programação, TS Bovaris deverá postar, na segunda-feira, dia 12 uma foto do Pe.Edgar junto de suas irmãs, cunhado e de sua muito amada avó dona Maria Secunda Ribeiro de Sant´Anna, nascida no Município de Campo Belo,(não confundir com São Bento do Campo Belo-MG), no dia 15 de maio de 1879. Faleceu em Carmo da Cachoeira no dia 1 de setembro de 1948. "As suas palavras eram uma luz, a sua vida um exemplo, o seu trato uma doce consolação".
Anônimo disse…
Pe. Edgard Sant´Anna foi Pároco em Careassú-MG.
Anônimo disse…
Livro n.6, 42 verso, sob número186, Ovídio Alves de Gouvêa solicita em 01/06/1928 construção de túmulo no Cemitério Parochial.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Leonor Rizzi - Biografia

I tu , uma estância turística do Estado de São Paulo , viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova , cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi . E studou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio , sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry ¹ . Aquele local , assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e " filha de Maria ". C asou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha ² , que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra &quo