Pular para o conteúdo principal

A família de Padre Godinho

Clique aqui e veja a casa onde moravam José Godinho Chagas e Albertina de Oliveira Godinho, pais de Padre Antônio de Oliveira Godinho.
Na ilustração de Maurício José Nascimento é a casa da esquerda, e se alguém tiver mais informações sobre este imóvel ou sua história utilize o espaço de comentários para enriquecer a história de nossa cidade.


Comentários

Anônimo disse…
Vamos ouvir o próprio Pe. Godinho, através das notícias que deixou em sua obra, "Todas as montanhas são azuis", p. 29:"Semprei gostei de circo. Talvez por atavismo. As más linguas de minha terra insinuavam que o avô paterno português fugira, mocinho, de Coimbra, agarrado ao saiote de uma bailarina circense. Meu pai negava-o, sem muita convicção. A bailarina terá continuado seu giramundo e meu avô, artista-pintor, o mestre desconhecido de São Tomé das Letras, no Sul de Minas, casou-se com a linda mocinha de tranças, que não conheci, e haveria de ser minha avó paterna. Quando terminava a pintura de uma capela da igreja de São Tomé, encarapitada no alto da serra quase inacessível, entre pedras fossilizadas e grutas ostentando nas paredes caracteres supostamente fenícios, uma intoxicação, proveniente das tintas que ele mesmo preparava, levou-o deste mundo para melhor. Tinha 35 anos. Minha avó 19, já o havia precedido.Meu pai conheceu-o apenas. Ainda assim, do pai, romântico aluno de capa preta da velha universidade conimbricense, falava com os olhos sempre rasos d´água. À mãe referia-se qual pálida Valquíria morta, entre lírios e goivos, e essa imagem de Mme. Delly acompanhou-o pela vida afora. Jamais conheci alguém tão fiel às recordações do órfão pequenino crescendo, solitário, entre milhares de alqueires da FAZENDA DA CHAMUSCA, ou aprendendo as letras clássicas, em São Paulo, no solar da Baronesa de Sousa Queirós, nos estertores do século das luzes" Pe. Godinho, filho de Antonio Godinho LOURO e Anna Cornélia das Chagas.
Anônimo disse…
TS Bovaris. Solicitamos proceder as devidas retificações: O nome do pai de Pe. Godinho é JOSÉ GODINHO CHAGAS, casado com dona Albertina de Oliveira. Os avós paternos são os que, por um lapso temporal nos referimos no comentário anterior. Os avós maternos são Bernardino Nougueira Netto e Idalina Geracina de Oliveira. A p. 30, há um trecho EM QUE PE. GODINHO FAZ REFERÊNCIA a seu pai: "Meu pai encomendava suas roupas a um alfaiate do Rio de Janeiro e importava sabão e água-de-colônia da França. Do Rio chegavam os jornais, duas vezes por semana. Lia, em voz alta, para que eu ouvisse, os discursos pronunciados na Câmara, no Senado e na Academia Brasileira de Letras. Era um liberal sem mancha. Dizia que a liberdade não é um prêmio, mas um direito ou uma conquista, e que só é digno de ser livre que for capaz de lutar e morrer por ela. Não sei se isso era lele ou se teria lido algures. Sei que era a sua convicção. Pensava e agia assim. Meu avô materno, que refugava as idéias abstratas, dizia, um tanto quanto sobre o irônico, que meu pai era meio poeta, pois na vida o lque importa é ser pragmático. Meu pai fingia não ouvir e continuava meio poeta. Foi herança que me legou. Em tempos mais recentes, os pragmáticos voltariam à cena, não sei se com mais êxito do que meeu avô."
Anônimo disse…
Ainda Pe. Godinho. P.30, "Antes de eu nascer, o velho escrivão do arraial, já quase cego, precisou de um auxiliar. Convocou o único jovem letrado da terra. Durante trinta anos meu pai preencheu, com letra bonita e sempre igual, com pena "J", os graandes livros que conservaram a humilde história de nossa terra. Tinha fixado, por detrás da escrivanimha, a tabela dos emolumentos. Na realidade, não cobrava a nimguém. Nem aos ricos, nem aos pobres. O juiz da comarca, veneranda e austera figura, hoje com estátua de bronze em praça pública, valia-se, nos casos de dúvida, de seus conselhos e de sua experiência. Não chegara a ser bacharel em Direito, mas a formação humanística, as leituras e a prática enriqueceram-no de conhecimentos e de invejável erudição".
Anônimo disse…
"Livro 2A em seu termo de abertura:"Este livro servirá para registro de nascimento neste distrito do Carmo da Cachoeira, município de Varginha na forma do regulamenton.9886 de 07 de março de 1887. Vai constar em todas as folhas numeradas e rubricadas por mim Eduardo Alves de Gouveia, Primeiro Juiz de Paz deste distrito. Carmo da Cachoeira, 5 de fevereiro de 1896".
Há um livro em museu de escripturas em que em 1862 assina Francisco de Paula Candido, interino de notas nesta Freguesia da Cachoeira do Carmo.
Anônimo disse…
Primeiro escrivão de temos dados documentais, Joaquim Candido de Abreu, serviu durante oito meses, até 13/09/1889; Segundo escrivão José da Costa Faria, serviu durante l ano, até 13/04/1893(este, tio do futuro escrivão); Terceiro escrivão Adelino Eustáquio de Carvalho, serviu durante 28 anos e 8 meses, até 25/12/1921;José Godinho Chagas, de 25/01/1922 a 30/07/1946; Por compra Antonio Bonifácio Maciel assumiu em 1/08/1946 até 17/08/1976, passando a partir desta data a sua filha Elizabeth Vilela Maciel, que iniciou-se como escrevente substituta e cuja oficialização como titular se deu em 16/06/1986 e está ocupando o cargo até hoje.
Anônimo disse…
Uaí,Pe. Godinho foi o autor o hino do Sesquicentenário da cidade.
Anônimo disse…
Esta casa onde morava Pe. Godinho e seus pais ficava `esquerda, na esquina das ruas Dr. Veiga Lima e Francisco de Assis Reis. A casa da direita de quem olha é residência do Sr. Peró,José Mario de Oliveira(78 anos), cuja foto TS Bovaris deverá postar nas próximas páginas. Ele fala com carinho do tempo que o fundo de seu quintal - hoje transformado em muitos pontos comerciais, era um grande pomar com suas imensas e centenárias mangueiras que alimentavam pássaros, pessoas, insetos, abelhas. "Tudo muito bem cuidadinho, uma beleza. Tenho saudade".
Anônimo disse…
Seu Peró, quem não conheçe. Oi, seu Peró.
Anônimo disse…
Padre Godinho era um orador eloqüente. Minha mãe não perdia suas pregações na Semana Santa. Tanto que em meu Poema: "Era Sonho" eu cito, de forma intrínseca, Padre Godinho...."Saudades do filho da terra que em roma estudou. Que na pregação do encontro, Mãe e Filho exaltava. Dizia da dor que o Homem por nós suportou. Do corpo inerte nos braços da Virgem-Exclamava".
Unknown disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse…
Em 1977 fiz um curso de oratória com o Pe. Godinho, em São Paulo, ministrado no prédio de uma antiga livraria que ficava na rua Araújo. Ele era um tribuno de cultura, inteligência e dicção invejáveis. Certa ocasião, distribuiu para nós, seus alunos, texto do que disse por ocasião da missa de sétimo dia do falecimento de Carlos Lacerda, que fora seu companheiro de UDN.
Como o texto é longo, poderei enviá-lo aos interessados. Liberato Bueno - Goiânia (GO) - lybbueno@gmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da