Pular para o conteúdo principal

O Quilombo da Chamusca - parte 1

(Baseado no livro inédito do autor: “O Sertão do Campo Velho”)
São irrefutáveis as evidências da existência de um quilombo, em tempos remotos, na região da Chamusca, em Carmo da Cachoeira, embora não tenhamos localizado documentos registrando o fato de maneira explícita. Além do cemitério dos escravos que já existia no local quando chegaram os primeiros sesmeiros, fundando as primeiras fazendas, há o próprio significado da expressão chamusca que não deixa dúvida quanto à sua origem. De acordo com o dicionário Aurélio a expressão se relaciona ao ato ou efeito de chamuscar, ou seja, é atear fogo, queimar, ou sapecar, podendo ser associada ainda a encontro de forças em luta; tiroteio.
A expressão Chamusca, no caso, é uma referência tanto à batalha para destruir o quilombo, como às queimadas que os Capitães-do-mato fizeram em suas roças e choças, prática comum nas expedições que destruíam quilombos, conforme documentos que encontramos no Arquivo Público Mineiro: “se botou fogo, e destruiu o dito quilombo, e plantas, reduzindo tudo a cinzas” [1] ; “reduzindo a cinzas as casas que viviam” [2].
Outro topônimo relacionado ao quilombo é o ribeirão do Paiol, curso d’água que corre paralelo ao ribeirão da Chamusca e é afluente da margem direita do ribeirão Couro do Cervo. É uma referência ao paiol do quilombo que, certamente, se localizava nas proximidades da atual Fazenda do Paiol, subdivisão da Fazenda Ponte Falsa que pertenceu a Antonio Dias de Gouveia.
O paiol onde os quilombolas guardavam suas colheitas e mantimentos, sempre se localizava a certa distância do povoado principal para, em caso de ataque, seus víveres serem preservados e resgatados posteriormente. Tenho por mim que o topônimo Ponte Falsa é uma referência a alguma armadilha criada pelos quilombolas para proteger o acesso ao Paiol do Quilombo.
Além das evidências toponímicas citadas, localizamos o próprio sítio do povoado, a pouca distância do cemitério. Ali há um cercado de trincheiras semelhantes a valos, no formato retangular, com dimensões aproximadas de 80 x 150 metros e, dentro de seus limites, há uma nascente indicando que o povoado tinha abastecimento de água.
O uso de trincheiras na forma de valos profundos era comum nos quilombos, para dar proteção ao povoado. Tinham estacas pontiagudas cravadas no seu leito e eram camufladas com uma cobertura de taquaras e folhas secas. Em caso de ataque se tornavam importante recurso de defesa para, num primeiro momento, surpreender as forças invasoras, enquanto os quilombolas organizavam a fuga.

[1] APM, SC 103, p. 8 v. a 12 v.
[2] APM, SC 110, p. 135.

Comentários

Anônimo disse…
Jorge Fernando Vilela. O Projeto Partilha rende-lhe homenagem, e quer através deste comentário mostrar sua gratidão. Dentre todos seus atribuitos, e que o cacheirense bem os conhecem, o que você manifesta agora é motivo de orgulho para todos nós. A grandiosidade e generosidade. Utilizou as portas deste Projeto, o Partilha para sua apresentação. Única porta em Carmo da Cachoeira, em que o tom maior é a CULTURA desvinculada de fins lucrativos. A CULTURA PELA CULTURA. A PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, através de Pe. André lhe agradece pelo presente que ofertado no ano das comemorações de seus 150 anos - seu engajamento e participação em movimentos de elevação do conhecimento e resgate histórico. Parabéns. Continue conosco.
Anônimo disse…
Que isso, Jorge. Quilombo aqui.
Anônimo disse…
Parabéns Jorge pelo belíssimo trabalho.
Anônimo disse…
Inovou.
Parabéns.
Anônimo disse…
Queria comentar sobre o assunto. Mas como, nunca tinha ouvido falar disso. Não sei nem como começar.
Anônimo disse…
Jorge Fernando Vilela, vejo que depois de tanto investimento e tempo, está nascendo uma obra inédita. Nasce com o esplendor retratando uma importante fase do período colonial, e de relevante importância histórica e cultural, não só Sul-Mineira, mas para todo o Brasil. Parabéns pela obra, O Sertão do Campo Velho. Sucesso.
Anônimo disse…
Se estivesse em livro, não ia parar de ler. Ia de começo a fim. Agora, sendo em partilha, tenho que esperar a segunda parte. É bom, aprendo a ter paciência. O Jorge também teve, não é mesmo, mestre?
Anônimo disse…
Nem parece Cachoeira. O pessoal aqui só pensa em repor o dinheiro gasto. Aqui tem tanta gente que faz, e sai por aí doando. No caso de cultura também. Jóia. Ei, Jorge, você está inovando de todo o lado: com obra inédita e lançamento também de forma inédita. Parabéns.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da