Pular para o conteúdo principal

O Quilombo da Chamusca - parte 3

João do Prado Leme localizou e atacou o quilombo em 19 de dezembro de 1736. De seu relato extraímos os seguintes registros: “mataram um [negro] que resistiu com mais força, pelas muitas flexas que expedia”; “dos que fugiram apanharam as negras e crianças e um negro bastardo que mandei entregar á justiça por me dizerem as ditas moças era o que matara seu pai.”; “e só ficaram no Rancho as pobres moças prisioneiras com o irmãozinho livres do cativeiro”; “em virtude do tempo chuvoso que dificultava as buscas, se recolheram com os despojos, não deixando de levar a cabeça do [negro] que mataram a qual puseram na encruzilhada”. [1]
O registro de uma única vítima na operação, pode não corresponder à realidade. Era comum entre os Capitães-do-mato, sonegarem os mortos para não terem que indenizar os proprietários de escravos. A referência a um rancho afastado, onde as moças estavam prisioneiras, pode ser o que originou o nome da Fazenda do Rancho, uma das mais antigas de Carmo da Cachoeira e que se localizava defronte à Fazenda do Vau, onde o rio do Cervo dava passagem a pé.
Fica a dúvida quanto ao nome com o qual o quilombo era conhecido na região. Entendemos que Boa Vista teria sido o seu nome, uma vez que o topônimo veio servir de referência a duas sesmarias concedidas na região, no final do século XVIII: a sesmaria de João Dias de Gouveia em 27 de junho de 1786, “na Paragem da Boa Vista,” [2] no local em que foi destruído o quilombo e a sesmaria de José Joaquim Gomes Branquinho em 09 de julho de 1795, “nas cabeceiras da sesmaria da Boa Vista.” [3]
Entre vários homônimos que aparecem na Genealogia Paulistana, localizamos João do Prado Leme, filho de Pedro Leme do Prado e Maria Gonçalves Preto, nascido em 1675 em Jundiaí e casado com Anna Maria de Oliveira (ou Louvera) em 1695. Este João do Prado Leme teve um filho homônimo que na época da expedição deveria ter cerca de 30 anos. Não teria sido o filho o comandante da expedição, por não se enquadrar no perfil descrito por Tomé Rodrigues Nogueira do Ò: “homem antigo previsto na máxima dos sertanejos”. Tudo indica que João do Prado Leme, o pai, foi o comandante que, com 61 anos, recebeu a patente de Cabo para destruir o quilombo da Chamusca.
João [do] Prado Leme é ainda citado como proprietário de terras em Baependí, no inventário de Thomé Rodrigues Nogueira do Ó, onde ele aparece como seu vizinho: “... e no rio Baependí acima, aí em terras de João Prado Leme.” [4] Certamente são as terras que ele recebeu do governo como prêmio pela destruição do quilombo.
No próximo artigo nos reportaremos às informações mais importantes do relato de João do Prado Leme: a degola do negro morto em combate, com a exposição pública de sua cabeça em um mastro na Encruzilhada do Caminho Velho e a fuga do chefe do quilombo, “o mulato intitulado Rei, com uma concubina, dois filhos e quatro escravos.” [5]
Jorge Vilela, 28/03/2008

[1] APM, SC 56, p. 102 a 103 v.
[2] APM, SC 234, p. 180 v.
[3] APM, SC 265 p. 64 v.
[4]Disponível no site: http://www.genealogia.villasboas.nom.br/
[5] APM, SC 56, p. 102 a 103 v.


Comentários

Anônimo disse…
Com esta publicação, a terceira deste artigo, deixamos muito material para trabalho escolares locais, e para estudos de pesquisadores que tem nos acompanhado. Somos profundamente gratos a participação do historiador e pesquisador CACHOEIRENSE, Jorge Fernando Vilela. Aguardamos novos artigos.
silva lemes disse…
Talvez esse João do Prado Leme fosse parente próximo de Maria Leme do Prado, esposa de Tomé Rodrigues Nogueira do Ó.
Maria Leme do Prado, Rosa Leme do Prado (Rosa Maria do Prado) uma das minhas n-avós, descendia de Antonio da Rocha Leme e de Antonia do Prado de Quevedo ( Antonia ddo prado Leme) e como era de costume o primogênito levar o sobrenome completo do pai e os demais sobrenomes variados ou invetidos, ou da mãe, de avós, etc. João, citado pode descender desse tronco.
Gilberto Lemes.
http://silvalemes.blogspot.com
Anônimo disse…
sim, é minha vovó também, vovô tomé invadiu um quilombo em 1736 para resgatar duas donzelas sequestradas cujos pais foram assassinados por quilombolas.
Bom dia!
gostaria de saber se Maria Leme e Tomé Rodrigues Nogueira do ó, tinham um escravo de nome João, se em algum momento estiveram na região de Congonhas

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz