Pular para o conteúdo principal

fazenda Capitinga


A fazenda Capitinga entra na história como benemérita, pois seus proprietários, Gabriel Justiniano dos Reis e sua esposa Anna Reis, num ato nobre, digno e altruísta, cederam para uso do distrito, a água de seu manancial e da qual a população faz uso até hoje.Gratidão e amor incondicional, a Mãe Natureza e aos seus filhos altruístas.

"Biézinho da Capitinga", pai de Dona Zilá, da Bahia e da Lulu, eis como era conhecido este altruista doador das águas, que serviram num primeiro momento o Arraial do Carmo da Cachoeira. Biézinho, foi o construtor da casa da "Lulú da Capitinga", in memoriam.


Comentários

Anônimo disse…
Errata. Tipo de erro:Digitação. Leia-se CAPITINGA, ao invés de Capetinga.
Anônimo disse…
Aproveite e vejam descendentes de gente de nossa região em São José de Capitinga (MG), em Mariana de Souza Monteiro.
Anônimo disse…
Esclarecimento. A correção para o termo CAPITINGA ao invés de Capetinga foi o "uso tradicional local". Dona Zilah, A Zilá do Percy para os cachoeirenses mantém o nome com "i". Fiéis as buscas de nossas origens, mantivemos o seguido pela tradição. Vejam que alguns que daqui partiram, por um motivo ou outro que ainda não estudamos levaram o termo com "i", como foi o casa apontado na descendência de Mariana de Souza Monteiro. Encontramaos uma justificativa na página "Diversidade Lingüística no Brasil" - Microsoft Internet Explorer. Endereço, http://www.educacaopublica.rj.gov/br/cursos/portuguesa/diversidade/01.htm
Anônimo disse…
Em papel timbrado com o Símbolo do ESTADO DE MINAS GERAIS e os termos nele contido "Libertas Quae Sera Tamen", a Camara Muncipal de Varginha, em 18 de fevereiro de 1926 passa "escriptura particular de cessão da servidão de um manancial para o abastecimento da séde do districto do Carmo da Cachoeira". No ato da referida cessão esteve presente como cedente GABRIEL JUSTINIANO DOS REIS e sua mulher, dona ANNA REIS, e como outorgada cessionária, a Camara Municipal de Varginha". Consta do termo, "(...) por elles foi dito que eram senhores e possuidores, a juto título, de um manancial nas corcunsvisinhanças da séde do districto, no logar denominado "Capetinga", de onde parte a água que abastece o mesmo districto, cuja servidão cedem como cedido tem a Camara Municipal de Varginha (...). A Camara estava representada pelo Pharmaceutico Alvaro de Paula Costa, seu Presidente e das testemunhas Armando Paiva e Amaro de Souza Leme/(Lemos?). "Eu, Evaristo Gomes de Paiva, Director da Secretaria, a escrevi e de perante as partes que acham de conforme assignam com as testemunhas".
Anônimo disse…
Ontem quando estive com dona Zilah (Zilá do Percy)ela me dissi: Posso lhe contar algo? Você poderá me ouvir? Tomei de uma pequena cadeira, que estava ao lado do telefone e postei-me frente-a frente com ela. Relatou-me que recebeu uma visita muito importante na véspera - a do SANTÍSSIMO SACRAMENTO, levada pela Ministra da Eucaristia, MARLUCE, sua parente. Disse-me dona Zilá:"Veja este vasinho com flores na cor violeta. Coloquei sobre a mesa. Rezei uma oração que minha mãe nos ensinava e pedia que se repetisse todas as noites - a da Divina Providência e RECEBI O SACRAMENTO DA COMUNHÃO".
Anônimo disse…
Oração ensinada aos filhos, por dona Anna Reis, casada com Gabriel Justiniano dos Reis.

ORAÇÃO DA DIVINA PROVIDÊNCIA.

"Onipotente e eterno Deus
Concedei-me a graça
De ter sempre presente
Ao meu espírito
A Vossa Adorável Prividência.

Afastai do meu coração
Todas as preocupações inúteis
A fim de que confie inabalavel/
A Vossa Infinita Bondade
Mesmo nas maiores provações

Oh! Deus. Sumamente sábio e Todo Poderoso
Guiai os acontecimentos de minha vida
Segundo o Eterno Beneplácito Vosso
Seja feito em tudo Sua Santíssima Vontade
Seja sempre glorificada a Divina Com todas as coisas. Assim Seja".
Anônimo disse…
Gabriel Justiniano dos Reis, segundo dona Zilah,"Bié da Capitinga", segundo Ovídio Reis, "Bièzinho", fazendeiro - Fazenda Capitinga, Município de Carmo da Cachoeira, nasceu na Fazenda da Serra aos 18 de fevereiro de 1885. Casou-se em primeiras núpcias com MARIANA TEIXEIRA REIS. Filhos do primeiro casamento: Mariana Teixeira Reis Filha, faleceu com 15 anos e Antonio Teixeira Reis, faleceu com 2 anos. O segundo casamento foi com NANINHA, Anna Reis, que nos deixou seu legado na ORAÇÃO A DIVINA PROVIDÊCIA, entre outros tantos, sob a forma de valores imateriais. Segundo a Genealogia da Família Reis, p. 64, Gabriel JUSTINIANO é neto Gabriel dos Reis Silva, primeiro filho de dona Mariana Vilela do Espírito Santo, nascida em Serranos em 1774, filha de Maria Vilela do Espírito Santo e neta paterna Felícia Siqueira ou Cerqueira.Gabriel e Bazilissa são pais de ANTÔNIO JUSTINIANO DOS REIS,da Fazenda da Serra. Municip. de Carmo da Cachoeira-MG, nascido em 19/01/1846 e casado com Idalina de Oliveira Costa(filha de JOÃO BATISTA DE OLIVEIRA COSTA, nascido em 10/05/1835 e ELIZA FELISBINA DE OLIVEIRA, nascida em 02/09/1839). Gabriel(o avô) casou-se em São Tomé das Letras, com Bazilissa Cândida Branquinho(a avó), filha do alferes Luiz Gonzaga Branquinho e de Ana Cândida de Meireles. Ana Cândida, neta de JOÃO DE SOUZA MEIRELLES E DE DONA MARIANA GARCIA DUARTE MEIRELLES. Os pais de Gabriel Justiniano, segundo o genealogista José Ovídio Reis (Faz.Pedra Branca-Três Pontas)e, portanto, ANTONIO JUSTINIANO DOS REIS(P.26), DE QUEM GABRIEL JUSTINIANO é o sétimo dos filhos. Nossa querida dona Zilah, é filha do segundo casamento, juntamente com a Lulu, a Bahia.
Anônimo disse…
ANNA REIS. A que deixou oum legado às futuras gerações: ORAÇÃO DA DIVINA PROVIDÊNCIA. Deixou também um exemplo de trabalho e dedicação. Dona Zilah disse: "a mamãe, com feixe de lenhas sobre as costas" Quem foi, na genealogia essa gerreira, batalhadora e devota senhora? Além de ser a mamãe de nossa QUERIDA dona ZILAH, da LULU (in memoriam) e da BAHIA, foi casada com o viúvo Gabriel Justiniano dos Reis (o doador das águas do manancial da CAPITINGA). Suas ligações patrimoniais foram a casa do Arraial (ainda existente hoje na praça Nossa Senhora do Carmo, e preservada pela atual família residente na Fazenda do Bananal e casado na família do Sr. José da Naninha - DAS ABELHAS) - A CASA DO MORRO GRANDE, e a Fazenda do mesmo nome, que hoje será mostrada a todos, contando como sempre com o auxilio de nosso precioso colaborador Rogério Vilela.Segundo dona Zilah uma casa muito, muito antiga. Deu detalhes, através dos quais a reprodução através da arte de Maurício José Nascimento. Ápós o desenho feito e mostrado em exposição na cidade, pelos 150 anos da instalação Freguesia e divulgada pela TV regional, a feliz constatação de que a memória de dona Zilah deverá ser respeitada - a publicação da casa em Album de Varginha. Detalhe por detalhe dos mantidos na memória de dona Zilah estavam registrados no referido álbum.A genealogia segue em outro comentário.
Anônimo disse…
A devota da DIVINA PROVIDÊNCIA - ANNA REIS, mãe de dona Zilah, casada com Sr. Percy.Os pais de dona Anna foram: ANTONIO DOS REIS SILVA(II), batizado em 05/09/1808. Casou-se com MARIA CÂNDIDA BRANQUINHO (I), filha de JOÃO DAMASCENO BRANQUINHO - da fazenda Boa Vista. Estudiosos da família tem encontrado respostas navegando. Existe muito material hoje disponibilizado pela internet. O Projeto Partilha utiliza este recurso e encomenda pesquisas, para nomes ainda não disponibilizados por esta via. Assim, nas raizes dos "Branquinhos", dona Ângela Ribeiro de Moraes. No engenho do Peixe em 1821, a presença de Juliana Maria de Almeida(também é encontrada como Juliana de Almeida e Silva ou só "Almeida"). Filha de dona Genoveva de Almeida e Silva, casada com Manoel Coelho dos Santos. Inv.SJDR, ano 1840. Juliana casou-se com Thomaz(Tomaz) Mendes(dos Santos), ambos falecidos em 1840.Considerando a
imensidão territorial da Comarca do Rio das Mortes, procurar um nome torna a tarefa árdua. Temos em São Bento Abade a presença de Manoel Ferreira Mendes, casado com Maria Francisca do Espírito Santo(ela teve um segundo casamento). Do primeiro casamento uma filha única, Maria Ignácia, "viúva do Capitão João Francisco Junqueira, herdeira única e universal"p. 531, Família Junqueira. A finalidade da citação é buscar nos idos anos do mil e setecentos os "MORAES", DE MARIA DA COSTA MORAES, casada com o Sr. Manoel Antonio Rates, do Sítio da Cachoeira, na CACHOEIRA DOS RATES, no ano de 1770/1800. A vizinhança estava espalhada nesta imensidão territorial. A Fazenda Morro Grande, fica entre a Fazenda da Ponte Falsa e Sítio da Cachoeira, na CACHOEIRA DOS RATES. Júnior Caldeira está tentando buscas em arquivos, na busca de suas raizes, com a finalidade de regá-las. Ajuda a gente, dona ANNA REIS, moradora da CASA CELESTIAL e devota da DIVINA PROVIDÊNCIA. A forte e robusta árvore necessita de água para não secar.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage