Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2009

Esclarecimento sobre a Fazenda da Serra.

Segundo o 21° Anuário Eclesiástico da Diocese de Campanha, em texto cuja autoria é atribuída ao Monsenhor Lefort, o mais antigo documento que se tem conhecimento a respeito de Nossa Senhora do Carmo em Carmo da Cachoeira é um registro de casamento colhido pelo genealogista Ari Florenzano, que transcrevemos: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Fazenda da Serra do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rey, receberam em matrimônio os contraentes Jerônimo José Rodrigues, viúvo que ficou pelo falecimento de sua primeira mulher Ana Joaquina de Jesus, com Antonia Maria de Assunção, filha legítima de Tomaz Mendes e Juliana Maria de Almeida, natural e batizada na freguesia de Santa Rita, filial desta Matriz de São João Del Rey”.Se observarmos com atenção o que está escrito no registro, verificamos que a tal ermida se localizava na “Fazenda da Serra, na Freguesia de São João Del Rei”. Ora, este documento evi…

Repensando o turismo religioso.

de:SÉRGIO DOS SANTOS
"O Turismo Religioso não é, necessariamente, um turismo feito por religiosos, místicos, santos populares,devotos e sacerdotes/profissionais de qualquer credo ou confissão religiosa. O adjetivo “religioso” deve serreconhecido em sua amplitude espiritual e metafísica, embora esteja perigosamente comprometida com aperspectiva cristã – responsável pela sistematização desse significante, no universo do Império Romano eda Igreja Católica. Portanto, a correta definição para esse tipo de turismo encontra-se num exercícioaproximativo. Trata-se de um fazer turístico capaz de manifestar algum dado de religiosidade. E éexatamente na religiosidade – no ato popular de professar o sistema de crenças chamado de Religião – queo Turismo Religioso pode ser comparado às peregrinações e romarias aos lugares sagrados, em momentostambém sagrados".(Prof. Dr. Christian Dennys Monteiro de Oliveira)-----------------------------------Prezados amigos, penso que a opinião do projeto…

Antiga ilustração de cena bíblica: Jesus e Judas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.acervo da Fazenda da Serra
Foto: Evando Pazini - 2007 - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Córrego de águas puras da em fazenda mineira.
Imagem anterior: Homens em traje típico da Congada Mineira.

Córrego de águas puras da em fazenda mineira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Fazenda dos Tachos - Carmo da Cachoeira, MG
Foto: Evando Pazini - 2007 - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Imagem barroca do Cristo Morto no Sul de Minas.
Imagem anterior: Antiga ilustração de cena bíblica: Jesus e Judas.

Imagem barroca do Cristo Morto no Sul de Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Fazenda dos Tachos - Carmo da Cachoeira, MG
Foto: Evando Pazini - 2007 - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Cena típica da tradicional Minas Gerais.
Imagem anterior: Córrego de águas puras da em fazenda mineira.

O Santuário, a pureza de espírito e o comércio.

Um dos "pontos interessantes" de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, é o Santuário Mãe Rainha de Carmo da Cachoeira(mapa). O cachoeirense entende o local como sendo um espaço comunitário e que o conduz a sintonia com a devoção a Nossa Senhora, Santíssima Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo.Este caráter de universalidade da imagem da Mãe, que está diuturnamente aberta ao acolhimento e perdão, eleva e dignifica a todos. Os que por ali passam saúdam a figura da mãe e seguem sua trajetória sentindo-se abençoados. Muitos deixam aí suas confidências, algumas revestidas de dor, outras de alegria. São encontros "de rua", rápidos, descontraídos, descomplicados. É um encontro marcado pela compreensão, singeleza, aceitação, perdão e bençãos. Pura sintonia com energias internas superiores. São mães com crianças no colo a caminho das creches, são trabalhadores com seus "bornais" e ferramentas a caminho dos labores diários, são crianças com livros, enfim, um ponto de irradi…

Homens em traje típico da Congada Mineira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Grupo de Congada de Oliveira, Minas Gerais em visita a Carmo da Cachoeira.
Foto: Maria do Carmo - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Antiga ilustração de cena bíblica: Jesus e Judas.
Imagem anterior: Ilustração de antiga Bíblia latina de fazenda.

Pontos interessantes de Carmo da Cachoeira.

Conheça a localização de alguns dos principais pontos de referência da cidade de Carmo da Cachoeira, e aproveite para conhecer nosso arquivo de mapas.

Documento de Demarcação de terras de 1911.

Joaquim Gregório de Figueiredo e Pedro Juvencio de Sousa foram testemunhas em no abaixo assinado que se segue:Dissemos nós abaixo assinados Augusto Ribeiro Naves e sua mulher dona Olímpia Generosa dos Reis, que sendo senhores possuidores de uma sorte de terras no lugar denominado ESTALEIROS - Freguesia do Carmo da Cachoeira, Comarca de Varginha, com as divisas seguintes: começando na beira do córrego, em uma(orelha de burro?) onde ha uma cova, por esta acima beirando (ilegível), em seguida a uma massaranduva até onde encontrar numa cova, no meio do matto; volvendo-se, digo, divisas com Messias de Tal; volvendo à direita, sahindo do matto, em uma samambaia, em rectas à um jacaranda, divisas de Cyrino Rodrigues da Silva, e deste, em recta do córrego em uma cova, a beira do barranco, dividindo com Senhorinha Maria de Jesus(Sinhorinha) e pelo córrego acima até onde teve principio e fim esta demarcação, dividindo com os herdeiros de Domingos Alves Teixeira. Carmo da Cachoeira, 20 da agosto…

Retificação de área da Fazenda das Três Barras

Escriptura de retificação (...)Manoel Pinto Teixeira. Saibam quantos este publico instrumento de escriptura de retificação, 1914, districto do Carmo da Cachoeira, Comarca de Varginha, Estado de Minas Gerais(...)trinta alqueires de oitenta braças quadradas, a qual houve por sucesssão de seo finado pai Domingos Alves Teixeira(...)consiste em terras sita na Fazenda das Três Barras, deste districto, e possuem livres e desembaraçadas, sendo que suas divisas, começando na barra do corregosinho do pedregulho fazendo barra com o córrego do saltador, e por este dividindo com Ceryno da Costa Ramos e com os mais confrontantes Messias de Tal, Anna Ceryna, Joaquim da Costa Ramos e Maria Teixeira dos Reis até encontrar uma cerca de vasão em rumo à um vallo que cerca a invernada do pedregulho, e pela cerca acima em seguimento no vallo dividindo com o fundo do vallo digo, do cafezal de Augusto Ribeiro Naves(...)Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: Documeno de Demarcação de terras de 1911.
A…

Casa de José Celestino Terra em Minas Gerais.

Casa¹ construída na praça do Carmo, esquina com a Rua Dom Inocêncio, à direita de quem desce, ou melhor, sentido poente à direita.(...) situada na sede da Freguesia doCarmo da Cachoeira, noLargo da Matriz, divisando com a rua que vae ter nacadeia e pela frente com o referido Largo da Matriz (...), quintal esse, todo murado que o transmitente, Cônego Antônio Joaquim Fonseca, houve de José Celestino Terra. Testemunhas, João Urbano de Figueiredo e João Evangelista da Silva Frota. Eu, Antônio Villela Nunes, tabelião. Varginha, 22 de novembro de 1925”.Comprador, Francisco de Assis Reis². A casa foi demolida. José Celestino Terra, cujo nome aparece durante muitos anos assinando olivro Fábrica da Paróquia. É citado pelo genealogista Paulo Costa Campos em sua obra Dicionário Histórico e Geográfico de Três Pontas:“Em 1862 foram feitas doações das terras, para edificação da ermida, sob o orago da Senhora Santana. A tradição diz que as doações foram feitas por Pedro Pinto da Silva, José Celesti…

Ilustração de antiga Bíblia latina de fazenda.

As bandeiras paulistas de Pinhal em Minas.

(...) dr. José Joaquim de Morais(...)a que tudo assistiu a Câmara em corporação reunida à comissão da Câmara Municipal de Espírito Santo do Pinhal tte. Vicente Gonçalves da Silva, alferes José Theodoro Garcia Leal, e Francisco Bernardes de Oliveira Mineiro.(E mais:) As bandeiras paulistanas, segundo roteiros da época, partiam da sede da capitania, dirigiam-se a Juquerí, transpunham o morro do Lopo, chegavam até poucos km de Mogi-Guaçu em território pinhalense, onde a estrada dividia-se em dois ramos: um que se dirigia a Ouro Fino e outro seguindo para Baependi, atravessa os rios Cervo, Sapucaí e Verde, rasgando os sertões de Camonducaia e superando o morro do Caxambu. As que destinavam a Goiaz possuíam dois caminhos, que partiam do Rio de Janeiro e de São Paulo. (...)Do livro "Álbum de Itapira" de João Netto Caldeira às páginas 59 a 61: "Em 21 de Maio de 1881 a edilidade endereço à Assembléia Legislativa uma representação (...)".Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxi…

A Boa Vista de Carmo da Cachoeira.

O topônimo “Paragem do Ribeirão da Boa Vista”, expressão que compõe o título do Livro¹ de Mourão publicado em 2007, sobre a história de Carmo da Cachoeira, nunca existiu no município. As expressões corretas são ”Paragem da Boa Vista” ou simplesmente “Boa Vista”. É dessa forma que os topônimos aparecem nos primeiros documentos oficiais, de que se tem notícia.A expressão “Paragem da Boa Vista” aparece pela primeira vez na Carta de Sesmaria de João Dias de Gouveia, filho de Antonio Dias de Gouveia, concedida em 27 de junho de 1786, “na Paragem da Boa Vista, Freguesia de Lavras do Funil². Nessa sesmaria João Dias de Gouveia fundou a fazenda da Chamusca.A expressão “Boa Vista”, por outro lado, aparece como referência na Carta de Sesmaria de José Joaquim Gomes Branquinho, concedida em 09 de julho de 1795, nas “Cabeceiras da Sesmaria Boa Vista³ . Nessa sesmaria, que se situava nas cabeceiras da sesmaria de João Dias de Gouveia, José Joaquim Gomes Branquinho fundou a Fazenda da Boa Vista, q…

Janela oitocentista sul-mineira da fz. da Serra.

O trecho da história que é domínio de todo cachoeirense sobre a Fazenda da Serra nos reporta a Antonio Justiniano dos Reis, filho de Gabriel dos Reis Silva, casado em São Thomé das Letras com Bazilissa, filha do Alferes Luiz Gonzaga Branquinho, neta de José Joaquim Gomes Branquinho e bisneta de Ângela Ribeiro de Moraes.Dos filhos de Gabriel e Bazilissa:José dos Reis e Silva, no ano de 1871, casou-se em Carmo da Cachoeira com sua prima, filha de Maria Cândida dos Reis Branquinho;Manuel dos Reis Silva Sobrinho, o Manoel Branquinho, nasceu em Carmo da Cachoeira e foi proprietário da Fazenda Saquarema;Antonio Justiniano dos Reis, nascido em 1846, foi proprietário da Fazenda da Serra;Ana Cândida Branquinho(que nos reporta de José Pinto Mesquita e a professora e diretora aposentada Hilda Mesquita); eGabriel dos Reis e Silva Júnior, o Bié Gordo.Entre os filhos de Antonio Justiniano dos Reis, outro do mesmo nome, conhecido como Tonico dos Coqueiros, da Fazenda dos Coqueiros, nascido em 1887 n…

Lançamentos no livro "Termo de Bem Viver".

Termos de Bem Viver da Freguesia do Carmo da Cachoeira
Minas Gerais - Brasil¹
(...)"servirá este livro termos de bem viver na (ilegível) do Distrito de Boa Vista, Lavras, livro que numerado rubricado por mim, Gouveia, Dezembro de 1855. Visto de correição. Lavras 25/11/1857. Aos vinte e sete dias do mez de fevereiro de mil oitocentos e secenta nesta freguezia do Carmo da Cachoeira, Termo da Vila de Lavras, Comarca do Rio Verde em meo(...)achava o sub-delegado o tenente coronel Jozé Fernandes Avelinocomigo Escrivão no cargo ahi prezente, o Réo Manoel Vicente, ano 1861 (...)Na primeira folha, Cachoeira do Carmo, 14-07-1877. Segunda folha: (...)Cidadão Brasileiro Tenente Coronel José Fernandes Avelino, Primeiro Juiz de Paz desta Freguesia da Cachoeira do Carmo.²Lavrado pelo Escrivão interino, Francisco de Paula Cândido, encontra-se a seguinte procuração: Procuração bastante que faz e assigna João Francisco da Costa Martins, como (...) declarado. São Jeronymo, 26 de junho de 1869. (...…

Edriana Nolasco, onde tudo começa.

Uma grande aliada de Carmo da Cachoeira, Edriana Aparecida Nolasco, rastreou muitos dos documentos que ora nos baseamos e homeopaticamente os tornamos público. Saiba mais sobre o trabalho desta pesquisadoranesta matéria da Editora Ponte da Cadeia.Já foram quatro transcrissões de inventários publicadas neste blog: Antônio Dias de Gouveia e esposa; José da Costa Morais; e Maria da Penha de Jesus. Além da sua fundamental participação em dezenas de outras matérias, os dados coletados por ela foram primordiais para o avanços e aprofundamentos de nossas pesquisas. Eles fundamentaram o trabalho de campo que deu origem ao livro "O Sertão do Campo Velho", de autoria de Jorge Fernando Vilela.

Padroeira do Brasil na Congada de Oliveira.

A Congada, cujo grupo apresenta-se trajado com vestes azuis é do Grupo do Município de Oliveira, Minas Gerais. Mestre Dae, da Congada de São Benedito do município mineiro de Carmo da Cachoeira, também particiopu do evento ocorrido na Igreja e na Praça do Carmo, onde houve o encontro das duas Bandeiras: Nossa Senhora Aparecida (Oliveira) e São Benedito (Carmo da Cachoeira, com Mestre Daé).
Grupo de Congada de Oliveira, Minas Gerais em visita a Carmo da Cachoeira.
Foto: Maria do Carmo - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Janela oitocentista sul-mineira da fz. da Serra.
Imagem anterior: O ipê e o Santuário em Carmo da Cachoeira.

A genealogia de Ana Paulina de Rezende.

Ana Paulina de Rezende, filha de Maria Clara de Rezende(Resende ou Ribeiro de Rezende) e Antônio dos Reis e Silva em Aiuruoca, em 1828, com 16 anos, habilitou-se para casar com José de Souza Meireles, viúvo de Generosa Clementina Vilela, filho do Capitão João de Souza Meireles¹ e de Maria Antônia de Jesus² (Mariana) , (n.p.?)do Capitão José Garcia Duarte e de Ana Maria Duarte, a "Ana do Angaí". Dona Mariana Antonia de Jesus é filha de Ana do Angaí - Ana Maria de Carvalho. Ana do Angaí e seu marido José Garcia Duarte foram moradores na Paragem do Saco do Termo de Baependi. Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próxima matéria: Lançamentos no livro "Termo de Bem Viver".
Artigo Anterior: Os Dias de Oliveira na sociedade cachoeirense.1. nascido em Portugal
2. nascida em São João del Rei

Teresa do Sapé, uma vida de dedicação.

Teresa do Sapé e Jorge Vilela. Dois nomes ligados pelo mesmo ideal preservacionista. O foco é o cemitério da Chamusca. Um intelectual, outra uma ativista. Terezinha do Carmo Cubateli é conhecida na capital paulista como Teresa do Sapé, lidera alguns movimentos sociais ligados as favelas, atuando junto a igreja onde, com sua criatividade e articulação, mantendo a tradição do simples e do singelo, contidos em suas origens. Nascida na mineira Carmo da Cachoeira, faz de tudo para engrandecer seu berço natal. Uma de suas falas mais significativas é esta: "Como um povo pode ignorar seu passado? Aí está o fato de muitos não engrandecerem mais Cachoeira. Não conhecem seu passado de lutas e de glórias."Projeto Partilha - Leonor RizziPróxima homenagem: Rogério Vilela, nosso grande colaborador.
Homenagem anterior: As mineiras: Dona Rezenda e Tereza do Sapé.

O ipê e o Santuário em Carmo da Cachoeira.

Eis o Ipê, nascido nas Terras de São Pedro de Rates. São dois pés, e de espécies nativas, segundo seu Peró, profundo conhecedor desse trecho da cidade. A imagem de São Pedro de Rates será colocada junto deles. O arquiteto, historiador, heraldista e proprietário em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, com terras na Fazenda dos Coqueiros, Jorge Fernando Vilela virá, neste final de semana, para definir o exato local de colocação da imagem. Os Ipês já definiram que será ali por perto. O conhecimento espacial e a síntese harmônica advinda do estudo: estímulo/espaço físico/tempo, formarm as sólidas bases na formação profissional de Jorge Fernando. Ele que, já detém o conhecimento histórico da região irá definir, exatamente, onde será colocada a Imagem Símbolo da sociedade cachoeirense. Foto: Evando Pazini - 2009 - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Padroeira do Brasil na Congada de Oliveira.
Imagem anterior: Matéria sobre uma antiga fazenda em Minas.

Getúlio Vargas passa por Carmo da Cachoeira.

Dia 11 de outubro foi um dia lutuoso para o arraial, porque foi sepultado o Álvaro Dias de Oliveira, de tradicional família cachoeirense e durante perto de trinta anos agente postal local. Apesar deste triste acontecimento, aquela data ficou também marcada em nossa história, porque, pela primeira vez os cachoeirenses viram um avião cruzar os céus do arraial. Era um teco-teco a serviço da revolução e que vinha fazer reconhecimento sobre o quartel do Quarto Regimento de Cavalaria Divisionária sediado em Três Corações e que se mantinha fiel ao Governo Federal. Embora estivesse voando a grande altura, o piloto deve ter observado como o povo saía para as ruas, acenando para ele com panos vermelhos.Ao sobrevoar Carmo da Cachoeira, o piloto atirou um pacote que, tocado pelo vento, foi cair bem longe, lá para os campos de São Marcos. Alguns meninos que saíram correndo, acompanhando o rumo que tomava o pacote, chegaram no momento exato em que ele tocava o solo. Pegaram-no e trouxera-no para o …