Pular para o conteúdo principal

Carmo da Cachoeira, áreas urbanas e surburanas

Decreto-Lei n. 10.
Carmo da Cachoeira delimita as áreas urbanas e suburbanas das sédes Municipal e distrital

Considerando que a delimitação dos perímetros urbanos e suburbanos das cidades e vilas são anexos obrigatórios do mapa municipal que as Prefeituras apresentarão até 31 de Dezembro de 1939, nos têrmos da resolução N.60 da Assembléia Geral do Conselho Nacional de Geografia, o Departamento Administrativo do Estado de Minas Gerais aprovou e eu, prefeito municipal, sanciono o seguinte decreto-lei:

Artigo Primeiro - A área urbana de Carmo da Cachoeir fica compreendida: - Começando no cruzamento das ruas Domingos Ribeiro de Rezende e Artur Tiburcio; segue por esta até a rua Presidente Antonio Carlos e por esta até a rua Primeiro de Janeiro, pêla qual desce até a rua Barão de Lavras, continuando por esta até seu cruzamento com a rua Barão do Rio Branco e, descendo, segue pêla mesma até a rua Domingos Ribeiro de Rezende, pela qual continua até encontrar a rua Artur Tiburcio, ponto de partida.

Artigo Segundo - A área suburbana da cidade de Carmo da Cachoeira fica constituída dentro dos seguintes limites: - Começando no córrego da Chácara por um valo que sobe pêla encosta em direção à estrada que vae para São Marcos, até o alto do espigão e por êste, acompanhando o valo, até o entroncamento da estrada de São Marcos, seguindo d'aí, à esquerda, pêlo espigão a fora, descendo até o Ribeirão Capetinga (popularmente consagrado, conhecido e reconhecido como Ribeirão do Carmo) onde existe um moinho pertencente a Jorge Tomaz da Silva, subindo pêlo Ribeirão Capetinga até a confluência do córrego da Chácara, pêlo qual continua até encontrar o valo no ponto de partida.

Artigo Terceiro - A área urbana da vila São Bento fica compreendida, digo, delimitada pêlo seguinte perímetro: - Começando no Largo da Matriz, sóbe pêlo lado direito da avenida São Bento até à rua do Cruzeiro, continuando por esta à esquerda até encontrar o lado esquerdo da avenida São Bento, pêla qual desce e segue contornando o Largo da Matriz até o ponto de partida.

Artigo Quarto - A área suburbana da vila São Bento fica compreendida nos seguintes limites:
- Começando no alto do Cruzeiro, desce à direita pêlo alto do espigão, por uma cêrca de arame existente, até o cemitério, passando por detraz dêste, continua pela cerca de arame, em linha reta, até o rêgo d'água do moinho de Augusto Ferreira; deste ponto, à esquerda, em réta até o espigão, continuando por êste até à fralda da serra e segue costeando a mesma até o alto do cru, digo: Cruzeiro, ponto de partida.

Artigo Quinto - Este decreto-lei entrará em vigor a partir da data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Prefeitura Municipal de Carmo da Cachoeira,
aos 9 de Dezembro de 1939.

Amynthas de Oliveira Vilela¹ Prefeito Municipal.
José Matinada Caldeira, Diretor da Secretaria.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: O ribeirão da Capetinga em Carmo da Cachoeira.
Artigo Anterior:
Carmo da Cachoeira, um documento, uma história.

1. O prefeito Amynthas de Oliveira Vilela foi empossado em agosto de 1939 e teve seu mandato até 1944.

Comentários

projeto partilha disse…
A Sala Monsenhor Lefort, em Campanha, Minas Gerais é um singelo espaço guardião de muitas memórias sul-mineiras. De lá, pinçamos o seguinte: Dissertação a respeito da Capitania de São Paulo, sua decadência e modo de restabelece-la. Escrita por Marcellino Pereira Cleto em 25 de outubro de 1782. Pasta N.1, p.210 "Aindaque estas minas de ferro, e o aço estão em terras do Sertão, e na distância de trinta legoas da Marinha, com tudo o sítio hé hábil para o bom consumo, destes generos-porq. por Sorocaba hé o caminho para Coritiba, Minas de Pernampanema, e outras terras mais distantes da Capitania de S. Paulo, por Itu, Va. próxima hé o caminho, por onde se dirije todo o negócio, que vai para Cuiaba por esta Capitania e também perto d. minas se encaminha a estrada de Goiases. Se os negociantes do Cuiabá, e Goiases achassem no caminho, ou perto delle estes dous generos, ainda que pelo mesmo preço q. elles se vendem no Rio de Janeiro, e os de São Paulo o tivessem sua própria Capitania, certam. não iriam buscá-los ao Rio de Janeiro com espesas, e riscos." (cont.)
Projeto Partilha disse…
(cont. comentário anterior):
p.212 "(...) o mais fácil de todos para Cuiabá, Capitania de Goiases, e minas da CAMPANHA, Rio e Cabo Verde, q. são na Capitania de Minas Geraes hé, o que se encaminha, enquanto para o Cuiabá, e Goiases pela Villa de Santos e cidade de São Paulo, e enquanto às minas da Campanha, Rio e Cabo Verde pela V. de Santos, e Mogi das Cruses.: Este caminho de Santos até à Borda do Campo, quatro légoas antes de chegar à Cidade de São Paulo, hé hum dos peiores que se conhecem em toda a América, no princípio por ser mto. aspara a Serra, que cobre a Va. de Santos, e depois porque os rios (...) pantanos e alagadiços (...) Fl.249 (...) Vale de Pernaiba, Iundiahi; Atibaia; Itu; Sorocaba."
projeto partilha disse…
O Ribeirão da Capitinga (Capetinga) é o Ribeirão do Carmo que corre pelo núcleo populacional do Município de Carmo da Cachoeira, no sul de Minas Gerais. Dados vindos de registros e documentos datados do século XX dão conta da presença de moinhos, onde foi a CACHOEIRA, escolhida por Manoel Antonio Rates morar com sua família, nos idos anos do final do século XVIII. A cachoeira ficou conhecida como CACHOEIRA DOS RATES. Toda a área próxima a esta cachoeira, área de várzea, foi utilizada para pastagens. Jorge Fernando Vilela, historiador cachoeirense afirma, com base em documentos, que antes das expedições incumbidas de "limpeza da área com fins colonizadores", o espaço abrigava moradores do quilombo Gondu/Gundum/Gundu.
A Casa de Manoel Antonio Rates está representada em pintura de óleo sobre tela pelo artista plástico Maurício Nascimento. A obra está exposta na Sala Pe. Zequinha - interior da Matriz Nossa Senhora do Carmo.
projeto partilha disse…
O Capítulo II. Obra: Carmo da Cachoeira - Origem e Desenvolvimento. Autor: Wanderley F. Rezende, p.10, sob o título: DESERTO DOURADO (...).
O termo "Deserto Dourado" não tem sido encontrado nos documentos por nós consultados até a presente data. Assim sendo, fica-nos a pergunta: de onde veio esta citação?
O termo DESERTO DOURADO aparece pela primeira vez numa monografia histórico-geográfica e estatística-religiosa pelo centenário da Paróquia, quando, no intuito de colaborar com os que pretendessem fazer o levantamento histórico de Carmo da Cachoeira e a instâncias do atual pároco - R. Pe. Manoel Francisco Maciel, Mons. Lefort registra as informações contidas nos arquivos paroquiais de Carrancas e Lavras referentes a Freguesia de Nossa Senhora do Carmo. Segundo ele, "DESERTO DOURADO era o pomposo nome da extensa pradaria que Pe. José Bento Ferreira, devassou, povoou e ASSIM DENOMINOU. Utilizou o termo ao requerer uma "sorte de terras, ao longo do caminho por ele encurtado em oito léguas, que ligava a Vila de S. João del Rei a Campanha."(p.21. 21 Anuário Eclesiástico da diocese da Campanha.1959). Em 1752, respondendo o requerido, o Governo da Capitania de Minas Gerais repete o contido na solicitação "(...)morador no deserto dourado (...).
projeto partilha disse…
Segundo o contido às fls.21 do referido Anuário, o que o Pe. Bento Ferreira DENOMINOU de DESERTO DOURADO, é o espaço compreendido (...)"SERTÃO que corre pelo Rio Grande abaixo termo da Vila de S. João del Rei, Comarca do Rio das Mortes (...)na diligencia de descobrir ouro abrindo para a CAMPANHA DO RIO VERDE um caminho sem morros nem alagadiços (...)". Fonte: Revista do Arquivo Público Mineiro, de 1898, p.911.
projeto partilha disse…
Pergunta: Onde, exatamente, ficava a extensa pradaria denominada por Pe. Bento Ferreira de DESERTO DOURADO?
Resposta: Cf. p.21, 21 Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha. Ano, 1959: "O quartel general de sua Fazenda situava-se em S. Bento do Campo Belo, hoje Eremita, onde teve enorme latifúndio, atualmente partilhado em diversas fazendas."
projeto partilha disse…
Dr. José Vilela Bretas é em Carmo da Cachoeira o Símbolo de envolvimento e luta impulsionadora em torno do desenvolvimento e crescimento de consciências. Liderou o movimento para a Criação de uma Fundação que, legalmente, possibilitaria trazer para Carmo da Cachoeira o Educandário - hoje, Escola Estadual Prof. Wanderley Ferreira de Rezende. Foi figura proeminente no incentivo do esporte, teatro e atividades de lazer. Lutou com todas as armas de sua potencialidade e criatividade para ver implantado em Carmo da Cachoeira um Mundo Bom para todos viverem. Receba, Dr. Bretas, nossa saudação e demonstração de respeitoso carinho e amor fraterno. Paz.
projeto partilha disse…
Foram muitas as ocasiões em que o Projeto Partilha dialogou com o MESTRE, no exercício da profissão de médico em Carmo da Cachoeira, Dr. José Vilela Bretas. Mostrar seu nome na genealogia e impresso em livro, indicando o seu sangue indígena, transforma o momento de qualquer encontro em alento e alegria. Dr. Bretas se rejuvenesce ao abrir o livro que fala de seus ancestrais. Na falta de indicações precisas sobre a obra, o Projeto Partilha indica um site disponibilizado que contará a história que Dr. Bretas tantas vezes se reportou. Piquerobi - SP - Origem do nome da cidade - Windows Internet Explorer
http://piquerobi.tripod.com/origem_nome_piquerobi.htm
projeto partilha disse…
Do site indicado no comentário anterior: "Na direção do Oeste chegaram os currais de gado a Goiás e Mato Grosso. No futuro território das Minas Gerais antes da Mineração, eram conhecidas as manadas de gado dos criadores de São Vicente (pág.94). Era a chamada civilização do couro. Lugares onde eram apenas as pousadas dos tropeiros tornaram-se cidades (...).
Capistrano de Abreu, Eugênio de Castro e outros historiadores realçam a função histórica do gado na penetração do interior e na fixação de suas populações, como na formação da unidade nacional, pela aproximação dos brasileiros do Norte e do Sul."

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage