A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapas feitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.


O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhecimento na hora de promoverem os mecanismos de defesa do quilombo e de se armarem contra seus inimigos. A ferraria citada pelos escravos deve ter sido de grande utilidade, já que nela poderiam fabricar, consertar e preparar armas, armadilhas e instrumentos de trabalhos diversos.

Alguns dos quilombos mineiros desenhados possuíam também casas e forje de ferreiro, e a Arqueologia de quilombos em Minas Gerais tem demonstrado indícios muito claros da presença de artefatos de metais no interior de comunidades quilombolas. No Quilombo da Cabaça foram encontrados:

...dezenas de fragmentos de ferro fundido, chapas de metal e tiras de estanho... Além de três panelas, três caldeirões, uma chaleira, uma colher e um pequeno pote com cabo...1

Alguns desses objetos apresentavam ainda, reparos feitos com rebite, o que demonstra um certo grau de conhecimento desta técnica pelos quilombolas.

Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: Marx e Warner e as hordas de quilombolas.
Texto Anterior: Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Figura - Artífices trabalhando o ferro.
Fonte da imagem original: Montecuccolo Gavazzi, G. A.Istorica Descrizione de Tre Regni, Congo, Matammba er Angola. 1687. In: MEDINA, João e HENRIQUES, Isabel Castro. A rota dos escravos: Angola e a rede do comércio negreiro.

1. WARNER, W. L. A black civilization. New York. Harper, 1937. P. 138. Apud. Dicionário de Ciências Sociais. Op. Cit. P. 562

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana