Pular para o conteúdo principal

Os “Alves Pedrosa”, na base dos “Gouveias”.


Algumas famílias moradoras no município de Carmo da Cachoeira, buscam conhecer suas origens e, retrocedendo na história, tentam visualizar seus antepassados em seus afazeres nos idos tempos do Brasil Colonial. Dentre os buscadores sobressaem os que querem certificarem se suas origens estão ligadas as mitológicas Três Ilhoas.
Surge então a matriarca da família Franco, Maria Tereza de Jesus, neta materna de Manoel Gonçalves da Fonseca e da açoreana Antônia da Graça, foi casada a primeira vez com Ignácio Franco e, viúva casou-se com Bento Rabello de Carvalho. Irmã de Maria Tereza de Jesus surge Catarina de São José, casada com Caetano de Carvalho Duarte, ambas filhas da Ilhoa Antônia da Graça, casada com Manoel Gonçalves da Fonseca. Pertencer a um ramo da imensa árvore açoriana é orgulho nestas paragens do Brasil e o personagem Diogo Garcia que as antecedeu é conhecido e reconhecido até nossa geração Os “Alves Pedrosas” se incluem na descendência de Antônia da Graça, nascida na Ilha do Fayal. Ao estudar o inventário desses primeiros povoadores é comum perceber a dificuldade em se localizar a todos os herdeiros.num desses documentos pode se ler: "os herdeiros estavam espalhados em outros termos, como Lavras e Campanha”. Devemos lembrar que na época, o sítio da Cachoeira tinha como referencial os campos de Santana das Lavras do Funil.No sul de minas é patriarca dos “Alves Pedrosa”, é Manoel Alves Pedrosa, bracanense, filho de Pedro Vaz e Maria Alves Pedrosa, casado com uma folha de Ignácio Franco e Maria Tereza de Jesus, Maria da Assunção Franca. A segunda filha de Manuel Alves Pedrosa e Maria da Assunção Franca, a Ana Tereza de Jesus foi casada com Antônio Dias de Gouveia, em primeiro de setembro de 1766, na matriz de Nossa Senhora do Pilar. O inventário de Antônio Dias, falecido aos 27 de junho de 1789 foi feito na paragem Ponte Falsa da freguesia de Santa'Ana de Lavras do Funil, onde era morador e tinha sua fazenda em seu testamento Antônio declarou ser natural do lugar de Lamassa, na freguesia de São Pedro de Roriz, Arcebispo de Braga, filho legítimo de João Dias de Gouveia e de Maria Álvares Barbosa. Ana Tereza, mulher de Antônio Dias, faleceu antes de 17 de dezembro de 1817 data em que seus herdeiros convocam peritos para fazer a divisão amigável de seus bens. Entraram na divisão as fazendas Chamusca e Rio Gande e partes da fazenda Palmital e Caxambu. Dez filhos foram arrolados no inventário de Antônio. O local onde foi redigido este documento foi, paragem chamada de Ponte Falsa da freguesia de Santana das Lavras do Funil, do termo de São João del Rei, Minas e comarca do Rio das Mortes. A inventariante foi dona Ana Teresa de Jesus e nele são citados os limites da fazenda Ponte Falsa: "(...) que de uma banda parte com a fazenda de João Francisco de Carvalho e com a fazenda chamada dos Barreiros”.

Comentários

Projeto Partilha disse…
Uma das alternativas religiosas para o pessoal da Fazenda da Ponte Falsa era utilizar a Ermida de São Bento do Campo Belo.Outros utilizaram a mesma Ermida, por exemplo, João Gonçalves Valim (Valim é ligada aos Rates por compadrio)casado com Margarida Francisca do Evangelho em primeiras núpcias e com Ana Angélica de São José em segunda. Residia na Fazenda Barreiro, em Lavras do Funil, possuindo bom contigente de escravo.Nomeia como testamenteiros, Àngelo Pimenta de Godoy; Antônio Pinto de Moraes. Do primeiro casamento teve Inácia Teresa do Evangelho, natural da Borda do Campo, casada na ERMIDA DE SÃO BENTO DO CAMPO BELO,em 27/02/1786, com Diogo Garcia Lopes, f.l. de Miguel Lopes da Silva e Júlia Maria do Nascimento, filha da açoreana Julia Maria da Caridade e Diogo Garcia. Este
pessoal é contemporôneo de Manoel Antonio Rates e usaram a mesma ermida para atos religiosos, inclusive "Valim" sendo padrinho de "Rates".
Projeto Partilha disse…
Teresa Custódia do Evangelho, natural da Borda do Campo, casou-se em Nazaré com Jerônimo Pereira do Lago, filho legítimo de Miguel Lopes da Silva e de Júlia Maria da Caridade, foram pais de Hipólita Tinoreta Leonor da Vitória casando-se na Capela de São Bento do Campo Belo em 20/07/1814 com Joaquim Borges da Costa, filho de outro do mesmo nome e Madalena Maria de Jesus.

Manuel Gonçalves Valim, não figurou no inventário do pai foi batizado na Capela de São Bento do Campo Belo, filial de Lavras, em 28/08/1770, no altar portátil(Livro 3, fls143 verso.Faleceu em São Tomé em 25/03/1782.

Maria Gonçalves Valim, gêmea de Ana Gonçalves Valim foram batizadas na Ermida do Pe. Bento Ferreira, aos 18/12/1773. A Maria, em 1814 já estava casada com José de Aguiar. A Ana faleceu com 3 anos. O Manuel, a Maria e a Ana são filhos de Antonio Gonçalves Valim. Ele foi casado duas vezes. A primeira com Inácia Ribeiro do Evangelho e a segunda com Maria Rosa de Jesus, filha legítima de Luís de Oliveira Netto e de sua mulher Ana Maria. Mria Rosa, natural de Prados. Seus padrinhos: João Alves Fernandes e Maria de Sousa Salles, mullher de Manuel Dias Ladeira.O primeiro filho de Antonio Gonçalves Valim, alferes e do mesmo nome do pai, casou-se em Lavras em 1/7/1793 com Ana Lopes de Jesus, filha de Miguel Lopes da Silva e Júlia Maria do Nascimento. Casou-se pela segunda vez com dona Ana Esméria da Luz. A segunda filha deste casal, dona Ana Silvéria da Luz casou-se com Rafael Dias de Vasconcelos. Ela foi batizada na Capela de São Bento aos 8/4/1798. Foram seus

padrinhos: Francisco Martins da Luz e d. Joana Izidóra Nogueira. Observações: Rafael é citado também como Rafael Dias Mendes, irmão do Coronel Henrique Dias Mendes de Vasconcelos segundo marido de Luiza Clementina da Luz, filha de Antonio Martins Boralho e Senhorinha Antonia do Nascimento. O primeiro casamento foi com José Antonio da Silva. Ver inv. de Maria de Almeida- 1810.
Projeto Partilha disse…
Joaquim Alves de Gouveia foi morador em Carmo da Cachoeira e casou-se com Ana Maximina Alves, filha de Emerenciano Alves de Andrade e Rita de Cássia Vilela, quarta filha de Antonio Joaquim Villela e sua primeira mulher, Ana Felizarda de Barros. A segunda mulher, sem geração foi Claudina Marciliana Branquinho, nascida em 1779.
Projeto Partilha disse…
Dona Ana Luísa Alvares(Alves), batizada em São Bento do Campo Belo em 28/01/1799, filha de Antonio Joaquim Alvares e de dona Ana Luísa Gonçalves, filha de Maria Angela e esta filha legítima de João Luís Gonçalves e de dona Maria Ângela da Cruz, irmã de Ângela Ribeiro de Moraes, mãe do Capitão José Joaquim Gomes Branquinho - FAZENDA BOA VISTA.
Projeto Partilha disse…
"Aos seis de novembro de mil setecentos e noventa e três na Ermida de São Bento do Campo Belo o Rvdo João Pereira de Carvalho de minha licença pelas três horas da tarde, pouco mais ou menos assistiu ao sacramaento do matrimonio que com as palavras de presente sem impedimento contrairam Rapaek Antonio de Carvalho, filho legítimo do capitão Antonio Pereira de Carvalho e de dona Ana Branca de Toledo e Ana Esméria de Azevedo e Jacinta Maria da Conceição, ambos naturais e batizados nesta freguesia das Lavras do Funil de Carrancas, procederam admoestações canônicas e provisão do ordinário, receberam as bençãos nupciais. Testemunhas: tenente: João Antonio da Costa e Revdo. Alexandre Carlos Salgado.
Projeto Partilha disse…
Antonio Garcia Duarte casado com Rosa Francisca da Encarnação, filha legítima de Antônio José Teixeira e de sua mulher, dona Maria Rita do Nascimento, na Ermida de São Bento do Campo Belo. Livro Lavras, 23/11/1791, p.173

Antonio e Rosa foram tios de Francisca Inácia de Jesus, filha de José Maria do Espírito Santo e Ana Francisca da Silva. Francisca Inácia é neta paterna de João Rodrigues de Sousa e Ana Margarida de Jesus. Neta materna de Francisco Carvalho da Fonseca e de Antônia Maria Duarte . Francisca Inácia casou-se com José Francisco Nascimento.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…