Tabela Cronológica 14 - Carmo da Cachoeira

1850

ü 15/Abr – casamento na igreja Sagrada Família de Três Corações de José Manoel de Oliveira, viúvo de Anna Flora de Figueiredo;

ü 17/Abr – Domingos Leytão Coelho obteve sesmaria no rio do Servo e no rio Couro do Servo indo para Três Pontas;

ü 27/Abr – criação da comarca em Três Pontas;

ü 18/Set – Lei n° 601: dispõe de terras devolutas do império; e

ü a capela do Espírito Santo da Varginha foi elevada a freguesia.

1851

ü 18/Jun – decreto obriga o registro de nascimentos e óbitos;

ü fundada a primeira fabrica têxtil em Minas Gerais, em Santa Luzia do Rio das Velhas; e

ü segundo Monsenhor Lefort, assume como capelão de Nossa Senhora do Carmo, o Padre José Teodoro Brasileiro.

1852

ü 30/Abr – subdelegacia do distrito de Boa Vista, termo de vila de Lavras do Funil, abertura do livro com a assinatura de Antonio Severiano de Gouvêa; e

ü 29/Ago – começaram as obras da primeira ferrovia, inaugurada a 30 de abril de 1854, indo do: Porto do Mauá à Raiz da Serra, Rio de Janeiro.

1854

ü 30/Jan – Lei n° 1.318: regulamenta a repartição de terras públicas;

ü batizado José Mariano Costa, filho de Gabriel Flávio da Costa e Marciana Jesuína de Andrade; e

ü capela Oficial em Carmo da Cachoeira desde esta data, segundo mapa eclesiástico.

1855

ü Teria sido bento neste ano o antigo Cemitério de Carmo da Cachoeira;

ü o senador Fonseca apresenta projeto ao senado de proibição de eleições nas igrejas do Império; e

ü segundo Monsenhor Lefort, assumiu como capelão de Nossa Senhora do Carmo o Padre João Tomás de Sousa.

1856

Construção da primeira estrada pavimentada do País, de Petrópolis a Juiz de Fora.

1857

ü 3/Jul – Lei Provincial 805: elevação da capela Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira à categoria de freguesia; e

ü Definidos os limites da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, da Cachoeira.

1858

ü 30/Nov até 5/Set/1871 – paroquiato do Padre Joaquim Antônio de Rezende em Carmo da Cachoeira;

ü 03/Dez até 1919 – primeiro livro de óbitos de Carmo da Cachoeira; e

ü Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional”, entidade do Governo Imperial importa da Alemanha doze garanhões, visando melhorar a qualidade dos eqüinos brasileiros.

1859

ü Joaquim Thomaz Vilella de Castro juiz de paz substituto de Lavras abre o livro de registros de atos paroquiais da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo; e

ü Primeiro Livro Fábrica de Carmo da Caxoeira. O primeiro ato registrado é a nomeação de Joaquim Pedro da Silva para “Sam Christan” da freguesia.


Comentários

Projeto Partilha@ disse…
O ADEUS A UM MISSIONÁRIO.

Pe. Bernardo Scharfentein, Vigário Paroquial em Carmo da Cachoeira - MG, retornou hoje a sua verdadeira morada: Os Mundos internos - O MUNDO DE DEUS.
Ao Pai, nossa gratidão pelo período em que ele conviveu neste solo Sagrado sob a proteção de Nossa Senhora do Carmo.
Campo do Meio. disse…
Para quem não esteve, na Matriz de Nossa Senhora do Carmo hoje ás 9 horas, quero dizer o que ouvi, entre muitas outras coisas ditas por Frei Dom Diamantino Prata. "Pe. Bernardo e eu viemos juntos para o Brasil. Lá na Alemanha fomos preparados para um trabalho em terra onde tinha muito a ser feito pelo rebanho de Jesus Cristo" Pe. Bernardo conhecias as dificuldades que enfrentaria. Desde a questão da Lingua Pátria, até as diferenças de usos, costumes e Culturais. Sabia, no entanto, que era aqui seu pastorado. Atendeu o chamado, e a ele dedicou-se até seu último momento. Hoje, envolto em Luz é recebido pelos Anjos do Senhor.
Um até Breve Pe. Bernardo. Campo do Meio reenvidicou para ele a guarda de seu corpo. A decisão foi a de que seria dada a Carmo da Cachoeira. Estivemos aí e juntamo-nos aos cachoeirenses em nossas homenagens finais. Nossa gratidão pelo período que Pe. Bernardo esteve conosco.
Carvalhos. disse…
A comunidade sensibilizada se fez presente em Carmo da Cachoeira. Pe. Bernardo foi nosso pároco durante muitos anos. O amamos muito.
Devoto Lustosa disse…
Padre Bernardo, um elo da enorme e infindável corrente que se iniciou com os apóstolos de Jesus Cristo, foi chamado a sua Vedadeira Casa. Sua missão na terra se encerrou. Partiu com a sensação do DEVER CUMPRIDO. COMO MISSIONÁRIO PROPAGOU O EVANGELHO PERMEANDO-O SEMPRE COM AMOR. DESCANSE EM PAZ.
Comunidade Apostólica disse…
Deconsiderando a dor física, viveu o ideal determinado pelo seu espírito.
Anônimo disse…
Compromissado com o crescimento da fé, durante as missas que celebrava, permeava palavras sacras que "piadinhas" que alegrava. Na alegria a gente se ligava a Deus. Adeus Pe. Bernardo. Nós o amamos muito, e profundamente.
Na fé de Cristo disse…
Sempre encorajou e alimentou a união. Um Adeus, a quem muito amamos e o entregamos a Deus, diante da obediência e da fé de que era assim que teria que ser.
Elizabet Ribeiro disse…
Seu maior desafio foi suportar a dor física. Saiu vencedor. Seu ideal era maior que qualquer obstáculo. Adeus, num até breve no caminho da eternidade.
Luiz Roberto disse…
Um exemplo de dedicação e humildade.
leonor rizzi disse…
Pai. Que o Seu e o nosso desejo, sejam um só, em toda a Luz, assim como em todas as formas, em toda existência individual, assim como em todas as comunidades... . Submetemo-nos humildemente aos seus desígnos. Acolha em seus poderosos braços este seu filho Pe. Bernardo, muito amado também por nós.

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana