Fazenda do Lobo


Comentários

Projeto Partilha disse…
Prof. Wanderley, ao citar às ll de sua obra, segunda edição, Carmo da Cachoeira. Origem e Desenvolvimento, as Fazendas MAIS IMPORTANTES em 1842: Boa Vista, Abelhas, Rancho, Retiro, Campo Limpo, Serrinha, Caxambu, Campo Berlo, Rio do Peixe, Duas Barras e Palmital, comenta na página seguinte: "Estas 11 fazendas foram depois dividindo-se e subdividindo-se em muitas outras como: Taquaral, Chamusca, Brejo, Coqueiros, Lage, Saquarema, Mata, Morro Grande, Bananal, Atalho, Lagoinha, etc. etc."
leonor disse…
Um dia o cachoeirense virá a conhecer o nome do entrante da família "Lobo" que circulou por estas paragens nos idos tempos que esta região era um Reino sob o domínio dos Cataguases.
Projeto Partilha disse…
A Fazenda do Lobo pertenceu ao Distrito da Boa Vista. Outra Fazenda que pertenceu a este Distrito foi A Fazenda Campo Belo. Lá, em 1838, sendo padrinhos Anna Lucrécia da Costa e Antonio Martins de Andrade, nasce filho de Gabriel Flávio da Costa (II), casado com Marcianna Jesuina de Andrade, moradores na Fazenda do Campo Belo, do Distrito da Boa Vista.
Projeto Partilha disse…
O prof. Wanderley em sua obra "Gaveta Velha" conta-nos o seguinte, às fls. 20: "Ao lado esquerdo da estrada que leva de Carmo da Cachoeira à Cidade de S. Bento Abade, a uns seis quilômetros para noroeste da Estação do Salto, está situada a fazenda Boa Vista. É a fazenda mais antiga daquela região, cuja casa primitiva deve ter sido construída lá pelos meiados do século XVIII e até à segunda década deste(o livro foi escrito em 1982)ainda estava de pé o velho casarão colonial, como fantasma dos idos, a causar à noite, arrepios de medo às crianças e aos caboclos supersticiosos".
Rezende de Rezende disse…
Eu tenho o livro que o Projeto Partilha fala. Lá está escrito também, que a cidade próxima era São João del-Rei, cuja comarca, denominada Rio das Mortes, abrangia toda aquela vasta região, hoje pontilhada de cidades como: Lavras, Varginha, Nepomuceno, Três Corações, Carmo da Cachoeira e várias outras.
Pablo de outro munícipio. disse…
Também tenho o livro. Fui ler e vi que o Vandico falava que estava plantada em meio às matas e extensas campinas, "irradiando suas atividades por aqueles sertões afora, a velha e legendária Boa Vista, que chegou a tornar-se sede de um distrito formado por diversas fazendas como: Rancho, Retiro, Abelhas, Campo Belo, Campo Limpo, Rio do Peixe e outras".
caminhantes disse…
Encontrei nos guardados de meu avô este livro que o Projeto Partilha se refere. Está sublinhado o trecho:"Como quase todas as fazendas antigas, Boa Vista possuia o seu engenho de cana, as senzalas e também a casa do tronco, onde se castigavam os escravos rebeldes e fujões; mucamas, escravas geralmente moças, residiam na casa dos seus senhores e eram encarregadas de serviços caseiros como cozinhar, costurar, cardar, fiar com lã e tecer nos teares de madeira, indispensáveis nas fazendas de outrora. O rancho de pouso dos tropeiros e viajantes ficava a um quiilômetro, mais ou menos, para leste e até há bem poucos anos, como que por tradição ainda existia no mesmo lugar um rancho, mantido por descendentes dos antigos proprietários da fazenda e que ficava mesmo na encruzilhada das velhas estradas boiadeiras que ligavam Lavras a Três Corações e Carmo da Cachoeira a São Bento".
Projeto Partilha disse…
Esclarecendo com o intuito de situar o caso contado pelo prof. Wanderley em sua época histórica.O Venâncio do livro, era bisneto do empregado de José Joaquim Gomes Branquinho. É assim que o prof. coloca: "Pois, meus amigos, foi exatamente de D. Jacinta Branquinho que o patrão de meu bisavô se deixou apaixonar.(...) chegava ao rancho, mandava que soltassem a tropa, dava ordem aos camaradas, jantava qualquer apressadamente e rumava para a sede da fazenda, levando presentes aos moços e velhos, não esquecendo de levar também a sua viola".
historiador de plantão. disse…
o nome deste "da viola" era o Capitão Joaquim Fernandes Ribeiro de Rezende. Ele tinha muitos irmãos. Um deles era o Marquês de Valença, Dr. Estevam Ribeiro de Rezende Gente formada pela Universidade de Coimbra. Era homem de confiança de D. Pedro I.
Julinho da Vila disse…
Uai, é o trabalho que o o Dudu está apresentando. Epa, ficou fácil pra gente. Brigadão Dudu. Eu não ia conseguir fazer isso se a professora pedisse.Agora, Bão, bão mesmo.
Cooperando disse…
Epa TS Bovaris. Nós das últimas fotos da sequência, onde aparecem pessoas em grupo e um jovem bonit, que é meu parente é da vizinha da "Fazenda do Lobo". Segundo o que dizem, A "Fazenda Taquaral" onde estão estas pessoas é mais antiga que a "Fazenda do Lobo". O autor da poesia dos 150 anos de Cachoeira, escrita por José Keitel Ribeiro,lembra o "Lobo". Ele é casado com uma descendente dela.
Anônimo disse…
Tudo jóia pessoal!
Depois de muito tempo, só agora que vi este blog.
Meu pai é o proprietário da Fazenda do Lobo.
Depois da morte de minha avó, ele comprou a parte dos outros 6 irmãos.
Ele me disse que das fazendas antigas da região, só o Lobo e a fazenda Espinheiro permanecem de pé, resistindo etes anos todos.
Me disse também que as fazendas citadas pelo Prof. Wanderley já estão quase todas desmanchadas ou em ruínas.
Grande abraço!
Qualquer dúvida enviem mensagens para meu e-mail.
guinr83tc@hotmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.