Reflorestamento na mineira Cachoeira dos Rates.


Movimento da sociedade civil organizada, a Agenda 21 age no local sem, no entanto, perder a visão global. Seus integrantes, percebendo a emergência de socorrer o planeta, visando a minimizar o aquecimento global, fazem sua parte: reflorestam, reflorestam incansavelmente.

São reflexos dos novos ares que pairam sobre à cidade, sob o auspício de Nossa Senhora do Carmo - manifestação do amor universal, altruísta, que ao tocar os corações impulsiona aqui em Cachoeira a reconstrução, recuperação, reativação do clima, do solo, da água.

Num certo momento, anos atrás, a população pensando em sua instância de debates, a Câmara Municipal, sintetizou o desejo de ver preservadas suas águas. Numa decisão conjunta, contando com a compreensão dos criadores de gado de corte, o matadouro, que funcionava junto da cachoeira dos Rates, no ribeirão do Carmo, teve sua atividade suspensa. O poder constituído buscou alternativas visando a atender às necessidades dos comerciantes e fazendeiros ligados a este ramo de negócio. As águas estão preservadas, hoje. Os fazendeiros e o comércio de carnes estão bem atendidos pelos frigoríficos das cidades vizinhas. A população está confiante no produto que consome, dado o controle de qualidade existente.

A Reconstituição de uma imagem.

Imagens perdidas no tempo podem ser recuperadas, mas não é uma tarefa fácil. O Projeto Partilha, no entanto, não costuma fugir dos desafios. A antiga casa dos Rattes foi um desses momentos de muito trabalho e muita pesquisa. Após meses correndo atrás de informações documentais e testemunhais, chegou-se a representação que hoje apresentamos neste blog, e cuja tela pertence ao acervo do GAPA CULTURAL.

Uma das razões para batalharmos tanto em busca de imagens destruídas pelo tempo e pelo homem é ajudar na conscientização da importância de preservar. Vendo a imagem da velha casa dos Rattes percebemos quanto a cidade perdeu com a sua destruição. Hoje ao certo poderia ser um local de grande atração turística e cultural tanto de pessoas de fora da cidade como também do povo cachoeirense.

Que esta imagem leve aqueles que tem o poder de decidir, a cuidar para que outros patrimônios históricos não mais sejam destruídos, muitas vezes a troco de poucas moedas.

Dona Zilah Reis Vilela, nascida em Carmo da Cachoeira e casada que foi com o Sr. Percy de Oliveira Vilela, proprietário das fazendas Letras, Paulista e Chamusca, levou-nos até o local, auxiliando-nos em sua identificação precisa. Visitou a casa muitas vezes em companhia de seu marido, que mantinha ali um curtume. Conta-nos do tempo em que a casa, mais conservada, serviu de escola e cartório de registro civil.

No fundo da casa, a cachoeira. Manoel Antônio Rates morou nessa casa, por volta de 1770/80, com sua mulher Maria da Costa Morais. Dentre seus vários filhos, apenas Cipriana recebeu o sobrenome paterno. Um dos casamentos de Cipriana foi com João de Araújo Abreu, e deste relacionamento nasceu Antônio de Araújo Abreu.


Ilustração: As fotos de Rogério Vilela e Maria Urbano mostram a cachoeira, conhecida como dos Rates; a casa, mostrada na tela da artista plástica Mary Vilela, foi reconstituição feita pelos moradores mais antigos da cidade que chegaram a conhecê-la; a ilustração de Maurício José do Nascimento, a direita lembra o comerciante Manoel Rattes; e a fotomontagem de TS Bovaris.
Confira dados mais detalhados no:
inventário de Maria Alves da Porciúncula, disponibilizado pelo projeto Compartilhar. O site traz dados confiáveis, prendendo-se a citações eclesiásticas, cartoriais e outras fontes fidedignas.

Comentários

Anônimo disse…
Parabéns, Dona Zilá. Pela sua memória, pela sua participação, pelo seu amor a Cachoeira.
Anônimo disse…
A família de dona Zilah fica grata pela referência a ela, e os avisos de alerta dado a atual e futuras gerações. Minha parente, Zilah, realmente tem uma memória venerável. É culta, sem proconceitos, inteligente. Vangloria-se de sua ancestral Ilhoa, Maria do Mato. Conta casos sobre ela. Muitos anos de vida, dona Zilah. Feliz 2008.
Anônimo disse…
Escutei um dia um velhinho conversando com outro. Um deles falava que os Rates eram gente importante.
Anônimo disse…
Dá pra colocar a cachoeira em tamanho maior? queria comhecer.
TS Bovaris disse…
Será publicado em breve novas imagens de todos os tópicos deste blog!@! Aguarde!@!
TS Bovaris disse…
As fotos já estão disponíveis:
http://tsbovaris.spaces.live.com/photos/cns!F4C03CCCE0467C63!195/

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.