Pular para o conteúdo principal

O Sermão do Encontro e o Caminho do Calvário.


Jesus a caminho do calvário. Que fez Ele para carregar essa pesada cruz até o topo do monte? Que fez Ele para ser condenado à morte, se os condenados a morte eram os piores assassinos da época? Mas tudo aconteceu para que se cumprisse a escritura: “odiaram-me sem motivo” (Jo.15,25).

Seria porque eu disse: “destruam esse templo e eu o reconstruirei em três dias”? ( Jo.2,19).

Ou seria porque João Batista a me ver disse que eu sou o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo?

Ou ainda porque eu curei em dia de sábado, como foi o caso da mulher encurvada? (Lc.6,6).E o caso da mão direita seca? (Lc.6,6)

Jesus está a caminho do Calvário porque quebrou um tabu e sentado ao poço de Jacó, conversou com a Samaritana, oferecendo-lha uma água diferente, que dela bebendo nunca mais teria sede?

Jesus a caminho do Calvário só porque purificou o templo dizendo: minha casa é casa de oração, e não um covil de ladrões?

Jesus a caminho do Calvário porque disse que no Reino dos Céus os últimos serão os primeiros?(Mt.20,16).

Jesus a caminho do Calvário porque perdoou a mulher adúltera dizendo: mulher eu também não te condeno, vá e não peques mais?

Pois é meu Senhor. Condenaram-te à morte e a tua cruz é cada vez mais pesada por causa dos meus pecados. E hoje ainda os homens fazem festa com a tua cruz. Colocam-na em todos os lugares. Encontramo-la nos túmulos dos cemitérios, como também nas repartições públicas.Nos tribunais onde os pobres têm menos direitos que os ricos e onde as sentenças são vendidas e compradas.Nas câmaras legislativas ,onde a corrupção é a moeda mais forte.Em delegacias ,cadeias e quartéis onde os pequenos são constrangidos e torturados.Em prontos socorros e hospitais onde pessoas pobres morrem sem atendimento. Se uma pessoa morre num acidente, lá está ela e ainda mais, serve até de enfeite.

Mas subiu o Calvário carregando apenas o patíbulo e cada vez que caia não tinha em que apoiar e lá ia com o rosto em terra. E não caiu apenas três vezes como rezamos na via sacra. Caiu inúmeras vezes e precisou ser ajudado por Simão Cireneu. Cuspiram em teu rosto. Maltraram-no. Chicotearam-no. E foi capaz de dizer às mulheres que chorando o acompanhavam: mulheres de Jerusalém: “Não choreis sobre mim, mas sobre os vossos filhos”. E hoje, quantas são as mães que choram pelos filhos que vivem encharcados nas bebidas ou nas drogas? Quantas são as mães que choram porque seus filhos foram adotados pelo tráfico? Quantas são as mães que choram porque seus filhos, não escutando seus conselhos, tomaram rumos diferentes na vida e hoje dormem nos presídios ou em cadeias? Quantas são as mães que choram porque seus filhos estão desempregados?

Jesus subiu o Calvário e encontrou com sua mãe, que mais uma vez guardou silenciosamente em seu coração o que estavam acontecendo com o seu amado filho. E quantas vezes guardou tudo em silêncio. Oh! Virgem das Dores!

Era uma moça muito bem educada por Joaquim e Santana. Freqüentadora assídua das Sinagogas, conhecia as escrituras. Aos quinze anos foi visitada pelo anjo Gabriel, dizendo a ela que foi a escolhida para ser a mãe do Salvador e ao anjo fez a pergunta:

Como isso vai acontecer se não conheço homem?

Mas foi capaz de dizer sim ao projeto de Deus.

Passado nove meses, lá estava ela procurando um lugar para dar à luz o seu filho, pois, não estava em Nazaré, mas sim em Belém da Judéia para o recenseamento, ordenado pelo imperador Augusto, e não encontrando lugar, foi parar numa estrebaria. O berço do Menino Deus foi um coxo, para dizer ao mundo, que aquele menino serviria de alimento para todos.

Certamente voltaram para Nazaré, mas eis que se completaram os dias da purificação e pela lei deveriam levar o menino ao templo, para ser apresentado ao Senhor e lá estava Simeão, homem justo e piedoso, que tomando Jesus em suas mãos, disse a Maria Ssma.: Este menino será causa de queda e de elevação para muitos em Israel. Será um sinal de contradição. E quanto a você, uma espada de dor atravessará a sua alma.

Quando Jesus completou doze anos subiram a Jerusalém para festa da Páscoa, e na volta, pensando estar o menino na caravana, e não o encontrando, Maria e Jose voltaram. E onde o encontraram? Entre os doutores. E quando o avistaram, não só ficaram emocionados como escutaram dele: por que me procuravam? Não sabiam que devo cuidar das coisas de meu Pai? E Jesus crescia em sabedoria, em estatura e graça diante de Deus e dos homens, enquanto Maria conservava todas as coisas em seu coração. ( Lc.2,41-52 ).

Tudo a senhora guardava silenciosamente em seu coração. E como é uma mulher e mulher tem o dom aguçado da intuição, certamente teve muitos pressentimentos. E aí no Calvário, agora encontrando o amado filho, todo esfarrapado, um trapo humano, abandonado, ultrajado, todo dilacerado, evidentemente lembrou-se daquelas palavras do velho Simeão: uma espada de dor atravessará a sua alma. E que espada! Melhor morrer que ver o filho carregando uma pesada cruz rumo ao topo do monte, onde seria crucificado.

Se a gravidez se deu aos quinze anos e já são passados trinta e três, é uma mulher de cinqüenta anos. Mas não tem mais José, o justo, para apoiá-la.

Quem poderá consolá-la, oh! Virgem das Dores, Filha de Sião? Mas pensem meus caríssimos irmãos: Maria é toda dor, toda tristeza, mas é uma mulher de força.

É uma mulher sofrida. Sofrida mas cheia de graça. Sofrida mas querida do povo pobre. Sofrida mas elegante. Sofrida mas mãe. Sofrida mas rainha.Sofrida mas fiel ao Senhor Deus.

Neste encontro o Filho contempla a mãe e mãe contempla o Filho. Dois olhares se fundem num só. Dores que também se fundem. Amores que se tornam coesos. Mas será que um dia se separaram? Aí eles se encontram porque o Filho precisa da companhia da mãe.

Contemplemos essas duas imagens e tenhamos consciência que precisamos nos converter cada vez mais. Que precisamos retirar das nossas vidas: o orgulho, a vaidade, o egoísmo, o pecado. Que precisamos nos aproximar da perfeição e nos tornarmos santos.

Lembremo-nos que Jesus e Maria nunca se separaram. Que somos nós que precisamos encontrar Jesus e Maria, para que tenhamos compromisso de buscar o Cristo dos Evangelhos, nos sacramentos, sobretudo na Eucaristia, na vivência de fé em comunidade, valorizando a Igreja Católica, Apostólica, Romana.

Deus é fiel. Ele não desiste de nós. Nós não podemos desistir de Deus que sempre esteve presente em nosso meio,principalmente em nossos irmãos. E que saibamos viver a paixão do Senhor, tendo compaixão do irmão que sofre a exclusão social principalmente.

Estamos apenas no meio do monte. Ainda falta outra metade da montanha. Renovemos a esperança de que Cristo ressuscitará. Renovemos a esperança que com Ele venceremos a dor, o sofrimento, as lutas e os trabalhos da vida. E assim como Jesus precisou da mãe para chegar ao cume da montanha, nós também, dela precisamos para vencer na vida. Rogai por nós Santa Mãe de Deus. Nós vos adoramos Senhor Jesus Cristo e vos bendizemos, porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Diácono Adilson José Cunha

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948