Pular para o conteúdo principal

Nós mesmo como exemplos de ética e moral.

Ao repensar nossa sociedade, fica a semente de uma reflexão mais profunda, no sentido de que possamos presenciar discussões e debates em diferentes esferas sobre questões por nós herdadas de nosso passado. Somos todos frutos de nosso meio, e este foi edificado em nosso passado, nas ações e pensamentos de nossos antepassados. A corrente da vida nos liga ao passado como nós nos ligamos àqueles que virão depois de nós. Emergirão com certeza temas polêmicos que enterramos, aguardando momentos de transformação.

A juventude necessita conhecer para poder optar conscientemente, entendendo que o maior desafio do momento é unir diferentes segmentos sociais. A demora em assistir aqueles que necessitam da ação do Estado pode levar à instabilidade social, mas os governantes devem buscam aumentar o número de beneficiários de ações públicas de qualidade, que proporcionem mais felicidade e menos ódio e rancor entre os mais desfavorecidos. Justiça e igualdade são conquistas que cabem aos administradores. O povo busca nesses homens, não salvadores, mas parceiros que trabalhem com honestidade, transparência e eficácia na implementação de suas boas intenções.

Debates esclarecedores ajudam o administrador a entender melhor o meio, dando-lhe mais ferramentas para avaliar as dificuldades e as soluções a serem adotadas. Este trabalho Partilha vem com esta finalidade. Mostrar as causas históricas de nossos problemas, assim como as soluções encontradas pelos nossos antepassados para a resolução dos desafios pelos quais passaram. Dentro deste trabalho temos a certeza de que os administradores de hoje e do futuro poderão ver soluções e utilizá-las como mais uma ferramenta a favor da implantação de uma sociedade com maior justiça social.

Pedimos apenas àqueles a quem entregamos a direção de nosso destino que ajam com racionalidade, amor e respeito ao próximo, mantendo coerência e sensatez entre o que pregam e o que fazem.

Há, acima de tudo, Deus, a Quem tentamos chegar através de nosso irmão São Francisco, que lutou sempre pelos direitos dos seres da natureza, e que norteia também nosso trabalho em direção ao bem comum.

Nossa geração deve deixar para o futuro um exemplo de ética e moral, que demonstrem que a sociedade cachoeirense respeita seu passado, mas quer buscar para suas novas gerações um mundo bem melhor.

Comentários

projeto partilha disse…
(...) recursos não são tudo, para melhorar a vida das pessoas é preciso ter iniciativa, ter vontade política e, acima de tudo, conhecer as necessidades e aspirações de cada segmento social (...).
Cf. Erika Mesquita. "Cidades Mortas", Pretérito e Presente vivos: a conservação da memória em Cunha - SP. Unicamp. Campinas/SP. Orientadora: Prof. Dra. Maria Tereza Duarte Paço Luchiari.
projeto partilha disse…
A PRIMEIRA GOTA!
A construção de uma hiper-revolução pessoal!
A primeira, básica e fundamental mudança que precisa acontecer para transformar o século XXI numa época de felicidade e bem-estar para todos é o que podemos chamar de hiper-revolução pessoal.
Isto é algo que não depende absolutamente de ninguém. A imprescindível transformação é pessoal, representa a primeira gota d´água que logo se reunirá a milhares e milhões de outras para criar uma pressão social de renovação de idéias e ações da vida.
Representa o estudo de cada decisão que devemos tomar para privilegiar a nossa comunidade e o nosso país, pois, com certeza, a ação local é que pode ser a base para permitir que o mundo seja um lugar bom para todos viverem.
Sem dúvida, todas as pessoas têm condições de estabelecer uma extensa lista de situações que merecem uma revisão para terem uma postura aperfeiçoada e renovada.
Vale a pena, entretanto, relacionar algumas destas situações para uma reflexão inicial. (continua)
projeto partilha disse…
Dr. Rui Nogueira continua dizendo ao Projeto Partilha, sob o Título: A PRIMEIRA GOTA!
A hiper-revolução pessoal não pode ser um ato doidivano, pelo contrário, exige o estabelecimento de algumas premissas que ajudarão a balizar o processo de transformação pessoal.
. Uma filosofia consolidada, consubstanciada em : conjunção, equidade, simbiose e solidariedade.
. Uma postura nacionalista-humanista.
. A busca da felicidade como preceito coletivo.
.A preocupação de pensar humanisticamente e agir localmente.
. Enérgico senso crítico. Todo acontecimento cotidiano, mesmo corriqueiro, merece ser reavaliado. A linguagem corrompida, repleta de conceitos pré-concebidos, com exagerada propaganda de repetição impregnou as mentes, principalmente no final do século XX. Os princípios retrógrados e lesa-humanidade precisam ser revistos.
. Partir da premissa de que todos os atos diários oferecem oportunidade para ação, aperfeiçoamento e renovação.
. Discordar e discutir para, no sentido coletivo e a longo prazo, encontrar as mudanças e melhorias possíveis.
projeto partilha disse…
Diante do que propõe Dr. Rui Nogueira: "todo acontecimento (...) merece ser reavaliado", ouso a me perguntar, ao refletir sobre o PATRIMÔMINO DA CAPELA DE NOSSA SENHORA DO CARMO - a da CACHOEIRA DOS RATES?
- qual é a concepção que norteia a questão do Patrimônio de uma determinada Igreja? - Como é pensada sua organização? - Existe um padrão para escolha do local onde será construída a Capela/Igreja? - Como é pensado o espaço que não o reservado à capela? - ??????????

Bem, encontramos algumas respostas: "O Patrimônio tem dimensões estabelecidas, que são suficientes para se abrir uma praça com casas em volta. O templo fica geralmente fora do centro, mais próximo do meio de um dos lados, mas voltado para a praça, em posição proeminente. (...) A praça serve de ponto de parada onde as pessoas se divertem olhando".
Cf.: Estudos de Geografia Agrária Brasileira, 1985, p.49-50. Editora Vozes. Petrópolis - RJ. Autor: O. Valverde.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage