Pular para o conteúdo principal

O Deserto é Dourado

Extensa pradaria devassada pelo Pe. Bento Ferreira Villa Nova que, como sesmeiro nas margens do Rio Ingaí e mais outras terras requeridas ao longo do caminho por ele encurtado em oito léguas, que ligavam a vila de São João del Rey a Campanha foi denominada por ele Deserto Dourado.


O Quartel General de sua Fazenda situava-se em São Bento do Campo Belo, depois denominada Eremita. Seu latifúndio era imenso o que, posteriormente, foi partilhado em diversas fazendas.


Encontramos publicado no 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha - ano 1959, fls. 22, o seguinte registro: em 1770, na “Ermida da Campo Belo” batizado, 3º livro de Carrancas, p. 136 em 22 de janeiro. O relato segue-se nos seguintes termos, “Registro importante para a localidade foi o de dois de maio daquele ano: aos dois dias do mês de maio de mil setecentos e setenta anos, o Reverendo Padre Bento Ferreira na sua Ermida do Campo Belo desta freguesia de Nossa Senhora Conceição das Carrancas, e Sant’Ana das Lavras do Funil, batizou e pôs os santos óleos a Joaquim, nascido na mesma freguesia, filho legítimo de Manuel Francisco Terra, e de Ana Vitória de Jesus, moradores no deserto dourado desta freguesia; neto pela parte paterna de Domingos Francisco Terra, e de Izabel Pires de Morais da freguesia de Nossa Senhora da Conceição dos Prados deste Bispado; e pela materna de Domingos Rodrigues Barreiros e sua mulher Jacinta Bernarda da Conceição morador no sítio do Ribeirão das Lages desta freguesia; foram padrinhos João Rodrigues Barreiros, solteiro, e Rosa Maria Pires, mulher de Antônio de Freitas Ribeiro, moradores no Turvo freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Aiuruoca, deste Bispado, e os mais todos desta freguesia de que fiz este assento que por verdade assinei era ut supra. O vigário Manuel Afonso”.


Observação: Em, 500 anos - Trajetórias de uma Família, Antonio Galvão Sampaio Terra, às fls. 78, destaca: “A terceira geração dos Terras. Os filhos de Manoel Francisco Terra e de Ana Vitória Barreiros. Às fls. 79 apresenta a Fig. 55 - gráfico em Leque, da descendência deste casal. São 10 filhos onde aparece um deles, Alferes Joaquim Rodrigues Terra, dois mayo 1770, São Bento do Campo Belo. Filho”.


O Ten. Cel. José Fernandes Avelino é filho de Isabel Gertrudes de Moraes nascida em 1779, irmã do Alferes Joaquim Rodrigues Terra. Portanto, Joaquim foi tio de José Fernandes Avelino.


Diz a obra: “Fazenda Carapina (e o mapa, às fls. 77, indica próxima a ela a Fazenda da Lage) foi desmembrada da Fazenda Bom Retiro dos Barreiros de propriedade do Alferes Manoel Francisco Terra".


A descoberta do ouro nos sertões fez com que a notícia se espalhasse rapidamente. O sertão foi tomado de assalto por bandeiras que sucederam e as descobertas se multiplicaram ininterruptamente. O povoamento intenso e o progresso do sertão que se prendia historicamente às cidades paulistanas, propiciaram a criação da Capitania de São Paulo e Minas Gerais, em 1709. Em 1737, o ouvidor Cipriano José da Rocha, partindo de São João Del Rey, chegou às minas auríferas do Rio Verde e fundou um arraial ao qual deu o nome de São Cipriano, origem da atual cidade de Campanha. As minas do Rio Verde, descobertas por paulistas, por volta de 1720, tinham ficado abandonadas. Com o tempo, passaram a ser exploradas clandestinamente.


E o Deserto Dourado foi sendo devassado em todas as direções. Onde quer oferecesse vantagens de lucro imediato, ali se fixava uma família, que poderia ser a causa imediata, como foi várias vezes, de um núcleo populoso. A beira de uma CACHOEIRA e aos pés de um morro junto a uma picada clandestina, que pouco mais tarde, numa escritura de compra e venda aparece como, “estrada real”, fixa-se a família de Manoel Antonio Rates e Maria da Costa Morais. O prof. Wanderley Ferreira de Rezende denominou o local como sendo DESERTO DESNUDO. Os Rates não eram os únicos. Foram muitos os colonizadores. Conhecê-los nos engrandece. A genealogista Denise Cassia Garcia publicou, Os Garcia “Frade”; Ricardo Gumbleton Daunt, em 1974, publica o Capitão Diogo Garcia da Cruz; Apparecida Gomes do Nascimento Thomazalli, publica As Famílias de Nossas Família; entre tantos outros.


Nas obras citadas conhecemos as descendências açorianas. São deles que herdamos o espírito festeiro das tradicionais “Festas do Espírito Santo”, “Festas do Divino” e as “Folias de Reis”. E as rodas de fiar, os teares com os quais se fazem as tradicionais colchas de lã; o carro de boi mineiro e os doces caseiros? Enfim, um povo sensível, sentimental, hospitaleiro, honesto e de grande rigor nas questões religiosas, bem como tenaz, audacioso e aventureiro, no dizer de Júlio Dantas, da Academia de Ciências de Lisboa.


Aproveitamos este espaço para prestar homenagem à Família Naves de Carmo da Cachoeira. Aqui temos dificuldade ao citar o sobrenome de um deles, dado o fraterno entrelaçamento com as Famílias Rezende e Vilela. Quantas vezes nos perguntamos: fulano assina Naves, Vilela ou Rezende?

Acabamos de receber o recente lançamento de Márcio de Oliveira Naves, obra Escarafunchando Memórias, prefaciado por José Kaeitel Ribeiro da Academia Tricordiana de Letras de Artes, cadeira 19.


Houve outro trabalho publicado anteriormente - Cavucando o Passado. Diz ele: “Neste pequeno livro, tento relatar fatos que marcaram minha infância e minha juventude, desde a Fazenda da Covoca, onde nasci (...)”. Ele apresenta os pais de seu avô paterno, João Antônio Naves e Ignácia Constância de Rezende Naves; seus avós paternos foram Manoel Antonio Naves e Isaura de Rezende Naves Filha de Theodoro Antônio Naves e Jacinta Leopoldina de Rezende, da Fazenda das Abelhas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç

Leonor Rizzi - Biografia

I tu , uma estância turística do Estado de São Paulo , viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova , cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi . E studou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio , sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry ¹ . Aquele local , assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e " filha de Maria ". C asou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha ² , que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra &quo

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “