Pular para o conteúdo principal

O Deserto é Dourado

Extensa pradaria devassada pelo Pe. Bento Ferreira Villa Nova que, como sesmeiro nas margens do Rio Ingaí e mais outras terras requeridas ao longo do caminho por ele encurtado em oito léguas, que ligavam a vila de São João del Rey a Campanha foi denominada por ele Deserto Dourado.


O Quartel General de sua Fazenda situava-se em São Bento do Campo Belo, depois denominada Eremita. Seu latifúndio era imenso o que, posteriormente, foi partilhado em diversas fazendas.


Encontramos publicado no 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha - ano 1959, fls. 22, o seguinte registro: em 1770, na “Ermida da Campo Belo” batizado, 3º livro de Carrancas, p. 136 em 22 de janeiro. O relato segue-se nos seguintes termos, “Registro importante para a localidade foi o de dois de maio daquele ano: aos dois dias do mês de maio de mil setecentos e setenta anos, o Reverendo Padre Bento Ferreira na sua Ermida do Campo Belo desta freguesia de Nossa Senhora Conceição das Carrancas, e Sant’Ana das Lavras do Funil, batizou e pôs os santos óleos a Joaquim, nascido na mesma freguesia, filho legítimo de Manuel Francisco Terra, e de Ana Vitória de Jesus, moradores no deserto dourado desta freguesia; neto pela parte paterna de Domingos Francisco Terra, e de Izabel Pires de Morais da freguesia de Nossa Senhora da Conceição dos Prados deste Bispado; e pela materna de Domingos Rodrigues Barreiros e sua mulher Jacinta Bernarda da Conceição morador no sítio do Ribeirão das Lages desta freguesia; foram padrinhos João Rodrigues Barreiros, solteiro, e Rosa Maria Pires, mulher de Antônio de Freitas Ribeiro, moradores no Turvo freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Aiuruoca, deste Bispado, e os mais todos desta freguesia de que fiz este assento que por verdade assinei era ut supra. O vigário Manuel Afonso”.


Observação: Em, 500 anos - Trajetórias de uma Família, Antonio Galvão Sampaio Terra, às fls. 78, destaca: “A terceira geração dos Terras. Os filhos de Manoel Francisco Terra e de Ana Vitória Barreiros. Às fls. 79 apresenta a Fig. 55 - gráfico em Leque, da descendência deste casal. São 10 filhos onde aparece um deles, Alferes Joaquim Rodrigues Terra, dois mayo 1770, São Bento do Campo Belo. Filho”.


O Ten. Cel. José Fernandes Avelino é filho de Isabel Gertrudes de Moraes nascida em 1779, irmã do Alferes Joaquim Rodrigues Terra. Portanto, Joaquim foi tio de José Fernandes Avelino.


Diz a obra: “Fazenda Carapina (e o mapa, às fls. 77, indica próxima a ela a Fazenda da Lage) foi desmembrada da Fazenda Bom Retiro dos Barreiros de propriedade do Alferes Manoel Francisco Terra".


A descoberta do ouro nos sertões fez com que a notícia se espalhasse rapidamente. O sertão foi tomado de assalto por bandeiras que sucederam e as descobertas se multiplicaram ininterruptamente. O povoamento intenso e o progresso do sertão que se prendia historicamente às cidades paulistanas, propiciaram a criação da Capitania de São Paulo e Minas Gerais, em 1709. Em 1737, o ouvidor Cipriano José da Rocha, partindo de São João Del Rey, chegou às minas auríferas do Rio Verde e fundou um arraial ao qual deu o nome de São Cipriano, origem da atual cidade de Campanha. As minas do Rio Verde, descobertas por paulistas, por volta de 1720, tinham ficado abandonadas. Com o tempo, passaram a ser exploradas clandestinamente.


E o Deserto Dourado foi sendo devassado em todas as direções. Onde quer oferecesse vantagens de lucro imediato, ali se fixava uma família, que poderia ser a causa imediata, como foi várias vezes, de um núcleo populoso. A beira de uma CACHOEIRA e aos pés de um morro junto a uma picada clandestina, que pouco mais tarde, numa escritura de compra e venda aparece como, “estrada real”, fixa-se a família de Manoel Antonio Rates e Maria da Costa Morais. O prof. Wanderley Ferreira de Rezende denominou o local como sendo DESERTO DESNUDO. Os Rates não eram os únicos. Foram muitos os colonizadores. Conhecê-los nos engrandece. A genealogista Denise Cassia Garcia publicou, Os Garcia “Frade”; Ricardo Gumbleton Daunt, em 1974, publica o Capitão Diogo Garcia da Cruz; Apparecida Gomes do Nascimento Thomazalli, publica As Famílias de Nossas Família; entre tantos outros.


Nas obras citadas conhecemos as descendências açorianas. São deles que herdamos o espírito festeiro das tradicionais “Festas do Espírito Santo”, “Festas do Divino” e as “Folias de Reis”. E as rodas de fiar, os teares com os quais se fazem as tradicionais colchas de lã; o carro de boi mineiro e os doces caseiros? Enfim, um povo sensível, sentimental, hospitaleiro, honesto e de grande rigor nas questões religiosas, bem como tenaz, audacioso e aventureiro, no dizer de Júlio Dantas, da Academia de Ciências de Lisboa.


Aproveitamos este espaço para prestar homenagem à Família Naves de Carmo da Cachoeira. Aqui temos dificuldade ao citar o sobrenome de um deles, dado o fraterno entrelaçamento com as Famílias Rezende e Vilela. Quantas vezes nos perguntamos: fulano assina Naves, Vilela ou Rezende?

Acabamos de receber o recente lançamento de Márcio de Oliveira Naves, obra Escarafunchando Memórias, prefaciado por José Kaeitel Ribeiro da Academia Tricordiana de Letras de Artes, cadeira 19.


Houve outro trabalho publicado anteriormente - Cavucando o Passado. Diz ele: “Neste pequeno livro, tento relatar fatos que marcaram minha infância e minha juventude, desde a Fazenda da Covoca, onde nasci (...)”. Ele apresenta os pais de seu avô paterno, João Antônio Naves e Ignácia Constância de Rezende Naves; seus avós paternos foram Manoel Antonio Naves e Isaura de Rezende Naves Filha de Theodoro Antônio Naves e Jacinta Leopoldina de Rezende, da Fazenda das Abelhas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis. Em 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal publicam às fls. 149: O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrito do Carmo da Cachoeira. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam em matrimônio os contraentes Jerônimo José Rodrigues, viúvo o que ficou pelo