Pular para o conteúdo principal

Contanto Estórias - Carmo da Cachoeira

O arquiteto e ambientalista José Pedro de Oliveira Costa desenvolveu, por volta dos anos de 1994, um estudo sobre Aiuruoca que focaliza o modo de vida do homem rural brasileiro e sua relação com o meio ambiente. Revestido de um admirável senso geográfico, nutrido de amor pela paisagem e dinamizado por sua visão histórica, traça as etapas do povoamento dos espaços além da Mantiqueira. A obra prefaciada por Antonio Candido e, editada pela EDUSP - Editora da Universidade de São Paulo - 1994, coloca no centro de tudo o homem, o grupo social, tratado com simpatia e compreensão, sem o vezo de formador de muitos que o veem como “objeto” de estudos.

Este o ponto de convergência entre o estudo de José Pedro de Oliveira Costa e nosso que, buscamos entender a realidade de nossos antepassados iluminando-os por dados simples, vivenciados por eles em seu dia-a-dia seu ambiente doméstico, como a sua comida, os seus hábitos de higiene, a sua maneira de construir e usar a casa, enquanto construtores de povoados, arraiais, aldeamentos e o presente estudo. Para nós que buscamos respostas em fontes documentais a única resposta que nos satisfaz é a da relação do homem aqui presente, nos idos anos do século XVIII, sua forma de articulação, a fim de responder ao impulso de tentar a vida em um País Colonial, independente de sua maneira de ver o mundo, e o de dar à sua família melhores condições de vida. Não há como não ligar as famílias pioneiras de, de formas diversas, por tempo determinado ou temporariamente fizeram parte da construção e dinamizaram esse espaço compreendido entre o Rio Grande e o Sapucaí e a saga do povo de Deus conforme lemos na Bíblia em Gênesis. Não foi a ocupação do sertão, Dourado e ou Desnudo que nos incentivou a busca, mas preencher em nós mesmos os alicerces de uma sólida construção interior com a presença de valores imateriais e perenes.

Embora as bandeiras tenham cortado a região já no século XVII, apenas no início do século XVIII seria realizada uma efetiva ocupação da área. Foi quando houve a transposição da serra Mantiqueira e os bandeirantes entraram no território mineiro. O que apreende ao estudar, por exemplo, as fazendas da barra e do Rio do Peixe, motivo de nossa última publicação é que as melhores terras torna se propriedade dos mais poderosos, enquanto os menos favorecidos se veem empurrados para terras mais íngremes e menos férteis, ou por outro lado, ao lado de picadas clandestinas. Por que Manoel Antonio Rates e Maria da Costa Moraes escolheram construir sua casa junto a CACHOEIRA, aos pés de um morro, num espaço denominado pelo professor Wanderley de Deserto Desnudo?

O processo de ocupação de Carmo da Cachoeira está baseado em estudos de muitos de seus filhos, de genealogistas como Denise Cassia Garcia, Apparecida Gomes do Nascimento Tomazelli, Ricardo Gumbleton Daunt, Ary Silva, Ary Florenzano, Monsenhor Lefort, Antonio Galvão Sampaio Terra, entre outros, no entanto, o espaço está pouco documentado, e os dados encontrados sobre a origem das propriedades remontam apenas até a última década do século XIX. Assim, algumas famílias, como o caso dos “Rezendes” de Carmo da Cachoeira, através de Luiz Eduardo Vilela Rezende; os “Vilelas”, através de Jorge Fernando Vilela; a família “Reis”, através de José Ovídio Reis; os “Terras”, através de Antonio Galvão; a família “Junqueira”, pesquisas realizadas por Marta Amato; e os “Dias Oliveira - Bueno”, através de Ary Silva.

Famílias essas que habitaram e que mantiveram relações fundiárias. Sua presença constante na área através de várias gerações, servem de fonte de tradição oral das informações estudadas por esses genealogistas. Nos casos acima citados, pelo zelo e amor a seus ancestrais mantêm em seus arquivos preciosos documentos.

Nossa mais profunda e eterna gratidão a estes verdadeiros guardiões de nossa história.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se