Pular para o conteúdo principal

Uma janela aberta para o passado

Cemitério dos Escravos na Fazenda Chamusca

A tradição registra e a Paróquia fiel a essa tradição e as crenças populares anota a fala de antigos moradores, quando de pesquisa realizada no Distrito do Palmital do Cervo, por ocasião das solenidades da comemoração dos 150 anos da elevação da Capela de Nossa Senhora do Carmo em Freguesia, no Município de Carmo da Cachoeira MG.

Trabalhadores rurais, gente simples, honesta, religiosa e cultuadora da tradição repassam, através da linguagem oral, fragmentos da memória que preserva até hoje. Assim, em algumas pessoas permanece a ideia de que, em cima do muro de pedras que cerca o Cemitério dos Escravos havia figuras simbólicas representadas por aves, ferramentas e instrumentos de trabalho como: martelos, turqueses, escadas e, até cravos, “destes que se vê nos pulsos de Jesus Crucificado”, diz um ancião com mais de 100 anos.

Interessante de se notar é que, esses mesmos elementos aparecem desenhados no Adro da antiga Capela da Fazenda do Palmital do Cervo e no oratório da Fazenda Caxambu.

Cruzeiro do Átrio da Capela do Palmital

 

Oratório da Fazenda Caxambu

Contam-nos os mais antigos que, havia uma pessoa que mantinha o lugar sempre capinado. Com o passar dos anos e o falecimento deste voluntário o mato tomou conta do  cemitério e alguém, para facilitar o trabalho, resolveu queimar o mato, foram-se as belas figuras simbólicas confeccionadas em madeira.

A época, dona Zilah Reis Vilela nascida em Carmo da Cachoeira, em 1919 e hoje falecida, casada com Percy de Oliveira Vilela, fazendeiro, Fazenda das Letras, Fazenda do Paulista e Fazenda da Chamusca, filho de Antonio de Rezende Vilela, fazendeiro e Corina Eulália de Oliveira Vilela, se incomodou ao ver o espaço do cemitério utilizado como pasto para os gados. Tomou providências e instalou um portão visando preservar a memória. Infelizmente as figuras em madeira já haviam sido destruídas e não substituídas.

Em O Patrimônio em Processo, de Maria Cecília Londres Fonseca, publicação UFRJ/MinC-Iphan, Anexo V, Catalogado em, Processos de Tombamentos abertos de 1.1.1970 a 14.3.1990, pg. 277, sob nº 1.299-T-89, está relacionado “Cemitério de Escravos” (Fazenda da Chamusca), Minas Gerais, Carmo da Cachoeira.

Segundo a arqueóloga Maria Luiza de Luna Dias, da Fundação de Ensino Superior do Vale do Sapucaí, em 1990:

(...) o mais provável é que se trate de um cemitério para pobres e escravos, já que os brancos de maior poder aquisitivo eram enterrados no chão das capelas. Trata-se de um remanescente do início da colonização do Sul de Minas. A hipótese levantada por ela é de que ali estão enterrados os primeiros colonizadores do Estado, bandeirantes e paulistas que tinham o Sul de Minas em suas rotas em tempos remotos, quando estas cidades ainda não haviam sido fundadas.

Luna Dias coordenou as escavações no sítio arqueológico denominado “Cemitério dos Escravos” e as análises foram realizadas no laboratório do Museu de Imagem e do Som do Vale do Sapucaí.

Os registros arqueológicos contêm elementos culturais que foram sedimentados e que fornecem evidências do passado e vem nos socorrer para confirmar a realidade histórica de determinado local. É na compreensão de que o estudo do passado aumenta nossa capacidade de discernir com maior clareza o comportamento manifestado pela sociedade cachoeirense em nossos dias que buscamos nos enveredar nas trilhas que nos levam ao passado.

Carmo da Cachoeira, através da vontade política de administradores públicos competentes e a aprovação da edilidade utilizou desta ferramenta que é a arqueologia para recuperar parte dos primórdios de nossa história. O que nos interessa são os dados recuperados através das constatações reveladas num passado enterrado. Esperamos que historiadores comprometidos com a verdade histórica possam reescrever nossa verdadeira história.

Monsenhor Lefort deixou registrado, a próprio punho, como podemos verificar no anexo, o que ele denominou de 1º dos assentamentos de óbitos que conseguiu - ano 1860.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se