Pular para o conteúdo principal

A Grande Família dos que Fazem a Vontade do Pai.


Deus anda soprando e dizendo muita coisa boa para nosso grupo e, também, para os do lado de lá... No entanto, fiquem atentos e aprendam a ouvir com critério, imbuídos do espírito fraterno (Mt 12,23-35).

Fiéis católicos devem observar com mais rigor o que se passa ao seu redor. O Papa Bento XVI, no encontro do último 26 de setembro, durante audiência geral na Praça de São Pedro, como pastor do grande rebanho que conduz, veio lembrar que o centro da teologia litúrgica do Concílio Vaticano II foi o Mistério Pascal da Morte e Ressurreição de Jesus Cristo; alertou para o fato de que as celebrações litúrgicas que distanciam os fiéis da participação ativa do POVO DE DEUS na obra do próprio Deus, devem ser olhadas com reserva.

Então: de que obra de Deus somos chamados a participar? Você já percebeu que o CAMINHAR DO POVO DE DEUS se dá de forma coletiva? Como assegurar a unidade no pluralismo, senão através de encontros celebrativos, do respeito, do saber ouvir, do saber falar, do saber ceder? Você se lembra de que Cristo deixou uma obra completa que se perpetua até hoje, que é a celebração da EUCARISTIA e da PALAVRA?

A catequese proferida pelo Santo Padre, o Papa Bento XVI, dá-nos a entender: primeiro, a importância de se conhecer as ações históricas que nos salvam e que acompanham toda a trajetória do POVO DE DEUS − trajetória que culminou com a morte e Ressurreição de Jesus Cristo; em segundo lugar, que é necessária a participação na obra completa deixada por Cristo. Ela acontece durante as celebrações;é só acompanhar o calendário pastoral e ver o que ele propõe; preste atenção e você irá perceber a riqueza das atividades organizadas e pensadas pelo Pároco, como forma de não deixar nenhum espaço físico da Paróquia sem assistência espiritual:são novenas, encontros, celebrações da Palavra, entre outros eventos mais específicos para cada comunidade; atividades que asseguram a continuidade da vida e da missão do POVO DE DEUS, que tornam a Igreja o organismo vivo que ela é. Se você é um daqueles que ainda não percebeu que o padre de sua Paróquia está propondo ações para que a Igreja de Jesus Cristo se mantenha viva, acorde! Tenha confiança, levante-se e siga o que ele propõe. Saia da inércia, do comodismo. Atualize-se. Saiba que cabe ao sacerdote a responsabilidade de propor ações para que a obra deixada por Jesus Cristo perpetue pelos séculos dos séculos.

A presença de um sacerdote assegura a unidade dos princípios gerais traçados pela Igreja Universal – a Católica, Apostólica, Romana; no entanto, a messe é grande e leigos devem auxiliar e serem acolhidos com gratidão, amor e fraternidade por todos.

“Participar” é ir além do “assistir”, do ouvir a Palavra que nos ensina o caminho da santificação. Guardá-la em nossos corações, como fez Maria, é primordial. Aproximarmo-nos dos Sacramentos da Eucaristia, da Reconciliação e de outros atos similares possibilita-nos que Jesus Cristo aja em nós, santificando-nos.

O catecismo da Igreja Católica, Apostólica,Romana diz: “toda celebração sacramental é um encontro dos filhos com Deus e com o seu Pai, em Cristo e no Espírito Santo, e tal encontro se realiza no diálogo, por meio de ações e palavras”; portanto, assistir vai além do ouvir. Há que se passar para a ação, ou seja, PARTICIPAR.

Como participar? A primeira condição para uma boa celebração litúrgica é que haja diálogo com Deus. Na oração devem-se considerar dois momentos: o da nossa fala com Deus e a escuta da resposta Dele. Vamos refletir: minhas ações correspondem àquilo que digo com os lábios? Aquilo que faço corresponde aos impulsos vindos do meu coração ou serão eles fruto de elaboração mental e calculista?

A Igreja vem incansavelmente mostrando que devemos aprender a rezar de modo cada vez mais autêntico, deixando que nossas ações reflitam realmente o que está gravado em nossos corações. Diante deste entendimento, você se reconhece entre aqueles que formam a grande família de Jesus Cristo? Esta grande família é a que está voltada para ações junto dos pequeninos: conhecedores de seus limites e de sua fragilidade solidarizam-se com os irmãos no serviço recíproco e empenham-se em resgatar a vida que padece neste mundo peregrino. Pastorais e movimentos necessitam da presença ativa de cristãos envolvidos e integrados no todo da vida da comunidade. Ninguém ama o que não conhece e ninguém se esquece do que ama. Vamos lembrar com Lucas (10, 38-42), que “uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”. Esta narrativa sugere que toda atividade só tem sentido quando orientada para o cumprimento da vontade de Deus, revelada por sua Palavra, que deve ser escutada e posta em prática. Procure as pastorais e coloque-se à disposição para trabalhos que são necessários na seara do Senhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948