Pular para o conteúdo principal

Um Conto de Natal em Carmo da Cachoeira.


24 de dezembro. Dez horas da noite.
No alpendre de sua nova residência, aguardando a hora da missa do galo, Leonardo conversava com o irmão enquanto, um pouco afastada, Josefa contava aos filhos a história do nascimento de Jesus.
Há uns 20 dias atrás — dizia Leonardo — as pessoas que por mim passassem haveriam de pensar, e não sem razão, que dentro em breve eu iria aumentar o número dos que vivem da caridade pública.
— E se tal viesse a acontecer? Perguntou Pedro.
— Seria a vontade de Deus e eu a ela me submeteria humildemente. Não me julgaria diminuído com isso, por que, como sabemos, São Francisco de Assis, que era rico, lá um dia desprezou a riqueza, o luxo em que vivia e foi procurar a sua santificação metendo-se entre os que viviam miseravelmente de esmolas.

Um dos meninos interrompeu a conversa, dizendo:
— Se papai precisasse viver de esmolas, seria só enquanto nós ainda não tivéssemos forças para trabalhar. Seria uma vergonha pra nós, não é, mamãe?
— Certamente, meu filho. Quem pode trabalhar não deve viver à custa do trabalho alheio porque, se o fizer, não somente cometerá um crime contra a sociedade, mas também incorrerá no desagrado de Deus que não quer que ninguém viva na ociosidade e sim que todos trabalhem para ganhar honestamente tudo aquilo de que necessitem pra viver.
— Já que estamos falando em esmolas —
atalhou Pedro — vamos tratar de um assunto de grande interesse para nós e para mais alguém e sobre o qual venho pensado há vários dias. Trata-se do seguinte: Como vocês já não ignoram, o dinheiro que tenho em bancos e minhas propriedades de São Paulo, rendem bem mais do que precisamos para viver confortavelmente; ora, como sou solteiro, os meus herdeiros serão meus sobrinhos e não penso em acumular dinheiro pra eles, visto como, quando estiverem na idade, cada um escolherá a profissão que quiser e, portanto, ficarão habilitados a ganhar a vida mais facilmente, porém trabalhando.
— Estou de pleno acordo com sua idéia, meu irmão —
assentiu Leonardo — porque meu desejo é mesmo que meus filhos possam viver do seu trabalho; isso será não só uma grande honra para eles, mas também um preservativo contra a ociosidade que, como dizem os moralistas, é a mãe de todos os vícios.
— Pois bem. Em vista de tudo isso e como de antemão já contava com o apoio de vocês à minha idéia, digo-lhes que resolvi distribuir o que nos sobra pelos necessitados, pelos que, comprovadamente não podem trabalhar para prover o próprio sustento e o de sua família, se tiver. Que dizem vocês a isto?
— Dizemos que é uma idéia excelente e digna do verdadeiro cristão que você é.
— Então começaremos a tratar disto amanhã mesmo, porque comemoraremos melhor o nascimento de Jesus Cristo e os pobres terão também sua festa de Natal.

Meia-noite. Ajoelhados entre a multidão que enchia a igreja. Leonardo e Josefa oravam fervorosamente, pedindo a Deus a felicidade do irmão e cunhado; daquele homem que, no meio da abundância, não se esquecida dos pobrezinhos que passavam a vida só Deus sabe como; daquele homem extraordinário que pouco antes havia manifestado tamanha prova de amor ao próximo, propondo-se realizar uma obra que, se pudesse servir de exemplo e encontrasse muitos imitadores, colocaria a humanidade no caminho que a conduziria à verdadeira Fraternidade Universal.

“Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade”.
Prof Wanderley Ferreira de Rezende

Comentários

Anônimo disse…
"O vosso falar seja sim sim, não não; por que tudo o que passa disso vem do maligno". (Mt 5,37).

FELIZ NATAL A TODOS.
Anônimo disse…
HISTÓRIAS E MAIS HISTÓRIAS, que fazem parte de nossa história.

A paixão e seus produtos: uma consciência retrospectiva nos romances de Almeida Faria, p.165 a 172 de NAU LITERÁRIA, Porto Alegre; Lisboa, n.1 - jul./dez.2005. Texto de Lígia Savio, professora de Teoria da Literatura na Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras (FAPA).
Cf.; www.msmidia.com/nau/01/19ligia.pdf

(...) Em NAUS, de Antonio Lobo Antunes, o poeta Luís carrega (...). Em História do cerco de Lisboa, de Saramago, a figura do pai da pátria, Dom Afonso Henriques, é dessacralizada (...)
As diversas vozes que se cruzam na Tetralogia formam uma rede que envolve vários lugares, de diferentes continentes (o Alentejo, Lisboa, Veneza, Roma, Milão, Madeira, Açores, Faro, Rio de Janeiro, São Paulo, Luanda) e várias etnias (portugueses, brasileiros, italianos, árabes, judeus, africanos) (...) a experiência do cosmopolitismo (...), a formação de uma comunidade cultural sem fronteiras, a opção pela arte e a eterna desconfiança com relação a qualquer tipo de pacto nacionalista (...).
Anônimo disse…
Transcrição de documento por Edriana Aparecida Nolasco a pedido do Projeto Partilha.

Tipo de documento - Inventário
Ano - 1788 caixa - 182
Inventariados - (Victor) Vitor Antônio de Oliveira e Maria da Silva.
Inventariante - João Modesto de Oliveira
Local - São João del Rei

Fl.01
Inventário dos bens que ficaram por falecimento de Victor Antônio de Oliveira e sua mulher Maria da Silva de quem é inventariante seu filho João Modesto de Oliveira.
Data - 15 de dezembro de 1788
Local - Vila de São João del Rei.

Fl. 07
Bens
- 10 escravos
- 03 foices; 03 enxadas; 01 machado

Uma escritura de 500$000 de uma fazenda que se vendeu a Francisco Leme.

Fl.08
Filhos
01 - Valério de Oliveira Leitão

02 - Agostinho da Silva

03 - Manoel Antônio Saldanha

04 - João de Souza

05 - Beatriz Maria

06 - Maria de Oliveira

07 - João Modesto de Oliveira

Fl.10
PROCURAÇÃO

Procuradores nomeados - José da Silveira e Souza; José Rabello Maia; Gomes da Silva Pereira; Capitão Antônio Gonçalves Figueiredo; Alferes Manoel de Sá Peixoto Ferraz (Ferrás); Francisco Soares da Graça.

Local - Vila de São João del Rei
Data - 09 de janeiro de 1789
Que faz - Valério de Oliveira Leitão.
Marcelo Ferraz disse…
Olá. Como faço para acessar os originais desses documentos? Gostaria de ter mais informações do Manoel de Sá Peixoto Ferraz. Obrigado, Marcelo

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Diácono Romário - Ordenação Presbiterial

 A Diocese de Januária, minha família e eu, Diácono Romário de Souza Lima temos a grata satisfação de convidar você e sua família para participarem da Solene Celebração Eucarística, na qual serei ordenado sacerdote pela imposição das mãos e Oração Consecratória do Exmo. Revmo. Dom José Moreira da Silva, bispo diocesano, para o serviço de Deus e do seu povo. Dia 18 de maio de 2022. às 19h, na Catedral Nossa Senhora das Dores em Januária - MG Primeiras Missas 19 de maio às 19hs na Catedral Nª Srª das Dores 20 de maio às 19hs na  Comunidade Santa Terezinha de Januária 21 de maio às 19hs na Comunidade Divino Espírito Santo em Januária Contatos: (38) 99986-6552 e martimdm1@gmail.com Reflexão: João 21, 15 - Disse Jesus a Pedro: "Apascenta meus Cordeiros" Texto de Gledes  D' Aparecida Reis Geovanini O cordeiro é o filhote da ovelha. É conhecido como dócil, manso, obediente. É o símbolo da obediência e submissão. Apascentar refere-se a alimentar, cuidar, proteger e orientar, fu

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Leonor Rizzi - Biografia

I tu , uma estância turística do Estado de São Paulo , viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova , cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi . E studou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio , sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry ¹ . Aquele local , assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e " filha de Maria ". C asou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha ² , que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra &quo

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç

Cemitério dos Escravos de Carmo da Cachoeira

Ativistas culturais preservam nossa memória histórica Fernão Dias Paes Leme  corajosamente embora velho, atendendo ao apelo de seu rei, juntou seus índios agregados e com os seus dois filhos, com seu genro, e alguns amigos que acreditaram nele, partiu de São Paulo chefiando a maior bandeira paulista, entrando no sertão em busca da Lagoa Encantada onde estariam as tão sonhadas esmeraldas. Nesta louca aventura, o Governador das Esmeraldas foi plantando roças e deixando atrás de si “pousos”, para que outros bandeirantes pudessem sobreviver na impiedosa selva pontilhada de perigos. O sertão do Campo Grande estava localizado no trajeto dos bandeirantes quando, em 1739 , Marta Amato encontrou informações de que pertenciam a Carrancas (Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas ) dois cemitérios que pertenciam a essa freguesia, na Comarca do Rio das Mortes : cemitério do Campo Belo e cemitério do Deserto Dourado (hoje São Bento Abade ) . Segundo Tarcísio José Martins (1995, 1ª

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove