Pular para o conteúdo principal

Ary Florenzano em Carmo da Cachoeira.

É a casa que nos reporta ao bandeirante paulista, através dos "Bueno da Fonseca", onde o genealogista Ary Florenzano passava os fins de semana, onde o primeiro posto de telefonia pública do Distrito de Cachoeira. Hoje no local funciona a Casa Paroquial e é a residência do pároco cachoeirense Padre André Luiz da Cruz.

Juarina¹, nascida em 1892 e falecida soleira em 1970, é de uma geração muito nova em relação aos primeiros momentos de nossa história e, assim sendo, muitas pessoas ainda se lembram de sua casa e dos serviços prestados por ela. Dona Edith e seu Álvaro Dias de Oliveira contam a dinâmica vivida naquela casa - a única com telefone instalado e tornado público aos moradores. Este dado torna a casa um ponto no mental coletivo da cidade, cuja chama é mantida viva através da tradição, e dinamizada nos encontros familiares, tão comuns nesta aconchegante cidadezinha do interior das Minas Gerais. Não só pelo quanto da energia de doação e espírito comunitário a casa manifestou, como também pela sua importância em nível regional.

Quem, entre historiadores e genealogista não ouviu falar em Ary Florenzano (também grafado como Ari Florenzano)? Ele e Monsenhor Lefort foram os guardiães da história, em termos documentais do a quem se perguntar, entre historiadores logo responderá ser ele, um dos maiores expoentes da Genealogia Mineira. Seu trabalho foi editado em 1944 no Anuário Genealógico Brasileiro.

A casa, ora representada pela arte de Mauricio José Nascimento é o ponto de ligação com o bandeirante paulista na Cachoeira de Rates, através da descendência da matriarca Jesuina Cândida de Oliveira descendente de Amador Bueno, o aclamado Rei de São Paulo - 1641. Filha de Crisóstomo da Silva Bueno e Luisa Ludovina da Jesus (Dias de Oliveira) foi casada em primeiras núpcias com seu primo Francisco Dias de Oliveira, filho de Francisco Antonio Pereira e Francisca Francelina de Oliveira, irmã de Luisa Lodovina de Jesus. Dona Gustavina Ordália de Oliveira, nascida em 20/11/1868, casada com José da Costa Faria, sogros de Ary Florenzano, é a 11 filha de Jesuina e Francisco.

A Paróquia Nossa Senhora do Carmo rende homenagens ao bandeirante paulista, um dos primeiros entrantes neste território, e que junto com Manoel Antonio Rates iniciaram o povoamento deste solo sagrado chamado de Carmo da Cachoeira - MG. A homenagem se faz nas pessoas de seus descendentes entre nós, Alvaro Dias de Oliveira e sua irmã dona Geny, na da pessoa da professora Maristela, representando Américo Dias de Oliveira e do Dr. Saulo Faria, advogado, representando sua tia Juarina e os pais dela, Gustavina Ordália de Oliveira e José da Costa Faria.


1. Augusta era irmã de Juarina.
2. Ary Silva tem a nos relatar sobre Gustavina Ordália de Oliveira, nasc. 1868, casada com José da Costa Faria em 1890, em "comentários",feitos junto a imagem do dia 5 de dezembro/2009.
3. José era filho de João da Costa Faria (natural da Ilha Terceira) e Ana Justina Rocha. José e Ordália foram pais de: Juarina, nasc. 1852; Ismael de Oliveira Faria, nasc. 1894; João de Oliveira Faria, nasc. 1896; Augusto de Oliveira Faria, nasc. 1898. Augusto foi casado com Orminda Rezende e foram pais de Saulo Faria, residente em Carmo da Cachoeira, casado com Marilda Naves, filha de João Antonio Naves e Jacinta Naves; Augusta de Oliveira Faria, casada com o genealogista e viúvo, Ary Florenzano; Honorica de Oliveira Faria, nasc. 1910, res. em Lavras.

Comentários

Anônimo disse…
Eu conhecia parte da história porque quando era pequeno morei aí. Agora estou longe, mas sempre procuro saber o que está acontecendo aí. Um dia dei com o trabalho do Pe. André aí e a partir deste dia, se não tiver um tempo, fabrico o meu tempo, e vou saber o que foi escrito na página do dia. O bom é que todo o dia tem página nova.
Anônimo disse…
Sou filho de Ary Florenzano e é muito gratificante quando se vê que a sua memória não foi esquecida.Também tenho essa casa em minha memória pois aí passava sempre minhas féria escolares.
Wilson Magela disse…
Preciso de uma cópia da obra do Ary Florenzano, alguem tem?
Wilson Magela Lavras
email:magela@dag.ufla.br
Resposta dada pela Profª. Leonor:

Wilson Magela. Procuramos com insistência o arquivo deixado pelo genealogista Ary Florenzano. Tivemos notícias de que, após sua morte, o arquivo foi passado às mãos de genealogistas.
Wilson Magela disse…
Ola Profa Leonor, Consegui uma das obras do Ary, Vol VI do Anuario Genealogico de 1946.
Abraços
Boa tarde!

Sou da Familia Florenzano (Trabalho feito por Ary Florenzano) e preciso ter acesso a arvore genealógica da familia.
Pelo que sabemos está em maos de um genealogista.

Gostaria de poder ter contato.

Por favor me digam se tem como ajudar.

Grato,

José Antonio

Os arquivos da Ary Florenzano ficaram nas as mãos da família e que logo após foram repassados, e nós não sabemos para quem
Possivelmente a árvore genealógica pode ter sido enviada para algum instuto genealogico
Obrigado Ricardo!

Vou continuar tentando, se por ventura tiver alguma informação que possa me ajudar, agradeço.
Jackson disse…
Boa parte da genealogia dos antepassados de Ary Florenzano estão em uma revista do IHGH -Instituto historico e Geografico Brasileiro. Infelizmente não lembro qual foi a revista. Deve ter sido entre 1906 e 1940. Tem a foto do Ary Florenzano e a genealogia

https://www.ihgb.org.br/publicacoes/revista-ihgb/itemlist/filter.html?category=9&moduleId=147&start=460
Jackson disse…
Bom dia

Errei no local indicado da genealogia de Ary Florenzano, informei que antepassados de Ary Florenzano estão em uma revista do IHGH -Instituto historico e Geografico Brasileiro, mas essa informação esta errada.

A genealogia esta na pagina 456 da Revista Genealogica Brasileira 1943

https://books.google.com.br/books?id=ECvTAAAAMAAJ&hl=pt-BR&source=gbs_book_other_versions

disponivel gratuitamente no Google livros
Revista genealógica brasileira, Edições 7-8

Caso não consiga o acesso me contate em jackrbert@hotmail.com
Wilson Magela. Hoje encontrei sua solicitação: Preciso de uma cópia da obra do Ary Florenzano, alguém tem? Vários outros mencionaram interesse nestas pesquisas
Primeiro preciso encontrar os descendentes de Ary Florenzano e, em segundo lugar, posso informar que digitei esta obra genealógica, criando um índice onomástico.
Talvez eu tenha acesso até aos livros de batismos e casamentos que ele datilagrafou.
José Aleixo Garcia de Carvalho
(35)3864-1646, Perdões
Rícard Wagner Rizzi disse...
Os arquivos da Ary Florenzano ficaram nas as mãos da família e que logo após foram repassados, e nós não sabemos para quem
Possivelmente a árvore genealógica pode ter sido enviada para algum instituto genealógico.
Qual a possibilidade de ser o material que tenho disponibilidade de acesso.
José Aleixo
aleixogc@hotmail.com
(35)3864-1646

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da