Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

Prisioneiros de sua própria inocência.

O prisioneiro acorrentado
Hoje é mais um dia
De tantos dias que não são dias
De uma vida que não é vida
Para o prisioneiro acorrentado

De sua comida que já é só restos
Hoje nem restos ele ganhou
Está uma tarde quente de verão
Morrendo de sede por água ele suplica
Grita e chora de sede
Mas aos berros é repreendido

Cala e sofre
Sofre e chora calado
Pois se não o fizer
Irá mesmo apanhar como condenado

O chão de sua cela é puro barro
Ele está sujo
Trancado por grades
E ainda acorrentado

Meu Deus!
Que terrível crime cometeu o coitado
Que fizera para merecer tanto sofrer
Quem é este prisioneiro acorrentado?

Ele é mais um terrível
Bandido inocente
Neste mundo naturalmente
Injusto da gente

Não sabe ele o que é viver
Alegria não sente
Antes mesmo de andar
Já foi pra corrente

Ele não conhece o mundo
Não conhece nada
Foi privado na necessidade mais necessária
A liberdade que lhe foi injustamente tirada

Única coisa que conhece
A própria cela e o frio da corrente
Nem ele sabe mas hoje é o fim de sua pena
Por algum motivo lembrou de sua mãe
Único carinho que recebera
Mas dela logo foi arrancado
E nunca mais a verá

Lembrava e sonhava sempre
Com seus irmãos e sua mãe
Acordava chorando

E ainda apanhava
Mas finalmente seu castigo chegou ao fim
A liberdade p veio buscar
É a morte que chegou para o levar

Ele jamais soube o que é ser feliz
Ter amigos e brincar
Quando nasceu sonhava ser a alegria de alguém
Mas quem o torturou por toda a vida
Foi justo aquele a quem ele queria alegrar
Mas neste mundo do cruel macho guerreiro deus judaico cristão
Nem no céu os cães podem entrar

São milhões de cães que sofrem abandonados, presos e amarrados por toda sua vida em fundos de quintais. Se você tem um cão, cuide dele, de carinho, leve-o para passear, deixe-o correr, deixe-o demonstrar seu carinho e seu amor por você, pois não há no mundo melhor e mais fiel amigo que um cão. Peço que repassem esta mensagem e esta poesia, em nome de todos os cães que sofrem acorrentados por toda uma vida.


Fique a vontade para copiar esta poesia, porém, Se for copiar, copie também as linhas abaixo que estão entre parênteses e cole no final da poesia. Educação é tudo:

*Título: O prisioneiro acorrentado
*Categoria: Poesias Sobre Animais
*Autor: Lauro Daniel
*Site: Mundo das Poesias
Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria:
Artigo Anterior: Manoel Antônio Rates e Sérgio Buarque.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.