Pular para o conteúdo principal

Terço dos homens em Carmo da Cachoeira.

4ª feira, às 18:30 horas homens rezam o Terço.

A força vem de onde venho...
vem do Infinito...
da estrela cadente...
do espelho da alma...
e me leva...
para mais perto de Deus.

Diante da Santa Cruz ergida no alto do morro ao norte de Carmo da Cachoeira, homens colocam-se em oração.
O encontro acontece uma vez por semana e para muitos, o encontro de fé, união e devoção impulsiona o despertar de suas obrigações junto a família, para outros, uma fonte de congracamento e ajuda na superação de vícios.

Aparareça.

Diocese de Campanha - MG
Paróquia Nossa Senhora do Carmo
Santuário Mãe Rainha de Carmo da Cachoeira
Comunidade Paroquial São Pedro de Rates

Comentários

projeto partilha disse…
Comunidade Paroquial São Pedro de Rates fará parte das solenidades do dia de Corpus Christi organizada pela Paróquia.

Quem representará a comunidade serão membros do CORAL INFANTO-JUVENIL.

Domingo, dia 16 de maio, após a missa das 19h00min., Maria das Graças (Graça), coordenadora do Coral Infanto-Juvenil fez parte de reunião convocada pelo Ministério de Música da Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Um dos pontos de pauta foi a organização da procissão de Corpus Christi - expressão latina que significa Corpo de Cristo. É quando a Igreja Católica celebra a presença real e substanciada de Cristo na Eucaristia.
Segundo o que ficou decidido acontecerá a procissão pelas ruas da cidade, após Missa Campal no Estádio Tabajara. Como ensina a tradição, o percurso entre o Estádio e a Igreja Matriz terá suas ruas ornamentadas com tapetes feitos de vários tipos de plantas e materiais - cal, argila, serragem, entre outros. No ano passado os desenhos mostravam figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos. Padre André Luiz da Cruz, o Pároco da Matriz de Nossa Senhora do Carmo insiste num ponto: manter a tradição da festa conforme o instituído no processo litúrgico. As ruas serão enfeitadas por voluntários e a Missa contará com a presença do Grande Coral, formado pelos participantes de grupos de cantos e corais das comunidades rurais e urbanas. A de São Pedro de Rates será representada pelos jovens: Vívian, Lucas, Bárbara e Karine. O acompanhamento e preparação do grupo está a cargo da coordenação do Coral, Maria das Graças (Graça).
projeto partilha disse…
Errata. Deixou de constar um nome muito especial. Registramos nossas escusas. O lapso ocorreu no momento da digitação. Perdoe-nos, Luiz Paulo.
Luiz Paulo de Oliveira Vilela, solista e arranjista o Coral Infanto-Juvenil também faz parte do grupo que representa a Comunidade Paroquial São Pedro de Rates no evento. Sem sua presença jamais seríamos os mesmos. Deus em sua infinita bondade, certamente, nos perdoará. Luz, Paz e Harmonia a todos.
projeto partilha disse…
Era segunda-feira, dia 17 de maio. Graça, a coordenadora do Coral Infanto-Juvenil passa no "Santuário". Vinha com Vivian, Lucas e Karine. O grupo voltava de um encontro com Tereza Maciel, coordenadora do Ministério de Música e, estiveram reunidos para definição do que cantar na Missa do próximo segundo domingo de junho, nas Terras de São Pedro de Rates. Vendo Ykimu (a gatinha protegida pelo "Santuário") Graça diz: "Alguém, fez a diferença na vida desta gatinha" e, conta uma parábola sobre o atirador de conchinhas em um ato de puro amor a vida. O evento aconteceu no período da manhã. A tarde, no mesmo lugar, uma vovó vem trazer a netinha para a aula de catequese. Diz: "o Gabriel, irmão da Ana Vitória, tem mostrado seu lado devocional. Ontem a noite, lembrou-se de Nossa Senhora das Dores e me pediu para rezar o terço com ele, na intenção daqueles que sofrem." A Comunidade ouve muitas partilhas vindas de ações simples do cotidiano de cada um e que são revelaras da semeadura do amor verdadeiro pelo Criador. As sementes, espalhadas no universo, refletem a idéia Cristã de Deus - a do amor efetivo ao próximo, da necessidade de superação do particular, a da ética da paz universal. Na simplicidade e singeleza essas pessoas fazem a diferença ao caminhar na vida. Levam em seu coração a compaixão, o perdão, a tolerância, o desapego, a compreensão de que as provas que lhes correspondem no decorrer de cada dia são muito pequenas, se comparadas a grandeza da vida e da alma. Sabem elas que, cada prova superada, é resultado da força e da coragem de vencer os obstáculos, e que esta força está fundamentada em que em sua fé. Estão convictas de sua Comunhão com o Divino, fonte do Amor Criativo e, como mensageiros da paz auxiliam-no na retirada das poeiras de forças inferiores em transformação. Apenas um servidor em ação.
Suavidade, Luz, Paz e Harmonia a todos.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948