Pular para o conteúdo principal

O Povo de Deus de Carmo da Cachoeira manifesta sua fé.

O Povo de Deus, morador no setor norte da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, célula mater da Cachoeira do Carmo, vê sua dignidade restaurada a cada dia.

A Comunidade Paroquial São Pedro de Rates, mobilizada e organizada marcou sua presença: firme, fraterna, solidária, sofrida, bondosa, simples, humilde, singela. Crianças, pré-adolescentes e adolescentes com velas nas mãos e, postados ao lado das Estações da Via-Sacra montadas nas Terras de São Pedro de Rates, junto a Capelinha do mesmo nome, dignamente reverenciaram a passagem do Senhor descido da Cruz. Cruz que nos redimiu. Cruz que restaurou a dignidade da humanidade do Planeta Terra junto as Arcadas Celestes. Cruz que abriu as portas do céu. Cruz que inseriu o Planeta Terra em uma unidade Cósmica. Brancos, negros, amarelos e vermelhos (estes, representados pelos descendentes de seu Mariano Laurindo, moradores na rua Olimpio Virgulino de Sousa) em conjunto engrossavam o cortejo que entoava:


E, a encenação do Enterro do Messias - o Salvador lota a Rua Domingos Ribeiro de Rezende. A Verônica cantava em frente ao Santuário Mãe Rainha de Carmo da Cachoeira e a Capelinha de São Pedro de Rates e, Pe. André que caminha à frente do cortejo já encontrava-se parado junto a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo onde, sua chegada foi anunciada pelo repicar dos sinos. É um longo trajeto. As ruas, coalhadas de fiéis se iluminaram. Luzes de velas no plano físico. Luzes estelares reluzentes ancoradas no coração de cada caminhante brilhavam, reluziam. Brilho incandescente, reflexo de valores imateriais conquistados por cada um, como fruto de sua vivência a luz do Evangelho. Como vaga lumes em manto, o Povo de Deus cantava ao passar pelo Santuário Mãe Rainha.

Canto de Paz, iniciada pelo Pe. André que dizia: esta todos conhecem:

Maria de Nazaré,
Maria me cativou
Fez mais forte a minha fé
E por filho me adotou.

Faíscas de pura devoção e entrega elevavam-se formando na cúpula azul celestial do céu cachoeirense enluarado e estrelado, radiante e grandiosa beleza. Transformações, transubstanciações, feixes de luz, bálsamos de paz, da Paz de Cristo Jesus envolvem a todos. A imagem de São Pedro de Rates encontra-se iluminada com lâmpada inovada pela nova tecnologia que veio dar nova vida à criação de Thomas Edison.

O Messias, o Cristo Ressuscitado é a nova Luz surgida como guiança do Novo Homem. Por sua palavra: Ide todos e pregai o Evangelho. Ide, estou vivo, Aleluia. Por você nos redimir podemos caminhar juntos e irmanados. Sua chama - a Crística nos une a todos. Somos seu Povo Senhor. Conte conosco.

Gratidão,
Luz, Paz e Harmonia.
Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Comentários

projeto partilha disse…
PASTORAL DA CRIANÇA EM CARMO DA CACHOEIRA - MINAS GERAIS. Criança de 0 a 6 anos e gestantes da comunidade São Pedro de Rates estão sob os olhos atentos de líderes voluntários.

No entendimento de que a criança deve ser compreendida como um ser em desenvolvimento e de, este desenvolvimento deve abranger todos os aspectos que manifestam uma individualidade, a Comunidade São Pedro de Rates estende suas mãos a Pastoral da Criança para investir no acompanhamento daqueles que se inserem nessa faixa etária. A comunidade quer vê-los vivendo em suas próprias famílias, na certeza de que é o ambiente familiar o lugar mais propício para que se dê a formação do futuro homem integral, saudável de corpo e alma.
Já estão inscritos e iniciarão o curso de formação no "Santuário" Mãe Rainha 8 líderes. São elas: Rosa, Nice, Marina, Vivian, Edna, Romilda, Magda e Rita. A coordenadora Alessandra já implantou a Pastoral da Criança no Distrito do Palmital do Cervo e dá andamento ao curso de formação de um primeiro grupo em nível de Paróquia. Este acontece na Galeria Paroquial.
Que o Espírito Santo de Deus toque os corações de outras pessoas para que o trabalho possa se expandir para a parte alta da Comunidade Paroquial São Pedro de Rates, a Praça de Esportes. Além do trabalho com crianças é feito também o acompanhamento de gestantes.
Luz, Harmonia, Paz e Ousadia é o que desejamos a todos.
projeto partilha disse…
Uma benção especial para a Missa que realiza todos os segundos domingos do mês junto a Capelinha de São Pedro de Rates em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.

Dia 11 de maio aconteceu, seguindo cronograma anual, a reunião do Conselho Paroquial da qual a Comunidade São Pedro de Rates faz parte. A secretária da comunidade, Maria das Graças (Graça - coordenadora do coral) levou como um dos pontos de pauta uma reivindicação: qual a benção especial a ser introduzida durante a missa do segundo domingo? Pe. André Luiz da Cruz, Pároco da Matriz de Nossa Senhora do Carmo e presidente da reunião esclarece, " em nossas comunidades estão assim marcadas as bençãos: na Igreja de Santo Antonio - a do Pão; na Igreja da Divina Misericórdia - a da Água; na de Nossa Senhora da Esperança - a de intenção; na de São José Operário - para a família; na de vovó Santana - a oferta de alimentos, conforme os dons indicados para os referidos padroeiros."
São Pedro de Rates, segundo a tradição viveu no século I da Era Cristã. Foi ordenado pelo Apóstolo São Tiago e nomeado Bispo de Braga. Seu nome, em Portugal, é invocado para muitas graças, no entanto, é associado ao combate à esterilidade, cuja cura viria através de um ritual que acontece numa antiga fonte com seu nome. Assim, a benção para a Missa, segundo o dom manifestado pelo Padroeiro da Capelinha - o mártir São Pedro de Rates seria a benção da cura, especialmente, a da esterilidade.
Luz, Paz e Amor Incondicional a todos.
projeto partilha disse…
A Unidade visível do Corpo Místico de Cristo.

A Comunidade Paroquial São Pedro de Rates, através de seus membros congraçados em diversos grupos já constituidos e atuantes na comunidade, tem a pretensão de demonstrar em seu agir esta unidade, através da integração. Tanto o prédio do "Santuário", como as terras junto a Igrejinha de São Pedro de Rates tem demonstrado ser um centro vivo, capaz de significar a união do Povo de Deus. A partir do Concílio Vaticano II, cristãos daqui iniciaram uma reflexão sobre os mistérios da Igreja e sua missão de evangelizar. Esses cristãos tentam incorporar a idéia da descentralização das ações e das novas exigências para a ação pastoral e os novos tipos de coordenação para não perderem os passos que deverão ser dado pelas comunidades. Assim buscam, ao se inserirem nas pastorais, serem organismos promotores de ação sócio - educacionais e religiosa. Arregaçam as mangas e buscam intervir na comunidade interagindo com os membros que lhe são mais próximos e com seus vizinhos. Com ação continuada, cuidado e dedicação alguns dedicam-se a causa escolhida, conforme os desígnios de seu coração. Esta causa reflete em ações fraternas, solidárias e cristãs no cumprimento de seu dever como cidadão - o de contribuir com a sociedade em que vive e se insere. Tem sido em suas ações cotidianas e em nas relações sociais locais que alguns membros da comunidade encontram campo para a realização das ações missionárias e evangelizadora. Interessante que o trabalho de muitos líderes, coordenadores e missionários tem se dado de maneira informal, sem a Bíblia nas mãos e durantes conversas que acontecem em encontros ocasionais. Aí, palavras que brotam do coração destes seres voluntários e em ações altruístas elevam, engrandecem, restauram e dignificam o outro. A conversa sincera, despretenciosa e amiga transforma o encontro ocasional em encontro entre irmãos, pessoas que amam pessoas. Luz, Paz e Harmonia a todos.
projeto partilha disse…
Reflexão: Sejamos uma célula sadia num organismo sadio.

A Comunidade Paroquial São Pedro de Rates todo o segundo domingo de cada mês recebe e acolhe com expectativa e gratidão a celebração da Santa Missa. Neste mês de maio, por graça e bençãos, o segundo domingo coincide com a comemoração do Dia das Mães. As terras junto a Capelinha acolheu, aproximadamente 600 fiéis que, com seus guarda-chuvas de proteção, participaram da cerimônia. Após a missa, o pároco - Pe. André Luiz da Cruz, jantou em uma das casas da comunidade. Durante o jantar uma pessoa lança uma semente. Diz ela: "Pe. André, as comunidades tem concelhos, não? Estaria na hora de formarmos o nosso?". Como em nosso entendimento comunitário, todo acontecimento cotidiano merece ser avaliado, reavaliado pela riqueza de conceitos do qual vem revestido e, pela oportunidade para ação, aperfeiçoamento e renovação, colocamo-nos dentro do processo histórico no qual está inserido. A percepção que tivemos é a de que o grupo está em processo de amadurecimento.
Carmo da Cachoeira quando da presença de seu primeiro morador, Manoel Antonio (de Rates), ano 1770, século XVIII, era um espaço sertanejo, longe das minas de extração de minérios e do fluxo oficial de acessos. Seus moradores eram escravos e excluídos, portanto, perseguidos pelos colonizadores que, seguindo o projeto do governo português, obrigavam os que aqui estavam - negros, índios, judeus, ciganos e outros,a seguirem o direcionamento por eles determinados. Era a extração e a monocultura o foco que atendia aos interesses estrangeiros. Foi por ocasião da Guerra dos Emboabas, quando nativos na busca de afirmação de suas vontades se rebelaram. A Cachoeira dos Rates, como muitas outras cidades circunvizinhas fazia parte da antiga Comarca do Rio das Mortes, com sede em São João Del Rey. Somos, portanto, resultado de um processo conflituoso e marcado pela dominação. Escravos e excluídos eram explorados em seu trabalho muscular e reprimidos em sua cultura, religião e ideologia. A agricultura era seu campo de atuação. O mercantilismo colonial com mercado de cativos encontrou aqui local propício para ancorar seus tentáculos. Essa dominação pela força e autoritarismo reflete até hoje em nosso sociedade local, no entanto, o século XXI repele os princípios retrógrados e a linguagem corrompida, repleta de conceitos pré-concebidos e reforçados através da mídia, principalmente a televisão que impregna as mentes. Discordar e discutir no sentido coletivo é a questão. Se o questionamento s deu em ambiente privado, vamos expandi-lo, mostrar nosso amadurecimento em instância superior. Aqui, para nós, é o Concelho Paroquial de Pastoral reunido em Assembléia. Aconteceu na segunda terça-feira do mês de maio, às 19h30m no Salão Paroquial.

(continua)
projeto partilha disse…
Reflexão: Sejamos uma célula sadia num organismo sadio. (Segunda parte - continuação.

Durante a reunião, representante da comunidade, pedindo a palavra, diz: "temos observado um amadurecimento do grupo e, reportando-se ao dito durante o jantar ocorrido no Dia das Mães, lembra aos presentes a dinâmica e organização da comunidade citando os grupos dos quais ela está constituída, conforme os ditames do século XXI - a era da gestão comunitária local. Ao invés do "eu" acima de todos, o "NÓS" de uma vida digna. Discutir, no sentido coletivo para encontrar as mudanças e melhorias possíveis é uma de nossas bandeiras. Os grupos já estão constituídos e atuantes que, pela disciplina, ordem, envolvimento social e compromisso circulam pelas ruas que estão nos limites da comunidade local levando sua mensagem fraterna e amorosa. O foco é o que está contido no documento máximo da Igreja Católica Apostólica Romana, e oriundo do último Concílio - o Vaticano II, ou seja, mostrando a todos que a sua Igreja é uma Igreja Missionária e Evangelizadora. Os grupos são os seguintes: Pastoral do Batismo; Pastoral da Criança; Pastoral da Catequese; Pastoral do Dízimo; Movimento "Mãe Rainha"; Ministério de Música com o Coral Infanto-Juvenil São Pedro de Rates; Secretaria da Comunidade; dois representantes que por amor a sua Igreja, cederam o espaço físico para encontros surgindo assim a comunidade (lugar comum de encontros e oração); coordenadores dos quatro grupos que se dedicam, durante uma hora semanal cada um, para RECITAR O TERÇO. A Comunidade Paroquial São Pedro de Rates agradece a todos que, direta ou indiretamente, colaboraram para aglutinação dessas forças vivas e atuantes neste setor norte da Paróquia. Serão os componentes voluntários destes grupos, segundo nosso entendimento, os membros naturais que, pela sua ação e envolvimento, deverão fazer parte deste primeiro concelho da comunidade.
Luz, Paz, Harmonia e União a todos.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948