Morre o Revmo. Monsenhor José Nunes Senador.


Aquele chamado que tocou o coração do jovem permanece vivo e atuante até os dias de hoje, sinal da presença do Espírito Santo de Deus. Este Espírito que continua agindo dia após dia, ano após ano, em José Nunes Senador, verdadeiro servo a serviço do Senhor. Através de um trabalho produtivo tanto na parte física como espiritual: construindo a galeria Francisco Nunes, o Salão Paroquial, o Sítio São José, as Capelas da Esperança e Vovó Santana, idealizando a festa de Nossa Senhora do Carmo, criando e dinamizando as diversas pastorais, comunidades rurais, grupos de jovens e a RCC. Metade de seu tempo como presbítero está fixado na história de Carmo da Cachoeira.

Se a felicidade for medida pelo número de amigos, o senhor foi uma pessoa feliz; se for medida por suas obras podemos afirmar o mesmo e finalmente se for medida por sua fé e devoção a nossa querida Mãe Maria afirmamos com certeza que o senhor foi muito feliz. Dentro de nossas limitações como pequena paróquia tivemos no senhor o privilégio de conviver com um grande realizador, de inteligência ímpar e acima de tudo em emérito orador a abrilhantar celebrações e festividades.

Não precisamos falar muito, mas temos ainda que afirmar perante todos que seus amigos e familiares serão sempre gratos, que lhe dedicarão suas orações por muitos e muitos anos, e lhe garantirão morada eterna em seus corações, e podemos garantir também que as próximas gerações saberão do amor de Carmo da Cachoeira nutriu por tão ilustre representante de Cisto.

Monsenhor Nunes que faleceu na manhã de 9 de novembro de 2012 na cidade de São Lourenço, junto à Comunidade Palavra de Deus, aonde residia.

Comentários

Mercedes disse…
raMeu querido e amado irmão Monsenhor José Nunes Senador!!!!Eu Mercedes Nunes Calfa e toda a família sentimos muito o ocorrido.Ele foi um pastor que orientava e ajudava suas ovelhas!!!!A Terra ficou mais pobre sem a presença dele.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.