Pular para o conteúdo principal

“Baba Yetu”: o Pai Nosso em Swahili

Freguesia da Caxoeira do Carmo da Boa Vista

 Flashes de nossa histórias em épocas remotas

Da janela entreaberta do antigo casarão, construído nos idos tempos — finais do século XVIII e que ocupava o atual (2022) número 744 da rua Domingos Ribeiro de Rezende, vê-se o terreno onde está construída hoje, a Comunidade São Pedro de Rates — seu vizinho de frente. Janela entreaberta para o mundo da imaginação, das lembranças dos tempos que se passaram, e que devem ser reconstruídos. Reconstruídos sim e, no esforço coletivo e pós pandêmico, buscar encontrar nossas origens.

A Cachoeira dos Rates que através dos tempos tornou-se a Carmo da Cachoeira de hoje é resultado de um grande esforço que congregamos como valores humanos e ao que construímos como seres dinamizadores da essência que move a formação e transformação das cidades. Identificamo-nos com Lúcia Maria Bittencourt através de seu poema publicado em Antologia Poética (Poetize 2022. Série Novos Poetas nº 40, fev-2022. Organização Isaac Almeida Ramos, fls. 284), quando escreve:

Agora surge um verde-noite com as sombrias luzes desses morros,

Contra um azul muito escuro, tarde, noite e triste, como as Árias.

Observando da janela entreaberta do antigo casarão vislumbramos a Cachoeira dos Rates em sua dinâmica e formação nos idos anos do século 18 quando, em sua primeira casa — a de Manoel Antonio Rates é batizado Felix, filho de Rita (Pimenta?). Padrinhos: Anna da Costa, filha de Manoel Antonio Rattes e Manoel da Costa (irmão de Anna) em 12.6.1775. Casa construída aos pés do morro, junto a um caminho alternativo.

O ano marco, portanto, é 1775. Era a Comarca do Rio das Mortes. O arraial das Lavras do Funil, foi um dos principais representantes desta comarca, no setor agropecuário. As plantações que apareceram na segunda metade do século 18, eram diferentes das roças do início do século — improvisações pelo medo de morrer de fome.

A jurisdição espiritual dos arraiais estabeleceu a freguesia nas capitanias. Lavras do Funil, logo que se criou o Bispado de Mariana, através de seus habitantes construiu uma capela e Pia Batismal. Até então pertencia a Freguesias das Carrancas, criada em 1749.

Em 1760 a Capela de Sant’Ana no Arraial de Lavras é elevada à categoria de Matriz dando-se, assim, a transferência da sede paroquial de Carrancas (a que a Cachoeira dos Rates tinha como jurisdição religiosa) para os campos de Sant’Ana das Lavras do Funil. Desde então a freguesia passou a aparecer com o nome de Nª. Srª. da Conceição das Carrancas e Sant’Ana das Lavras do Funil. Ao findar o século 18, a freguesia pertencia ao termo da Vila de São João del Rei, sede da Comarca do Rio das Mortes.

Em 1808, com a vinda da Família Real para o Rio de Janeiro, as antigas capitanias passaram a receber a denominação de Províncias. O centro de autoridade política do Brasil foi assim transferido para o Rio de Janeiro.

Márcio Salviano Vilela em sua obra, A Formação Histórica dos Campos de Sant’Ana das Lavras do Funil (Ed. Indi, 2007, fls. 55) conclui que a presença da Corte no Brasil trouxe uma maior integração em sua nacionalidade e escreve:

Surge finalmente uma política brasileira, o que para o Brasil, um país em formação, assemelha-se mais a um sistema coletivo de interesses privados do que uma nação.

Não temos notícia, até a edição deste artigo, da data em que morreu Manoel Antonio Rates e nem se ele chegou a saber dos fatos ocorridos com a vinda da Família Real para o Brasil, do regresso forçado de D. João VI a Portugal; que, Pedro I assumiu a regência em 1821 com a instalação das Cortes de Lisboa, compostas de 13 deputados portugueses e 75 brasileiros; da outorga da Constituição de 1824, no entanto, não só este casarão, de cuja janela entreaberta se vislumbra a Nordeste a Vila de Lavras do Funil, mas outras imagens resgatadas insistem em nos lembrar que um dia fomos chamados Cachoeira dos Rates.

Em 1832, a Vila de Lavras do Funil estava dividida em três freguesias:

A da Vila, contendo os distritos da mesma, de São João Nepomuceno, do Carmo da Boa Vista, Ingaí e do Rosário, entre outros. (conf. fls. 60, obra acima citada).

Em 1837 a Vila de Lavras do Funil contava com os seguintes distritos: Ingaí, Três Pontas, Dores do Pântano, Água-Pé, Boa Vista, Carmo do Campo Grande, Varginha, Espírito Santo dos Coqueiros, São João Nepomuceno e Rosário. Nestes onze distritos mais a sede deles, conforme recenseamento de 1837 contava com 11.322 pessoas.

O casarão cuja imagem abre este artigo ficava na esquina, da hoje, rua Domingos Ribeiro de Rezende, esquina com a rua Francisco de Assis Reis. A época, conforme consta em um termo de visita do Cônego Bernardo Hygino Dias Coelho, em 24 de junho de 1870, a grafia da atual Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, era “Freguesia da Caxoeira do Carmo da Boa Vista”.

A presente geração deve ficar por entender o porquê de, ao se falar de Carmo da Cachoeira fazemos referências a Carrancas e a Lavras. É por que a Capela de Nossa Senhora do Carmo pertencia a Freguesia de Lavras, Termo da Vila de São João D’El Rey.

Quanto ao casarão sabemos ter sido ele a residência de Balthazar Simões Corrêa de Barros. Ficava na estrada de acesso à Varginha e Três Pontas. Este caminho passava por importantes fazendas, a começar por Córrego das Pedras de propriedade por Cel. Domingos Ribeiro de Rezende.

Sobre a personalidade do Cel. Domingos de Rezende é Capri (1918) que diz: "(...) moço inteligente, lavrador adiantado e espírito culto e arrojado”. Em 1918, ele representou o distrito de Carmo da Cachoeira no Conselho Municipal, onde ocupou cargo de vereador e pelos dotes de seu coração, pelo seu caráter leal, e pelo brilho de sua inteligência foi reconhecido como chefe político no município de Varginha.

Fotos de Evando Pazini:

Comentários

Ótima narrativa excelente revisão da história de nossa cidade. Parabéns por este belo trabalho.

Postagens mais visitadas deste blog

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz