Pular para o conteúdo principal

Terras de São Pedro de Rates — raízes históricas

O espaço onde funciona hoje a Comunidade São Pedro de Rates no município de Carmo da Cachoeira em Minas Gerais foi, nos primórdios de nossa história, denominado Sítio Cachoeira de propriedade da família Rates.

A Comunidade faz parte da Paróquia Nossa Senhora do Carmo da Diocese da Campanha. Como no início da história de cada povo está a busca pela dignidade e pela liberdade, assim se deu também na ocupação e formação deste núcleo populacional.

Uma história de solidariedade e luta empreendida pela família destemida sem medo de enfrentar os desafios apresentados nos idos anos do século XVIII. Fixou moradia junto a um caminho alternativo e pouco movimentado do vasto sertão inexplorado e referenciado pelo professor Wanderley Ferreira de Rezende como deserto desnudo — além de destemidos eram arrojados e especialmente despojados, tendo doado as terras que possuíam para que o espaço fosse povoado.

Aos pés do Morro do Bom Sucesso (hoje, Morro do Cruzeiro em terras da Família Vilela) uma casa singular e acolhedora, a da família Rates. O ribeirão do Carmo, com suas águas límpidas e extensa várzea, servia de refrigério para as boiadas exaustas que desciam o morro.

Condutores e animais extasiados e fatigados pelo percurso sentiam-se acolhidos entre os da família solidária dos “Rates”. Não importava a ela o porque os caminhantes optaram pela picada clandestina que, para alguns, era mais um “descaminho” aberto no imenso sertão.

O princípio que unia a família moradora e os que ela acolhia era o da solidariedade. Um agir na consciência de uma partilha em tempos de luta, na adversidade imposta pelo momento histórico dos idos anos de 1770.

A família Rates tentando sobreviver nesse ponto de um caminho pouco vigiado e solitário mantinha-se ou pelo menos tentava viver, na sua fragilidade, a consciência da dignidade presente em suas origens.

Essa família não abre mão de ser protagonista de sua história. Sabe-se ser parte de um povo que circunstancialmente está oprimido e só, mas que com fé buscava colaborar para um novo recomeço — uma era de liberdade e prosperidade.

Manoel Antonio Rates e Maria da Costa Moraes viveram e formaram seus filhos dentro dos princípios cristãos. Eram fregueses da Paróquia mais próxima, a de Carrancas. Sabiam eles de suas capacidades para agir e carregavam a bandeira da esperança.

Poderíamos até inferir quantas vezes a família reunida questionava, diante da adversidade do momento, sua vulnerabilidade e o quanto seus planos, o de estar em terras do novo descoberto Brasil estavam alicerçados em bases sólidas. Teriam acertado ao buscar a fortuna e a fartura nesse longínquo ponto recém-descoberto?

A realidade de um dia-a-dia de luta e sofrimento vivenciados numa terra de “muito pasto e pouco rasto" poderia ter acrescentado a esta, muitas outras reflexões profundas, como por exemplo, da importância da ajuda mútua pregada por seus ancestrais e o de quanto o serviço prestado aos passantes desta “picada” seria uma forma de buscar uma interação para enfrentamento ao poder estabelecido. Ou por outra, poderia ter emergido uma pergunta. Será que o objetivo da vida, em última instância, é o lucro e/ou o poder.

Acreditar em si mesmo, acreditar na família e na importância de seus valores, quer sejam eles ideológicos e/ou religiosos é a mensagem deixada pelos nossos primeiros moradores. Viviam unidos na rusticidade de um espaço a ser construído e transformado. Era uma ação de conjunto — um espaço a ser protegido e sobretudo um espaço de interação em torno do qual se pudesse prestar atenção ao sofrimento presente às suas voltas.

Em tempo de crises, tribulações e purificação nossa alma, portadora de valores imateriais deve manifestar os valores que nortearam a vida dos nossos antepassados, Ou seja, visualizar, com o olhar amoroso, o sofrimento que está à nossa volta. Revelar, através de nossas ações, algum tipo de ajuda. Lutar pela vida, desde a concepção até a morte natural, colocar-se em defesa da dignidade humana, no amor à liberdade, até onde as fronteiras divinas permitem na preocupação com a justiça e a Criação e na manifestação do amor à família.

Nosso padroeiro, São Pedro de Rates, aderiu ao cristianismo por conversão. Foi no ano 44 d. C. quando o apóstolo São Tiago (chamado de Tiago Maior) o batizou. Foi decaptado durante a celebração da Santa Missa. O mártir São Pedro de Rates embalado pela expectativa messiânica foi configurado a Nosso Senhor Jesus Cristo na esperança posta no futuro a de se criar um reino perfeito onde a bondade do Bom Pastor abarca os confins da terra.

Assim foram “os Rates” entre nós. Vivendo o aspecto mais positivo da utopia nos apontou para que vivêssemos outra realidade e que era possível de ser vivida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da