Pular para o conteúdo principal

São Benedito, o Santo Preto.

Nasceu no ano de 1524 e era filho de Cristovão Manasseri e Diana Larcan. Seus ancestrais eram da Etiópia, portanto, de origem africana. Sua mãe era “doce e pacífica, de maneiras graciosas e amáveis, modesta, devota fervorosa do Santíssimo Sacramento e, sobretudo, extremamente caridosa para com os pobres” e o pai levava uma vida fervorosa, vivendo para Deus, para a família e para o trabalho, bem como rezava diariamente o rosário e ensinava quem trabalhasse com ele.

Benedito teve outros irmãos: Marcos, Baldassara e Fradella. Na família de Fradella houve uma religiosa da Ordem Terceira Regular de São Francisco, que morreu em Palermo com fama de santidade: sóror Benedita.

O primeiro filho de Diana, Benedito, tinha os traços do rosto delicados e finos e dele diziam: “Negro, mas formoso”. Foi educado no caminho da santidade, pois, sua mãe era rica das graças de Deus. Aprendeu os rudimentos da fé sempre se mostrando recolhido, educado e humilde. Tinha grande amor à Eucaristia e a Nossa Senhora.

O desejo de se consagrar a Deus pela vida religiosa veio aos dezoito anos, mas foi aos vinte que tudo aconteceu definitivamente, quando largou o arado e os dois bois que comprou para ajudar a família e aos pobres.

O chamado aconteceu por meio do Frei Jerônimo, que lhe deu a oportunidade de professar na Ordem Franciscana dos Padres da Observância. Sentiu a maior felicidade de sua vida e teve então a oportunidade de entregar-se à oração e à penitência. Deixou tudo para servir a Deus e a mais ninguém.

Os Irmãos Eremitas Franciscanos viviam uma vida austera, unindo solidão e pobreza. O jovem negro observava a regra perfeitamente e Jerônimo via-o como um anjo em carne humana.

Após a profissão perpétua sentiu o desejo de cada vez mais se assemelhar a Jesus Cristo Crucificado. Servia-se do estritamente necessário para viver; dormia no chão, usava cilício, não usava agasalho no inverno e jejuava constantemente. Foi um perfeito imitador de São Francisco de Assis.

A fama de santidade do Frei Benedito era tanta que o deixava desconfortado, pois, muita gente corria ao seu encontro e não tinha mais tempo para a oração. Todos que iam a ele eram curados, por isso frei Jerônimo levou os seus confrades para Mancusa, a quinze quilômetros de Palermo.

O povo o descobriu nas montanhas e quanto mais aumentava a fama de santidade maior era a procura por ele.

Houve outra mudança de lugar dos franciscanos e lá, com apenas um sinal da cruz curou uma mulher de um cancro no peito.

O eremita Benedito estava com 38 anos dos quais 17 anos no deserto. O demônio não suportava o eremitério do Frei Jerônimo, por ser um ninho de santidade, mas por ordem do Santo Padre Pio IV, unificaram-se os Franciscanos e os eremitas foram destacados para conventos diversos e se separaram. Benedito foi para a Ordem dos Frades Menores Reformados. Foi acolhido com honra, alegria e de maneira carinhosa, não havendo necessidade de reformar os votos . Foi o santo frei viver no Convento de Santa Maria de Jesus, onde ficou até a morte. Lá trabalhou como cozinheiro e fez da cozinha um lugar de oração e fervor. Sempre tinha uma boa palavra e um bom conselho aos empregados e auxiliares. O cansaço era transformado em penitência. Alegre e amável para com todos, fazia prodígios. Por ocasião do capítulo provincial pediu que enchessem as vasilhas de água, pois os víveres eram escassos. Sempre em oração. De manhãzinha ao abrirem as vasilhas com água, viram peixes graúdos que dava para alimentar a todos.

No outro dia o problema era a carne, não havia tempo hábil para prepará-la e não demorou muito: ao destamparem as panelas estavam temperadas e cozidas. Todos as saborearam.

Um dia, faltando lenha, o santo preto embrenhou-se na mata onde avistou uma árvore caída, que dez homens não eram suficientes para movê-la, Benedito colocou-a nos ombros e levou-a para a cozinha e sua fama de santidade se espalhava.

Em 1578, os Franciscanos reunidos em capítulo provincial elegeram Benedito superior do Mosteiro Santa Maria de Jesus, qual só aceitou em nome da Santa Obediência, e quis governar mais pelo exemplo e pela oração que quaisquer virtudes. Era o primeiro a chegar para as orações e não se considerava dispensado de exercício algum. Era a regra viva. O seu fervor edificava a todos e mesmo sendo superior, lavava pratos, varria a casa, trabalhava na horta e no jardim, com humildade e simplicidade. Pelos sacerdotes tinha grande respeito.

Quando as pessoas iam a ele, não precisavam dizer nada. A um teólogo deu explicações bíblicas, a uma mulher que estava procurando um filho disse-lha que teria noticias em breve do rapaz. Aos pecadores pedia para se confessar e quanta gente se convertia e mudava de vida. Curou o marido que maltratava a esposa e filhos, tornando-o bom, delicado, honesto, trabalhador e ótimo esposo e pai.

Ele profetizava dizendo:

----diga ao doente que tenha paciência e se conforme com a vontade de Deus. Vai sarar. Deus ajudará.

A uma gestante disse:

----Seu filho será um ótimo sacerdote.

A outra disse:

----Seu marido ficará bom, e quanto ao menino, haverá coisa melhor que dar um filho a Deus? O marido sarou e o garoto morreu. Era visitado por gente simples e gente graúda: condes, vice reis, bispos, cardeais, monsenhores. Todos eram assíduos frequentadores do convento Santa Maria.

Ele afirmava que as curas eram intervenção de Nossa Senhora. Até o cavalo do senhor que transportava lenha para o convento foi ressuscitado.

Quanto mais ele se humilhava, mais o povo o perseguia. A santidade do Filho de São Francisco conquistava o povo.

Assim como o justo vive da fé, frei Benedito afirmava:

----“A fé nos guia , ilumina, purifica, salva e cura. Enfim , onde ela falta , falta tudo, absolutamente tudo.”

Aqueles que não têm fé ele aconselhava:

----“ Façam o sinal da cruz , uma oração, um olhar para o céu, uma Ave Maria ou o rosário da Virgem. Operava maravilhas. Que fé ardente, viva, era sua !

O santo abençoou muitas gestantes e dizia o futuro de cada criança.

Tinha grande amor pela eucaristia; Jesus Sacramentado o deixava imóvel. Entrava em êxtase quando meditava sobre o céu. Tudo por amor a Deus era o lema dele. Sempre irradiava o amor de Deus que havia dentro de si, fazia do trabalho uma oração.

No que tange a pobreza, São Benedito foi imitador de seu pai espiritual, São Francisco, por isso usava um hábito velho, remendado e pobre. Nada de supérfluo. No seu quarto, o qual chamava de palácio, o colchão era de palha, e na parede havia uma estampa de Nossa Senhora sendo que o crucifixo era traçado com carvão.

---- “A pobreza me é querida demais”. Vivia com o necessário e jamais se queixava das coisas adversas.

São Benedito foi sempre um belo templo do Espírito Santo, durante toda a sua vida. A Eucaristia era a sua vida e dizia sempre:

----“Sei que sou pecador, mas espero me salvar pelos méritos de Jesus e pela intercessão de Maria, nossa co-redentora”.

Em 1589, o santo frei ficou doente e o médico disse:

----É uma tristeza para nós. Vamos perdê-lo em breve.

São Benedito sorria feliz. Suspirava pela morte. Fez mortificação, a bondade, a oração e a obediência foram virtudes que ele mais praticou no leito de morte. Rezava muito e pediu que o sepultassem logo, assim que morresse.

Em êxtase, banhado de sangue e pedindo perdão a todos recebeu a unção dos enfermos. E chegando a hora ,ele viu Santa Úrsula,de quem era devoto, e suas virgens. Era a visita do céu. Sorridente, faleceu. Era o dia quatro de abril de 1589, terça feira de Páscoa. Tinha 65 anos.

Os frades transladaram o corpo para a Igreja do Mosteiro, cantaram o oficio dos defuntos e logo o sepultaram. O seu corpo se encontra em Palermo numa capela lateral da Igreja de Santa Maria, bastante conservado. Na festa da Santíssima Trindade, no dia 25 de Maio de 1807 Pio VII o declarou santo.

São Benedito, Rogai por nós !
Diácono Adilson
30/09/2013

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948