Pular para o conteúdo principal

São Benedito, o Santo Preto.

Nasceu no ano de 1524 e era filho de Cristovão Manasseri e Diana Larcan. Seus ancestrais eram da Etiópia, portanto, de origem africana. Sua mãe era “doce e pacífica, de maneiras graciosas e amáveis, modesta, devota fervorosa do Santíssimo Sacramento e, sobretudo, extremamente caridosa para com os pobres” e o pai levava uma vida fervorosa, vivendo para Deus, para a família e para o trabalho, bem como rezava diariamente o rosário e ensinava quem trabalhasse com ele.

Benedito teve outros irmãos: Marcos, Baldassara e Fradella. Na família de Fradella houve uma religiosa da Ordem Terceira Regular de São Francisco, que morreu em Palermo com fama de santidade: sóror Benedita.

O primeiro filho de Diana, Benedito, tinha os traços do rosto delicados e finos e dele diziam: “Negro, mas formoso”. Foi educado no caminho da santidade, pois, sua mãe era rica das graças de Deus. Aprendeu os rudimentos da fé sempre se mostrando recolhido, educado e humilde. Tinha grande amor à Eucaristia e a Nossa Senhora.

O desejo de se consagrar a Deus pela vida religiosa veio aos dezoito anos, mas foi aos vinte que tudo aconteceu definitivamente, quando largou o arado e os dois bois que comprou para ajudar a família e aos pobres.

O chamado aconteceu por meio do Frei Jerônimo, que lhe deu a oportunidade de professar na Ordem Franciscana dos Padres da Observância. Sentiu a maior felicidade de sua vida e teve então a oportunidade de entregar-se à oração e à penitência. Deixou tudo para servir a Deus e a mais ninguém.

Os Irmãos Eremitas Franciscanos viviam uma vida austera, unindo solidão e pobreza. O jovem negro observava a regra perfeitamente e Jerônimo via-o como um anjo em carne humana.

Após a profissão perpétua sentiu o desejo de cada vez mais se assemelhar a Jesus Cristo Crucificado. Servia-se do estritamente necessário para viver; dormia no chão, usava cilício, não usava agasalho no inverno e jejuava constantemente. Foi um perfeito imitador de São Francisco de Assis.

A fama de santidade do Frei Benedito era tanta que o deixava desconfortado, pois, muita gente corria ao seu encontro e não tinha mais tempo para a oração. Todos que iam a ele eram curados, por isso frei Jerônimo levou os seus confrades para Mancusa, a quinze quilômetros de Palermo.

O povo o descobriu nas montanhas e quanto mais aumentava a fama de santidade maior era a procura por ele.

Houve outra mudança de lugar dos franciscanos e lá, com apenas um sinal da cruz curou uma mulher de um cancro no peito.

O eremita Benedito estava com 38 anos dos quais 17 anos no deserto. O demônio não suportava o eremitério do Frei Jerônimo, por ser um ninho de santidade, mas por ordem do Santo Padre Pio IV, unificaram-se os Franciscanos e os eremitas foram destacados para conventos diversos e se separaram. Benedito foi para a Ordem dos Frades Menores Reformados. Foi acolhido com honra, alegria e de maneira carinhosa, não havendo necessidade de reformar os votos . Foi o santo frei viver no Convento de Santa Maria de Jesus, onde ficou até a morte. Lá trabalhou como cozinheiro e fez da cozinha um lugar de oração e fervor. Sempre tinha uma boa palavra e um bom conselho aos empregados e auxiliares. O cansaço era transformado em penitência. Alegre e amável para com todos, fazia prodígios. Por ocasião do capítulo provincial pediu que enchessem as vasilhas de água, pois os víveres eram escassos. Sempre em oração. De manhãzinha ao abrirem as vasilhas com água, viram peixes graúdos que dava para alimentar a todos.

No outro dia o problema era a carne, não havia tempo hábil para prepará-la e não demorou muito: ao destamparem as panelas estavam temperadas e cozidas. Todos as saborearam.

Um dia, faltando lenha, o santo preto embrenhou-se na mata onde avistou uma árvore caída, que dez homens não eram suficientes para movê-la, Benedito colocou-a nos ombros e levou-a para a cozinha e sua fama de santidade se espalhava.

Em 1578, os Franciscanos reunidos em capítulo provincial elegeram Benedito superior do Mosteiro Santa Maria de Jesus, qual só aceitou em nome da Santa Obediência, e quis governar mais pelo exemplo e pela oração que quaisquer virtudes. Era o primeiro a chegar para as orações e não se considerava dispensado de exercício algum. Era a regra viva. O seu fervor edificava a todos e mesmo sendo superior, lavava pratos, varria a casa, trabalhava na horta e no jardim, com humildade e simplicidade. Pelos sacerdotes tinha grande respeito.

Quando as pessoas iam a ele, não precisavam dizer nada. A um teólogo deu explicações bíblicas, a uma mulher que estava procurando um filho disse-lha que teria noticias em breve do rapaz. Aos pecadores pedia para se confessar e quanta gente se convertia e mudava de vida. Curou o marido que maltratava a esposa e filhos, tornando-o bom, delicado, honesto, trabalhador e ótimo esposo e pai.

Ele profetizava dizendo:

----diga ao doente que tenha paciência e se conforme com a vontade de Deus. Vai sarar. Deus ajudará.

A uma gestante disse:

----Seu filho será um ótimo sacerdote.

A outra disse:

----Seu marido ficará bom, e quanto ao menino, haverá coisa melhor que dar um filho a Deus? O marido sarou e o garoto morreu. Era visitado por gente simples e gente graúda: condes, vice reis, bispos, cardeais, monsenhores. Todos eram assíduos frequentadores do convento Santa Maria.

Ele afirmava que as curas eram intervenção de Nossa Senhora. Até o cavalo do senhor que transportava lenha para o convento foi ressuscitado.

Quanto mais ele se humilhava, mais o povo o perseguia. A santidade do Filho de São Francisco conquistava o povo.

Assim como o justo vive da fé, frei Benedito afirmava:

----“A fé nos guia , ilumina, purifica, salva e cura. Enfim , onde ela falta , falta tudo, absolutamente tudo.”

Aqueles que não têm fé ele aconselhava:

----“ Façam o sinal da cruz , uma oração, um olhar para o céu, uma Ave Maria ou o rosário da Virgem. Operava maravilhas. Que fé ardente, viva, era sua !

O santo abençoou muitas gestantes e dizia o futuro de cada criança.

Tinha grande amor pela eucaristia; Jesus Sacramentado o deixava imóvel. Entrava em êxtase quando meditava sobre o céu. Tudo por amor a Deus era o lema dele. Sempre irradiava o amor de Deus que havia dentro de si, fazia do trabalho uma oração.

No que tange a pobreza, São Benedito foi imitador de seu pai espiritual, São Francisco, por isso usava um hábito velho, remendado e pobre. Nada de supérfluo. No seu quarto, o qual chamava de palácio, o colchão era de palha, e na parede havia uma estampa de Nossa Senhora sendo que o crucifixo era traçado com carvão.

---- “A pobreza me é querida demais”. Vivia com o necessário e jamais se queixava das coisas adversas.

São Benedito foi sempre um belo templo do Espírito Santo, durante toda a sua vida. A Eucaristia era a sua vida e dizia sempre:

----“Sei que sou pecador, mas espero me salvar pelos méritos de Jesus e pela intercessão de Maria, nossa co-redentora”.

Em 1589, o santo frei ficou doente e o médico disse:

----É uma tristeza para nós. Vamos perdê-lo em breve.

São Benedito sorria feliz. Suspirava pela morte. Fez mortificação, a bondade, a oração e a obediência foram virtudes que ele mais praticou no leito de morte. Rezava muito e pediu que o sepultassem logo, assim que morresse.

Em êxtase, banhado de sangue e pedindo perdão a todos recebeu a unção dos enfermos. E chegando a hora ,ele viu Santa Úrsula,de quem era devoto, e suas virgens. Era a visita do céu. Sorridente, faleceu. Era o dia quatro de abril de 1589, terça feira de Páscoa. Tinha 65 anos.

Os frades transladaram o corpo para a Igreja do Mosteiro, cantaram o oficio dos defuntos e logo o sepultaram. O seu corpo se encontra em Palermo numa capela lateral da Igreja de Santa Maria, bastante conservado. Na festa da Santíssima Trindade, no dia 25 de Maio de 1807 Pio VII o declarou santo.

São Benedito, Rogai por nós !
Diácono Adilson
30/09/2013

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhôas de José Guimarães.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. F oi, seguido deste singelo bilhetinho que a obra " As Três Ilhoas " de José Guimarães, está em nossas mãos: Prezada Leonor Vai aqui o livro, uma Obra Póstuma, de meu marido José Guimarães. O livro vem completar a coleção da genealogia das Três Ilhoas, lançada em 1989. Agradeço a grande pesquisadora e genealogista Marta Maria Amato , pelo enriquecimento proporcionado pelas suas pesquisas. Gostei de saber que o Projeto Partilha está colaborando com o resgate da "História de Carmo da Cachoeira". Temos em nosso arquivo alguns dados das paróquias de Campanha, onde tem alguma coisa sobre sua cidade:a terra do Pe. José Bento Ferreira. Será? Atenciosamente Leyde M. Guimarães. Ouro Fino, 15-08-2006 Próxima imagem: O Capitão Diog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

F Luiz José Álvares Rubião, em publicação da obra, Álbum da Varginha pela Casa Maltese, às fls. (a publicação não contempla, nem ano, nem nº de páginas), descreve a Fazenda da Serra da seguinte forma: “A uma légua da freguesia do Carmo da Cachoeira, está situada a Fazenda da Serra, propriedade do Cel. Antônio Justiniano dos Reis”. Se diz: Freguesia, leia-se, após, 1857. Em publicação, no ano de 1918, Sylvestre Fonseca e João Liberal, às fls. 149, dizem: “O Cel. Antônio Justiniano dos Reis falecido o anno passado, foi um dos mais importantes fazendeiros do Distrido do Carmo da Cachoeira”. Ary Florenzano, genealogista, cita a Fazenda da Serra, apresentando-a como sendo o lugar onde pela primeira vez, aparece o nome Carmo da Cachoeira, em documento. O 21º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, 1959, fls. 28: “Aos onze dias do mês de novembro do ano de mil oitocentos e dezenove, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira, desta freguesia de São João Del Rei, receberam

Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr