Pular para o conteúdo principal

O povo e o Cemitério da Fazenda Chamusca;



Descendente dos primeiros moradores do local, os atuais moradores da Fazenda Caxambu, são frequentadores e participantes do Conselho da Igreja do Povoado do Palmital. São cristãos conscientes de seu papel junto à comunidade local.

A Igreja, atenta a tradição, registra e anota os dados que recebe e que estão arquivados nas mentes de seus fiéis. Trabalhadores rurais, gente simples, honesta, religiosa, ativa cultuam e respeitam a tradição, seu passado e seus ancestrais. Um dos mais velhos da família diz não entender, mas respeitar os ornamentos colocados sobre o antigo muro do cemitério dos escravos, próximo de suas fazendas e ora destruídos pelo fogo. Os mesmos elementos, como, galinha ou galo, martelo e 'truquez', toalha, escada, e até cravos, iguais àqueles que se vê em Jesus quando pregado na cruz, entre outros ornamentos, eles dizem terem vistos, também desenhados na porta de antigos oratórios da região. "Ti Rosa", guardião da Praça Nossa Senhora do Carmo nos dias de hoje, é um descendente daquela região e confirma os dados.

"Ti Rosa" é responsável por um programa sertanejo, que vai ao ar aos domingos ao amanhecer, pela Rádio Esperança - Comunitária. A família do Caxambú nos contou que vários túmulos eram decorados com aves e outros elementos.

Dona Zilah Reis Vilela, casada com o senhor Percy conta-nos que participou na preservação do Cemitério da Chamusca, quando seu marido era vivo, tentaram tomar providencias para impedir o acesso de animais, que o utilizavam como pastagem. Ela e seu marido Percy, atentos que são e enquanto cidadãos fizeram sua parte, colocando na abertura um portão.

Foto: Evando Pazzini - 2009

Próxima imagem:
Imagem anterior: Voluntários de São PEdro de Rates.

Comentários

projeto partilha disse…
Reminiscências. Falar em Fazenda Caxambu, Fazenda da Barra de São Domingos, aquela que cedeu o sino de sua belíssima Capela demolida para a Fazenda vizinha a sua - A do Palmital do Cervo (Servo), é falar de nossa história mais remota. Um vinculo forte com os rios Grande e Ingaí. Visitar a Fazenda da Barra e atravessar a ponte municipal que fica em sua propriedade é um verdadeiro sonho. Paz, tranquilidade em meio aos muros de pedra que, no silêncio, contam os momentos de glória do local. O antigo casarão, que serviu de controlador de passagens e posto arrecadador está quase que totalmente demolido. A Família Teixeira está presente, no entanto, o esforço solitário por manter esta rica história, exaure qualquer boa intenção preservacionista. A Igreja do Povoado do Palmital mantém o belíssimo sino em seu campanário. Evando Pazzini com sua lente e dom, pacientemente, registrou belíssimas fotos do tradicional sino. O Sino, certamente, repicaram no ano de 1842 quando, Marianna de Souza Monteiro batizou, neste capela/ermida, Marianna Silvéria de Nazareth. Marianna Silvéria de Nazareth casou-se com Antonio José Pinto Vieira, e era filha de Manuel Ângelo Rodrigues (Ângelo), nascido em Lavras (MG) e falecido em 3/junho/1859, em Elói Mendes (MG). Manuel casou-se com (1) Anna Silvéria de Jesus e, viúvo, com a escrava de Manoel Ângelo Rodrigues e foram pais de Felícia Maria de Jesus, nascida em Lavras (MG), em 1847. Felícia foi casada com José Claudino Pereira. Manuel Ângelo utilizou a Ermida da Barra de São Domingos para batizar Marianna.
Em "O poço da cobra preta", o prof. Jaime Corrêa Veiga fala de Aurélio de Souza (Sousa), casado com dona Helena Andrade Junqueira de Souza. Diz o autor que o administrador a fazenda deles era o Sr. Hilário Pereira, casado com dona Sunta Ângelo, emigrantes, pós 1914. É por esta sofrida gente que os sinos ... ... ...
projeto partilha disse…
"Nada há encoberto que não venha a ser revelado; e o oculto que não venha a ser conhecido". Cf. Lucas 12-2.
Thomé Ignácio Vilella de Andrade foi casado com Maria do Carmo Souza, filha legítima do capitão André Martins Ferreira Costa, nasc. em Lavras em 7/6/1800 e de Anna Euzébia Carolina Diniz.
O prof. Wanderley Ferreira de Rezende, em sua obra: Carmo da Cachoeira - Origem e Desenvolvimento diz:
"Como se pode notar pelas atas lavradas para escolha de elementos para a Guarda Nacional, de 1862 a 1867, AMGAHY e Luminárias estavam subordinados à Freguesia de Cachoeira do Carmo, visto que os elementos para a Guarda Nacional daquelas localidades eram escolhidos na Matriz de Cachoeira do Carmo, pelo Conselho Paroquial local, que era formado pelos seguintes cidadãos:
1862
Capitão Antônio Joaquim Alves
Segundo Sargento Mateus Braulino Ferreira Martins
Guarda Nacional José Celestino Terra
Primeiro Sargento João Alves de Gouvêa

1864
Capitão Antônio Joaquim Alves
Segundo Sargento José Alves de Figueiredo
Segundo Sargento André Martins de Andrade Junqueira
Primeiro Sargento João Alves de Gouvêa
Guarda Nacional José Celestino Terra

O nome de André Martins de Andrade Junqueira segue citado nos anos de 1865 e 1866. Para o ano de 1867, o que se segue é: João Alves de Gouvêa; Joaquim de Rezende Branquinho; José Celestino Terra; Severino Ribeiro de Rezende e Antônio Dias Pereira de Oliveira.
Valdeir Almeida disse…
As tradições mantêm viva uma cultura. Muitos acham que não é possível conviver o moderno com o tradicional. Mas é possível, sim, eles dialogam.

No caso dos moradores dessa fazenda, eles são os únicos. O ideal seria que as futuras gerações, enquanto vivessem a modernidade, mantivessem a tradição do lugar.

Abraços, e espero você em meu blog.
projeto partilha disse…
Valdeir Almeida.
Que o diálogo possa ser contínuo e perene. As novas gerações estão aí para nos mostrar como se constrói o novo mundo. Este, com paz, partilhas, tranquilidade, solidariedade, fraternidade. Os chamados de "Geração X" e, "Geração Y" apontam com um perfil que, sem dúvida, transformará a humanidade. Mostram-se sensíveis e sabem trabalhar bem com a diversidade. O diálogo parece ser a poderosa arma por eles utilizada nesta inevitável reconstrução. Gratidão pelo convite. Visitaremos seu blog e, nele voltaremos constantemente. Apareça por aqui de vez em quando. Luz e Harmonia.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se