Pular para o conteúdo principal

Carmo da Cachoeira – o paraíso é aqui.

As rodovias MG-173 e BR-381 ligam o município de Carmo da Cachoeira ao resto do País. A sua origem confunde-se com o processo de desbravamento no interior de Minas empreendido pelas entradas e bandeiras. Por volta de 1675 a 1678, a expedição de Fernão Dias Paes Lemes instalou-se na Fazenda Boa Vista nas paragens de Deserto Dourado e Deserto Desnudo.

Dentro da fazenda, no Sítio da Cachoeira, à margem do Ribeirão do Carmo, veio residir a família Rattes, dando origem ao povoado, que foi elevado a paróquia em 1857, com o nome de Cachoeira do Carmo, pertencendo ao município de Lavras. Depois de 11 anos, recebeu o nome de Cachoeira do Carmo dos Rattes e foi incorporado ao município de Três Pontas. De 1870 a 1873, o distrito volta a pertencer a Lavras, de onde foi desmembrado duas vezes, para finalmente ser incorporado à Varginha, em 1881, e finalmente no ano de (sic) é emancipado.

No município encontra-se um importante acervo histórico, como o Cemitério dos Escravos, que contém significativo material arqueológico. Pesquisas confirmam a possibilidade de o cemitério ter sido construído não só para sepultamento de escravos, mas, também para a prática de ritos mortuários, num sincretismo religioso das culturas negra e indígena.

Atrativos naturais completam a beleza da cidade, dentre os quais destaca-se o Rio do Cervo, a Floresta Típica do Maciço da Mantiqueira e as Cachoeiras do Pai Paulo e do Ribeirão do Carmo. (...)

Estando às margens de uma das rodovias mais movimentadas e importantes do Brasil, ligando as cidades de Belo Horizonte e São Paulo, Carmo da Cachoeira é a cidade ideal para implantação de novas industrias, para a compra de um belo sítio, para se descansar perto de uma de suas lindas cachoeiras e poder fugir do barulho e stress da cidade grande.

Entre os dias 09 e 18 de Julho comemora-se a festa em homenagem a Padroeira da cidade: Nossa Senhora do Carmo.

As praças da cidade ainda guardam o romantismo das pracinhas do interior. Sua gente hospitaleira é com certeza o grande patrimônio da cidade, que em você conhecendo irá se apaixonar.

Comentários

Yasmin disse…
É isso aí. É, há haver vontade política e a conexão entre a história regional e nacional se fará, no entanto, existe a soberania que deverá ser respeitada sempre. Os orgãos internacionais respeitam a soberania do Brasil,enquanto País internamente respeita a de cada munícipio. Assim ... ... só voto resolve.
Freitas Nobre disse…
Sou fissurado neste blog. Tem alguma coisa, lá no fundo da minha consciência, que me liga a ele. Moro milhas de distancia daí, e lá vou eu ligar o computador assim que me levando para ler a página. Sempre agradáveis surpresas. Ontem babei, hoje reflito: "por que busco construir um futuro promissor se não irei usufruir dele?
Góes disse…
Interessante esta "aldeia glogal". Aos que nela residem fica muito fácil enxergar as potencialidades existentes em cada espaço físico. Será que aí os administradores e os representantes populares já perceberam o potencial que está disponivel? Daqui eu vejo duas possibilidades: Eco-Turismo e religiosidade. Só um parecer dentro da "aldeia global"
Sara disse…
Moro num grande centro. Fico pressa num congestionamento louco, muitas, muitas horas por dia. Estou em meu limite, e para não me estressar mais busco um lugar tranquilo. Acho que encontrei. Durante os feriados prolongados vou parar aí e, talvez até me mude. Deus que me ajude. Tenho rezado e hoje, ao abrir a página do blog, ao qual me habituei, vejo a reportagem. Para mim. foi a resposta a meus pedidos.
carioca da gema disse…
Não é por nada não Sara, mas você já pensou procurar junto do mar. Foi o que eu fiz. Com a natureza chamada de MAR o pessoal brinca menos. Só o polui, mas não consegue erradicá-lo. Aí, onde você quer ir, e pelo que eu vi no mapa, o pessoal é ruim de preservar. Vi os Ribeirões sem suas matas ciliares e não encontrei as indicações das tão sonhadas pracinhas do interior, onde a gente toma os sucos, sorvetes. Vá ver primeiro antes de fazer a opção.
Curumin disse…
Ei, para por aí Carioca da Gema. Não fale mal de minha cidade. O povo é bom, só que não sabe votar. Aí no Rio de Janeiro você tem opção, aqui só tem o que "outros" acham que é bom, e enfiam guela abaixo nos menos favorecidos e sem dinheiro para ir buscar fora. Pare com isso. Desculpe-me o desabafo. Perdoe-me, por favor.
leonor rizzi disse…
Oi, Carioca da Gema. Um dia iluminado a você e ao Curumin.
Peço que vocês deem uma olhadinha na aula do Pof. Wanderley, o nosso querido Wandico, na página de ontem. Ele nos explicou um pouco os momentos vividos no Brasil Colônia. Aqui, nos mostra o exemplo, com João Urbano Figueiredo. A consciência não dá saltos, não é mesmo? O trabalho de reconstrução da dignidade perdida leva tempo. Por favor nos dê este tempo. O PARAÍSO É AQUI, SIM. Gratidão por sua participação e pela oportunidade de mostrar nosso outro lado de reconstrutoes do PARAÍSO perdido.
Ferraz de F. disse…
UAU, leonor falou e disse, o Curumin se desculpou. Gente, veja a grandiosidade das gentes dai. O maior potencial de lá, pelo que estou observando, é o humano, que caberá aos educadores trabalharem. Aliás, se trabalharem. Aí entram os cursos de reciclagem. Eles "pensam" ter conhecimento, no entanto só tem informações sobre suas origens. Conhecimento e informação são muito diferentes, não é mesmo? São vítimas do mesmo sistema alienador.
leonor disse…
O texto deixou de citar a data da "EMANCIPAÇÃO POLÍTICA". sÓ LEMBRANDO:*Vigorava a Constituição outorgada de 1824; *a emancipação político-adminstrativa deu-se em 1938, no entanto, continua pertencendo à comarca de Varginha;*ao de desmembrar-se do municipio de Varginha, trouxe consigo o distrito de São Bento, depois denominado Eremita. *Segundo o IBGE, vol.XXIV, 1959, Carmo da Cachoeira pertence, desde sua criação. à comarca de Varginha.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…