Pular para o conteúdo principal

Tabela Cronológica 4 - Carmo da Cachoeira

Tabela 4
- do início do ciclo do ouro até seu apogeu -

1695 até o século XVIII - Ciclo do Ouro -
1697-1713
- Os anos da fome -
“O flagelo da fome produziu na serra de Ouro Preto a debandada dos moradores, igualmente cegos pelo ouro, esquecidos dos comestíveis. Alguns se retiraram para São Paulo...”
1696
- O coronel Salvador Fernandes Furtado de Mendonça descobriu ouro no ribeirão do Carmo, local da futura cidade de Mariana; e
- surgiram os arraiais de Mariana, Ouro Preto, Caeté, São José del Rey e Pitangui.
1697
Aberta a primeira estrada entre Minas Gerais e o Rio de Janeiro.
1698
- O bandeirante Bartolomeu acampou na região onde seria fundada Lavras do Funil;
- Bernardo Mendes da Silva foi nomeado superintendente das minas de Ibituruna, no território que mais tarde seria Minas Gerais; e
- início do primeiro curso de ensino militar no Brasil, no Rio de Janeiro.
Século XVIII – a fazenda das Abelhas pertencia à aplicação de São Bento do Campo Belo, da freguesia de Santa Ana das Lavras do Funil.
1701
- Em carta, Sua Majestade ordenou ao governador Artur de Sá que não permitisse a entrada de mais gente para as Minas. Os infratores desta, se achados em caminho, deveriam ser prendidos e punidos com as penas severíssimas de cárcere e deportação;
- Francisco do Amaral Gurgel assinou contrato de fornecimento de gado aos açougues de Minas Gerais. O acordo foi acertado entre o governador Arthur de Sá Menezes e o referido fornecedor;
- estabeleceu-se em Taubaté a Real Casa da Fundição, que antes funcionava na vila de Paraty; e
- Manoel Garcia Velho chegou à região de Carrancas, sendo o seu primeiro morador.
1702
- 19/Abr – Regimento de criação das superintendências das minas, para estabelecer a ordem nos garimpos de Minas Gerais, com o desembargador José Vaz Pinto; e
- o ouro foi descoberto no rio das Mortes pelo bandeirante João de Siqueira Afonso.
1706
- Construída em Sabará a primeira igreja de Minas Gerais;
- João de Siqueira Affonso, bandeirante de Taubaté descobriu as minas de Aiuruoca.
1707-1750 – Reinado de Dom João V, em Portugal.
1707
- Dom Sebastião Monteiro da Vide publicou o regulamento eclesiástico: “Constituições Primeiras do arcebispado da Bahia”, aplicando às determinações do Concílio Tridentino, em substituição as “Constituições do Arcebispado de Lisboa”, que se baseavam em conceitos medievais.
1708
- Carvalho Franco, no Dicionário de Bandeirantes, referiu-se à Superintendência das Minas de Aiuruoca e Ibitioca; e
- decreto de dom João V proibiu os “... negócio de bestas...”.
1709
- A região das minas foi tomada pelo conflito que ficou conhecido como Guerra dos Emboabas. Paulistas, portugueses e “brasileiros” confrontaram-se pelo direito do comércio e da mineração. Foi o primeiro conflito armado da Capitania;
- chegou à região das minas o primeiro governador da Capitania de São Paulo e das Minas, Dom Antônio Albuquerque e Carvalho, que se estabeleceu no arraial do ribeirão do Carmo;
- Antonil acusou a existência de 500 currais de gado no lado direito do rio São Francisco, explorados pelos baianos sob forma de arrendamento, sendo que a margem esquerda pertencia a Pernambuco; e
- foi mudado o nome da Capitania de São Vicente para Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, que a essa altura, pelo ação desbravadora dos bandeirantes, já tinha um território muitas vezes maior, abrangendo, grosso modo, o que hoje são os Estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rondônia.
1711
- D. Antônio de Albuquerque, por ordem de João V, criou as três primeiras vilas de Minas: Mariana, Ouro Preto e Sabará; e a
- antiga fazenda de Estácio de Sá com o nome de Caxambu.
1713
1713-1729 – Foram criadas seis vilas em Minas Gerais, entre elas a de São João del Rey, consolidando o núcleo minerador.
1714
- A região das Minas Gerais foi dividida em quatro regiões: o sul de Minas era conhecido como o sertão do rio das Mortes ou do Campo Grande. São João del Rey foi nomeada sede da comarca do rio das Mortes, com 3.240 léguas; e
- sesmaria de Manuel Garcia de Oliveira nas roças e currais de Aiuruoca, nas paragens da lagoa Grande, cabeceiras do Ingaí.
1715
- Encontrados vários registros eclesiásticos para a fazenda do Engenho, em Baependi, de Tomé Rodrigues Nogueira, esposo de Maria Leme do Prado, assim como para o sítio do São Bento do Campo Belo, no Deserto Dourado;
- a presença da fazenda Mangalarga margeando a estrada real. Foi vendida em 1840 para o barão de Paty do Alferes;
- o Padre João Vaz Teixeira apareceu como “Vigário de Pitangui”, entre as vinte freguesias que constituíam o município de Pitangui está Carmo do Cajuru;
- foi mencionada a superintendência das Minas de Pitangui, com Antônio Pires de Ávila; e
- José Mendes de Carvalho requereu uma sesmaria no Caminho das Minas.
1717
Aiuruoca elevou-se a paróquia.
1718
- 31/Jul – Chegaram os primeiros ciganos a Minas Gerais, vindos da Bahia;
- Bispado fluminense criou igreja em Aiuruoca; e
- sesmaria em nome de João de Toledo Piza e Castelhanos.
1719
Faleceu o capitão-mor das minas de Taubaté. Sua esposa recebeu do governador mineiro uma sesmaria de “duas léguas em quadra na paragem de Baependi”.
1720 a 1885 – período com dados nos “Livros de Registro Geral da Cúria” do Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana.
1720
- Dom Lourenço de Almeida, capitão de Minas e Pernambuco, em Vila Rica, ordenou: “Pelo descuido que houve em algumas praças da Marinha, vieram para estas Minas várias famílias de ciganos, ... devem ser remetidos para o Rio de Janeiro.”
- O governo português propôs a instalação de Casas de Fundição em Minas Gerais;
- eclodiu a Revolta de Felipe dos Santos;
- sedição de Vila Rica. Mineradores se revoltaram contra a cobrança do Quinto do Ouro e a instalação das Casas de Fundição. Domingos Pascoal Silva teve sua propriedade incendiada e Felipe dos Santos foi enforcado em Vila Rica;
- a Capitania de São Paulo foi separada da Capitania das Minas, recebendo também a denominação de “Gerais”;
- feita a primeira capela de Sant’Ana do Pouso do Funil, futura Lavras;
- Padre Lourenço de Toledo Taques e seu irmão João de Toledo Pisa e Castelhanos iniciaram o povoamento de Carrancas;
- desapareceu a denominação Minas dos Cataguazes;
- Diogo Garcia e seu irmão João Garcia Pinheiro, de Mogi-Mirim, ultrapassaram o Sapucaí e apareceram em Jacuí;
- a Coroa portuguesa decidiu criar casa de fundição em Minas Gerais; e
- nova lei portuguesa contra a migração.
1721
Descoberto ouro em Goiás no rio Vermelho.
1723
- 7/Mar – foi fundada na Bahia a Academia Brasílica dos Esquecidos, sendo a primeira academia brasileira. Tinha como objetivo investigar a história do Brasil. Serviu como modelo para a Academia Real da História Portuguesa.
- Bispado fluminense criou igreja em Baependi;
- Luiz Diogo, em caravana oficial, penetrou no território do Campo Grande pela picada de Goiás; e
- Ignácio Correa Pamplona foi encarregado de providências a fim de conquistar o Oeste.
1724
Alvará Régio criou o distrito de Aiuruoca, subordinado à antiga comarca do rio das Mortes.
1725
29/Jul – capela ereta em Serranos.
1726
- 9/Set – Carta régia concedeu o direito de passagem sobre os rios entre São Paulo, Minas e Goiás; e
- por ordem régia, o governador estabeleceu severas e drásticas restrições aos homens negros, ou de origem africana, vedando-lhe cargos e funções públicas.
1727
- 14/Nov – Foi batizado João Francisco Junqueira, que viria a se casar com Helena Maria do Espírito Santo, filha de Inácio Franco e Maria Teresa de Jesus;
- carta régia proibiu a abertura de estradas entre Minas e Goiás e entre Minas e Mato Grosso, impondo pena de morte aos infratores;
- o Bispo do Rio de Janeiro com jurisdição nas Minas Gerais, Dom Antônio de Guadalupe, pediu instrução ao Santo Ofício sobre alguns indivíduos instalados em Vila Rica e Ouro Preto; e
- introdução do café no Brasil por Francisco de Mello Palheta, que trouxe exemplar da Guiana Francesa.
1729
- Francisco Luiz Xavier Bueno, o Francisco Bueno Feio, casado com Maria Jorge Velho, estava em Vuturuna; e
- fundada Lavras do Funil: no local havia sulcos deixados pelos exploradores.
1730
- Ano aproximado em que o sargento–mor Gaspar Guterres da Silveira casou-se com Felícia dos Santos, em Pitanguy. Ele era filho de Izabel de Sousa Ébanos e do mestre-de-campo Carlos Pedroso da Silveira. Gaspar atuou em Santo Antônio do Val da Piedade, hoje Campanha;
- representação da Câmara da Vila Real a Dom João V, expondo o estado de abandono da vila;
- ereta capela em Alagoa;
- distrito de Rosário de Lavras, surgido da capela de Nossa Senhora do Rosário da Cachoeira, situada à margem do rio Capivari. O local foi escolhido como passagem dos que vinham do sul de Minas para as minas de ouro de São João del Rey;
- foi dada provisão para a capela de Nossa Senhora do Rosário da Cachoeira do Rio Grande, em nome do paulista capitão Francisco Bueno da Fonseca, hoje Itumirim; e
- nasceu Aleijadinho.
1731
A Coroa concede a Anhangüera os direitos de passagens nos rios: Jaguari-Açu, Jaguari-Mirim, Pardo, Grande ou Paraná, das Velhas, Parnaíba e Corumbá.
1732
Inácio Carlos da Silveira fundou Campina do Rio Verde, posteriormente Conceição do Rio Verde.
1733
- No rio das Capivaras, Capivari, nasceu um povoado cuja primeira capela data de 1752;
- foi reconhecida uma variante do “Caminho Velho” que, a partir de Cruzília, chegava-se das Lavras do Funil a Rosário da Cachoeira;
- foi criado o registro de Ouro de Itu. Destinado a fiscalizar o ouro que saia das minas de Cuiabá. Localizava-se junto ao rio Tietê; e
- já era conhecido o riacho Itanhandu, posteriormente denominado barra do rio Verde e Estação do Capivari.
1734
Carta de Antônio Gomes de Carvalho, capitão-mor do caminho de Minas, pedindo que os roceiros fizessem a demarcação de suas sesmarias, já que ocupavam indevidamente as terras devolutas.

1735 a 1739 - Período de Grande Produção Aurífera Mineira -
1735
Criação do Estado do Grão-Pará e Maranhão, cuja capital passou a ser Belém.
1736
- 6/Mai – surgiu no Rio de Janeiro a Academia dos Felizes, com o apoio do governador interino, brigadeiro José da Silva Pais;
- proibição de posses de terras nas fronteiras da Capitania;
- primeiro relato de ocupação por roças e lavras na região da aplicação do rio Verde, hoje Três Corações;
- foi permitida a abertura de caminho de Pitangui a Paracatu, buscando um desvio para encurtamento de distância; e
- Francisco Luiz Xavier Bueno começou a abrir caminhos para Goiás.
1737
- Ouvidor de São João del Rey, Cipriano José da Rocha, diante das notícias das minas do rio Verde fez abrir um caminho, a partir de São João del Rey, e convidou quem quisesse acompanhá-lo, prometendo datas minerais a todos. Encontrou naquele local "um arraial em forma de vila, a que se deu o nome de São Cipriano", futura freguesia de Campanha; e
- Carta de sesmaria concedida ao capitão de cavalos Pedro da Silva Miranda, a Francisco Bueno da Fonseca, a Diogo Bueno, entre outros, onde hoje se encontra a cidade de Lavras.
1739
- Referência a uma autorização para o funcionamento dos cemitérios do Campo Belo e do Deserto Dourado, onde hoje é São Bento Abade, sob a jurisdição da Igreja de Nossa Senhora das Carrancas; e
- Bispado fluminense cria igrejas em: Campanha, Pouso Alto e Carrancas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…