Tabela Cronológica 11 - Carmo da Cachoeira


Tabela 11
- os dez primeiros anos da independência -

1822

7 de setembro

- Proclamação da Independência do Brasil e Emancipação da Província de Minas Gerais –

- 1822 a 1889 - Brasil Império -

Período em que a aliança entre a Igreja e o Estado mais se fez sentir no cotidiano das Paróquias. Os vigários eram funcionários da Coroa e os dogmas da religião serviam como sustentáculos do regime.

1822

3/Mar – moradores da freguesia de Inhaúma encaminharam a José Bonifácio carta pedindo segurança nas estadas que da cidade do Rio de Janeiro seguiam para outras paragens.

1824

ü Primeira Constituição Brasileira, outorgada por Dom Pedro I, que instituiu o Poder Moderador e centralizou o Executivo nas mãos do imperador;

ü Dom José da Santíssima Trindade foi o visitador pastoral da Diocese de Mariana; e

ü publicação em Vila Rica do primeiro jornal de Minas Gerais: o "Compilador Mineiro".

1825

ü 12/nov – morreu Mariana Clara Villela, casada com Martinho Dias de Gouveia, na fazenda Chamusca; e

ü nasceu Francisco José Villela, neto de José Francisco Junqueira. Em 1845 casou-se com Mariana Clara Villela, filha de José Joaquim Villela de Andrade e Prudenciana, de Coqueiral.

1827

Na ermida do Maranhão batismo de Belchior, filho legítimo do alferes Belchior Pontes Rego Figueiredo e Maria Constança Villas Boas.

1829

1829-1831 – no Livro de Provisão da Arquidiocese de Mariana deste período consta um cemitério na fazenda Maranhão, do capitão Valentim José da Fonseca.

ü 2/Jul – faleceu Manoel Pereira de Carvalho;

ü nasceu Custódio Villela Palmeira, futuro juiz de paz de Carmo da Cachoeira;

ü instalada a primeira Assembléia do Brasil, com Senado e Câmara dos Deputados;

ü capitão Valentim José da Fonseca, da fazenda Maranhão, conseguiu provisão para oratório e cemitério, o que consta no Livro Provisão do período de 1829 a 1831; e

ü provisão de oratório para Antônio Dias de Gouvêa.

1830

ü 25/Jan – o Conselho da Província de Alagoas ouviu de José de Melo Correia, durante sessão, que os ciganos diziamm ser o Egito sua pátria;

ü 8/Abr – na ermida do Maranhão batizou-se Mafalda, filha do capitão José Antônio de Abreu e Mafalda de Jesus; e

ü publicação do primeiro número do jornal “Pregoeiro Constitucional”, em Pouso Alegre, sendo o quinto periódico mineiro.

1831

ü 7/Abr – Dom Pedro I abdicou do trono do Brasil em favor de seu filho, que tinha apenas cinco anos de idade;

ü 13/Out – a povoação das Lavras do Funil foi elevada à categoria de vila. Compreendia, além da freguesia de Lavras, mais sete distritos: os atuais municípios de Nepomuceno, Perdões, Ribeirão Vermelho, Carrancas, Luminárias, Ingaí, Itutinga e Ijaci;

ü Criação da Guarda Nacional durante o período regencial. Era composta de cidadãos com renda anual superior a 200$000, nas grandes cidades, e 100$000 nas demais regiões. Era vista por seus idealizadores como instrumento apto a garantir a segurança e a ordem. Sua finalidade era a de defender a Constituição, a liberdade e a integridade do Império, mantendo a obediência às leis, conservando a ordem e a tranqüilidade públicas. A criação da Guarda Nacional fortalecia as elites políticas locais, que constituíam ou dirigiam o corpo da guarda. Para o escritor Raimundo Faovo: “... resultava a nova lei na entrega aos senhores rurais de um poderoso instrumento de impunidade criminal, a cuja sombra restaurava o caudilhismo territorial”;

ü a partir deste ano, e por três legislaturas seguidas, Gabriel Francisco Junqueira foi eleito para a Câmara Imperial;

ü elevação de Pouso Alegre à categoria de vila;

ü o povoado de São João Nepomuceno das Lavras foi elevado a distrito no termo das Lavras do Funil;

ü criação da primeira livraria pública de Minas Gerais, em Ouro Preto; e

ü instalação da Câmara Municipal de Pouso Alegre.

1832

ü 14/Jul – instalada a freguesia de Três Corações do Rio Verde por ato de Regente Feijó; o curato dos Corações de Jesus, Maria e José foi elevado a paróquia sob o título de Santíssimo Coração de Jesus;

ü 14/Jul – por resolução da Regência foi criada a freguesia de Três Pontas, tendo sob sua jurisdição os curatos de Nossa Senhora do Carmo dos Campos Gerais, e Espírito Santo da Varginha;

ü 1/Set – instalação da Câmara Municipal em Lavras, tendo como primeiro presidente José Antônio Diniz Junqueira;

ü a freguesia de Lavras desmembrou-se do curato de Três Pontas, ficando com os distritos de: São João Nepomuceno, Carmo da Boa Vista, Ingaí e Rosário;

ü a capela do Espírito Santo da Varginha alçou à condição de curato sob a jurisdição de Três Pontas;

ü levantado em Pouso Alegre o pelourinho, símbolo de emancipação política; e

ü provisão de oratório para o capitão Joaquim Fernandes Ribeiro de Rezende.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.