Pular para o conteúdo principal

Os Jovens Construtores da Liberdade e as pastorais.


O Projeto Jovens Construtores da Liberdade surgiu na Comunidade São Pedro de Rates como esforçode uma equipe formada por lideranças de vários grupos e movimentos da Igreja de Carmo da Cachoeira. Como o projeto está se desenvolvendoa passos largos, queremos lançá-lo a nível paroquial, integrado aos outros movimentos e pastorais locais, para que caminhem juntos.

Não visamos tirar jovens que já estão inseridos em outros grupos; queremos uni-los e formá-los, como o próprio nome indica, para a liberdade, entendida no sentido de que todos são livres por fazerem escolhas. Percebemos jovens divididos sem saber onde se encaixar; este é um ponto a ser trabalhado, pois são decisões que precisam ser tomadas e devem ser amadurecidas. Queremos colaborar para que os jovens adquiram um espírito decidido, que os torne formadores de opiniões, que tenham senso crítico, que saibam o que é melhor para eles. O projeto visa também propiciar-lhes melhor compreensão de si mesmos e percepção de seus dons. A vivência grupal irá sendo construída a partir de encontros marcados pelos ideais de defesa da vidaem todos os níveis e em ambiente harmonioso de paz, que se define pela forte presença de Deus. Buscamos uma paz que é coerente com a nossa fé e que é fruto da justiça de quem crê em Jesus Cristo. O primeiro passo é devolver a Deus o lugar que lhe pertence: o coração do homem. O Papa João Paulo II já nos dizia que a família é o “santuário da vida”; por isso, buscamos o apoio da Pastoral Familiar e do ECC, os quais poderão estar conosco ajudando a viabilizar novas formas de agir para levar este trabalho adiante.

Inspirados pelo Espírito Santo, queremos formar estes adolescentes e jovens, iluminando-os em seu contexto eclesial e familiar. Tendo a família como berço das vocações, queremos chamar a atenção deles para esse valor. Como a Igreja se organiza por pastorais, queremos caminhar juntos, pois todas estão entrelaçadas; mas há certa dependência da atuação da Pastoral Familiar para que as outras tenham um bom desempenho: se a família vai mal a sociedade também vai mal. Estamos seguindo o que a Igreja prega: que devemos rezar pela unidade dos Cristãos; de certa forma movimentaremos toda a Paróquia.

Toda pastoral e todo movimento possuem uma espiritualidade que os sustenta; do contrário teriam seus dias contados. A mística da Pastoral Familiar e do ECC é promover a cultura da vida e do amor na família. A Pastoral Catequética e da Juventude seguem comprometidas em tornar os fiéis cada vez mais discípulos missionários para que em Deus todos tenham vida e a tenham em abundância. A RCC cultiva a oração, a partilha e a vivência do Evangelho, trabalhando sempre na descoberta e valorização dos dons de cada membro. O Grupo de Formação deCorinhas visa o aprofundamento na fé e o colocar-se a serviço das celebrações. A Pastoral da Ecologia age no serviço evangelizador zelando pelas criaturas, protegendo a vida humana e a do meio ambiente. O CAC zela para que a missão chegue até as casa; sendo assim, seu foco deve sempre ser o Cristo. Já a Pastoral da Comunicação é o elo entre todos os eventos das pastorais e dos movimentos;é instrumento de evangelização e conversão.

Na fase de elaboração do projeto, uma preocupação era: que espiritualidade adotar?No entanto,isso não é adquirido da noite para o dia, mas requer um processo de construção. Analisando o tipo de trabalho desenvolvido pelo projeto, que visa à descoberta dos dons dos jovens, à sua formação em diversos campos, conforme a vocação de cada um, religiosa ou não, ou seja, uma formação humanística e espiritual, chegamos à conclusão de que o “Projeto Jovens Construtores da Liberdade” segue a mesma mística da Pastoral Vocacional, que busca levar os participantes à maior compreensão de si mesmos e de seus dons. É, pois, um movimento que surgiu como ramificação dela.

Romário Lima e Leonor Rizzi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se