Pular para o conteúdo principal

Luminárias e os fragmentos do "PROLE - Tuca"


"Em 1953. Arthur Martins de Andrade, o Tuchê, era Prefeito Municipal de Luminárias e era o Presidente do partido que o elegeu. Éramos oposição ao Palácio da Liberdade e fomos à Capital reivindicar melhoramentos para o nosso Município.

Lá chegando, logo ficamos sabendo que o Chefe do Governador Juscelino era o Dr. Edson Lago Pinheiro, contemporâneo do irmão do Prefeito no Ginásio Santo Antônio de São João del-Rei. Fomos então ao Palácio, nós três. Quando eu via receptividade, ri até aos cantos e pensava com meus botões - estamos feitos, conseguiremos tudo! Mas quando chegou mesmo no mérito da questão que era pedir algo para Luminárias, o Chefe aperta o botão de uma campainha e pede a pasta de Luminárias. Dentro desta havia apenas uma folha dizendo - "somente atenda pedidos do Diretório do PSD". Fracasso. Assim, teríamos que apelar para os corregionários. Era Presidente da UDN mineira o Prof. João Franzen de Lima e, na sede do Partido, marcamos um jantar na Churrascaria Camponês, onde deveria estar presente alguns Deputados do partido da oposição.

A hora marcada, nós três mais o Presidente do Partido e os Deputados Oscar Dias Correa, Carlos Horta Pereira e Paulo Campos Guimarães, apoio moral unicamente e compromisso de arranjar um engenheiro para fazer estudos da Cachoeira da Fumaça para a instalação de uma Usina porque a CEMIG, por ordem do Governo, não forneceria luz para Luminárias. Assim nasceu a Usina atual, que precariamente ainda serve a que levou o nome do então Presidente da UDN.

No entanto, foi aí que assisti a segunda derrota do amigo Prefeito, Tuchê: conversa vai, conversa vem, falou-se em família e o Tuchê, arrogante e de boca cheia disse: - lá em casa somos 15, todos vivos. E o Dr. Moacir confirmou, dizendo ser o mais velho deles. Então o Professor João Franzen de Lima disse muito humildemente: - pois lá em casa somos 27 e eu sou o décimo quarto. Somente não posso dizer que estão todos vivos!

Assim, no dia 25 de outubro de 1953, estavam aqui com o engenheiro Silvio Barbosa, aqueles companheiros para iniciarem os estudos da Usina. Como era aniversário da mãe do Prefeito, ela, de presente, doou ao Município a Cachoeira da Fumaça e terrenos adjacentes para início dos serviços, inclusive o que fosse necessário de material existente na Fazenda do Engenho.

Falar em grupo dos 27 seria impossível, porque só conheci três. Mas do grupo dos 15, quero ver se consigo dizer algo sobre cada um. Este grupo divide em duas partes: masculino e feminino. Os masculinos, composto de 9 se distinguiam pelos serviços prestados à Comunidade:

1- Dr. Moacir Martins de Andrade (falecido). Médico psiquiatra, muito respeitado entre seus colegas da capital. Era casado com dona Geni Ribeiro de Andrade, da alta sociedade de Oliveira. Quando vinha passar as férias aqui, a fila não era só dos doentes para "filarem" uma receita, mas também dos moleques para catarem os tocos dos cigarros "Odalisca" que, com uma das duas tragadas eram jogados fora. No esporte, dava aqui na grama em frente da casa em que morávamos, shows de "barra e pulo com vara. Era ruim no futebol, mas descontava na natação;
2- Arthur Martins de Andrade - Tuchê, agricultor, Fazenda do Engenho. Casado com Elza Ferreira de Andrade, ocupou o cargo de Prefeito Municipal, Presidente da Câmara. Iniciador da Usina Hidro-Elétrica João Franzen de Lima, que ainda serve à nossa comunidade, à vizinha cidade de Ingaí e diversas propriedades da zona rural - exclusive a sua Fazenda, por ética e preconceitos. Arborizou a cidade e, na escala do Luminárias Futebol Clube, constava sempre o apelido Tuchê.
3- Waldemar Martins de Andrade - advogado, agricultor (fazenda da Lage). Atualmente Promotor da Comarca de Elói Mendes, casado com dona Nilce Ferreira de Andrade. Foi Vereador e Presidente da Câmara Municipal de Luminárias. Foi o orador oficial da festa de emancipação política e administrativa do Município. Na escala do Luminárias Futebol Clube também via-se o nome "Vavá" - mesmo com sua ponte de safena", ainda chuta nas peladas dos times da zona rural, competindo com seus filhos;
4- Agenor Martins de Andrade -agricultor. Fazenda do Jacarandá e depois transferiu-se para Três Corações, onde ocupou cargo de Presidente do Sindicato Rural. Casou-se com dona Maria José Costa, então "Miss Tricordiana" - não foi por isso que recebeu, há poucos dias, o título de cidadão tricordiano. Foi o primeiro freguês do meu Bar - o único da cidade. Tudo que comprava mandava por no "LIVRÃO" - era maço de Libery a 0$600, cerveja (Bramma da Antártica) a 1$200, quinhentos réis de fumo de dez tostões, o livrão era assim ... Quando vinha pagar, era dia de festa. Dava-me uma nota de 10$000 recebia 2$000. Quando mudou, quase fechei o Bar. Ele era o atacante no Luminárias Futebol Club.
5- Darci Martins de Andrade - tenente do Exército (reserva), agricultor - Fazenda dos Monjolos - reside em Três Corações. Pecuarista, tem fazendas em Araçatuba, Bauru e outras no Estado de São Paulo. Casou-se com dona Maria Isabel da Costa, da sociedade de Três Corações. Na escala de Luminárias Futebol Clube, o "Cide" era famoso atacante.
6- Olinto Martins de Andrade - agricultor, Fazenda Cachoeirinha, casado com dona Nilza de Oliveira Andrade, de tradicional família DINIZ de nossa comunidade. Cabra de cara fechada mas de coração aberto, sempre agiu como mineiro - trabalhando na surdina - não recuando a nada que a comunidade recorre. Sistemático em não aceitar cargos, ficou uma dele na história: na oposição de alguns familiares para que o Tuchê aceitasse a candidatura valeu sua opinião. Ele disse: "depois de dizer 50 não, ele disse um sim ...". No esporte estava escalado como "LU". Ruim como eu mesmo, a bola passava, mas o jogador (ilegível) na ponta da chuteira; acredito que era o único que jogava na defesa;
7- Valdemir Martins Andrade (falecido). Era agricultor, casou-se com dona Maria Tereza Rezende e transferiu-se para Belo Horizonte, onde faleceu. No Luminárias Futebol Clube era o destemido e violento "DIMI";
8- Jacy Martins de Andrade - agricultor, fazenda Marimbondo. Casado com Edilha Ferreira de Andrade, então Miss Luminárias. Ela, funcionária pública, ambos aposentados, dando de si as obras sociais do Centro Espírita Augusto Silva, de Lavras, onde residem. Também "JACY" era escalado no time do Luminárias Futebol Club; e
9- Celso Luz de Andrade, o caçula, fazenda do Espigão, ex-Professor da E. E. Professor Fábregas, casado com dona Marina Luz Andrade, professora desta mesma Escola, de família tradicional nesta cidade. Este é um grande incentivador do esporte luminarense; Presidente do Clube por várias vezes, ultimamente aceita a Presidência com as condições de jogar no primeiro time, pelo menos um tempo. Mesmo assim joga suas peladas e foi mesmo bom de bola, seu nome sempre era escalado.

Na parte feminina, uma das descentes nascidos e residentes em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Trata-se de Jandira Martins de Andrade, professora, ex-Diretora da E. E. Francisco Diniz, também lecionou muitos anos em Luminárias. Atualmente aposentada, residente em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, onde casou-se com Benedito Mendes.

Juraci de Andrade Gouvêa, professora, lecionou muitos anos. Ia a cavalo pegar embarcação para ir ao Colégio estudar e, a cavalo, vinha da Fazenda de seus pais para lecionar, hoje está aposentada merecidamente. É casada com o Sargento da reserva do Exército, Dr. Deusdeth Gouvêa, atual Delegado de Polícia de Luminárias. A Jura, como é tratada na intimidade, era famosa na sua beleza não só daqui, como em Lavras, Perdões, Carmo da Cachoeira, Varginha, etc.
Maria Evangelina de Andrade - MIMI- casada com Nilton Ferreira de Andrade, recentemente falecido em Belo Horizonte. Aqui, ele era agricultor e ela, professora, não tendo praticado o magistério.
Emê Andrade Piedade, professora, recentemente falecida, residia em Três Pontas.Pouco frequentou nossa comunidade. Casou-se com Jaime Piedade, professor e coletor em Três Pontas.

Iracema Andrade Costa - professora- casou com Célio Costa, falecido, da sociedade de Três Corações. Transferiu residência para cá ocupando cargo de professora na E. E. Francisco Diniz. Falecida num acidente quando vinha de Três Corações com o Diretor da E. E. Prof. Fábregas, onde foram conseguir autorização para lecionar nesta Escola.

Lourdes Luz Andrade Ferreira - professora, tendo lecionado muitos anos na E. E. Francisco Diniz. Aposentou-se e reside em Varginha. Casada com João Ferreira de Oliviera, nosso conhecido "Cangarê" que ocupa atualmente altas funções na Superintendência da Fazenda em Varginha, Minas Gerais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948