Pular para o conteúdo principal

Semana Santa em Carmo da Cachoeira - Minas Gerais



SEMANA SANTA - 2010. Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Diocese da Campanha - MG. Carmo da Cachoeira Minas Gerais. carmodacachoeira.blogspot.com
nsradocarmo@hotmail.com
tel.: (035)3225-1244/3225-1640

DIA 01 QUINTA-FEIRA SANTA
"O sacerdócio nasce da Eucaristia: dom para a comunidade"
A liturgia desta Quinta-feira Santa abre para nós o Tríduo Pascal, onde viveremos todo o mistério pascal tendo como centro a Vigília Pascal, que é a mãe de todas as Vigílias celebradas pela Igreja. Hoje é urgente que este gesto de Jesus aconteça entre nós como um verdadeiro "sacramento de serviço e fraternidade".
9:00 - Missa da Unidade, na Catedral de Santo Antônio em Campanha - Benção dos Santos Óleos .

19h00 - Solene Celebração do Lava-pés e Adoração ao Santíssimo Sacramento, na Comunidade de Palmital do Cervo.

19h30 - Solene Celebração da Ceia do Senhor. Missa do Lava-pés e Adoração ao Santíssimo Sacramento, na Matriz.

21h00 - Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão - MESC - Apostolado da Oração, coroinhas e Catequese.

22h00 - Congregado Mariano, Família Vicentina, Pastoral Familiar, Movimento Mãe Rainha, CEB´s e Legião de Maria.

23h00 - Ministério de Música, Pastoral Litúrgica, Comunidade Paroquial São Pedro de Rates, Pastoral do Dízimo, ECC.

24h00 - Renovação Carismática Católica, Legião de Maria, Pastoral do Batismo, Comunidades: Pastoral Negra e Mundo da Juventude e Sacristão e auxiliares.

PROGRAMAÇÃO PARA ESTA TERÇA-FEIRA SANTA, DIA 30
"No caminho do Calvário, Mãe e Filho se encontram"
15h00 - Missa e Unção dos Enfermos, na Matriz.
19h00 - Missa na Comunidade da Divina Misericórdia e Procissão do Senhor dos Passos.
19h00 - Celebração na Comunidade de São José Operário e Procissão de Nossa Senhora das Dores.

TRAJETO DA PROCISSÃO DE NOSSA SENHORA DAS DORES: Comunidade São José Operário, Rua Mizael Gouvêa, à direita Rua Oliveiro Reis, à esquerda Rua Odilon Pereira, à direita Rua Luiz Galvão, à direita Rua Capitão Francisco de Assis Reis e, aqui, SERMÃO DO ENCONTRO.

TRAJETO DA PROCISSÃO DE NOSSO SENHOR DOS PASSOS: Comunidade Divina Misericórdia, Avenida Lourival Campos Reis, a esquerda Olímpio Virgulino de Souza, a direita Rua Oliveiros Reis, a direita Rua Godofredo José Caldeira, a direita Rua Presidente Antônio Carlos e SERMÃO DO ENCONTRO.

ASSIM: O SERMÃO DO ENCONTRO SERÁ na Rua Francisco de Assis Reis e Presidente Antônio Carlos.

Trajeto da Procissão do ENCONTRO: Rua Capitão Francisco de Assis Reis, à esquerda Rua Doutor Veiga Lima, Rua Arthur Tibúrcio, Praça do Carmo, Igreja Matriz.

PROGRAMAÇÃO QUARTA-FEIRA SANTA
"Aos pés da Cruz, estava a Mãe de Jesus".
9h00 - Confissão Individual, na Matriz.
15h00 - Confissão na Matriz
19h00 - Missa na Matriz - Procissão de Nossa Senhora das Dores e Sermão

Trajeto da Procissão: Saindo da Igreja Nossa Senhora da Esperança, Rua Ernestina Vilela, à direita Rua José Bressane Santana, à esquerda Rua Antônio Rezende Vilela, à esquerda Rua Presidente Antonio Carlos, à direita Rua Odilon Pereira, à esquerda Rua Luiz Galvão, à direita Rua Antônio Justiniano dos Reis, à esquerda Rua Dom Inocêncio, à direita Rua Arthur Tibúrcio, Praça do Carmo, Igreja Matriz.

DIA 02 - SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR
"Cristo, verdadeiro cordeiro Pascal".
Dia de jejum e Abstinência
Neste dia a Igreja recomenda jejum e abstinência de carne e acompanha em silêncio os passos de Jesus em seu sofrimento e condenação até sua entrega total com a morte na cruz. Não se celebra missa ou qualquer sacramento e comungam-se as hóstias consagradas na Quinta-feira Santa. A celebração centra deste dia é a das 15 horas, em que, segundo a tradição, Jesus morreu e é dia total de silêncio e reflexão.
6h00 - Via-Sacra para o Cruzeiro

A Primeira Estação foi rezada na CAPELINHA SÃO PEDRO DE RATES, setor norte da Paróquia, CÉLULA MATER DE CACHOEIRA. A última, a décima quinta, junto ao marco religioso histórico - O CRUZEIRO NO ALTO DO MORRO. O cortejo passou em oração junto ao local onde foi, no ano de 1770, propriedade e residência de MANOEL ANTONIO RATES e sua família. Junto a cruz, o Diácono, Adilson, em voz alta, límpida e clara, leu:

VIA-SACRA - MEDITAÇÃO
A via sacra não é senão percorrer os passos de Jesus rumo ao Calvário.
A via crucis não é senão meditar os passos de N.S. Jesus Cristo na sua paixão.
Se tivermos capacidade em comparar aqueles tempos com os tempos de hoje podemos notar o seguinte:
- Aumentaram os personagens
- As vestes são totalmente diferentes
- O caminho ficou mais longo.

Mas Jesus Cristo é o mesmo. Debaixo dos nossos olhos ele continua a sofrer e a morrer por cada um de nós.
A rua da amargura passa por nossas cidades, corta nossos bairros, atravessa nossos hospitais, está presente nas prisões. Passa pelos caminhos da miséria e do sofrimento, sob todas as formas.
Tudo isso tem hoje nomes diferentes:
- regimes políticos
- sistemas econômicos
- sociedade anônima
- contratos
- leis,
- regulamentos

Mas a cruz é uma loucura. Na cruz Cristo remiu nossos pecados. Na cruz, Ele continua a nos salvar.
A via sacra passa pelas ruas de nossa cidade e continua pelos caminhos mais secretos da nossa vida.
Jesus Cristo caiu muitas vezes em direção ao Calvário. Não foram somente três. E cada vez que caia, não caia apoiado na cruz. Caia com o rosto em terra, por isso a desfiguração.
Quantas vezes encontramos os nossos irmãos caídos. Não por causa da cachaça, nem por causa das drogas, mas porque o sistema econômico tirou-lhe tudo o que tinha:
- tirou o seu emprego
- tirou a sua casa
- levou-lhe a ficar sem nada
- ficou com o nome sujo na praça, no SPC, no SERASA.
-Ele precisa comer, vestir, dar conforto e bem estar a sua família.
- O salário mínimo dos tempos de hoje deveria ser de R$2.200,00 e, no entanto, não chega a R$600,00.
Vivemos num mundo caótico, que ao invés de darmos as mãos, pisamos na cabeça do outro.
E não sabeis que o irmão é templo de Deus? E que ele faz parte do Corpo Místico de Cristo? Não foi isso que disse São Paulo em I Cor. 3,16.
Prova de amor maior não há, que doar a vida pelo irmão. Eis que eu vos dou a minha ...
Cristo nos amou até o fim. Nos amou de verdade. Deu sua própria vida por cada um de nós.
E a cada um de nós, cabe uma missão: cuidar dos irmãos mais necessitados.
Notem o que eu vos digo: "O que vocês fizerem aos menores dos pequeninos a mim vocês fazem".
Vocês sabem disso, mas não levam a sério.
Pois bem, Ide dizer aos homens que ou os amei. Que eu os amei até o fim. Que dei a minha vida para o bem de cada um. Levem a sério a minha promessa. "O que fizerem ao menor dos pequeninos a mim vocês fazem."

9h - Via-Sacra, na Matriz
15h - Ação Litúrgica na Matriz. É a mais importante Celebração deste dia, distribuição da Sagrada Eucaristia.
15h - Ação Litúrgica no Palmital do Cervo. É amais importante Celebração deste dia, distribuição da Sagrada Eucaristia.
19h - Encenação da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, Sermão do descimento da Cruz no adro da Igreja Matriz. Procissão de enterro (Trazer velas para esta procissão).

TRAJETO DA PROCISSÃO:
Saindo da Igreja Matriz, Rua Arthur Tiburcio, a esquerda Rua Presidente Antonio Carlos, a esquerda Rua Olímpio Virgulino de Sousa, a esquerda Domingos Ribeiro de Rezende (CAPELINHA DE SÃO PEDRO DE RATES - setor norte, CÉLULA MATER DE CACHOEIRA DO CARMO - MG), Rua Arthur Tibúrcio, Praça do Carmo, Igreja Matriz.

DIA 03 SÁBADO SANTO
"Se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, ficará só. Mas se morrer, dará fruto" Jô 12,24

Celebramos a Vigília Pascal. A Vida quer a Vida e não a morte. A Ressurreição de Jesus é o milagre do começo da vida, vida nova a partir da morte. Deus é o princípio e o fim de tudo.

8h00 - Confissão individual, na Matriz.
18h00 - Solene Celebração da Vigília Pascal na comunidade do Palmital do Cervo (Trazer Velas para essa cerimônia) Bênção do Fogo Novo.
20h30 - Solene Celebração da Vigília Pascal, na Igreja Matriz (Trazer Velas para essa cerimônia) Bênção do Fogo Novo.
20h30

DIA 04 DOMINGO DE PÁSCOA
"Eis que estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo". Mt 28,20

A Páscoa de Cristo é sua passagem da morte na cruz para a ressurreição. É sua vitória plena e definitiva sobre a morte e todos os males. A ressurreição de Jesus muda a história da humanidade e de cada ser humano unificando a fé cristã.

5h00 - Missa da Ressurreição na Matriz e Procissão do ?Ressuscitado.
Trajeto da Procissão: Praça do Carmo, Rua Dom Inocêncio, a direita Rua Odilon Pereira, a esquerda rua Oliveiros Reis, a direita Rua Antônio Resende de Vilela, a esquerda Rua José Bressane Sant´Ana e Igreja de Nossa Senhora da Esperança.
9h00 - Celebração da Páscoa na Comunidade do Pouso Alegre
10h00 - Missa de Páscoa, na Igreja Matriz - (Páscoa com as crianças)
13h00 - Missa de Páscoa na Igreja do Cervo
19h00 - Missa de Páscoa na Matriz e Procissão de Nossa Senhora da Alegria - Páscoa com os Jovens)

Trajeto da Procissão: Saindo da Igreja Matriz, Rua Arthur Tibúrcio, a direita Rua Eugênio de Souza, a direita Rua Pe. Godinho, a esquerda Rua Presidente Antônio Carlos, a direita Rua Pe. Joaquim, a direita Rua Dr. Veiga Lima, a direita Rua Arthur Tibúrcio, Praça do Carmo, Igreja Matriz.
20h00 - Décimo primeiro Dançando e Louvando, no Club Operário.
"A Igreja Celebra o tempo de Páscoa, que vai desde o Domingo da Ressurreição até o fim de Pentecostes - mais ou menos 50 dias - como se fosso um só dia, o Grande Dia, antecipação do Tempo que não terá fim. Ele está vivo entre nós! Que ele esteja presente em nossos corações e nos conscientize da importância de espalhar sentimentos de amor, paz, fé, solidariedade, harmonia, esperança e felicidade!"

FELIZ PÁSCOA

Comentários

projeto partilha disse…
Errata. O nome do Diácono, autor do texto/meditação é Prof. Adilson, e não como constou. Professor, receba nossas desculpas. Esteja certo de que, o mais rápido possível, atualizaremos o engano dissolvendo, assim, o equívoco do digitador.
Compreensão, Luz, Harmonia e Paz a todos.
projeto partilha disse…
No próximo domingo, dia 04 de abril, será comemorada a Páscoa. A data significa a passagem da morte de Jesus na cruz e a sua ressurreição. Com Jesus Cristo e, em Jesus Cristo, está a unificação - a unidade da fé cristã. Nele e, por ele, podemos nos considerar irmão.
Neste domingo, 04, as 9h00 haverá celebração na Comunidade Rural do Pouso Alegre. Durante a cerimônia, o Diácono, Prof. Adilson, lerá a seguinte mensagem, texto de sua autoria:
FELIZ PÁSCOA
Bastaram três dias, como também foram três horas.
O que houve foi uma pedra rolada, um túmulo vazio. As mulheres enxergam os panos dobrados e anunciaram uma grande notícia.
Mateus diz que a partir daí, iniciou-se uma procissão composta de mulheres e de discípulos.
Houve uma correria para ver o que havia. E os guardas que ali prestavam serviço ao rei, correram também, para relatar, que o Messias não se encontrava mais no interior do túmulo.
O que de fato acontecia?
Realizado se havia, o que dizia todas as profecias.
Tudo era novo. Invés de guardas havia anjos. Invés de pedra cobrindo o túmulo haviam panos dobrados. Deus nasceu de um sepulcro. Somente os incrédulos continuavam estupefatos. Na cabeça deles o corpo de Jesus havia sido roubado. E os guardas? Tinham dormido? Dormido tinham os discípulos naquela barca e não puderam vigiar uma hora sequer com Ele.
Mas que notícia foram dar as mulheres aos discípulos? E quem chegou primeiro para ver o túmulo vazio?
Eis a notícia:
Cristo Ressuscitou.
Era o primeiro dia da semana.
Era o primeiro dia do Novo Mundo.
E com isso não há mais morte. Não há mais choro. Não há mais grito e nem dor. A alegria toma conta do ser humano. A luz é nova. A água está límpida.
Os caminhos podem ser os mesmos. Mas, acreditem: o pão foi transubstanciado e o vinho também. A carne tornou-se Sacramento de Salvação e por isso os crentes acreditam na ressurreição da carne.
A Páscoa é um grito de paz. Com Tomé ou sem ele, Ele diz:
-----A Paz esteja convosco.
Coragem meus amigos e amigas, rolemos a pedra que está sobre nós. A pedra da incredulidade. A pedra que nos acomoda e nos incomoda. Vamos. O Mestre está vivo. Não fiquem aí chorando. Vão. Anunciem. Ele continua nos dizendo:
----- Eu ressuscitei. Eu preciso ser conhecido. As pessoas precisam saber dessa grande notícia. Vocês precisam fazer acontecer à vida. Eu preciso ressuscitar na vida daquelas crianças que não tem chocolate para comer e nem tampouco comida na mesa. Eu preciso ressuscitar nos corações daquelas pessoas que não têm coragem em partilhar o que tem com aqueles que nada têm. Vamos. Rolem a pedra e anunciem:
Cristo ressuscitou. Aleluia.
Feliz Páscoa.
Assina: Prof. Adilson, em 30/03/10.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se